1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)
Situação do Tópico:
Fechado para novas mensagens.
  1. Deriel

    Deriel Administrador

    Muitos problemas com o /rr/, mas depois de uma série de pesquisas e consultas estarei utilizando o [r] para representá-lo (vibrante alveolar). A variação diletal é muito, muito grande em todos os locais que falam Português e passam de vibrantes a fricativas e alveolares a velares e uvulares com grande facilidade.

    No final das contas todos esses sons serão representados pelo mesmo tengwa, portanto precisamos pelo menos encerrar esse problema.

    Vou apoiar essa decisão com base em (CÂMARA JR, 1953), (CALLOU, 1987), (VIANNA, 1973) e (CUNHA, 1986).Utilizando como citação o seguinte trecho do livro Iniciação à Fonética e à Fonologia de Dinah Callou e Yonne Leite, "Capitulo III Descrição fonológica do português", "O Sistema Consonantal" item "A interpretação do vibrante":

    É a que menos soará estranha ao conjunto geral, embora os cariocas falem sua fricativa velar e assim por diante.
     
    Última edição: 10 Fev 2007
  2. Slicer

    Slicer Não estava vivo no Dilúvio, mas pisei na lama.

    Eu sou gaúcho e eu falo com a fricativa velar. Eu diria que a cada 100 pessoas que eu ouço falar, umas 5 falam [r], mesmo aqui, todas beeeeeem do interior do Estado, isso quando não falam com sotaque do interior de SP.

    Acho que as fontes que você usou são muito antigas para definir o "uso padrão" — o mais novo é da época que o Sérgio Chapelin e o Sid Moreira apresentavam o Jornal Nacional, dois anos depois do Tancredo Neves ter sido eleito, quando eu tinha 3 anos (e não os quase 23 que eu tenho agora)...

    Já esculachei o livro o suficiente? :lol:

    Resumindo então: Acho que o padrão mudou e a mudança não é necessária, tomando como base as pessoas que eu ouço falar. Se houver ao menos duas fontes mais novas (1995 para mais) que contestem isso, eu mudo de opinião.


    Tenn' enomentielva!
     
  3. Deriel

    Deriel Administrador

    O ônus da prova cabe a você, uma vez que é quem está contestando as fontes. Não quero parecer agressivo nem nada, mas precisamos de uma base um pouco mais forte do que "eu acho" pra defender uma ou outra escolha no MTP =]

    Nos meus estudos recentes o problema do "R forte" é o mais chato. Ele varia nos Potuguês, entre apico-alveolar múltipla [r], uvular vibrante [R], fricativa velar [x], fricativa velar [χ] e fricativa glotal [h] e de fato estudiosos mais recentes defendem que está ocorrendo um processo de relaxamento e comodidade articulatório saindo da vibrante para a ficrativa. Alguns afirmam que mesmo o sotaque carioca está mudando de fricativa velar para fricativa glotal. Além do que a diferença de um para outro dos R fortes não é tão grande assim (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ) O falar está em permanente mutação, mas não uma mutação assim tão rápida (são meros 15 anos, não dá nem uma geração).

    Ainda me alongando demais, colocarei a citação completa do livro que já citei antes (grifos e itálicos meus):

    E a questão não é de vida ou morte. Todos os sons de R forte serão representados pelo mesmo tengwa, só precisamos escolher um único caracter IPA para representá-lo a acredito que as fontes que eu citei são suficientes para defender o uso do [r] como esse caracter, em uma citação curta (mesmo pq é um livro sobre MTP, não IPA), do tipo: a pronúncia do R é bastante diferenciada, desde o [r] clássico ao [x] carioca e o [h] que parece ser a tendência. Optamos, nessa obra, por [r] para representar todos estes sons com base em <cita base acadêmica>. Mas atente que possivelmente você pronúncia de outro forma. Apesar disso, todos os R fortes do português são representados pelo tengwa Rómen

    Eu não encontrei uma base acadêmica forte que permite defender tão fortemente as fricativas.
     
    Última edição: 11 Fev 2007
  4. Slicer

    Slicer Não estava vivo no Dilúvio, mas pisei na lama.

    Se essas são as melhores fontes disponíveis que podemos encontrar, então vamos utilizá-las como base. Como você mesmo falou, o ônus da prova cabe a mim, e eu não tenho qualquer tipo de recursos disponíveis para contestar as suas fontes.

    Sobre a sua citação, está muito boa. Eu só peço que ela seja uma nota de rodapé, ao invés de parte do corpo do texto, mais como uma ressalva do que como uma observação.
     
  5. Deriel

    Deriel Administrador

    Na verdade eu também não encontrei, no material que tenho acesso, um,a base forte pra usarmos [x], embora eu concorde que a tendência são mesmo as fricativas. Sei lá, ou estamos adiantados ou os pesquisadores tão meio lentos.

    Tem uma seção no MTP que... bom, vocês verão com a nova formatação que eu fiz :cerva:
     
  6. O Contador de Histórias

    O Contador de Histórias I Nyarir Quentaron

    Eu não sou brasileiro, e como tal não tenho modo de saber. Mas a questão é, na verdade, bastante irrelevante. A tengwa é a mesma, independentemente do som; uma pequena nota explanatória chegaria para esclarecer o assunto.

    Obs: E eu sei que isto não tem muito a ver, mas /rr/, [r] e <rr> são coisas bem diferentes. O primeiro é uma representação fonemica do "r" geminado (ou [r:]) o segundo é um som e o terceiro, um grafema ou no caso, um dígrafo.
     
Situação do Tópico:
Fechado para novas mensagens.

Compartilhar