1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Sem título n. 39

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Luciano R. M., 18 Jul 2009.

  1. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    E então
    ela morreu. Sem
    motivos e sem
    justificativas.
    Pura e simplesmente,
    ela morreu. Pendurou
    o próprio corpo
    em uma corda
    e ali ficou, pendendo
    pelo pescoço. Sem
    poemas e sem réquiens,
    ela morreu. E amanhã
    o dia vai nascer
    como se ela nunca
    tivesse existido.
     
  2. Anica

    Anica Usuário

    Adorei, mesmo. Mas tem uma coisa no seu estilo de escrever que sempre me deixa com uma pulga atrás da orelha. por exemplo:

    ela morreu. Pendurou
    o próprio corpo


    a ideia da mudança de um verso para outro é a da pausa, e deixando algo assim, "pendurando (pausa) o próprio corpo" às vezes soa meio, sei lá, não-fluente. vc faz isso de um jeito intencional, quer realmente que o leitor dê uma paradinha ates da continuação? Qual efeito exatamente você espera causar quando distribui as palavras desse jeito?
     
  3. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Obrigado Anica! É bem legal saber que tu gosta!

    E assim... A idéia é justamente tentar suprimir a idéia de pausa. Talvez eu ainda não tenha descoberto um jeito realmente bom de fazer isso, mas... A idéia é deixar a coisa toda mais rápida ainda.
     
  4. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Sabe a impressão que deu Luciano? Primeiramente, um poema de safra, onde nem nome tem, apenas o reconhecemos pelo número 39. Claro, isso é proposital, pois é bem explícito no escrito que morrer é morrer, sem cerimônias e nada mais que isso. Em outras palavras, somos números, fazemos esses números todos os dias, ou seja, somos apenas mais um por aqui.
     
  5. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Luciano vc foi feliz no que escreveu,acertou principalmente no título que passou a idéia de que somos apenas mais um, como disse o Fernando Giacon no comentário dele.Muito bom!!!
     
  6. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Gracías!

    Um adendo quanto ao título, Fernando: além disso que tu falou, de deixar mais 'anônimo', quando eu comecei com os 'sem título' eu roubei isso da pintura... Em que muitos quadros não tem título, recebem apenas um número, para descaracterizar um pouco a poesia em si: afinal, eu uso um recurso de outra 'forma de arte'.
     

Compartilhar