1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

RPG na vida adulta... frustração

Tópico em 'RPG' iniciado por Armitage, 11 Mar 2007.

  1. Armitage

    Armitage Usuário

    Isso é um desabafo de minha parte, e, quem quiser desabafar também, fique à vontade.


    Fui iniciado ao hobbie no comecinho dos '90 com Aventuras Fantásticas, e passei a amar o RPG. Na época com meus 12 anos, jogava no mínimo 1 vez por semana, vivia bolando e anotando idéias de personagens e aventuras, tinha um grupo enorme (aprox. 12 pessoas) que adorava se encontrar pra jogar e comer pizza com guaraná.


    O tempo passou...


    Hoje tenho 27 anos, trabalho, estudo, namoro, e todo o meu grupo se desfez. Uns saíram da cidade e foram pra longe; outros saíram e foram pra perto (Eu hehe ); a maioria trabalha, estuda, namora (ou casou e tem filhos). A vida adulta acabou com nosso hobbie. Amigos meus que eram completamente viciados em RPG (mais até do que eu) hoje em dia quando ouvem falar de RPG, dizem... "Ah, isso não rola mais, não tenho mais tempo. Foi época... coisa de adolescente".

    Não sabem como corta meu coração ouvir isso.

    Eu fico pensando: será que não têm tempo pro hobbie mesmo? Eu acho que têm sim, mas por algum motivo não estão mais dispostos a tentar de novo. Parece que a chama diminuiu (ou apagou de vez). Mas por quê isso? acho que a resposa (ou parte dela), está na nossa sociedade. Por exemplo, as peladas de terça-feira, as chopadas de sexta, e os churrasquinhos do sábado são perfeitamente normais, certo? Mas e o RPG? não. RPG não é algo normal - é coisa de crianças e adolescentes, coisa Nerds, de pessoas estranhas, esquisitas. Um adulto jogando RPG? só pode ser um freak.

    Então, parece que nossa sociedade aceita, facilita, dá espaço, favorece de alguma forma, as peladas chopadas e churrascos - afinal, pra essas coisas, todo muito tem tempo.

    Isso tudo me deixa frustrado, por que até hoje me pego tendo idéias mirabolantes pra aventuras e personagens interessantes, continuo acompanhando a indústria com interesse , e continuo comprando produtos com certa regularidade. É como se ainda tivesse uma pontinha de esperança de que, alguma hora, o destino vai fazer meu grupo se reunir de novo e vamos jogar como antigamente. Como um apaixonado que não perde a esperança de passar na esquina da amada, na intenção de avistá-la na janela, nem que por um breve segundo.

    Ai, ai...

    Bom, é isso.



    ps: ( quem me ouve dizer essas coisas deve pensar "O cara é um Nerd"; Não, não sou - já joguei muitas peladas, fui jogador de Futsal na minha adolescência, e nunca recusei uma choppada.)
     
    Última edição: 11 Mar 2007
  2. Elminster

    Elminster Usuário

    Armitage é triste saber que a sociedade "prende" certas atividades que os adultos DEVEM fazer. Bom é só minha opinião. Decerto que a vida adulta ocupa muito de vocês porque devem ganhar dinheiro para sobreviver, ao contrário de mim que ainda vivo com meus pais. Uma coisa interessante é que quando se é adolescente você curte muito rock e músicas boas em geral. Quando se é adulto geralmente se esqueceu dos tempos de jovem e gosta de músicas do tipo "calmas" ou vinculadas á mídia, um exemplo interessante é meu pai, que até hoje (49 anos... :lol:) curte um bom Pink Floyd (pra quem não sabe é uma banda que misturava psicodelismo e rock, mais tarde rock'n roll). Tem todos os álbuns em disco de vinil da banda original e não oferece pra ninguém, nem por 1 milhão de reais. Desculpe sei que isso não tem muito haver, mas é apenas para mostrar que pode sim algumas pessoas manterem seus hobbies ainda crescidos. Eu mesmo quando crescer quero mostrar meus livros de D&D e Forgotten para meus filhos e ensiná-los a jogar bem, como na minha época :joy:, quem sabe encontrar outros adultos que partilhem ainda da chama eterna de jogador.
     
  3. elijha

    elijha Lord Pierrô, bufao com orgulho

    para de joga quando for adulto????o_O
    never....
    soh se for caso de vida ou morte veio....nem que eu tenha de joga umas solo em casa...^^
    mas eh um problema mesmo....atualmente ta dificil ate pra acha adolescente que joga....
    porque eles rotulam mais que adulto....e dae ninguem joga aquele "jogo estranho de nerd".....
    mas fazer o uqe????tentar divulgar o melhor hobby de todos....^^
     
  4. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Se tu jogasse jogos legais (a.k.a. D&D) isso não aconteceria. Quem manda jogar jogos chatos? :lol:

    Sério agora... isso é bem comum. Já aconteceu com o meu grupo. Mas eu sempre consegui montar um grupo novo e seguir jogando... alguns jogadores se repetem, outros novos entram... e assim vai. One d20 roll at the time.
     
  5. elijha

    elijha Lord Pierrô, bufao com orgulho

    isso eh pra mim? (ofendido)
    auwuawuuawuawuuw
    vocee nem sabe sky.....=P
    como pode dizer que é chato????
    (ja sei, pq D&D comanda ne??)
    mas tudo bem....finjo q nem li isso...
     
  6. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Não. É porque eu sou o dono da verdade. Só por isso.:cool:
     
  7. Taverneiro

    Taverneiro Old school

    Minha dica: não faça do RPG aquele ritual pra jogar. RPG tem fama de ser um jogo demorado, o que é verdade, mas o pior é reunir a galera e ficar discutindo sobre regras e personagens e aquela "firula" toda pra começar a jogar. Isso não funciona pra quem não tem tempo. Particularmente, vivo de aventuras "one-shots" e temos algo em torno de três "campanhas" em andamento (uma medieval, uma de horror e outra cyberpunk). Depois de um tempo jogando na adolescencia o mestre fica experiente. Em meia hora um mestre com alguns anos de RPG consegue planejar uma aventura descente (pelo menos é o meu caso).

    A coisa tem que ser rápida em termos de preparação, e a aventura não pode estar repleta de numeros para serem debatidos na mesa de jogo. Sistemas que exigem muitas consultas pra melhor evoluir o personagem não me serve por causa disso: prefiro um sistema ágil que seja possivel fazer personagens em poucos minutos.

    A essa altura da minha vida, RPG tem que soar desprentecioso, como uma partida de futebol, se não desanima jogar.
     
  8. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Abandonar o RPG na vida adulta é normal. Meu grupo daqui da rua não existe mais, mas isso porque o RPg sempre foi uma brincadeira para eles o tempo todo. E até hoje alguns me perguntam se eu não quero preparar mais uma aventura.

    O problema deste meu grupo é que era centralizado em mim. Consegui dar conta durante uns 6 ou 7 anos, até que me vi envolvido em afazeres por demais. Ninguém mais queria mestrar ou preparar aventuras, então o fim era inevitável.


    Para mim é difícil formar novos grupos ou conhecer novos jogadores devido à falta de tempo. Estou me esforçando para voltar a jogar neste segundo semestre, é uma meta minha.

    A maioria dos da minha idade que conheço em eventos aqui no Rio são freaks retardados, mas até que não me importo muito com isso. Outros camaradas meus me surpreenderam e conseguiram superar uma adolescência freank para começarem a construir uma carreira sólida neste mundo real, alguns até com mulher e filho, mas sem esquecer suas origens nerds e sem abandonar o RPG, ainda que jogando bem menos do que antes.

    É esse o caminho que considero o mais correto.
     
  9. Lukaz Drakon

    Lukaz Drakon Souls. I Eets Them.

    No primeiro semestre do ano passado meu grupo se separou. Tivemos uma briga monstra e acabou saindo 3 para cada lado. Só que o mestre foi pro outro lado e ficamos parados.

    Como já tinha vontade, resolvi mestrar. Coloquei a cara a tapa e comecei. Primeiro uma aventura solo entre amigos e depois uma campanha. Como não tinha grupo suficiente, convoquei amigos que tinham interesses e tudo mais. Ou seja, formei um grupo novo.

    Na penúltima sessão, foram 8 pessoas. =]

    Mas somos completamente inconstantes. Jogamos 1 vez a cada 2, 3 semanas. Não é sequencial e sempre estamos meio que "jogados" a sorte. Mas é assim mesmo. São pessoas e cada um tem a sua vida.
     
  10. Barlach

    Barlach Verde. E arqueiro

    Eu no momento estou vivendo uma situação interessante.

    Jogo uma campanha que já tem um tempo. Só que o mestre é meio enrolado e tem pouco tempo, só que com um pouco de esforço a gente joga uma vez por mês, o que eu considero bom.

    Só que uma menina (que era a namorada do mestre) saiu do grupo e agora decidiu começar uma campanha nova pra jogar regularmente e com comprometimento. O mestre da campanha antiga levou isso meio que pro pessoal, como se ele que não tivesse comprometimento.

    Felizmente, não me meti na briga, mesmo porque não teria como. Mas fico discutindo isso com outros membros do grupo. Jogar regularmente não é ruim, de modo algum. Mas acho que é melhor pra todo mundo uma campanha semi-regular, em que se concilie o RPG com outros eventos da vida adulta.

    Mas o meu amigo vira e diz: mas não tem gente que joga futebol toda a semana? Por que não RPG? Ora, quando se joga futebol, se um faltar, não vai fazer tanta falta, porque é muito fácil arranjar algum substituto ou um time que jogue sem reserva. Mas no RPG, são só 5 ou 6 pessoas. Se um não vai, faz falta e depois o cara ainda tem que lidar com um monte de problema porque o seu personagem ficou pra trás (em termos de história mesmo, não XP, já que o mestre não gosta de carregar personagem). Por isso no RPG é preciso conciliar a agenda de todos e um pouco de flexibilidade faz bem.

    Mas também tudo tem limite. Ficar nessa de arranjar um horário ideal e não jogar nunca também é horrível. Nessa campanha já ficamos mais de 6 meses sem jogar e eu pensei que o grupo ia acabar. Felizmente não acabou, mas foi uma falta de comprometimento de todo mundo.
     
  11. Taverneiro

    Taverneiro Old school

    é por isso que eu digo que RPG nessas horas tem que ser desprentecioso. Quando um não vai a gente joga alguma outra coisa, ou nem liga pra ausencia do jogador. Quanto ao lance da premiação: aí é que eu considero que tenho um grupo batuta... ninguém dá a minima pra experiencia, o que vale mesmo é a o fato de estarmos jogando. Como eu disse é um jogo que serve pra matar o tempo, ninguém quer mais fazer personagens ultra poderosos. O que rola é desenvolver personalidades dos personagens e cada vez mais os personagens reagem de maneira diferente uns dos outros e de maneira unica, o que torna o jogo muito divertido.

    Assim nós conseguimos nos reunir uma vez por semana há um bom tempo.
     
  12. Barlach

    Barlach Verde. E arqueiro

    Eu penso da mesma forma quanto à experiência.

    Mas tem gente no meu grupo que claramente joga pra evoluir os personagens. Eu não vejo graça, mas fazer o que?
     
  13. Taverneiro

    Taverneiro Old school

    Aliás acho que o pior que pode acontecer nesse sentido é que comece haver competição entre os jogadores por mais poder, mesmo sem intenção isso acaba arruinando muito as coisas na campanha a longo prazo. E, infelizmente, esse lado competitivo tem se tornado mais comum, acho.
     
  14. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Bom, "desprentecioso" ou não, eu gosto de ver os personagens evoluindo, principalmente quando sou o Mestre. A estória tem de crescer.
     
  15. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Eu concordo com o Ka Bral. Eu praticamente só jogo/mestro D&D e a evolução dos personagens faz parte da trama. O jogo evolui junto com os personagens.
     
  16. Taverneiro

    Taverneiro Old school

    Eu sei, mas tem gente que só joga para evoluir de nivel seus personagens, ou adquirir freebie points. É obvio que os personagens evoluem com a trama e isso acontece em qualquer jogo. O problema é quando essa evolução é vista como a UNICA coisa recompensadora no jogo. Prefiro dizer que a experiencia é um entyre varios fatores.

    Afinal, ficar só com aquele seu ladino de baixa experiencia é um saco. Já pensou ter que jogar com Bilbo Bolseiro no começo do O Hobbit TODA vez? Argh, seria um pesadelo.

    Quando se reclama da evolução acho que quer dizer quando os jogadores enxergam SOMENTE isso. Quando eu disse que meus jogadores não ligam pra experiencia eu disse que eles não fazem questão de estarem sempre com a mesma quantidade de Pontos de Experiencia, um pouco a mais ou a menos não os incomoda. É isso.
     
  17. KADU

    KADU Estão vendo esta caneta?

    Meu grupo tem 5 pessoas e jogamos nessa formação a 4 anos. Nesse período um dos jogadores se ausentou por 1 ano pois arrumou uma namorada e de alguma forma isso parece ser um impecílio total ao RPG, para algumas pessoas. Enfim, ele precisou de 1 ano para perceber que poderia ter as duas coisas juntas. Não entendo, eu e minha noiva estamos juntos a quase 8 anos, e ela nunca foi um problema em relação aos meus hobbies, incluindo o RPG.

    Enfim, esse grupo é realmente muito bom, a galera tem mais ou menos a mesma idade, de 24 a 26 anos. O gosto de cada um á convergiu em um denominador comum, assim o estilo das aventuras agrada a todos. Nosso esquema é: temos duas campanhas correndo juntas, eu mestro uma em Forgottem Realms e outro cara mestra em Ravenloft. Alternamos, cada um mestra 1 semana, as vezes se eu ou ele estivermos se tempo pra peparar em uma determinada semana, o outro mestra sem problema.

    Jogamos uma vez por semana a noite, das 19:30 às 00:00, de forma que não atrapalha tanto assim o descanso da pessoa para o outro dia eu durmo depois da meia-noite todos dos dias, com RPG ou não. Vez ou outra acontece um imprevisto e passamos uma semana sem jogar, mas já existe um senso de concideração no grupo, e coisas assim são avisadas com antecedência.

    Enfim, não sei dizer realmente se alguem do grupo sair como seria para conseguir outra pessoa, tenho o palpite que seria bem difícil. Talvez minha vida como RPGista esteja fadada a existência desse grupo. Não sei se teria disposção para arrumar outro.
     
  18. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    O meu grupo é bem parecido com o do Kadu, apesar de estarmos há um tempinho sem jogar. Funciona muito bem, diga-se de passagem!
     
  19. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    A minha noiva também não gosta muito de RPG, e isso nunca me impediu de jogar ou ir a eventos. Mas eu vejo um pessoal que, por causa de namorada, não abandona apenas o RPG, mas também outras coisas de que gosta, como os amigos. O triste é ver o sujeito retornar ao grupo com o rabo entre as pernas, após o fim de seu relacionamento "lindo, maravilhoso, amo ela, quero ficar com ela pra sempre", etc.

    É um bom esquema. Vou copiá-lo... :think:
     
  20. Haldis

    Haldis Vento Sul

    bom ainda mantemos nossa turma, de Vampire mas nao com a mesma regularidade... jogamos historias isoladas, semana sim semana nao...nao sei se é a sociedade ou se é a chama que apaga porque acabmos por achar novos interesses.um namoro, uma melhor oportunidade de emprego fora da cidade. mas nos resolvemos nao parar com isso, ta certo que nem todos ficaram, eramos em 11... todo o momento era pra falar de rpg ou como "eu odeio os viloes do haldis".. rsrrsr... hj sao 5 somente, mas cindo que amntem a velha chama acesa...
    mas sabemos que como tudo no mundo isso um dia acaba.
     

Compartilhar