1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Soneto] Lord Byron

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Mavericco, 10 Dez 2011.

  1. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Post retirado pelo autor.
     
    Última edição: 8 Fev 2013
  2. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    A morte de Byron, ou Byron sobre a morte. Rutílio, como os rubis, ou as safiras, bem azúis safiras. Esse eu sabia porque meu pai é geólogo. Alfombras? Tive que ler seu poema várias vezes para poder entendê-lo, ou ter a presunção de dizer que o entendi. Alfombras? Não tinha a menor idéia do que era. Poetas... bichos inexplicáveis esses... :]

    Correção: viajei sobre rutílio. Nada a ver. Coríndon. Não rutilo.
     
  3. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Confesso que não entendi muito( até pq não sei muito sobre Byron, a fim de entender a possível ligação entre o poema e ele) porém achei muito bonito esse poema, principalmente pelos elementos que vc pôs para criar a atmosfera do mesmo...

    :sim:
     
  4. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    O poema fala do trespasse do Byron ("A dizer que a morte aguardava os flagelos.", ou "Findou por incompleto a epopeia, num espalmo.", referindo-se ao Don Juan). Para alguns detalhes, baseei-me no quadro do Odevaere.

    Quanto aos "alfombras": alfombra é tapete, em geral. Tapete espesso etc. O fato é que o tapete acaba sendo uma metáfora um pouco pessoal, e quer dizer três coisas:
    1. Uma metáfora para o mundo enquanto desejado e subjugado;
    2. Qualquer coisa advinda do interior de uma pessoa que seja materializada e também subjugada (em desejo ou de forma concreta);
    3. Uma extensão do sonho.
    No caso do poema, o segundo significado talvez se encaixe mais: visto que, em outras palavras, o espectro, advindo em pesadelos, e surgido da lira etc, numa grande catástrofe, num grande dilúvio de espectros de alfombras; ou, espectros advindos do interior do poeta, que foram materializados ("advindo em pesadelos") e depois subjugados ("A ver seus monstros sem luz, revérbero, espírito,", onde revérbero pode se referir ao significado da Física de Espectro).
     
  5. SenhorK

    SenhorK Usuário

    Bem clima Byron mesmo e linguagem idem,tão rebuscada quanto.
    Quanto tempo demorou para escrever tudo?
     

Compartilhar