1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Rocky: Um Lutador (Rocky, EUA, 1976)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 12 Mar 2016.

?

Sua nota para esse filme:

  1. 10

    28,6%
  2. 9

    28,6%
  3. 8

    28,6%
  4. 7

    0 voto(s)
    0,0%
  5. 6

    14,3%
  6. 5

    0 voto(s)
    0,0%
  7. 4

    0 voto(s)
    0,0%
  8. 3

    0 voto(s)
    0,0%
  9. 2

    0 voto(s)
    0,0%
  10. 1

    0 voto(s)
    0,0%
  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Sinopse: Rocky Balboa (Sylvester Stallone), um lutador de boxe medíocre que trabalha como "cobrador" de um agiota, tem a chance de enfrentar Apollo Creed (Carl Weathers), o campeão mundial dos pesos-pesados, que teve a idéia de dar oportunidade a um desconhecido como um golpe publicitário. Mas Rocky decide treinar de modo intensivo, sonhando apenas em terminar a luta sem ter sido nocauteado pelo campeão.

    Direção: John G. Avildsen

    Elenco: Sylvester Stallone, Carl Weathers, Burgess Meredith, Talia Shire, Burt Young

    Trailer
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Curiosidades:

    - Sylvester Stallone escreveu o roteiro de Rocky - Um Lutador em apenas três dias, após assistir uma luta de boxe em que o desconhecido Chuck Wepner se mantinha sempre afastado do campeão Muhammad Ali.

    - Seguido por Rocky 2 - A Revanche (1979), Rocky 3 - O Desafio Supremo (1982), Rocky 4 (1985), Rocky 5 (1990) e Rocky Balboa (2006).

    - Filmado em 28 dias.

    - Sylvester Stallone parou de fumar durante este filme, pois estava ficando com problemas para respirar.

    - Os produtores Irwin Winkler e Robert Chartoff ficaram tão interessados no roteiro que ofereceram US$ 350 mil para que Sylvester Stallone o vendesse a eles. Apesar de ter apenas US$ 106 em sua conta bancária naquele momento, Stallone disse que apenas venderia o roteiro caso fosse também confirmado como protagonista do filme. Sem alternativa, os produtores toparam, desde que ele continuasse trabalhando como roteirista sem receber salário e recebesse apenas o valor previsto na tabela sindical por seu trabalho como ator.

    Winkler e Chartoff ofereceram o projeto a United Artists, que aprovou um orçamento de US$ 2 milhões caso o filme fosse protagonizado por um grande astro da época, como Robert Redford, Ryan O'Neal, Burt Reynolds ou James Caan. Ao ser informado de que, por obrigação contratual, o protagonista seria Stallone, a United Artists baixou o orçamento para US$ 1 milhão. Além disto, impôs a exigência de que, caso o filme ultrapassasse o orçamento previsto, o extra seria bancado pelos produtores.

    No fim das contas, o filme custou US$ 1,1 milhão, o que fez com que os produtores hipotecassem suas casas para pagar os US$ 100 mil extras que deviam ao estúdio.

    ______________________________________________

    Jurava que já tinha tópico pra esse filme.

    O filme é bom. Merece estar na posição em que se encontra no que se refere aos filmes com temática esportiva.
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  2. Da franquia Rocky esse é o "super e grande filme" .

    Vale a pena sempre ser visto e revisto não apenas pelo lado esportivo, mas por todo um lado de drama que cerca a vida pessoal do Balboa que é bastante explorada principalmente nesse primeiro filme.
     
    Última edição: 16 Nov 2016
  3. Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Chuck Wepner, com o rosto bastante machucado, diante de Muhammad Ali

    Nesta quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), a ESPN e o WatchESPN mostram o filme que conta a vida do ex-pugilista peso-pesado Chuck Wepner. Quem?
    O nome é pouco conhecido, e o cartel pode não inspirar muita curiosidade sobre ele - 51 lutas, 35 vitórias (17 por nocaute), 14 derrotas e dois empates.

    Como seu apelido indica, porém, há uma grande história que o carrega: The Real 'Rocky'.
    Sim, Chuck Wepner é o boxeador que inspirou a criação de Rocky Balboa por Sylvester Stallone. O filme fez um sucesso estrondoso (lançado no final de 1976, ganhou US$ 225 milhões nas bilheterias) e recebeu três Oscars - melhor edição, diretor (John G. Avildsen) e filme.

    A luta que transformou a vida de Chuck Wepner - e de Stallone - aconteceu em 24 de março de 1975 no Richfield Coliseum, na cidade homônima do estado de Ohio.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Em Roma, o mito Muhammad Ali 'nasceu'; em Atlanta, foi homenageado e acendeu a pira olímpica

    O pugilista nascido em Nova York, então com 36 anos, desafiou ninguém mais ninguém menos do que Muhammad Ali pelo título mundial dos pesos pesados.

    Em seu currículo, Chuck Wepner já havia enfrentado George Foreman e Sonny Liston; perdeu para ambos. Outro apelido do pugilista é "The Bleeder", tudo porque em cima do ringue sangrava de forma impressionante. Seu rosto, invariavelmente, sofria com as pancadas que ele recebia, e os cortes sempre apareciam.

    Quando enfrentou Ali, Wepner vinha de oito vitórias consecutivas.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Por decisão unânime, Manny Pacquiao vence Jessie Vargas

    O "maior de todos" detinha os cintuões do Conselho Mundial e da Associação Mundial de boxe, e a vitória sobre o desafiante era dada como certa.
    O então 42º triunfo na carreira de Muhammad Ali realmente aconteceu, mas demorou a ser decretada. Afinal, "The Bleeder" aguentou a pancadaria por quase 15 rounds e só sucumbiu quando faltavam 19 segundos para o fim da luta. Wepner chegou a derrubar Ali no nono round, mas após o dono do cinturão pisar em seu pé.

    Getty
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O momento em que Ali nocauteia Wepner no final do 15º round

    Da arquibancada, Sylvester Stallone acompanhou o combate e se impressionou com o lutador desafiante. Dali, inspirou-se a escrever a história de Rocky Balboa.

    O ator negou que "The Real Rocky" foi quem serviu de exemplo para o personagem, mas Chuck Wepner o processou, e um acordo acabou sendo feito.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  4. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    • Ótimo Ótimo x 1
  5. Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Versão masculina de Cinderela, filme é hoje uma reflexão sobre novos comportamentos
    21/11/2016 - 8:02 - Rodrigo Fonseca
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Ao receber o Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante, por
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , em janeiro, sob os aplausos de uma multidão de astros,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    fez marejar os olhos da Hollywood Foreign Press Association, responsável pelo prêmio, e de todo o público que o assistia na TV, dizendo: “Quero dedicar este prêmio a meu amigo imaginário, Rocky Balboa, por ser o melhor amigo que alguém pode ter”. Neste 21 de novembro de 2016, o amigo imaginário do Stallone – de todos nós – comemora 40 anos de vida.

    Sua primeira exibição pública se deu há exatamente quatro décadas em Nova York, numa première onde foi chamado pelo crítico do The New York Times Vincent Canby de “faz de conta à moda dos anos 1930”. Cerca de 13 dias depois, em 3 de dezembro, ele estreou em circuito nacional nos EUA, recebendo de um mito da crítica americana, Roger Ebert, do Chicago Sun Times, cotação máxima e uma frase para abrir caminhos: “Stallone parece o jovem Marlon Brando”. Naquele momento, a escadaria do Museu de Arte da Filadélfia, por onde Balboa corre, embalado na trilha sonora de Bill Conti, virou História, sedimentando seu caminho por uma estrada de tijolos amarelos que o levaria a conquistar US$ 225 milhões nas bilheterias e três Oscars, filme, diretor (para o hoje subestimado John G. Avildsen) e montagem.

    Em solo brasileiro, sua estreia, igualmente badalada, ocorreu em 7 de janeiro de 1977. À época, o decano da crítica nacional, Ely Azeredo, escreveu no Jornal do Brasil uma resenha laudatória, chamando o filme de “Cinderella marxista”, por representar uma espécie de conto de fadas social, “luvas de boxe em lugar de sapatinhos de cristal”. Por aqui, nos anos seguintes, celebrizou-se, pela televisão, a versão dublada de Balboa, na voz de um dos maiores atores deste país: André Filho, morto em 1997. Os graves no gogó de André realçavam a maneira mascada de Stallone falar.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Parte das histórias que marcaram esse passado de glórias de Rocky: Um Lutador pelo mundo estão sendo revisitadas agora graças aos esforços de um fã, o documentarista Derek Wayne Johnson, em um par de filmes que chegam ao circuito nos próximos meses. Um se chama The King of Underdogs e é centrado na carreira de Avildsen como realizador (ele faria ainda a franquia Karate Kid), e, o outro, é 40th Years of Rocky – The Birth of a Classic, no qual passa em revista o processo de conversão de Stallone em um astro. Ali, Johnson apura com o eterno Rambo causos sobre a criação do boxeador que virou um sinônimo de superação.

    Quando vendeu seu roteiro (escrito em três dias e meio, em decorrência da emoção vivida após uma luta de Muhammad Ali vista na TV) para a United Artists, sonhando protagonizá-lo, Stallone ouviu muito “Não!” e “Você não é o ator adequado” da indústria. Engravatados de Hollywood enxergavam nomes mais famosos do que ele como potenciais escolhas para viver o Garanhão Italiano: os mais cotados eram Robert Redford, Ryan O'Neal, Burt Reynolds e James Caan. Mas ele bateu o pé: só venderia o script se o papel fosse seu. Alcançou seu objetivo graças ao apoio dos produtores Irwin Winkler e Robert Chartoff. O orçamento inicial das filmagens do longa seria de US$ 2 milhões, mas eles reduziram esse valor ao meio a fim de amortizar riscos de ter um desconhecido como protagonista. Para que tudo desse certo, pensaram em atrizes em ascensão como Carrie Snodgress e Susan Sarandon para viverem Adrian, mas quem levou a personagem foi Talia Rose Coppola Shire, irmã de Francis Ford, conhecida por O Poderoso Chefão partes I (1972) e II (1974). Para o lugar de Apollo, o Doutrinador, pensou-se no boxeador Ken Norton, mas quem ganhou o short com as cores e listas da bandeira dos EUA foi Carl Weathers.

    Filmado em cerca de 18 dias de batente corridos, Rocky, um Lutador entrou em cartaz para ser um concorrente aos dólares acumulados tradicionalmente pelos exibidores durante as férias de Natal. Mas naquela época de contracultura política na veia – 1976 era, até ali, o ano de Taxi Driver, de Martin Scorsese -, marcada por filmes na Nova Hollywood (também chamada Easy Rider Genetation, termo usado para definir a turma de cineastas contestadores revelada nos EUA a partir de 1967), a saga de Balboa carregava um certo odor de naftalina, típico da era clássica do cinema americana. Houve quem o chamasse de “exercício de contrarreforma”, por propor a volta de velhos valores. Mas, o público ficou indiferente aos olhares suspeitos à ética do drama de Balboa: o primeiro Rocky foi um sucesso instantâneo.

    A ele se seguiram seis continuações, todas lucrativas. Somando-se a receita de toda a franquia, chega-se a cifras da ordem de US$ 1,1 bilhão.
    Números como este fizeram de Stallone (ou Sly, como é apelidado entre seus compatriotas) algo mais do que um astro: um mito. Celebrizado nas trilhas da violência, Stallone é a própria representação clássica (conservadora para alguns) do Masculino, do homem heterossexual educado sob a lógica (hoje repudiada) da afirmação do ethos da hombridade. Mas vivemos hoje a era dos difficult men, dos “homens difíceis”, conceito nascido na televisão, com A Família Soprano, Mad Men e Breaking Bad, numa percepção divinatória do crepúsculo dos machos, no descrédito da figura do pai provedor, do gladiador, do caubói, de Balboa.

    A sobrevivência cinematográfica de Stallone nos nossos dias simboliza uma transgressão, ao sair na contramão da tendência atual de celebrar o emasculamento, de esvaziar a imagem do “macho ocidental”, de trucidar a ideia de que “um homem tem que fazer o que um homem tem que fazer”, ou seja, a retidão inerente à masculinidade. É sobre ela que fala o livro The Ultimate Stallone Reader – Sylvester Stallone as Star, Icon, Auteur, organizado pelo professor Chris Holmlund, da Universidade do Tennessee, com o apoio de um corpo docente de teóricos das maiores faculdades dos EUA. O livro traz Balboa na capa, também numa forma de celebrar seus 40 anos.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Obrigatório como reflexão sobre a evolução comportamental dos gêneros, a partir do audiovisual, o livro, publicado pela Wallflower Press, começa com um mapeamento dos bilhões que Stallone rendeu para os estúdios americanos, seja em fenômenos como a franquia Rocky quanto em produções de menor rentabilidade (mas marcadas pela adoração popular) como Falcão, o Campeão dos Campeões. Orçado em US$ 35 milhões, Creed arrecadou US$ 172 milhões na venda de ingressos. Na comparação com os demais astros de ação, Holmlund mostra que, diferentemente de Arnold Schwarzenegger ou Bruce Willis, que apenas atuam, Sly sobressaiu-se em outros terrenos, produzindo, escrevendo e dirigindo. Os professores apontam o fato de que foram raríssimos os atores, em toda a História do Cinema, que conseguiram emplacar DOIS personagens icônicos e míticos, como Stallone conseguiu com Balboa e Rambo.

    Mas, das estatísticas, eles passam para um ensaio mais filosófico sobre o fato de Sly ser uma espécie de guardião de uma cultura hoje fossilizada: a cultura dos heróis que se imolavam em autossacrifício em prol do Outro. Stallone é o fóssil de uma era em que os homens não eram medidos pela sua impotência e sim pela vontade de potência e pela força de arriscar. Mesmo envelhecido e abalado por uma doença em Creed, Rocky ainda percebe que a única maneira de preservar para si um lugar no mundo é pela perseverança, pela tentativa, pelo sangue. A História mudou a condição do Homem. Mas o gongo ainda não soou. Balboa mantém seu legado de pé.


    Outra amizade
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Mitos são símbolos que interferem nas ações de quem os idolatra. Não por acaso, houve também, em torno de Rocky, casos de geopolíticas, como se pode conferir no livro É Fundamental o Cinema na Vida da Gente, organizado pela designer Hannah 23, lançado no dia 10 de novembro, no Instituto Europeu de Design, no Rio, com depoimentos sobre filmes que salvaram vidas. Tem um texto deste que vos tecla lá, para falar, na primeira pessoa do singular, sobre o longa no qual um pugilista de beira de esquina se transformava em ídolo nacional ao desafiar o campeão mundial. Essa história (real), depende que você volte 31 casas (ou anos) até 1987.

    Estamos no subúrbio do Rio de Janeiro, Morro do Adeus, no Complexo do Alemão, em Bonsucesso. Naquela época a Polícia – com o apoio das Forças Armadas - instalaram um posto de vigia por lá, em função de suas trocas de tiros com os traficantes locais. A fim de controlar a população, revistava-se a tudo e a todos, inclusive um português já cinquentão àquela época, que andava sempre sujinho de poeira de batatas e de graxa. O nome dele era João dos Reis, egresso de Armamar, em Lamego. Seu João, quase analfabeto, falava com um sotaque carregado e não sabia escrever muito mais do que números e seu próprio nome. A cada subida na ladeira da Cajuípe, com seu falar rústico, ele tomava uma bordoada na cara de um fardado que abusava do Poder. E isso era testemunhado por seu filho de sete anos, trepado no cume de uma poltrona desbotada.

    Da janela do Adeus, o guri vislumbrava a agressão como um destino sem volta. Isso até o dia em que viu Rocky, um Lutador na TV. Aquela versão suarenta e suburbana de Cinderela deu ao rapazinho de sete anos um horizonte maior do que o Complexo do Alemão: no cinema, havia redenção. O Tempo passou, seu João morreu (sem numa ter pisado numa sala de exibição), mas o filho dele – no caso, eu – seguiu por outras lutas – algumas melhores, outras piores – mas nunca tirou Rocky do coração. A proximidade desse aniversário de 40 anos da série de Balboa diz mais do que a imortalização midiática de um filme: abre a deixa para uma reflexão sociológica do peso do cinema na formação de todos nós.

    Obrigado, Stallone, por ser o meu amigo imaginário há tanto tempo.
     
  6. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Uma das cenas mais marcantes do filme é a da Adrian e do Rocky no rinque de patinação tentando quebrar o gelo (BADUMTSS) durante o encontro. Tem um texto aqui mostrando como a cena era originalmente e como ela terminou daquele jeito por falta de recursos - felizmente:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar