1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Sistem de Educação público

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por BeorZenni, 9 Nov 2010.

?

O que vocês acham da Educação no Brasil?

  1. O Brasil deveria ser obrigado a oferecer faculdades gratuitas para todos a ponto de transformar todo

    1 voto(s)
    33,3%
  2. O Brasil não tem condições já que não da conta nem de construir creches e escolas publicas que já sã

    2 voto(s)
    66,7%
  1. BeorZenni

    BeorZenni Usuário

    Hoje em dia no Brasil é dever do Estado oferecer de forma gratuita educação basica, ou seja, o ensino infantil, ensino fundamental e ensino médio, no entanto apesar de ser obrigação do Estado, o que podemos notar na pratica é que mal o Estado da conta de construir creches, quanto mais escolas de ensino fundamental ou ainda ensino médio.
    Na Alemanha por exemplo o Estado oferece o ensino infantil, ensino fundamental, ensino médio e ensino superior(faculdade), tudo de graça, não existe na Alemanha nenhuma faculdade particular, todas são públicas e gratuitas, e o sistema de ensino alemão é considerado o melhor do mundo.

    Vocês acham que no Brasil devera ser obrigação do Estado oferecer ensino superior gratuito (assim como as Universidades Federais que tem apenas uma por estado brasileiro) e acabar com as faculdades particulares?
    Ou vocês acham que o Brasil nunca teria condições de chegar nesse pontode oferecer faculdades publicas gratuitas para todos já que nem das creches, ensino fundamental e médio o Estado brasileiro consegue dar conta e se não fossem as escolas particulares o ensino no Brasil seria ainda pior?
     
  2. Astronauta

    Astronauta WTF Elrond?!!?

    Manter a estrutura atual, mas com melhorias no ensino fundamental e médio. Também sou favorável à cobrança de mensalidade em universidades públicas, mas com política de subsídio e isenção para alunos proporcional à renda familiar. Um exemplo atual é a cobrança de uma taxa de Fundo de Contribuição de Bolsas semestral na UFMG. A taxa (atualmente acredito que é cerca de 200 reais) é revertida para assistência social de alunos carentes, e quem não pode pagar pede isenção da mesma.

    Quanto ao ensino fundamental e médio, sou favorável a um currículo menos baseado em decoreba, e quando possível, aplicável à vida prática.

    No ensino médio, acho que as 8 disciplinas básicas devem ser obrigatórias, com quase todo o conteúdo programático 'clássico'. O que muda é a profunidade, algo além do ensino fundamental, mas sem tanto exagero adotado atualmente, por exemplo:

    - em Matemática: o ensino dos conceitos básicos de trigonometria, mas sem necessidade de aprofundar em cálculos mirabolantes. O melhor é aprofundar outros tópico que tenham mais aplicação "no cotidiano", como matemática financeira;
    - Física: o mesmo, qual a necessídade de tantos cálculos? Conceitos de mecânica, termodinâmica, eletricidade, etc. são suficientes;
    - Química: para quê decorar as camadas atômicas, fórmulas químicas?
    - Biologia: para quê decorar todas as fases da divisão celular, da embriologia, da taxonomia? Foco em saúde, ecologia seriam interessantes;
    - Inglês (eu penso que esse idioma deve ser obrigatório, e outros optativos): interpretação de textos e vocabulário, e menos gramática;
    - Língua Portuguesa e Literatura: muita leitura, muita redação;
    - História e Geografia: menos decoreba, mais interpretação e discussão dos fatos.

    Cada disciplina poderia ter um "ciclo básico" no primeiro e segundo ano, e no terceiro, como carga optativa, o conteúdo aprofundado. Outras disciplinas, como Filosofia, Sociologia, Educação Artístca também poderiam ser optativas (com um número mínimo para aprovação).
     
  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Uma coisa que eu não entendo no ensino do Brasil: Qual a razão de se ensinar que aquela oração é subordinada adversativa objetiva indireta? Deviam gastar mais tempo ensinando regras de gramática, já que saem da escola sem saber escrever direito, as regras de pontuação etc.
     
  4. Alassë

    Alassë Pasteleira

    Não existe só 1 Universidade Federal por estado, não. Tem diversas! Se são necessárias mais, isso é discutível. Mas não faz nenhum sentido acabar com as particulares. É um direito que elas têm de existir. Assim como escolas particulares; se vc quiser que seu filho estude num colégio de ensino bilíngüe você não pode ter essa opção? Caso exista escola pública pra todos, teria que ser obrigado a cursá-la? O foco não é esse não.

    Essa discussão de ensino público é extremamente complexa, porque são infinitos os pontos problemáticos. Ah, se fosse só quantidade! O negócio é que não adianta abrir 500 escolas e não ter professor, material, infraestrutura, etc.

    Vale lembrar que existe uma "divisão" de responsabilidades entre cada esfera: de modo geral, ensino infantil e fundamental I são de obrigação do Município; fundamental II e médio do Estado; superior do Gov. Federal. A instância maior engloba as menores, e nada impede das menores também oferecerem serviços que seriam de obrigação das maiores (por exemplo, existem faculdades municipais). Daí entramos no quanto do orçamento de cada esfera é destinado pra Educação. É coisa demais pra querer fazer uma análise simplificada. O "Estado" aqui não é uma coisa só.

    Quanto ao currículo, que Astronauta e Morfindel criticaram, isso quem define é cada Estado/Município. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira não aponta especificidades de currículo por ser nosso país imenso demais pra "generalizar". Coisas importantes de serem ensinadas num estado podem não ser em outro.

    E, como profa. de Química, defendo meu lado: Astronauta, em lugar nenhum exige-se que sejam decoradas camadas atômicas e fórmulas químicas. O que se decora é pelo uso freqüente; o intuito é sempre usar a lógica e o raciocínio pra se entender e explicar os fenômenos.

    E eu acho que o pessoal reclama demais da escola, que não é de qualidade, etc, mas se a gente tenta puxar um pouco mais, logo vem o discurso "pra que preciso saber isso?". Na real, todo mundo só precisa saber ler, escrever e executar as 4 operações.
     

Compartilhar