1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

(sem título)

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por hemispheriomeridional, 16 Set 2008.

  1. Para aqui, para já, estou sem inspiração. Desinspirado. Falta inspiração. Apenas expiração desequilibra a respiração ... Acho que por isso o afogamento e a segunda-feira têm algo em comum. Têm algo em comum ... Tenho a impressão de estar afogado pelas águas do futuro, as águas inexistentes do futuro dos tolos! (Em tão trágico!)
    _ Lembro-me dos dias em que fui encantado por uma ninfa, que usava seus encantos, e permitia-me que respirasse mesmo debaixo de muitas águas vagas ... Não sei se voltarei a respirar ...
    _ Deveria sentir-me cercado de pó e areia, por todos os lados, mas não é como me sinto.
    _ Eu me sinto como quem habita um labirinto de Atlântida, com um peso preso ao pé ... Com correntes de ferro, que levam milênios e milênios para deteriorar-se. E ainda tenho que fugir do monstro do labirinto ... Ou dizer ao animal que fique quieto, e me deixe dormir sem os olhos em cima de mim ... Mas é pior debaixo d'água, porque dentro d'água é difícil respirar, pois só sendo peixe, e eu não sou peixe. Nem sequer peixe de fogo, não mais.
    _ Fui pescado. Me fizeram filho de homem. Me tiraram de debaixo d'água e, mesmo com tudo, quando sem inspiração, fica difícil respirar. Sem pão fica difícil encontrar inspiração e, verdade seja dita: ontem não comi pão. Anteontem não comi pão. Acho que só no dia anterior àquele comi algum pão e estou com fome. E com fome fica difícil ter qualquer tipo de inspiração ... E o coração bate por um milagre, o milagre da vida.
    _ As águas imaginárias dos dias sem (um pingo) de inspiração ... A náusea da monotonia ... Três dias na barriga de um grande peixe, que se tornaram nove meses, dez meses de comer moluscos e petiscos indigestos aos homens que não pertencem ao mar ...
    _ Nem ao mar de palavras, ferreiro?
    _ Nem às muitas palavras, não, pois o ferro n'água enferruja ... Ferro é feito para se trabalhar com ferro e fogo, e para cortar madeiras ... E para matar homens.
    _ Não, nem as muitas palavras. Em meio às muitas palavras, às vagas de palavras, também me afogo, me afogo pois não posso respirar.
    _ Gostaria de poder respirar, mesmo produzindo tantas e tantas palavras, coisas já ditas d'antes por d'outros ... Desesperos já até então ensaiados. E os inéditos que já foram comidos pelos povos das sombras, de alguma maneira extraordinária e milagrosa!

    [align=center]:tchitum:[/align]
     
  2. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Será que tudo mesmo já foi dito nessa sociedade? O que eu sei é que a falta de inspiração literalmente sufoca, sufoca a´lma. Porém acho que nós sempre vamos ter um encanto repentino como esse, para darmos um jeito no nosso futuro, antes que a monotonia realmente nos mate sem palavras...muito bom Ferreiro!
     

Compartilhar