1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Speed Racer vem aí pela NewPOP Editora (29/01/2009)

Tópico em 'Anime & Mangá' iniciado por Administração Valinor, 29 Jan 2009.

  1. Administração Valinor

    Administração Valinor Administrador Colaborador

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    A antologia japonesa Shonen Book, da Shueisha, hoje não existe mais – mas em seu tempo, ela foi palco para grandes autores dos mangás. Nela, Osamu Tezuka criou séries como “Big X”, “Flying Guben”, “Vampire e Lucky Adventure-Ken” entre outros; Shotaro Ishinomori, o criador de “Cyborg 009”, publicava séries como “Zero Zero Shirei” e “George George”; mas um dos nomes mais associados com a história editorial da publicação foi Tatsuo Yoshida. Enquanto os grandes autores acabaram produzindo obras menores de suas carreiras nessa revista, a contribuição de Yoshida com a Book sempre gerou verdadeiros clássicos que de alguma forma ou de outra acabaram sendo conhecidos por nós, Brasileiros: de Junho de 1964 a Maio de 1966, Yoshida produziu "Ás do Espaço", exibido por aqui na época da televisão em preto e branco; de Janeiro de 1962 a Março de 1963, a Book publicou "O Judoca" (“Judo Boy”), exibido em nossa televisão pela Rede Record no começo dos anos oitenta. Mas o seu maior sucesso, definitivamente, foi publicado entre Junho de 1966 e Maio de 1968: a legendária série Speed Racer.




    Originalmente chamada Mach Go Go Go, a série enfocava as aventuras do jovem Go Mifune (batizado assim em homenagem ao então mega-astro Toshiro Mifune, que no mesmo ano do lançamento da série, interpretava o personagem Izo Yamura no filme Grand Prix, de John Frankenheimer, sobre os bastidores do automobilismo). A fórmula era simples e misturava corrida e aventura, muito sob a influência dos filmes de James Bond, e como bom quadrinho japonês de sucesso, não tardou a ganhar as telas de televisão: em 2 de Abril de 1967, começou a ser exibida sua série animada, que teria 52 episódios – e faria história, no Japão e no resto do mundo. Nos Estados Unidos, a série foi trazida pela licenciadora Trans-Lux – e seria esta a versão que ganharia o planeta, com o personagem rebatizado pelo improvável – mas inesquecível – nome de Speed Racer.



    O ponto de partida da série é o desejo do jovem Speed Racer em se tornar um piloto profissional – apesar da não-aprovação de seu pai, Pops. Quando este rompe com a empresa aonde trabalhava e decide criar sua própria escuderia, a Racer Motors, percebe que precisará de muito dinheiro para esse fim – e Speed, decidido a obter dinheiro para o pai, entra em uma corrida com ajuda de seu amigo, o mecânico Sparky. Mas ele terá que enfrentar interesses corporativos, sabotadores e muita gente interessada em uma certa planta oculta em um mero pára-brisas. Nisso, somos apresentados a todos os clássicos personagens que fazem parte da mitologia da série: Trixie, a namorada; Gorducho, o irmãozinho pentelho; Zequinha, o macaco; Sparky; Pops – e, é claro, o inigualável Corredor X, cuja verdadeira identidade a essa altura do campeonato até as pedras sabem. Além disso, veremos novamente oponentes clássicos e únicos que marcaram gerações. Não foi a toa que este mangá acabou inspirando o recente filme dos mesmos Irmãos Wachowski que criaram o universo de Matrix.



    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    A série até hoje é muito popular e teve inúmeros remakes (como o animê “Speed Racer X” ou o mangá infantil “Mach GOGOGO!” de Toshio Tanigami em 1997), além de inúmeras versões em quadrinhos – inclusive, o Brasil chegou a publicar nos anos setenta, via Editora Abril, um quadrinho mexicano de Speed Racer. A Abril chegaria a publicar novamente aventuras do personagem durante a breve fase em que a franquia esteve nas mãos do selo Wildstorm, da DC Comics – notadamente a boa minissérie em três partes com arte e roteiro de Tommy Yune. Mas só tivemos um gostinho do mangá quando a Conrad publicou três aventuras esparsas do personagem em uma edição fechada, baseada em uma edição similar da Wildstorm nos Estados Unidos. Isso foi o mais próximo de contato que tivemos do mangá original...


    ... até agora.



    A NewPOP orgulhosamente apresenta Speed Racer em EDIÇÃO DEFINITIVA – com todas as páginas a cores presentes na sua publicação regular de 1966. O mangá será publicado em dois volumes – e mais detalhes sobre formato e acabamento virão em breve.




    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. alchemistnarutoZ

    alchemistnarutoZ Orzhov Syndicate

    Dois volumes? Então vale a pena!
     
  3. Jhulha

    Jhulha Lurker

    Speed :joy:
    So quero ver o formato.
     

Compartilhar