1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

"Shogun" (James Clavell)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Elendil Voronda, 26 Set 2003.

  1. aistano

    aistano vulgo Gilvan Borges

    estou lendo o volume único da nova edição do Xógum, e fazia tempo não tinha tanto prazer com uma leitura quanto agora. Faço anotações a cada página sobre nomes, termos e costumes, e não me canso de aprender sobre a cultura do japão feudal, é simplesmente única, não consigo tracar paralelo contundente com nenhuma cultura ocidental. James Clavell nos dá uma oportunidade única de ingressar no idioma, política e nos costumes desse povo.

    Quanto à analogia de Toranaga com Tokugawa Leyasu, é correta, e pelo que sei, amplamente divulgada. Assim como há a analogia do personagem principal Blackthorn com o famoso navegador ingles William Adams

    Bom, pelo que entendi lendo o livro, e depois ao ver alguma bibliografia, é o seguinte:
    1 - As atribuições desses títulos variaram de importância ao longo da história do japão, assim considerando a época em questão

    - o Shógun, (ou Comandante do Exército, ou Generalíssimo dentre outros nomes) era nomeado diretamente pelo imperador vigente, e estava exercendo o poder de fato, possuia toda a renda(ainda que não o solo em si) produzida pelos camponeses, tinha(ou deveria ter) a lealdade de todos os daimyos(senhores menores) e de todos os samurais(a ''casta'' guerreira). No período de Toranaga, o Seii Shõgun gozava de poderes absolutos, que não foram originalmente imaginados à época da criação deste título.

    - O imperador, segundo informa Clavell, deveria ser obrigatoriamente descendente de uma das três famílias com origens "divinas". E, supreendentemente, essas linhagens permaneceram intactas, mesmo durante as intermináveis disputas de poder e guerras civis.

    -O Kanpaku, ao menos em teoria, era o título do tutor de um príncipe ou futuro imperador, até que o mesmo atingisse a maioridade. Mas também foi usado para delegar poderes de "primeiro ministro" ou "primeiro secretário de governo", nesses casos atuando como um conselheiro imediato de um imperador adulto.

    Espero ter sido útil. Sei que a política japonesa é extremamente sutil e volátil, essa foi apenas uma tentativa de recorte cultural para o período tratado, e considerando o modo como o autor tratou os títulos no livro.


     
    Última edição: 13 Ago 2009
  2. nortonff

    nortonff Usuário

    Comprei Xógum na última feira do livro da minha cidade. Tive a sorte de achar o único da feira toda e lacrado ainda ! Ainda não o li, mas vontade não falta.
     
  3. Roger

    Roger HEXACAMPEÃO BRASILEIRO!!!!!!!

    Se não me engano, o imperador era descendente da familia real, que seguia uma linhagem initerrupta.
    O Xogum e que deveria ser obrigatoriamente descendente da tres familias semi reais, no livro, se nao me engano Minowara, Fujimoto e Takasima, por as mesmas teram sangue imperial.
    Mas o imperador nunca era delas, e sim de uma linhagem propria.
     
  4. Para os Fãs de Shogun desavisados: James Clavell escreveu muitos outros livros.
    Em termos de cronologia seria assim: Shogun/1600, Tai-Pan/1841, Gai-Jin/1862, King Rat/1945, Casa Nobre/1960, Turbilhão/1979... Assim como Shogun é sobre o Japão, Tai-Pan e Casa Nobre se trata sobre o intercâmbio comercial e cultural entre chineses e ingleses. Gaijin trata de Descendentes de alguns personagens de Shogun e Taipan e novamente, a estranheza entre ocidentais e orientais na rígida e xenofóbica Sociedade Japonesa de 1840. Essas são as minhas preferidas....
     

Compartilhar