• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

SdA é maniqueísta?

Excluído028

Excluído a pedido
Quando eu postei 'acredtio' quis dizer que acho que isso está presente em SdA. E claro que é difícil dizer: 'ahh, a predestinação está aqui, no livro tal, capítulo tal, página tal'. Eu vejo toda a história como algo prefigurado por Eru. Isso resolveria discussões teológicas e metafísicas inúteis sobre o Bem e o Mal, mas nos colocaria outros inúmeros problemas, como o do caráter de Ilúvatar.

Qual é o sentido da criação, uma vez que tudo estaria determinado?

Um exemplo que me ocorreu agora:

A criação dos anões por Aulë. Foi uma escolha do vala criar esses seres.
Não faz sentido supor que Eru havia estabelecido que o mundo seria governado pelos Primogênitos e Sucessores, já antecipando que Aulë criaria uma terceira raça. Desse ponto de vista, Eru, o Sabichão Criador, demonstraria-se extremamente hipócrita ao repreender o vala, uma vez que tudo havia sido predeterminado por ele próprio.

Desse ponto de vista, não haveria Justiça Divina, uma vez que uns nasciam predestinados a assassinar, a terem vidas miseráveis e amaldiçoadas, enquanto outros teriam vidas confortáveis, longe dos tumultuosos conflitos, etc. Eru criaria seres tendo ciência de que eles praticariam o mal ou o bem. Destarte, a fonte do bem e do mal continuaria sendo Eru, não?
 
É exatamente este o meu ponto de vista, não há como resolver isso satisfatoriamente. E agora que você colocou essa caso do Aulë, não dá msmo pra defender a predestinação. Como classificaria Tolkien? Tomista?

Embora não possa defender a predestinação agostiniana, todo o SdA me parece agostiniano, pelo menos no que se refere a política e teologia. No que me apóio? No Ainulindalë, Melkor não existiria sem Eru. Isso quer dizer que Eru criou o Mal? Não exatamente...

Eu falo aqui de um conceito de Santo Agostinho: o Mal não existe, é o não-Ser, isto é, o pecado que se busca quando se busca o nada. Aqui não se deve confundir o Nada com o Vazio? Mas se eu não considero o Mal um Ser, e sim não-Ser, ele veio do Vazio certamente. Pensando assim, destruo meu post anterior no tópico "O Vazio em Arda".
 

Haran Alkarin

Usuário
Eu sempre tive uma visão de Tolkien onde não existia livre-arbítrio, e tanto o bem quanto o mal proveriam sim de Eru - possível repreensões por parte Dele seria intervenções no curso na História e não uma repreensão de fato. Acho que tanto essa leitura quanto a mais tradicinal pode-se tirar de O Silmarillion e O Senhor dos Anéis.

Mas, segundo esses trechos coletados por Maglor, fica claro que Tolkien via a obra com livre-arbítrio - embora pareça, particularmente, que ele nunca quis explicitá-lo (ou mesmo implicitá-lo) na obra.
 

Excluído028

Excluído a pedido
É exatamente este o meu ponto de vista, não há como resolver isso satisfatoriamente. E agora que você colocou essa caso do Aulë, não dá msmo pra defender a predestinação. Como classificaria Tolkien? Tomista?

Embora não possa defender a predestinação agostiniana, todo o SdA me parece agostiniano, pelo menos no que se refere a política e teologia. No que me apóio? No Ainulindalë, Melkor não existiria sem Eru. Isso quer dizer que Eru criou o Mal? Não exatamente...

Eu falo aqui de um conceito de Santo Agostinho: o Mal não existe, é o não-Ser, isto é, o pecado que se busca quando se busca o nada. Aqui não se deve confundir o Nada com o Vazio? Mas se eu não considero o Mal um Ser, e sim não-Ser, ele veio do Vazio certamente. Pensando assim, destruo meu post anterior no tópico "O Vazio em Arda".

Não o classificaria como Tomista, porque me falta embasamento para tanto. Caracterizaria o Senhor dos Anéis como resultado do imaginário que permeava as estruturas culturais no contexto em que o autor o escreveu, articulando-se aí com o instrumental intelectual do próprio autor, que por sua vez está intrinsecamente relacionado com a experiência: seja no campo intelectual ou no campo da vivência.
Desse ponto de vista, o pensamento agostiniano possa talvez ter alguma penetração na obra. Pois não é a Igreja hoje e naquele contexto profundamente agostiniana? E como cristão fervoroso, Tolkien talvez tenha deixado esses elementos, ainda que de forma inconsciente, ganharem forma na sua obra.

Sobre a discussão do mal como um não-ser, tenho minhas dúvidas com relação a isso, mas não vou me envolver por não ter lido esse texto de Santo Agostinho.
 
Não o classificaria como Tomista, porque me falta embasamento para tanto. Caracterizaria o Senhor dos Anéis como resultado do imaginário que permeava as estruturas culturais no contexto em que o autor o escreveu, articulando-se aí com o instrumental intelectual do próprio autor, que por sua vez está intrinsecamente relacionado com a experiência: seja no campo intelectual ou no campo da vivência.
Desse ponto de vista, o pensamento agostiniano possa talvez ter alguma penetração na obra. Pois não é a Igreja hoje e naquele contexto profundamente agostiniana? E como cristão fervoroso, Tolkien talvez tenha deixado esses elementos, ainda que de forma inconsciente, ganharem forma na sua obra.

Sobre a discussão do mal como um não-ser, tenho minhas dúvidas com relação a isso, mas não vou me envolver por não ter lido esse texto de Santo Agostinho.

Ninguém foge a essa regra, ter isso em mente é melhor que se ater a discussões bestas sobre autores que influenciaram. A não ser, é claro, quando essas discussões conseguem ser realmente produtivas. Onde iso acontece? Só na Valinor mesmo.
 

Alasson Yára

Eu matei um
Maniqueismo no Legendarium...

Certa vez foi concedido o perdão à Morgoth por Manwë, mas este, desde sua criação, sempre teve suas ações e pensamentos de formas antagônicas aos de Eru e os outros Ainur...

Seria Morgoth a verdadeira personificação do mau?? Existiria realmente o "mau" na mitologia de Tolkien?
 

Tar-Mairon

DARK LORD AND LOVING DAD
Re: Maniqueismo no Legendarium...

.

Sim, bem e mal são bastante definidos no Universo de Tolkien, e Melkor é a raiz de todo o mal. Muito embora Morgoth não tenha sido criado como um ser maligno, ele optou por se tornar assim, afinal era um ser dotado de livre-arbítrio.

.
 
Última edição:

Eriadan

Usuário
Usuário Premium
Re: Maniqueismo no Legendarium...

Esta doi uma das primeiras questões que eu suscitei quando entrei no fórum! =] Caso se interesse: http://forum.valinor.com.br/showthread.php?t=38221 E de lá pra cá (e acredito que antes também), o assunto já foi discutido algumas vezes. Se você der uma procurada, encontrará muitos posts interessantes sobre o assunto.
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo