1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias Ruth Rocha comemora 50 anos de carreira: “Harry Potter não é literatura”

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Erendis, 28 Abr 2015.

  1. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    Aos 84 anos, a premiada autora infantil vai celebrar as bodas de ouro na literatura com três adaptações para o teatro, um documentário e exposição. “Uma família de negros me disse que eu era a escritora que os mostrava. Isto foi muito emocionante”, contou em entrevista ao iG
    Antes de começar a escrever, Ruth Rocha, autora de mais de 120 livros infantis, gostava mesmo era de contar histórias para sua filha. Foi ao ouvir um dos contos que inventava na hora para a sua criança -- “minha filha falava: ‘agora conta uma história sobre aquele pote’” -- que uma amiga, editora da revista “Recreio” nos anos 1960, teve a ideia de pedir um texto para Rocha. “Eu falava que não sabia escrever ficção, mas um dia fui na casa dela, ela me trancou e só me deixou ir embora depois que eu entregasse o texto”, conta rindo em entrevista ao iG.
    Ruth Rocha comemora, a partir do ano que vem, os 50 anos de seu casamento com a literatura. A festa de bodas de ouras terá as adaptações teatrais das histórias “O Reizinho Mandão”, “Dois Idiotas Sentados Cada Qual em seu Barril” e “Romeu e Julieta”. A estreia do documentário e exposição “Ruth Rocha 50 anos: A Aventura de Ler” completam a celebração.
    A comemoração não poderia ser pequena, uma vez que tramas suas como “Marcelo, Marmelo, Martelo” e “A Primavera da Largatinha” formaram o gosto pela leitura e alegraram a infância de pelo menos duas gerações. “Ouço sempre histórias de gente que aprendeu a ler com os meus livros e agora leem para seus próprios netos”, ela comenta.

    Aos 84 anos e com o livro mais recente, “Solta o Sabiá”, lançado em 2012, Ruth está longe de se aposentar, mas também não está planejando novas histórias para um futuro próximo. Ela tem se dedicado a sua coleção de livros para educação infantil “As Pessoinhas” e para o relançamento de seus livros, principalmente a série “O que é O que é?”.

    A autora, porém, também não se mantém longe do universo infantil e não tem papas na língua na hora de massacrar os atuais best-sellers infanto-juvenis. “Não é literatura, é tudo besteiras”, a paulista diz. “Não acho errado ‘Harry Potter’ fazer sucesso, mas não acho que seja literatura”, categoriza. Ela também ataca a falta de incentivo dos pais na hora de levar os filhos a uma livraria: “vejo pais gastando R$ 1 mil em um celular, mas não R$ 1 mil em livros”.

    iG: Foi difícil começar a escrever para crianças?
    Ruth Rocha:
    Foi uma coisa fácil e natural para mim. Sei que é difícil, porque sei o quanto que a gente erra. Para mim foi uma coisa mais ou menos natural. Aconteceu, porque eu tinha uma amiga que fazia a revista “Recreio” e ela começou a insistir para eu escrever história. E eu dizia para ela que eu não sabia escrever e ela pediu que eu colocasse no papel as histórias que eu contava para a minha filha. Um dia fui na casa dela e ela me sentou lá, me trancou e fez eu escrever.

    iG: Então você criava histórias para a sua filha?
    Ruth Rocha:
    Minha filha pedia para eu inventar história. Ela dizia assim: “Eu quero a história daquele pote”. Um dia, ela me perguntou porque o preto é pobre, tive uma conversa com ela e escrevi “Romeu e Julieta” para ela. Na verdade, a minha formação é sociologia, eu tenho esta coisa com preconceito me incomoda muito. Neste dia eu fiz essa história por causa da minha filha.

    iG: Você disse que os escritores infantis erram bastante. Que tipo de erro é mais comum?
    Ruth Rocha:
    Há vários. Um deles é achar que a criança é muito pequena e não sabe nada. O outro é achar que ela é grande e sabe tudo [risos].

    iG: Você está completando 50 anos de carreira. Acha que a criança mudou muito desde quando você começou a trabalhar, nos anos 1960?
    Ruth Rocha:
    Olha, o que eu sei é que o meu livro que mais vende é o “Marcelo, Marmelo, Martelo”, um dos primeiros que eu lancei, em 1969. E até hoje, quando saiu em livro, começou a vender muito. A criança não muda tanto assim. O que mudou muito são os adolescentes. Porque o adolescente é quando se abre o leque da personalidade. E quando são crianças eles são muito parecidos.

    iG: Mesmo com a tecnologia?
    Ruth Rocha:
    São instrumentos, o iPad, o iPhone são instrumentos para as pessoas agirem. Precisam de mudanças muito profundas. A tecnologia é boa e é ruim. Tecnologia é bom, mas o uso dela precisa ser mediado por uma educação boa. E a educação está meio frouxa. A família não está educando muito, a escola não tem condição. A gente precisa de uma revolução da educação.

    iG: O que acha destes novos best-sellers, que misturam fantasia, com a presença de vampiros e bruxas?
    Ruth Rocha:
    Isto não é literatura, isto é uma bobagem. É moda, vai passar. Criança deve ler tudo, o que tem vontade, o que gosta, mas eu sei que não é bom. O que eu acho que é literatura é uma expressão do autor, da sua alma, das suas crenças, e cria uma coisa nova. Esta literatura com bruxas é artificial, para seguir o modismo. Acho que o Harry Potter fez sucesso e está todo mundo indo atrás.

    iG: Então você não gosta de “Harry Potter”?
    Ruth Rocha:
    Não acho errado os livros fazerem sucesso. Eu gosto porque acho que as crianças leem, mas eu não gosto de ler “Harry Potter”, não acho que é literatura.

    iG: Qual você acha que é um livro infantil de qualidade?
    Ruth Rocha:
    Eu, na verdade, leio muito mais livros para adulta. Todo mundo acha que eu ainda tenho criança dentro de mim [risos], mas na verdade sou adulta, até velha. Mas o ganhador do Jabuti de 2014 [“Breve História de um Pequeno Amor”, de Marina Colasanti] é uma obra muito bonita.

    iG: Como você acha que é a melhor forma de incentivar uma criança a ler?
    Ruth Rocha:
    A criança tem que ser estimulada. Você tem que conversar com a criança, cantar muito com ela, ensinar versinhos, contar histórias desde que nasce. Porque a leitura é um complexo que compreende de ler, escrever, entender. É importante criar a criança para ler bem. Ter vários livro no alcance da criança. Vejo muita gente comprar um celular para a criança, que custa cerca de R$ 1 mil, mas nunca vi um pai gastar R$ 1 mil em livros. Outra coisa muito importante a ler é o evento. A criança passa muito tempo brincando de ser grande. De ser bombeiro, médico... Elas imitam os adultos, então é importante que em uma casa as pessoas leem, que cultivem a cultura. Agora se ela vai ler mesmo, eu não posso garantir [risos]

    iG: Os seus livros fizeram a infância de muitas pessoas. Você já ouviu algum tipo de história que te emocionou?
    Ruth Rocha:
    Uma vez uma família de negros que disse que sou a autora que mostra negros em suas histórias e isso foi emocionante para mim. Mas já ouvi muita gente que aprendeu a ler com os meus livros, que agora eles mesmos leem para seus netos… Há 50 anos ouço isso e cada vez eu fico mais emocionada.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Mas, gente... sério, qual é o problema dessas pessoas com Harry Potter? Elas realmente acham que precisam desqualificar uma obra de sucesso pra falar bem de outras? Sei lá, pra mim, isso aí não pegou bem não, e olha que na infância eu li bastante Ruth Rocha da biblioteca da escola :think:
    Edit.: Mas também tenho que comentar aqui que concordo plenamente com ela na questão do incentivo a leitura...
     
    Última edição: 28 Abr 2015
  2. Lindoriel

    Lindoriel Saurita Catita

    Eu não acho errado colocar temas fantásticos em livros, mas poha, é a primeira que eu vejo um autor famoso falar mal de Harry Potter em público.

    Falar mal de Crepúsculo é "moralmente aceitável", falar mal de 50 tons de cinza é "moralmente aceitável", mas tocou em HP, parece que tá cometendo sacrilégio. É como se fosse unanimidade que HP é "bom" e por isso ngm pode falar mal.

    Pq não pode criticar? HP é passível de crítica assim como qqr outro texto. E vou ser franca, tbm achei Harry Potter beeeem fraquinho.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  3. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    eu não acho que o problema esteja em criticar, sabe @Lindoriel ? Toda obra é passível de crítica, o que é bom pra mim, não necessariamente vai ser bom pra você e é claro que até mesmo os clássicos não estão acima de qualquer crítica (e com clássicos, me refiro a clássicos MESMO)
    o que eu acho, é que esse povo está sendo muito infeliz nas colocações, na forma de criticar sabe?
    dizer que não é literatura? pera lá! quem é que define o que é e o que não é literatura? só porque não é um clássico? por ser "fraquinho"? é literatura YA, é pra gente mais jovem que não está familiarizada com linguagem rebuscada, mas começa a ler por ali, daqui a pouco está partindo pra coisa melhor, entende?
    aí vem uma autora famosa como ela e diz que não é literatura, já quebra as pernas de quem está começando, saca? é isso que eu me refiro...
     
    • Gostei! Gostei! x 6
  4. Bilbo Bolseiro

    Bilbo Bolseiro Bread and butter

    Ela foi muito infeliz mesmo com esse comentário, foi uma tremenda falta de educação e respeito para com uma colega de profissão. Ela tem todo o direito de não gostar, mas deve criticar de uma maneira construtiva, não dessa maneira arrogante que ela fez. Com certeza ela não gostaria nada se algum autor ou alguma autora mais antigos do que ela falassem em uma entrevista que não consideram o que ela fez como literatura.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  5. Calib

    Calib Visitante

    Acho que tem pouco escritor falando mal publicamente porque sabem como fanboy é sensivelzinho e vai querer armar uma cruzada pela cabeça do cara ou preparar um megaboicote mas redes sociais etc. Essas coisas que todo desocupado adora fazer. Muito mais por isso do que por respeito a uma "colega de profissão". E pelo menos nesse quesito a Ruth Rocha teve colhões de tocar na feridinha. Mas o fez de modo atrapalhado e passou vergonha.

    1% de bateria
    Depois falo mais rsrs
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  6. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eu gosto muito da RR, mas ela não precisava ter dito o que disse.

    Eu mesmo não curto absolutamente nada de HP porque é o tipo de ficção infantil que ao ter lido simplesmente não me encantou em nada e não suficiente pra manter meu interesse, mas nem por isso não acho a Howling uma péssima escritora ou que o que ela escreve não é literatura, ou seja não misturo não apreciar o trabalho de alguém com menosprezo e/ou ódio.
     
    • Ótimo Ótimo x 3
  7. adrieldantas

    adrieldantas Relax and have some winey

    Concordo com o que ela falou, exceto a parte do Harry Potter, mas isso é a opinião de cada um e eu respeito; ela só poderia ter dito de uma forma mais profissional.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    fiquei com uma impressão estranha da entrevista. porque faz sentido o que ela diz inicialmente:

    ou seja, que esses livros escritos para copiar sucessos buscando também o sucesso são carentes de personalidade própria, de inovação (aparentemente o que ela define como o que é literário ou não, vide a resposta). só que aí ela diz:

    e note, isso a começar foi uma pergunta idiota (ou canalha) do repórter. porque na resposta anterior ela não diz que não gosta de harry potter. ela explica só que esse monte de livro tudo parecido está tentando copiar o sucesso de harry potter. e aí ela vai responder e se embanana. porque ela encaixa harry potter no mesmo lugar dos livros que supostamente tentam imitá-lo, como se ele não fosse algo original.

    olha, eu não passei do terceiro livro, não estou aqui defendendo qualidade literária. mas acho que há um rio enorme separando definição de livro bom e ruim da definição do que é ou não literatura. o uso da expressão foi bem infeliz, embora eu meio que entenda, porque quando era mais nova eu costumava usar para quando queria me referir a livros que considerava ruins.

    anyway, acho que o babaca maior da entrevista foi o repórter. a ruth rocha pode dar a opinião que ela quiser sobre quem ela quiser - a relação com um livro é pesssoal e não porque um monte de gente idolatra um livro que outras pessoas também precisam amar. insisto: foi mais o termo que ela usou que pegou mal.
     
    • Gostei! Gostei! x 11
    • Ótimo Ótimo x 1
  9. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    É que vocês não leram a entrevista do Zero Hora:

     
    • Gostei! Gostei! x 2
  10. Calib

    Calib Visitante

    Sim, quando você era mais nova você era leiga. E os leigos falam assim: "não é literatura" quando querem dizer "é literatura ruim".

    Mas a RR tem 50 anos só de carreira neam. Inaceitável falar como leiga nessa hora. Rsrs. Por isso eu digo que se atrapalhou toda.


    E teve uma outra matéria publicada noutro lugar onde ela falava do Saci Pererê como se fosse o maior barato, e reclamava que o politicamente correto tentasse mudá-lo para que ele não fumasse mais cachimbo. Ela ficou fula com isso. E na mesma matéria dizia que vampiros era "bobos"... Porque o Saci, né gente, esse sim é um folclore rico e digno. XD

    Acho que foi o @Bruce quem publicou no FB. Se ele lembrar de onde era pode pôr aqui também.
    --- Mensagem Dupla Unificada, 29 Abr 2015, Data da Mensagem Original: 29 Abr 2015 ---
    Aff Demorei demais e o bicho já postou haha
     
    • LOL LOL x 2
  11. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    calib, ela tem 50 anos escrevendo livros infantis, não estudando teoria literária. tecnicamente ela é leiga.

    só ficando claro, não concordo com as opiniões dela. ficou óbvio que é uma senhora de visão limitadíssima não só sobre literatura, mas sobre cultura. o negócio é que dentro dessa visão limitada ela usa a expressão "ser literatura" para o que ela acha bom (não ser literatura para o que acha ruim). erra ao se expressar, mas está no direito dela de se expressar.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  12. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    sim, como eu disse, ela pode criticar, só foi BEM infeliz na forma que o fez e na escolha de palavras, mas convenhamos né? a tiazinha já deve estar até meio "caduquinha" :rofl:
     
    Última edição: 29 Abr 2015
    • LOL LOL x 1
  13. Tilion

    Tilion Administrador

    Se tá escrito, é literatura. Não é a qualidade (conceito completamente subjetivo) que define que uma obra é ou não literatura.

    50 Tons de Cinza é tão literatura quanto Hamlet. Se uns amam um e abominam o outro é irrelevante e não muda esse fato.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
    • Ótimo Ótimo x 2
  14. Calib

    Calib Visitante

    Bom, nós estamos escrevendo aqui e não estamos fazendo literatura. A coisa vai um pouquinho mais além.

    Mas é isso aí, @Anica. Ela é limitada. Eu teria imaginado que alguém que passa cinquenta anos escrevendo literatura em algum momento se aprofundaria no tema, mesmo sem ter um curso de Letras (o dela é Sociologia, parece). Mas ela não demonstrou ter ido a fundo nisso. Ela sequer acompanha o mercado dos livros infantis, como deixou transparececr.
     
    • Gostei! Gostei! x 6
  15. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    que seria o mínimo necessário pra poder comentar alguma coisa do nível dos comentários que ela fez...
     
    • Ótimo Ótimo x 2
  16. Mercúcio

    Mercúcio Well-Known Member

    Gosto da Ruth Rocha. Cresci lendo alguns de seus livros - inclusive, faz pouco tempo que doei para a biblioteca do colégio em que estudei uma edição da Ilíada que ela adaptou. Mas pra mim ela falou uma senhora bobagem nessa entrevista...

    Primeiramente, não estou me doendo por ela ter criticado Harry Potter. Eu gosto da série até o quinto livro e desgosto dali em diante. Não acho que HP, sem dúvida nenhuma um ícone da cultura pop, seja inatacável. Pelo contrário. O exercício da crítica é sempre desejável. E, partindo desse mesmo princípio, estou aqui criticando a ausência de substância na argumentação da Ruth.

    Ela diz que Harry Potter não é literatura. O repórter pergunta por quê. Ela responde:

    Como já se comentou aqui, existe literatura boa e existe literatura ruim. Portanto, dizer que precisa ter consistência pra ser considerado literatura, isto sim, é bobagem.
    E está pronto o quê? Por que é bobagem? o_O

    Tudo bem. É uma avaliação subjetiva.

    Uai, eu também não acredito em bruxas, vampiros, etc. E daí? Vamos então estigmatizar o fantástico na literatura? Logo ela que, na mesma entrevista, se coloca (acertadamente) em defesa do nosso folclore contra as besteiras do politicamente correto.

    Partindo da fala dela, nós podemos começar jogando Monteiro Lobato na lata de lixo - para a alegria, inclusive, dos propagadores do discurso politicamente correto. Ah, claro... o Drácula, de Bram Stoker, também não é literatura. É, como ela diz, "coisa boba estrangeira". Também vamos jogar no lixo a adaptação da Odisséia para o público infantil, que a própria Ruth Rocha escreveu, porque uma história que tem Circe, Polifemo, sereias... é tudo bobagem, então está pronto: é bobagem.

    No mais, eu concordo que o mercado editorial tenha produzido muita porcaria no que diz respeito à literatura infanto-juvenil. Séries e mais séries de livros que não fazem mais do que tentar imitar, mal e porcamente, sucessos consagrados como o citado Harry Potter ou O Senhor dos Anéis. Daí a jogar tudo o que vem sendo produzido no mesmo balaio - quando a própria Ruth Rocha diz, na entrevista que deu ao IG, que não acompanha muito esse tipo de literatura - é um passo que eu não daria.
     
    Última edição: 29 Abr 2015
    • Ótimo Ótimo x 11
  17. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Dá impressão que ela está meio gaga, sei lá.

    E também concordo que HP não é inatacável, mas faltou tanta consistência neste ataque que até parece dor de cotovelo.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
  18. Calib

    Calib Visitante

    HP não só não é inatacável como é bastante atacável em vários aspectos. Harold Bloom que o diga. Rsrs. #treta
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • LOL LOL x 2
  19. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    o começo daquele quarto livro, socorro.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • LOL LOL x 1
  20. Calib

    Calib Visitante

    Como era?

    Eu parei de ler neste nexo oracional: He was a big, beefy man with hardly any neck, although he did have a very large moustache




    Brimks. Fui até o fim do vol.1 apesar de ter intuído desde a página 1 que não ia render muito...
     

Compartilhar