1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ritchie Blackmore's Rainbow

Tópico em 'Música' iniciado por O Sujo de Sangue, 22 Out 2002.

  1. O Sujo de Sangue

    O Sujo de Sangue Usuário

    Surpreendo-me ao perceber a pouca midia ( pra não dizer nenhuma) que foi apostada no último álbum de Rainbow "Ritch Blackmore's Rainbow". Não atoa que é super desconhecido. Muitos fãs (até os mais assiduos) do Blackmore desconhecem essa sua útima obra prima (digo última com relação a Rainbow desconsiderando o Blackmore's Night, que tb é muito bom). Pra quem não conhece, ou não tá ligando o nome a pessoa, Blackmore é o consagrado ex-guitarrista do Deep Purple. Este último play do Raibow é de 1995, e surpreende por trazer em várias faixas vestígios de um melódico dos classe A, o que foge um pouco (pra não dizer muito) do Rainbow de antigamente (dos bons e velhos tempos do Dio).O álbum é inteiro animal. Destaque para Hall of The Mountain King, Blackmore usa como riff principal um trecho de um som do Paganini (uma musiquinha clássica de helloween), ficou animal. Tb para Black Mascarade e Ariel ( essa última tem a participação da mina do Blackmore).

    Dug White (acho que escrevi errado) assume os vocais e não deixa nada a desejar. E olha que o posto já foi do tio Dio!

    Bom, se eu deixei alguém com água na boca e morrendo de vontade de adquirir essa obra prima, eu tenho mais algo a dizer: Boa Sorte! O ábum é raridade! Acredito que já saiu de catálogo, e acho que mesmo trazer de fora não é fácil.
     
  2. Beladona_theOld

    Beladona_theOld Usuário

    Aê!!!!!!!!!! Alguém q conhece o "Stranger In Us All"!!!! :mrgreen: esse álbum é simplesmente magnífico, assim como tudo q o Blackmore faz! (Nossa, nem deu pra perceber q sou fanática pelo Ritchie! :))
    As melhores músicas, ao meu ver, são Ariel, Black Masquerade e Still I'm Sad! Álbum repleto de riffs maravilhosos e super bem construídos, vocais de Doog White super hard!
    Bom, sigam a diga e escutem esse álbum!!!! Vcs não vão se arrepender! :obiggraz:
     
  3. Avenger

    Avenger Usuário

    Como acho q vc quis dizer dica :obiggraz: , vou procurar esse album sim, já q vcs estão falando tao bem dele deve realmente ser muito bom!
     
  4. Finganforn

    Finganforn Usuário

    Eu tenho a honra de dizer que eu eu tenho esse disco, que pra mim eh uma das maiores obras de metal de todos os tempos!!!
     
  5. O Sujo de Sangue

    O Sujo de Sangue Usuário

    Nossa!! Uma mina que curte Rainbow!! :!: Simplesmente impressionado e apaixonado!! 8O :grinlove:
     
  6. Beladona_theOld

    Beladona_theOld Usuário

    HEI HEI!!!! O seu Sujo de Sangue, I'm married!
     
  7. O Sujo de Sangue

    O Sujo de Sangue Usuário

    Brincadeira :wink:

    Mais uma informação básica pra quem curte Blackmore e anda meio por fora. O album Blackmore´s Night 2 já esta lançamento.(se bem que no pé que as coisa tão acho que até já saiu).
     
  8. Beladona_theOld

    Beladona_theOld Usuário

    Ué....não entendi... o Blackmore's Night tem 3 cds já.... :o?: Como assim o 2???
     
  9. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    Eu adoro Rainbow! Uma das bandas que mais influenciaram o Metal, dotada das melhores qualidades possiveis!!

    O Richtie Blackmore´s Rainbow, o primeiro deles entra fácil em qualquer lista feita por mim de melhores obras de rock de todos os tempos
     
  10. O Sujo de Sangue

    O Sujo de Sangue Usuário

    Perdão, quis dizer o próximo, (é que eu só tenho o primeiro :cry:)
     
  11. Fosco Cachopardo

    Fosco Cachopardo Ghost of Perdition

    eu aluguei esse cd ontem, só tenho uma coisa a dizer: fantastico!
    o cd é excelente, o Blackmore tá otimo.
    Adorei a voz do Doogie White!! o cara manda mto bem!
     
  12. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Eu não curto muito Rainbow mas adoro Blackmore's Night , tenho dois CDs aqui.
     
  13. Safari Joe

    Safari Joe Usuário

    Cara, esse CD é excepcional, é muito bom mesmo. Minhas preferidas são Wolf to the Moon, Black Masquerade e Still I'm Sad. E o Doogie White é fantástico, canta muito bem. Não é a toa que quase entrou no lugar do Bruce, mas escolheram o Blaze...
     
  14. Waters

    Waters Usuário

    Nossa, O rainbow é muito bom, rock clássico setentista até a ponta dos córneos. Tb nào poderia deixar de ser com o Dio nos vocais um dos melhores cntores de todos os tempos.

    Mas acho que essa banda ficou um pouco injustiçada, já que muita gente considera ela apenas um filhote do Purple.
     
  15. jean

    jean Shhhzup!

    Bom mesmo eh ter o vinil...first release !!!

    Mas eu tb tenho o cd..."rainbow on Stage", muito bom msm...
     
  16. Relayer

    Relayer Usuário

    Clássico definitivo, este, o Rising, e o Long Live Rock n Roll.
     
  17. Esse tópico já tá meio antigo, mas ele realmente merece ser ressucitado ! Podem falar o que quiserem galera, mas aqui está (na minha opinião) a melhor banda dos anos 70. Independente do bom disco gravado com Doggie White, do ótimo disco gravado com Graham Bonnet ('Down To Earth') e dos discos meia-boca (mas tem quem curte) gravados com Joe Lynn Turner, o auge desta magnífica banda se deu mesmo com os seus 4 primeiros discos: 'Rainbow', 'Rising', 'On Stage' (ao vivo) e 'Long Live Rock'n'Roll' (meu favorito)...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    O grupo Rainbow começou em 1975 como um projeto do lendário Ritchie Blackmore, ex-guitarrista do Deep Purple, que chamou para acompanhá-lo os integrantes de uma até então praticamente desconhecida banda Elf. O nome escolhido para a banda foi Ritchie Blackmore's Rainbow (para aproveitar a fama do ex-Deep Purple), mais tarde mudado para apenas Rainbow. Possivelmente este nome foi tomado de um clube de Los Angeles em que Blackmore e a banda Elf costumavam tocar (o Elf havia feito a abertura de algusn shows do Deep Purple).

    A formação inicial, que gravou um disco com o nome de Ritchie Blackmore's Rainbow, contava com Ronnie James Dio no vocal (segundo vocalista do Black Sabbath e que mais tarde viria a seguir uma bem sucedida carreira solo), Craig Grubber no baixo, Gary Driscoll na bateria e Mickey Soule nos teclados. Obviamente sendo uma banda de músicos experientes e conhecidos não tiveram que galgar degraus em sua carreira, se tornando imediatamente aceita pelos fãs do hard rock europeu (posição que seria mudada mais tarde com a mudança da banda para os Estados Unidos e a escolha pela música que agradasse ao público americano).

    Os egos gigantescos de Blackmore e Dio rapidamente gerariam atritos com os outros componentes. Logo após a gravação do primeiro disco houveram diversas mudanças de formação. A banda viria a se estabilizar novamente com Cozzy Powell na bateria (mais tarde no Black Sabbath), Jimmy Bain no baixo e Tony Carey nos teclados. Com esta formação lançaram um álbum ao vivo (On Stage) e o segundo álbum de estúdio da banda, Rainbow Rising, em 1976. Esta formação foi a mais duradoura da banda e a mais aclamada pelo seu público antigo.

    O próximo álbum a ser lançado seria Long Live Rock and Roll, em 1978. Com certeza o mais difícil da carreira da banda, pois após o início das gravações seguiram-se problemas entre Blackmore e os outros integrantes. Jimmy Bain é demitido e seu substituto, Mark Clark, dura apenas algumas semanas na banda, sendo logo substituído por Bob Daisley (que viria a tocar com Uriah Heep, Gary Moore, Black Sabbath, Ozzy Osbourne e Yngwie Malmsteen). Como Bob foi contratado apenas para a turnê o próprio Blackmore gravou o baixo no disco. Tony Carey também foi substituído por David Stone. Após uma curta turnê a banda se separa oficialmente e Dio inicia sua bem sucedida carreira solo (acompanhado pelo baixista Jimmy Bain). Aparentemente Blackmore desejava seguir uma musicalidade menos clássica, fazer canções mais assimiláveis pelo mercado americano, abandonar a temática medieval e fazer canções românticas, tendo sido apoiado apenas por Cozy Powell.

    Em 1980 Blackmore reformulou a banda, lançando Down to Earth, com Cozy Powell na bateria, Roger Glover no baixo, Don Airey nos teclados e o desconhecido Graham Bonnet nos vocais. A mudança no som da banda prova ter sido válida pelo menos comercialmente e o Rainbow inicia sua fase de maior vendagem. Após a saida de Cozzy Powell (substituído por Boby Rondinelly, que mais tarde iria para o Black Sabbath) e a entrada de Joe Lynn Turner (que mais tarde participaria do Deep Purple) no lugar de Grahan Bonnet lançam em 1981 um outro álbum no mesmo estilo. A mesma formação (incrível) lança Straight Between the Eyes em 1983 e após a substituição de Boby Rondinelly por Chuck Burgi lançam Bet Out Of Shape em 1984.

    Em virtude da reunião do Deep Purple em 1985 a banda Rainbow foi extinta até o lançamento de Stranger in Us All de 1995. O disco deveria ser um trabalho solo de Blackmore mas o apelo de usar o nome Rainbow foi maior. A banda formada por Doogie White nos vocais, Greg Smith no baixo, John O'Reilly na bateria e Paul Morris nos teclados, embora não apresentasse nenhuma ligação com a banda antiga (a não ser o guitarrista, claro) foi batizada novamente de Ritchie Blackmore's Rainbow. Chuck Burgi (antigo baterista) participou da turnê que se seguiu.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  18. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    Acho que os álbuns com o Joe Lynn Turner são injustiçados. Claro, não se trata de clássicos como o primeiro, o Rising e o Long Live Rock'n Roll, mas ainda são ótimos discos. No estudio o Turner é eficaz, e as músicas são excelentes. Elas pendem para o Hard que se fazia nos anos 80, mas ainda mantendo as raizes da banda.

    Eu tenho o Difficult to Cure. Spotlight Kid, Vielleicht das Naschte Mal (Maybe Next Time) e Midtown Tunnel Vision mantem o excelente nivel e estilo dos álbuns clássicos. I Surrender e Magic são Hard Rocks de excelente qualidade, embora sejam mais acessiveis aós ouvintes em geral. Freedom Fighter é um Hard Rock maravilhoso, que combina bem o estilo do Rainbow com a nova perspectiva da banda. Sem contar a última faixa, Difficult to Cure que é um cover para parte da nona sinfonia de Bethoven.

    Eu escutei metade do Down To Earth (que não é com o Turner) e achei no mesmo nível de Difficult to Cure, e so ouvi uma música do Straight Between The Eyes e não posso falar muita coisa. Valem a pena serem ouvidos.
     
  19. O grande problema desses discos Faramir, ao menos pra mim, é que tiram um pouco o estilão traidicional da banda, aquele imortalizado na fase Dio...

    É que nem o Sabbath do 'Born Again' pra frente, não é ruim (alguns discos daquela fase inclusive são maravilhosos), mas não são mais tão Sabbath assim...
     
  20. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    Realmente, o estilo clássico da banda mudou mesmo nesses álbuns, mas ainda assim eu os considero muito bons (melhores do que os álbuns com o Tony Martin no Black Sabbath, por exemplo).

    Acho que o maior problema seria o vocal do Turner que muitas pessoas não gostam, mas no estudio fica legal.
     

Compartilhar