• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Stan Lee (28/12/1922 - 12/11/2018)

dermeister

Ent cara-de-pau
Jack Kirby e Steve Ditko acabam de ganhar companhia . :(


Detalhes nessa matéria do Hollywood Reporter: https://www.hollywoodreporter.com/news/stan-lee-marvel-comics-legend-721450
Stan Lee, Marvel Comics' Real-Life Superhero, Dies at 95

The feisty writer, editor and publisher was responsible for such iconic characters as Spider-Man, X-Men, Thor, Iron Man, Black Panther and The Fantastic Four — 'nuff said.

Stan Lee, the legendary writer, editor and publisher of Marvel Comics whose fantabulous but flawed creations made him a real-life superhero to comic-book lovers everywhere, has died. He was 95.

Lee, who began in the business in 1939 and created or co-created Black Panther, Spider-Man, X-Men, The Mighty Thor, Iron Man, The Fantastic Four, The Incredible Hulk, Daredevil, Ant-Man and other characters, died early Monday morning at Cedars-Sinai Medical Center in Los Angeles, a source told The Hollywood Reporter.

Lee's final few years were tumultuous. After Joan, his wife of 69 years, died in July 2017, he sued executives at POW! Entertainment — a company he founded in 2001 to develop film, TV and video game properties — for $1 billion for fraud, then abruptly dropped the suit weeks later.

He also sued his ex-business manager and filed for a restraining order against a man who had been handling his affairs. (Lee's estate was estimated to be worth as much as $70 million.) And in June 2018, it was revealed that the Los Angeles Police Department had been investigating reports of elder abuse against him.

On his own and through his work with frequent artist-writer collaborators Jack Kirby, Steve Ditko and others, Lee catapulted Marvel from a tiny venture into the world's No. 1 publisher of comic books and later a multimedia giant.

In 2009, the Walt Disney Co. bought Marvel Entertainment for $4 billion, and most of the top-grossing superhero films of all time — led by The Avengers' $1.52 billion worldwide take in 2012 — featured Marvel characters.

"I used to think what I did was not very important," he told the Chicago Tribune in April 2014. "People are building bridges and engaging in medical research, and here I was doing stories about fictional people who do extraordinary, crazy things and wear costumes. But I suppose I have come to realize that entertainment is not easily dismissed."

Lee's fame and influence as the face and figurehead of Marvel, even in his nonagenarian years, remained considerable.

Beginning in the 1960s, the irrepressible and feisty Lee punched up his Marvel superheroes with personality, not just power. Until then, comic-book headliners like those of DC Comics were square and well-adjusted, but his heroes had human foibles and hang-ups; Peter Parker/Spider-Man, for example, fretted about his dandruff and was confused about dating. The evildoers were a mess of psychological complexity.

"His stories taught me that even superheroes like Spider-Man and The Incredible Hulk have ego deficiencies and girl problems and do not live in their macho fantasies 24 hours a day," Gene Simmons of Kiss said in a 1979 interview. "Through the honesty of guys like Spider-Man, I learned about the shades of gray in human nature."

(Kiss made it to the Marvel pages, and Lee had Simmons bleed into a vat of ink so the publisher could say those issues were printed with his blood.)

The Manhattan-born Lee wrote, art-directed and edited most of Marvel's series and newspaper strips. He also penned a monthly comics' column, “Stan's Soapbox,” signing off with his signature phrase, “Excelsior!”

His way of doing things at Marvel was to brainstorm a story with an artist, then write a synopsis. After the artist drew the story panels, Lee filled in the word balloons and captions. The process became known as “The Marvel Method.”

Lee collaborated with artist-writer Kirby on The Fantastic Four, Hulk, Iron Man, Thor, Silver Surfer and X-Men. With artist-writer Ditko, he created Spider-Man and the surgeon Doctor Strange and with artist Bill Everett came up with the blind superhero Daredevil.

Such collaborations sometimes led to credit disputes: Lee and Ditko reportedly engaged in bitter fights, and both receive writing credit on the Spider-Man movies and TV shows. "I don't want anyone to think I treated Kirby or Ditko unfairly," he told Playboy magazine in April 2014. "I think we had a wonderful relationship. Their talent was incredible. But the things they wanted weren't in my power to give them."

Like any Marvel employee, Lee had no rights to the characters he helped create and received no royalties.

In the 1970s, Lee importantly helped push the boundaries on censorship in comics, delving into serious and topical subject matter in a medium that had become mindless, kid-friendly entertainment.

In 1954, the publication of psychologist Frederic Wertham's book Seduction of the Innocent had spurred calls for the government to regulate violence, sex, drug use, questioning of public authority figures, etc. in the comics as a way to curtail "juvenile delinquency."

Wary publishers headed that off by forming the Comics Code Authority, a self-censoring body that while avoiding the heavy hand of Washington still wound up neutering adult interest in comics and stereotyping the medium as one only kids would enjoy.

Lee scripted banal scenarios with characters like Nellie the Nurse and Tessie the Typist, but in 1971, he inserted an anti-drug storyline into "The Amazing Spider-Man” in which Peter Parker's best friend Harry Osborn popped pills. Those issues, which did not carry the CCA "seal of approval" on the covers, became extremely popular, and later, the organization relaxed some of its guidelines.

Born Stanley Martin Lieber on Dec. 28, 1922, he grew up poor in Washington Heights, where his father, a Romanian immigrant, was a dress-cutter. A lover of adventure books and Errol Flynn movies, he graduated from DeWitt Clinton High School, joined the WPA Federal Theatre Project, where he appeared in a few stage shows, and wrote obituaries.

In 1939, Lee got a job as a gofer for $8 a week at Marvel predecessor Timely Comics. Two years later, for Kirby and Joe Simon's "Captain America #3," he wrote a two-page story titled "The Traitor's Revenge!" that was used as text filler to qualify the company for the inexpensive magazine mailing rate. He used the pen name Stan Lee.

He was named interim editor at 19 by publisher Martin Goodman when the previous editor quit. In 1942, he enlisted in the Army and served in the Signal Corps, where he wrote manuals and training films with a group that included Frank Capra, William Saroyan and Theodor Geisel. After the war, he returned to the publisher and was the editor for decades.

Following DC Comics' lead with the Justice League, Lee and Kirby in November 1961 launched their own superhero series, The Fantastic Four, for the newly renamed Marvel Comics, and Hulk, Spider-Man, Doctor Strange, Daredevil and X-Men soon followed. The Avengers launched as its own title in September 1963.

Perhaps not surprisingly, Manhattan's high-literary culture vultures did not cast its approval on how Lee was making a living. People would “avoid me like I had the plague … today, it's so different,” he once told The Washington Post.

Not everyone felt the same way, though. Lee recalled once being visiting in his New York office by Federico Fellini, who wanted to talk about nothing but Spider-Man.

In 1972, Lee was named publisher and relinquished the Marvel editorial reins to spend all his time promoting the company. He moved to Los Angeles in 1980 to set up an animation studio and to build relationships in Hollywood. Lee purchased a home overlooking the Sunset Strip that was once owned by Jack Benny's announcer, Don Wilson.

Long before his Marvel characters made it to the movies, they appeared on television. An animated Spider-Man show (with a memorable theme song composed by Oscar winner Paul Francis Webster of "The Shadow of Your Smile" fame and Bob Harris) ran on ABC from 1967–70. Bill Bixby played Dr. David Banner, who turns into a green monster (Lou Ferrigno) when he gets agitated, in the 1977-82 CBS drama The Incredible Hulk. And Pamela Anderson provided the voice of Stripperella, a risque animated Spike TV series that Lee wrote for in 2003-04.

Lee launched the Internet-based Stan Lee Media in 1998, and the superhero creation, production and marketing studio went public a year later. However, when investigators uncovered illegal stock manipulation by his partners, the company filed for Chapter 11 bankruptcy protection in 2001. (Lee was never charged.)

In 2002, Lee published an autobiography, Excelsior! The Amazing Life of Stan Lee.

Survivors include a daughter J.C. and younger brother Larry Lieber, a writer and artist for Marvel. Another daughter, Jan, died in infancy. His wife Joan was a hat model whom he married in 1947.

Like Alfred Hitchcock before him, the never-bashful Lee appeared in cameos in the Marvel movies, shown avoiding falling concrete, watering his lawn, delivering the mail, crashing a wedding, playing a security guard, etc.

In Spider-Man 3 (2007), he chats with Tobey Maguire's Peter Parker as they stop on a Times Square street to read news that the webslinger will soon receive the key to the city. “You know," he says, "I guess one person can make a difference … 'nuff said.”
 

Bel

Moderador
Usuário Premium
Vim postar a mesma notícia:

Stan Lee, criador de heróis da Marvel, morre aos 95 anos
Quadrinista participou da criação de super-heróis icônicos como Homem-Aranha, Thor, Hulk, X-Men, Pantera Negra, Demolidor e Quarteto Fantástico.
12/11/2018 16h43 Atualizado há um minuto



Stan Lee — Foto: Reuters/Mario Anzuoni

Stan Lee, roteirista e editor da Marvel Comics, morreu aos 95 anos. A filha de Lee confirmou a morte nesta segunda-feira (12).

Ele passou mal em sua casa em Hollwood, nos EUA, e foi levado ao hospital, onde morreu. Ele sofria de pneumonia e de problemas nos olhos.

Lee had suffered several illnesses over the last year or so -- he had a bout of pneumonia and vision issues.

Ele era o criador de alguns dos mais importantes personagens da Marvel. O quadrinista participou da criação de super-heróis icônicos, como Homem-Aranha, Thor, Hulk, X-Men, Pantera Negra, Demolidor.

Lee foi editor-chefe da Marvel e constantemente fazia aparições nos filmes do estúdio. Ele foi um dos responsáveis pela começo da popularidade da Marvel, em 1961, a partir do lançamento da revista do "Quarteto Fantástico".

Em 1981, Lee transformou seus heróis em desenhos animados exibidos por emissoras de TV.

Quando a Marvel Comics e a Marvel Productions foram adquiridas pela New World Entertainment em 1986, os horizontes do quadrinista foram se expandido ainda mais.

Ele teve a oportunidade de se envolver mais profundamente na criação e desenvolvimento de filmes e seriados.

"Meu pai amou todos seus fãs. Ele era o melhor homem e o mais decente", comentou a filha do editor, Joan Celia Lee.

https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2018/11/12/stan-lee-morre-aos-95-anos-diz-site.ghtml
 

Anexos

  • upload_2018-11-12_17-11-47.jpeg
    upload_2018-11-12_17-11-47.jpeg
    877 bytes · Visualizações: 1

abylos

Usuário
Usuário Premium
Stan Lee, uma das maiores lendas da indústria de quadrinhos e criador de boa parte dos personagens da Marvel Comics, faleceu nesta segunda-feira, 12 de novembro de 2018, aos 95 anos.

A informação foi divulgada primeiro pelo site TMZ, que alega ainda que uma ambulância foi chamada às pressas para a casa de Stan Lee, em Hollywood, na manhã desta segunda-feira. Ele foi levado para o Cedars-Sinai Medical Center, onde não aguentou e faleceu.

O motivo da morte ainda não foi divulgado. Além de seu imenso legado como criador de quase todos os principais heróis da Marvel Comics, Stan Lee deixa também uma filha, J.C.Sua esposa, Joan, morreu em 2017. Ao TMZ, J.C. disse: “Meu pai amou todos os seus fãs. Ele foi grande, um homem decente!”

Fonte
----------------------------------------------

Notícia triste para o mundo dos quadrinhos :-(
** Posts duplicados combinados **
Tava postando e não vi esse...

Como disse la, noticia triste...
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Quando li alguns meses atrás o Stan declarando que não iria mais estar mais presente em eventos do peso de uma Comic Con, já senti ali um certo ar de despedida definitiva e infelizmente acabou sendo.

O que foi consolador é que o mundo dos quadrinhos teve um quadrinista de altíssimo nível, com uma vida bem longa e que permitiu uma enorme contribuição.
 

Melian

Período composto por insubordinação.
Vi a notícia no FB, encarnei a Nienna e tô chorando oceanos.

Ela [Nienna] conhece a dor da perda e pranteia todos os ferimentos que Arda sofreu pelos estragos provocados por Melkor. Tão imensa era sua tristeza, à medida que a Música se desenvolvia, que seu canto se transformou em lamento bem antes do final; e o som do lamento mesclou-se aos temas do Mundo antes que ele começasse. Não chora, porém, por si mesma; e quem escutar o que ela diz, aprende a compaixão e a persistência na esperança. Sua morada fica a oeste do Oeste, nos limites do mundo; e ela raramente vem à cidade de Valimar, onde tudo é alegria. Prefere visitar a morada de Mandos, que fica mais perto da sua; e todos os que esperam em Mandos clamam por ela, pois ela traz força ao espírito e transforma a tristeza em sabedoria. As janelas de sua casa olham para fora das muralhas do mundo. (O Silmarillion, p. 20 - grifo meu).

Como fã da Marvel, estou muito triste. Como maior fã do Quarteto Fantástico (minha equipe preferida da minha editora preferida), estou devastada. Estou me sentindo órfã. Excelsior!

P.S.: Amanhã, quando meus alunos estiverem "daquele jeito", vou dizer: "Eu mereço um desconto, THE MAN nos deixou!"
 

Anexos

  • Excelsior.jpg
    Excelsior.jpg
    164,9 KB · Visualizações: 75

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Mauricio de Sousa relembra quando visitou Stan Lee nos anos 70 em Nova York



Mauricio de Sousa e Stan Lee em Nova York nos anos 1970 Imagem: Divulgação/Mauricio de Sousa

Felipe Branco Cruz
Do UOL, em São Paulo
13/11/2018 11h05

Mauricio de Sousa, o mais famoso quadrinista brasileiro, relembrou da visita que fez a Stan Lee, nos anos 1970, em Nova York. O quadrinista americano, criador de personagens como Homem-Aranha e Homem de Ferro, morreu nesta segunda-feira (12).

O criador da Turma da Mônica, em declaração enviada ao UOL, disse que visitou pela primeira vez o escritório de Stan Lee carregando vários pôsteres da Mônica e que o americano foi muito gentil.

"Perdi a conta das horas, do tempo, que dediquei às leituras das criações de Stan Lee. Por que não marcamos o tempo do entretenimento, do aprendizado. São coisas que nos dão prazer. Mas na vida fora dos gibis também tive meus momentos agradáveis com Stan Lee", disse.

"Foi quando eu o visitei no seu escritório em Nova York carregado de objetos e posters da Turma da Mônica. Ele foi gentil, interessado, e conversamos sem olhar no relógio sobre meu início de carreira e o dele. Durante os anos que se seguiram ele mencionava de forma gentil, em entrevistas, os trabalhos dos nossos estúdios", relembrou.

Daquele encontro, Mauricio de Sousa guarda uma fotografia em preto e branco feita no escritório de Stan Lee. A mesma foto aparece na autobiografia "Mauricio - A História Que Não Está no Gibi". Nela, o brasileiro relembra de todas as dificuldades que enfrentou para apresentar o seu trabalho no mercado internacional.

Na segunda, horas após a morte de Stan Lee, o estúdio Mauricio de Sousa postou nas redes sociais uma homenagem ao quadrinista, com a Turma da Mônica representando alguns dos super-heróis mais famosos da Marvel.

O tributo de Mauricio ainda contou com Cebolinha usando o uniforme do Capitão América (que não foi criado por Lee), Cascão com a icônica roupa do Homem-Aranha e Mônica improvisando o Sansão como o martelo de Thor.

Os personagens da "Turma da Mônica" já brincaram diversas vezes com os super-heróis da Marvel e da DC. Chico Bento já virou o "Caipirão América", Sansão transformou-se no "Coelho de Ferro" e os amigos ainda viraram os "Vingadoidos" nos gibis.
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
As 6 melhores histórias em quadrinhos escritas por Stan Lee!


Roberto Sadovski
14/11/2018 16h29


Hoje começa em São Paulo a exposição Quadrinhos, no MIS – Museu da Imagem e do Som, que traça um panorama incrível e absurdamente completo sobre todos os aspectos das HQs no Brasil e no mundo. Ontem dei uma passada na abertura do evento, e o papo dominante não podia ser outro a não ser a morte de Stan Lee. Fãs, artistas e entusiastas discutiam, entre os corredores enfeitados com arte original de grandes mestres, exemplares raros de gibis fundamentais e uma viagem ilustrada pela cultura pop contemporânea, a importância do ícone da Marvel. Seu legado como porta-voz de uma expressão artística que, se hoje é gigante, é em boa parte por sua contribuição como editor, como garoto-propaganda, como entusiasta e como profissional. E, também, como roteirista. Cheguei em casa lembrando não de personagens, mas de histórias fundamentais criadas (ou co-criadas) por Lee, e como elas vão muito além de uma simples disputa do bem contra o mal. São um espelho que reflete política, religião, filosofia, poder e responsabilidade. O melhor de Stan Lee.

6. "O Bom, o Mau e o Estranho"
Silver Surfer #4, 1968



De todos os personagens criados por Stan Lee, ele nunca escondeu sua predileção pelo Surfista Prateado (como essa lista vai atestar). É a beleza da ficção científica: estudar a condição humana pelos olhos de um forasteiro. Aqui, o andarilho do cosmos, preso em um mundo que o teme e odeia, termina em Asgard, lar dos deuses nórdicos, atraído pelas artimanhas de Loki. Pacifista, o Surfista se vê obrigado a usar seu poder cósmico contra os asgardianos, e termina, influenciado pelo Deus da Trapaça, em um combate com Thor. O traço de John Buscema, talvez o melhor desenhista de super-heróis de todos os tempos, materializa a mistura de fantasia existencialista e pancadaria de ficção científica redigida por Lee à maestria.

5. "A Chegada de Galactus"
Fantastic Four #48-50, 1966



Na metade de sua colaboração histórica em Quarteto Fantástico, Lee e Jack Kirby criaram uma das histórias em quadrinhos mais ambiciosas de todos os tempos, que tratava simplesmente do fim do mundo. Em três edições, Lee e Kirby trouxeram para a Terra o devorador de mundos, Galactus, uma ameaça que logo fica claro a impossibilidade de vitória do grupo formado pelo Sr. Fantástico, Mulher-Invisível, Tocha Humana e o Coisa. A trama, bolada por Lee, desenvolvida por Kirby e finalizada, mais uma vez, pelo roteirista, alterna ação desenfreada com construção de personagens impecável, em especial o solitário Surfista Prateado, arauto de Galactus, que reencontra sua humanidade ao encarar o fim da raça humana.

4. "Homem-Aranha Nunca Mais!"

Amazing Spider-Man #50, 1967



Poder e responsabilidade tem seu preço, e pela primeira vez desde a criação do Aranha, Stan Lee, com arte do incomparável John Romita, faz com que o herói coloque na balança o peso que sua escolha impôs em sua vida. É uma história sem heróis ou heroísmo, mas sobre um sujeito normal que se viu, ainda adolescente, trilhando um caminho extraordinário que lhe trouxe dor e lágrimas. A imagem de Peter Parker abandonando seu traje no lixo é emblemática (foi reproduzida por Sam Raimi no cinema em Homem-Aranha 2), mas o maior triunfo desse conto é mostrar que, por fim, sua escolha já é parte de seu caráter desde que ele decidiu fazer a coisa certa. O uniforme é apenas um símbolo, mas Peter percebe, de maneira clara, que não é este símbolo que faz dele um herói.

3. "This Man, This Monster"
Fantastic Four #51, 1966



Ben Grimm, o Coisa, é um ótimo resumo dos dilemas das criações de Stan Lee. Seus poderes são coadjuvantes à sua humanidade – e este poder tem um preço. No caso de Grimm, o acidente que transformou ele e sua família no Quarteto Fantástico também fez dele uma criatura monstruosa, um colosso de pele rochosa e aparência desumana. Quando um vilão rouba seu poder, devolvendo sua forma humana, Grimm entende seu sacrifício e faz o certo para salvar aqueles que ele ama. Mesmo sabendo o preço que pagaria. É o tipo de história, longe das aventuras bombásticas associadas aos quadrinhos de super-heróis, que definiu a mudança que a Marvel, representada aqui pelo time Stan Lee e Jack Kirby, operou na cultura pop.

2. "Parábola"

Silver Surver #1-2, 1988




Essa minissérie serviu para apresentar o ilustrador francês Jean Giraud, que assinava sua obra como Moebius, ao leitor ianque. Em algum lugar do processo, porém, Lee enxergou algo além. Ele viu na parceria com Moebius a chance de criar a história definitiva do Surfista, ambientando a trama em um futuro distópico em que a Terra está tomada pela apatia, chacoalhada com a volta de Galactus, o devorador de mundos. O Surfista, vivendo entre os humanos em anonimato, ergue-se mais uma vez para enfrentar seu antigo mestre, e o resultado é uma história poética sobre a busca incessante da humanidade por um messias, o fanatismo causado pela religião, o papel da moralidade e do livre arbítrio e, por fim, a natureza da divindade. Uma história de beleza incomparável, que trouxe à tona, mais uma vez, o melhor de Stan Lee como observador da condição humana.

1. "O Capítulo Final"

Amazing Spider-Man #33, 1966



Essa talvez seja a melhor história já publicada pela Marvel, a melhor história de super-heróis de todos os tempos, e com certeza é a melhor história do Homem-Aranha. É também um conto agridoce, o ápice da colaboração de Steve Ditko (que arquitetou a trama em cima da ideia de Stan Lee) e Lee (que finalizou com seus melhores diálogos), publicado quando a relação entre os dois artistas já se encontrava deteriorada. Em busca de um isótopo capaz de curar o envenenamento radioativo no sangue da Tia May, o Homem-Aranha termina soterrado embaixo de toneladas de destroços. O lugar aos poucos é inundado. Exausto, o herói reflete sobre vida e morte e precisa, por fim, encontrar forças para se reerguer. No fim, é uma história sobre a natureza do heroísmo, e resume bem o que Stan Lee buscou quando deu início aos super-heróis humanizados do universo Marvel: ele não escrevia sobre o peso de uma derrota, mas sobre o verdadeiro triunfo ao se reerguer.
 

Reverendo

Usuário
Ótimo.
Agora... John Buscema, talvez o melhor desenhista de super-herói? Com aquelas heroínas, todas com a mesma cara?
Meu voto iria para o Neal Adams.
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Stan Lee ganha memorial em Paris

A morte de Stan Lee em setembro do ano passado foi de grande impacto para a cultura pop no geral, especialmente para os fãs de quadrinhos e super-heróis.

Diante dessa perda, todas as principais produções da Marvel para o cinema e TV trouxeram belas homenagens para Lee, desde participações, mensagens e inscrições durante e após seus filmes e episódios.

Agora, um memorial foi avistado em um muro em Paris, que traz uma pintura de Stan Lee ao lado de ilustrações do Homem de Ferro e Homem-Aranha. A imagem foi compartilhada no Reddit.

Confira abaixo.

Atualmente, os filmes da Marvel que trazem homenagens a Stan Lee nos cinemas são Vingadores: Ultimato e X-Men: Fênix Negra.


 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo