1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Sombras

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Calib, 24 Abr 2012.

  1. Calib

    Calib Visitante

    SOMBRAS

    Na ausência do conforto, me conformo
    em ser e estar. Só vivo.
    O lar sem vida convida ao inferno,
    e o sangue é mais que um elo:
    é já grilhão pesado.

    Três sombras sobre a mesa ora se encurvam:
    no prato, a fome crua;
    na taça, a sede de escapar ao fado.
    À luz de vela, o Vulto
    maior chora insepulto.

    É uma família, como as têm também
    os fungos, os insetos,
    os gases e os metais, e as línguas mortas.
    E há traços em comum
    em todas e entre si.


    (22 DEZ 2008)
     
  2. Calib

    Calib Visitante

    Minha primeira e única tentativa de compor um poema com versos livres e brancos.
    Acabei cedendo inteiramente à força do metro (deca- e hexassílabos misturados com evidente regularidade) e fraquejei um tantinho ante a força da rima (dois versinhos com rima externa).
    Fracassei no propósito, mas de alguma forma simpatizo com o resultado.
    Nem lembrava deste poema (bem, não de cor, pelo menos) e achei-o hoje ao acaso num CD de back-up que fiz em 2008... Hahaha. :D
    Baseado em fatos reais (well, kind of...).
     
  3. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    O resultado ficou bom, de fato; mas que você poderia ter potencializado ele mais se adicionasse o metro e as rimas, acho que você mesmo deve ter percebido... Tanto é que, quando se metrifica por um período, você passa a pensar o verso num ritmo próximo daquele em que o visualizara em sua mente, como pensar as ideias gerais do poema em decassílabos ou em redondilhas maiores: e deve ter sido esse descompasso que deu ao poema uma forma algo estranha... Talvez porque foi sua primeira tentativa, não sei. Mas eu ainda acho que o Calib usando o bom e velho decassílabo heróico tem uma expressão mais acabada que esse dos versos livres, verdadeiras Sombras dos metrificados.
     
  4. Vinnie

    Vinnie Usuário

    Por motivos até meus mesmo, talvez esse seja o poema seu de que mais gostei, Calib.

    Com destaque para o grupo luz / vela / vulto e para o curioso e interessantíssimo parêntese que é a terceira estrofe.
     
  5. Gilda

    Gilda Usuário

    Achei sensacional.
     
  6. Calib

    Calib Visitante

    Obrigado, galera. Mesmo. :D

    @Mavericco: o poema não tem rima, mas tem metro (não é sempre o mesmo, mas há a preocupação da forma nesse aspecto; e você sabe como é tradicional combinar versos hexassílabos e decassílabos).


    E olhem só... Eu encontrei um CD de back-up né, e resolvi compará-lo com o que eu tinha aqui de mais recente e organizar definitivamente a minha produção poética em ordem cronológica. Deletei alguns poucos poemas (digamos cerca de 10%) e cheguei ao que eu considerarei minha coletânea definitiva para os anos de 2004-2011. Mas vejam só...

    Esse poema aí que eu postei - minha primeira e única tentativa de fazer versos mais livres e brancos, como disse - é de dezembro de 2008.
    Depois dele, o único poema que escrevi foi um poemeto lá no tópico dos acrósticos, em março de 2011 (que estou incluindo na coletânea oficial porque o achei legalzinho, apesar de ser jocoso).
    Ou seja, este poema aqui das "Sombras" é minha última produção séria. E isso foi TRÊS ANOS E MEIO ATRÁS.
    :vergonha:



    Preciso retomar a prática de escrever versinhos.
    Aliás, preciso adquirir a prática de escrever - ponto. :D
     

Compartilhar