1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Site de Yoani Sánchez é bloqueado em Cuba, diz AFP

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Fëanor, 26 Mai 2014.

  1. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Acesso é possível a partir de servidores de outros países; maioria dos cubanos não pode ler o jornal, já que apenas 2,6 das 11,2 milhões de pessoas têm acesso à internet e muitos só podem ver a rede controlada pelo governo


    O novo site de notícias "14ymedio" da blogueira opositora Yoani Sánchez foi bloqueado nesta quarta-feira nos servidores cubanos três horas depois de ter sido lançado na internet, conforme aponta a agência AFP.

    Ao entrar na página, o conteúdo que aparecia nos servidores cubanos não era o genuíno, mas uma página chamada "Yoanislandia.com", que continha ataques contra a blogueira opositora ao governo cubano e incluía diversos artigos assinados por blogueiros a favor da ditadura do presidente Raúl Castro.

    O site foi lançado por Sánchez às 08h00 locais (09h00 de Brasília) e o bloqueio teve início às 11h00 (12h00 de Brasília), comprovaram jornalistas da AFP. Utilizando servidores em outros países é possível visualizar o conteúdo original da página.

    "Yoani Sánchez só pensa no dinheiro, descobre tardiamente um de seus tradutores", era o título da principal matéria da página substituta, em alusão a uma disputa entre a blogueira e seu tradutor italiano.

    Esta página, com o mesmo endereço que a original de Sánchez, continha ainda artigos assinados por Iroel Sánchez e M.H. Lagarde, dois conhecidos blogueiros cubanos.

    "Este é um site de pessoas fartas de que Yoani Sánchez se apresente como a Madre Teresa de Calcutá dos dissidentes cubanos", dizia uma mensagem intitulada "Quem somos" da página substituta, que exibia ao fundo bandeiras dos Estados Unidos e da União Europeia, e outras com os nomes de meios de comunicação estrangeiros críticos do governo cubano.


    Primeiro jornal digital independente de Cuba

    O site é o primeiro jornal digital independente da ilha comunista, em um desafio ao monopólio estatal sobre os meios de comunicação em um país onde o acesso à Internet é limitado.

    O 14ymedio.com foi lançado online com doações não identificadas de cerca de US$ 150 mil, com o foco em dar espaço para críticas ao governo, que por sua vez vê adversários como mercenários a serviço de potências estrangeiras que podem ser punidos com prisão. "'14ymedio' é a evolução de uma aventura pessoal em um projeto coletivo", diz a publicação.

    A primeira edição do jornal conta com uma ampla gama de temas, de política a cultura, com ênfase na crítica ao sistema de saúde cubano e um questionamento do status do beisebol como esporte nacional.

    A cobertura inclui o artigo "Madrugada Vermelha: Havana está matando por aí", de Victor Ariel González , sobre a violência na capital da ilha.

    Também inclui artigos de opinião sobre o plano de reforma econômica que o presidente cubano está implementando, assinado pela também blogueira dissidente Miriam Celaya, entre outros.

    A publicação também traz entrevistas, reportagens e discussões sobre a participação dos cidadãos e o jornal do futuro.

    A maioria dos cubanos não pode ler o jornal, uma vez que apenas 2,6 milhões de pessoas de uma população de 11,2 milhões têm acesso à Internet e muitos só podem ver a Intranet controlada pelo governo.

    Yoani, de 38 anos, é uma crítica severa do governo, contra o qual promoveu ataques em seu popular blogue "Geração Y" e em sua conta da rede social Twitter. Seus posicionamentos a levaram à prisão em várias ocasiões.

    O nome do jornal é em homenagem ao ano em que foi criado e ao andar do apartamento onde Yoani vive. A equipe editorial é dirigida por seu marido, Reinaldo Escobar.

    A equipe inclui outros profissionais, além de dois jornalistas, há um dentista, um engenheiro civil e outros. De acordo com Yoani, eles não serão pagos pelo trabalho.

    A publicação não tem uma redação em Havana ou conexão de e-mail. Os jornalistas vão usar mensagens de texto de telefones celulares. As histórias serão enviados para a internet através de acesso sem fio a partir de hotéis e locais públicos.
     
  2. Paganus

    Paganus Visitante

    Noss, que triste...

    Ela que agradeça por ser apenas o site e não acabe presa, ou executada. Isso é uma víbora, uma lacaia dos inimigos do socialismo cubano, uma apóstola do globalismo mais insidioso.
     
    • LOL LOL x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
    • Bobo Bobo x 1
  3. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • LOL LOL x 4
  4. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    O comércio do medo lida com uma força que o comerciante não pode prever. É como Yoda em Star Wars dizia, que o medo é uma porta para a maldade. Quanto maior a quantidade de medo e de herdeiros legítimos do medo, mais espaço para a disseminação da maldade. No Brasil, com 50 mil mortos alimentando o medo, a maldade tende a alcançar níveis altos o bastante para mudar a própria identidade do povo.

    E então cada vez mais uns olham os outros como se fossem um patifes, sem haver qualquer compromisso com a análise de méritos e deméritos técnicos das coisas. A finalidade do comportamento medonho é haver apenas uma atmosfera sufocante com a medida da patifaria.
     

Compartilhar