1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Soneto

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Mavericco, 22 Mai 2011.

  1. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Post retirado pelo autor.
     
    Última edição: 8 Fev 2013
  2. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    São muitas palavras desconhecidas, Mavericco. Tão desconhecidas que não consegui ter uma idéia do significado delas pelo contexto. Aliás, um contexto um tanto vago. Não saberia dizer se é um poeta apaixonado por uma amada indefinida ou uma alma angustiada por sentimentos inexpressíveis.

    Abscôndito e recôndito são sinônimos. Sinônimos que rimam.

    Damas pardas não cantadas? Existem damas alvas não cantadas também. Das mãos delicadas sob luvas. Damas que morreram no milênio passado.
     
  3. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Quando escrevi o soneto, pensei nessa primeira opção mesmo. O sentido realmente talvez tenha ficado meio obscuro... Mas se a amada é obscura, e se o poeta não tem ninguém com quem se agarrar, é preferível que se agarre à métrica... Ou às damas que morreram no milênio passado. Helena já foi cantada por uma horda de poetas maior que a dos troianos ou dos gregos.
     
  4. Calib

    Calib Visitante

    Mas, se se vai agarrar à métrica, não é melhor que se cuide para que o poema esteja bem metrificadinho?

    Eu conto aí versos com 9, 10 e 11 sílabas.
     
  5. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Eita... É verdade :think:
    Sempre esqueço dessa regra... Mesmo quase nunca tendo usado (e achá-la exclusória, ao renegar a um verso a beleza estranha dum proparoxítono ou a leveza dum oxítono).
     
  6. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    O que vale como regra é comunicação do poeta com o mundo. Seja a forma de verso livre ou seguindo o rigor da métrica.:sim:
     
  7. Calib

    Calib Visitante

    Pode ser. Mas, quando se percebe que o objetivo era seguir a métrica e não foi atingido, é um problema. Especialmente se se quer chamar o poema de "soneto".
     

Compartilhar