1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Só a Terra Permanece, George R. Stewart

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Gigio, 29 Ago 2010.

  1. Gigio

    Gigio Usuário

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    Imagine que em um dia aparentemente comum, de forma totalmente inesperada, você descubra que 99,99% da humanidade tenha sido extinta, que apenas algo em torno de 1 pessoa a cada 100 mil tenha sobrevivido. O que você faria? Dirigiria a primeira Ferrari que encontrasse? Ok, toda a infraestrutura foi mantida intacta, você pode fazer quase tudo que sempre desejou em termos materiais, mas e depois? Que tipo de vida seria possível manter?

    Essa é a reflexão que serve de base para a história de "Só a Terra Permanece", de George R. Stewart. O protagonista, Ish, retorna de uma pesquisa de campo, onde esteve isolado, para descobrir um mundo fantasma. Através de uma reconstrução dos acontecimentos, por jornais antigos, etc, ele compreende que uma doença altamente contagiosa e altamente letal havia se espalhado entre os homens. Não existe possibilidade de cura, não existe luta contra o mal... Todos estão mortos e ponto. E a partir daí, a história acompanha a vida de Ish, por vários anos, a busca por outros sobreviventes, a construção de uma pequena sociedade, até a sua morte - a saga do "último americano".

    O elemento mais impressionante do livro é a capacidade reflexiva do George Stewart, a maneira como ele parece ser capaz de compreender como cada pedaço da nossa civilização iria se perdendo a partir do momento que não houvesse mais todo este enorme contingente de pessoas pensando e trabalhando. O personagem central é um acadêmico, um geógrafo de formação, um observador perfeito para todos os processos que se seguem. Mas como ele mesmo admite durante a história, com um grau crescente de resignação, reverter ou conduzir esses processos está além das suas forças...

    O livro é de 1949, e embora não tenha sido o primeiro nesse gênero, acho que domina de forma tão abrangente as possibilidades criativas que outras histórias semelhantes, como "Mad Max" e "Eu Sou a Lenda", ficam parecendo meros reflexos. Para mim, um livro que deveria ser lembrado ao lado de outros clássicos da ficção científica como "Admirável Mundo Novo" e "1984", como uma história que apresenta, sob a perspectiva de uma visão do futuro da humanidade, uma reflexão sobre a própria natureza do homem.

    Há uma tradução pela GRD (aleluia!), mas na verdade não sei como ficou a qualidade...
     
  2. Anica

    Anica Usuário

    ca-ra-ca, nunca tinha ouvido falar. fiquei muito curiosa, gigio o_O
     

Compartilhar