1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Soldados Americanos Atiram em refém Italiana

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Gabão, 4 Mar 2005.

  1. Gabão

    Gabão Usuário

    Libertada e ferida, Giuliana Sgrena divide Itália entre dor e alívio


    A jornalista italiana Giuliana Sgrena, seqüestrada em 4 de fevereiro no Iraque, foi solta nesta sexta-feira, mas o alívio trazido com sua libertação se arrefeceu após o anúncio dos ferimentos provocados por disparos americanos em Bagdá, que também deixaram um morto e dois outros italianos feridos.

    Reuters
    Giuliana Sgrena foi libertada no Iraque
    Pouco depois de ser libertada, Giuliana foi ferida no "ombro esquerdo" por tiros americanos contra o comboio que a levava ao aeroporto da capital iraquiana, disse o presidente do Conselho Italiano, Silvio Berlusconi, em uma entrevista coletiva. Os disparos partiram de "um posto de controle", informou.

    "O chefe da equipe dos serviços especiais italianos no Iraque, Nicola Calipari, foi morto pelos tiros ao proteger a jornalista com seu corpo", explicou Berlusconi, acrescentando que ela foi levada para um hospital militar americano.

    "Alguém deve assumir a responsabilidade", frisou Berlusconi, anunciando que convocou o embaixador americano na Itália, Mel Sembler, e que ele "já falou com Washington".

    Em Bagdá, o Exército americano no Iraque confirmou que seus soldados atiraram no comboio da jornalista italiana na estrada do aeroporto da capital.

    Especialista em Iraque desde a primeira guerra do Golfo, Giuliana Sgrena se opôs com vigor à campanha militar realizada pelos Estados Unidos desde março de 2003.

    "Ela quase foi morta pelos americanos", revoltou-se o colega de Giuliana, Pier Scolari, ao saber do incidente, por volta de 16h (hora de Brasília). A notícia de sua libertação foi confirmada pouco antes das 15h (de Brasília) pelo presidente da República, Carlo Azeglio Ciampi.

    Anteriormente, a emissora de TV Al-Jazeera divulgou um vídeo em árabe, mostrando a jornalista italiana, de vestido preto, atrás de uma mesa onde havia frutas, agradecendo aos seqüestradores "pelo bom tratamento".

    Na sede do jornal, no centro histórico de Roma, a notícia foi recebida, inicialmente, com euforia e lágrimas, seguido de espanto pelo ferimento.

    "Alegria, alívio, satisfação" pela libertação, mas também "dor" pela morte do funcionário: de um modo geral, estas foram as palavras usadas pelos políticos italianos, de esquerda e direita.

    Do Hospital Gemelli, em Roma, onde se recupera de problemas respiratórios, o Papa João Paulo II disse estar "muito contente" com o desfecho do seqüestro, de acordo com o Vaticano, antes do anúncio de que a jornalista foi atingida.

    O prefeito de Roma, Walter Veltroni, disse que o Coliseu ficará iluminado por toda a noite para comemorar a libertação da jornalista.

    Enviada especial do jornal independente de esquerda no Iraque, Giuliana Sgrena foi seqüestrada quando preparava uma reportagem sobre os refugiados de Fallujah que foram procurar abrigo em uma mesquita de Bagdá após os bombardeios americanos contra o bastião sunita.

    Uma gravação de vídeo foi divulgada em 16 de fevereiro, na qual Giuliana Sgrena, aos prantos, pedia ao povo italiano para pressionar o Governo para que as tropas estrangeiras se retirassem do Iraque.

    Um protesto, organizado pelo jornal, reuniu 500.000 pessoas no dia 19 de fevereiro, na capital italiana. No ato, os manifestantes também pediram a libertação da jornalista francesa do "Libération" Florence Aubenas, feita refém em Bagdá em 5 de janeiro, junto com seu guia iraquiano Hussein Hanun al-Saadi.

    A Itália apoiou a intervenção americana neste país árabe e enviou um contingente de 3.000 homens para Nassiriyah (sul), em junho de 2003

    Por Patrick Crampont

    fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Dwain

    Dwain Banned

    Uma terceira guerra mundial pode esta por surgir....tal divergencia entre potencias é de extrmo perigo
     
  3. Débora Elbereth

    Débora Elbereth Usuário

    E o brasileiro sequestrado?
    Eu não sei o que houve com ele...
     
  4. aquele que veio do oeste

    aquele que veio do oeste Aquele que veio do Oeste

    poxa, eu vi a entrevista da mulher daquele cara. Você viu também?, não seii como a mulher daquel cara manteve aquela calma,.

    Realmente sinto pena de quem ta na mão do povo :(
     
  5. Débora Elbereth

    Débora Elbereth Usuário

    Realmente, é uma situação muito triste, além do mais ele está na mão de Outro povo... eu não compreendo porque sequestratam um brasileiro, já que nosso país nem mesmo tomou uma posição favorável à permanência das tropas americanas no Iraque... nessa altura do campeonato, acho que todo estrangeiro é considerado "lucro"...

    Enfim, não foi dito mais nada a respeito desse homem?!?
     
  6. aquele que veio do oeste

    aquele que veio do oeste Aquele que veio do Oeste

    seria legal, se eles olhasem e dissesem " ah, você é brasileiro! vamos tormar uma cervejinha ?" seria mais massa. XD



    Eu não ouvi =|
     
  7. Denethor II

    Denethor II Pontífice Inquisidor de Gondor

    A italia não tem potencia diplomatica nem militar nem politica.
    o acontecimento teria sido realmente grave se tivesse ocorrido com uma francesa ou alemã, pois daí a UE realmente vetariam qualquer posição dos EUA. A história da Italia mostra que ela abre a perna facil, isso faz com que as pressões diplomaticas sejam minimas... Se ele tivesse que escolher, teria escolhido atirar em uma italiana mesmo...
     
  8. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    é o q dá kerer impor a sua verdade e o seu conceito de bem pra otro povo.....
    essas tragédias vão continuar por mto e mto tempo e provavelmente nem acabarão......a naum ser q seja com otra tragédia de exterminio geral dos rebeldes.....
     
  9. Débora Elbereth

    Débora Elbereth Usuário

    Vi ontem na tv que existe o boato de que o brasileiro foi morto, mas ainda não foi confirmado :(
     
  10. Carladriel

    Carladriel Usuário

    Absurdo o q aconteceu. E a desculpa q deram foi "os soldados devem pensar numa fração de segundos" :disgusti: Será q depois dessa o governo italiano ainda vai apoiar Bush Jr?

    A jornalista italiana disse q até o dia em q ela foi libertada, ele ainda tava vivo :pray:
     
  11. Fingolfin

    Fingolfin Feitiço de Áquila

    Eles não querem ser contra o Brasil, mas contra empresas estrangeiras que trabalham para o Governo Americano na "reconstrução" do Iraque. Foi o caso da Odebrech, que fazia obras no Iraque.

    Oq eles querem é dizer... não venham pra cá nos "ajudar" q senão metemos bala em vcs.
     
  12. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    aspas mto bem usadas.....
     

Compartilhar