1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Secretaria estuda recomendar criação de cotas raciais por decreto

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 2 Set 2010.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Universidades devem ser orientadas para criação de cotas raciais.
    Eloi Araujo informou que documento será apresentado até 20 de outubro.


    O ministro da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Eloi Ferreira de Araujo, informou ao G1 que um grupo de trabalho da secretaria trabalha atualmente em nota técnica que deve recomendar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que crie cotas para negros em universidades federais por meio de decreto.

    De acordo com ele, a nota técnica será finalizada e entregue a Lula até o dia 20 de outubro, dia em que o estatuto entra em vigor. O texto foi sancionado pelo presidente no último dia 20 de julho e tem 90 dias para começar a vigorar.

    Logo após a aprovação do estatuto no Senado, antes da sanção presidencial, Eloi Araujo falou ao G1 que o estatuto permitia a criação de cotas sem que uma lei sobre o tema fosse discutida e aprovada por deputados e senadores. Na ocasião, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) disse que isso era uma tentativa de "golpe". "Isso é o que se chama de tentativa de fazer com que o Congresso brasileiro seja fechado ainda que esteja aberto. Essa matéria tão polêmica deve ser regulamentada evidentemente através de uma lei. (...) É o que se chama de falsa polêmica. O ministro se viu derrotado em uma posição e tenta dar um golpe".

    De acordo com Eloi Araujo, não se trata de golpe porque a lei é clara. "A lei é soberana. É dura, mas é a lei. E prevê a adoção de ações afirmativas. O Congresso aprovou essa lei." Ele afirmou crer que uma definição sobre um eventual decreto para estabelecer cotas saia ainda neste governo.

    Eloi explicou que o grupo de trabalho é formado por técnicos da secretária, como professores e advogados. Esse grupo será responsável pela nota técnica que vai dar uma diretriz sobre o que deve ser regulamentado no estatuto. Cinco temas devem ser priorizados: educação, trabalho, moradia, cultura e saúde.

    Cotas sociais
    O ministro afirmou ser contra universidades que privilegiam cotas sociais a cotas raciais. Estudo do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp) divulgado no começo desta semana mostrou que 71% das universidades federais e estaduais já têm cotas com base em seus conselhos ou leis estaduais. A maioria das instituições, porém, favorece as cotas sociais, para quem vem de escola pública.

    Segundo ele, ações afirmativas que só privilegiam o lado social, sem analisar a questão racial, devem ser revistas. "Essas medidas precisam ser revistas porque deveriam ser observados dados técnicos oferecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Se a população é composta por 80% de pessoas que ganham até cinco salários, então vamos fazer isso. Se for qualquer outro número, é só para dizer que está fazendo. É coisa para inglês ver. É como se não tivesse havido a grande ofensa da escravidão e houve. Qualquer informação que não leve em consideração a gravidade que foi a escravidão, não é sequer educativa. Deveria observar os dois aspectos, sociais e raciais."

    Para Eloi Araujo, no entanto, pode-se discutir por quanto tempo as cotas raciais seriam válidas. "Isso é justiça social e não precisa ser para sempre. Podemos estabelecer por um período, duas décadas, e depois analisar a evolução."

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Quando escuto falar em cotas me vem à cabeça o que o governo deixou de fazer antes e agora decide colocar um paliativo para remediar. Dá a impressão de que não estão resolvendo o problema na causa, com prevenção e planejamento, mas de cima para baixo e de qualquer jeito, sem abrir de forma real as portas do ensino. Tem-se o perigo de sucatear mais o ensino.
     
  3. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Esse ministro tem total razão em tudo o que disse, afinal de contas, pretos e partos são mentalmente subdesenvolvidos em relação à raça ariana e realmente não conseguem entrar sozinhos nas universidades e são extremamente necessitados de cotas.

    Também sou a favor de cotas para índios, portadores de nanismo, albinos e loiras naturais (com ressalvas para loiras artificiais, mediante teste).
     
  4. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Você esqueceu da cota para as minhocas. Os animais não terem evoluído é culpa do homem, que não deixou outras espécies se desenvolverem.
     
  5. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    É hipocrisia e confissão de incompetência do Estado, resolvam a educação básica e não precisaremos de cotas, e esse ministro é bem racista.
     
  6. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Do homem branco, você quer dizer, né?
     
  7. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Eu concordo com as cotas, sério mesmo. Eu tive, em 5 anos de Universidade Pública 2 colegas negros e nenhum indígena. Algo está muito errado aí. DOIS. Enquanto o governo não resolve na origem de tudo, como vocês apregoam, que seja então por força de lei. Que se queime uma etapa, então. Que aprendamos na marra, já que de outro jeito não é possível, pelo menos não a curtíssimo prazo.

    DOIS. Algo está tremendamente errado aí. E países que resolveram ou estão em processo de resolução de problemas raciais tiveram de conseguir muitas mudanças por força de lei. O ser humano não é bonzinho não.
     
    Última edição: 3 Set 2010
  8. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    Volto a afirmar, cotas para negros é preconceito, embora cotas para estudantes públicos é até aceitável, ambos mediantes comprovação de pobreza.
     
  9. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Ah, só para reforçar. Eu estou fazendo pós agora e ando frequentando de novo a Universidade. A situação parece ter melhorado em 100%. Acho que já tem uns quatro alunos negros estudando lá.
     
  10. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Sei lá se é ignorância minha.

    Mas você mora no Rio Grande do Sul. É o estado (e a região) que na minha concepção, tem o menor número de negros do país.

    Eu conheço muitos brancos (eu incluso) que receberam o ensino fundamental e médio em escolas públicas, juntamente com vários negros. Ou seja, eu tenho as mesmas condições que eles para entrar numa faculdade. Posso ser mais ou menos inteligente que alguns deles. Assim como eles podem ser mais ou menos inteligentes que eu. Então, porque eles têm cotas e eu não? Porque eles devem ser privilegiados na hora de se conseguir uma vaga e eu, que recebi o mesmo trato do governo, tenho de ralar e estudar?
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  11. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Proporcionalmente sim, mas o número de mestiços e negros ainda ganha fácil da população branca. Mas o fato de uma faculdade com quase mil alunos entre graduação e pós ter só dois alunos negros mostra uma situação que não vai ser resolvida tão cedo se não houver um fato que force a mudança goela a baixo. Se vai dar certo ou não é outra história. Eu acho que pelo menos é uma tentativa válida.

    Pois é, seguindo essa lógica deveria haver bastante alunos negros nas Universidades. Não sei então por que não há, já que eles tem as mesmas oportunidades. Um mistério.
     
    Última edição: 4 Set 2010
  12. Tuor

    Tuor Usuário

    No país é típica a prática de tentar fazer mais gastando/investindo menos. Não gastam substancialmente com a educação, então criam isso. Se fosse uma proposta temporária enquanto consertam a cagada que a educação tem sido, seria um caso a se pensar.
     
    Última edição: 5 Set 2010
  13. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Afora a desonestidade e antidemocratismo deslavados que é tentar retirar as cotas do debate e empurrá-las por decreto.
     
  14. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Não, não é um mistério!!! É proporcional à população.

    De acordo com o censo 2000, 53,7% da população brasileira é branca. Enquanto apenas 6,2% é negra. O restante é miscigenado.

    Proporção! Está o mistério que você queria resolver.

    E sobre a sua universidade aí no Sul, ainda de acordo com o censo 2000, 88,7% da população gaúcha é branca. Então, se tem 4 negros na sua universidade, ela está acima da média do país! Pois a região sul apresenta a menor proporção de pretos (6%) e pardos (4,3%) do País.

    Onde é que tem mistério nisso?

    Edit.:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , antes que alguém questione.
     
  15. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie

    Beeeeeeeeeeeng.

    faz a conta: 6/100 = 0,06

    0,06 X 1000 = 60

    2/60 x 100 = 3,33% do que deveria existir.

    Ou seja, o mistério persiste. :wink:
     
  16. Tonho Hammond

    Tonho Hammond Molusco

    É necessário levar em conta o aspecto de que a própria pessoa afirma a sua "cor" - que termo bizarro - na pesquisa. Não, não estou sugerindo uma classificação de pessoas, muito pelo contrário. O ponto a ser observado é que as pessoas, em geral, pelo próprio preconceito, não se assumem como negros e negam qualquer traço nesse sentido. Bom, de andar na rua, eu vejo que, tirando os branquelos estilo novela das oito, a maioria da população é miscigenada, IMO.

    Ainda é muito difícil, por razões culturais e históricas que todos conhecemos, para muitas famílias assumirem que são 'pardas' - outro termo bizarro - talvez por isso essa porcentagem.

    Aliás, lembram do caso dos gêmeos univitelinos que um conseguiu ser aprovado para cota e o outro não?
     
  17. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    É por isso que onde pedem para definir minha raça eu digo multi-racial mesmo sendo classificado de branco, pois minha pele é branca, mas meu cabelo é crespo, e aí qual é a minha raça?, eu me recuso a escolher e se escolherem para mim eu não aceito.
     

Compartilhar