1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Richie Kotzen

Tópico em 'Música' iniciado por Faramir Estel, 26 Nov 2007.

  1. Faramir Estel

    Faramir Estel By Demons Be Driven

    Bom, tava na hora de eu abrir um tópico pra um dos meus guitarristas/vocalistas preferidos.

    Richie Kotzen teve seu primeiro contato com musica aos 7 anos de idade, após ouvir a banda Kiss. Formou várias bandas na sua adolêscencia e em 1989 se juntou a Shrapnel Records (especializada em discos instrumentais) e gravou seu primeiro album, além de uma video aula.
    Com sua carreira solo seguindo a frente, Richie teve sua primeira oportunidade ao ingressar na banda de glam rock Poison, gravando o disco Native Tongue (que gerou 2 hits, "Stand" e "Ultil You Suffer Some"), pra mim o ponto baixo da carreira dele.
    Após a saída do Poison continuou sua carreira solo, lançando os discos "Electric Joy" (em sua maior parte instrumental, mostrando o virtuosismo do músico), Wave of Emotion (seu primeiro disco totalmente cantado, calcado no Funk com toques de Hard Rock e Reggae), Something to Say (lançamento de maior apelo comercial de sua carreira, com poucas músicas legais) e What Is (mais puxado para o Blues, numa época em que Richie passava por problemas pessoais), além de seu projeto com Greg Howe, que rendeu dois discos, Kotzen/Howe Project (1995) e Tilt (1997)
    Em 1999, Kotzen teve chance de participar de dois grupos, o primeiro foi o Vertu, banda de Fusion liderada pela lenda do Jazz, Stanley Clark. O projeto foi muito bem sucedido e se apresentou em vários festivais de Jazz pela Europa.
    Sua outra chance foi ao ser convidado para substituir Paul Gilbert no grupo de hard rock Mr. Big. Sua passagem gerou dois discos, Get Over It (que teve uma boa vendagem no japão) e Actual Size (com o hit "Shine"). Ao mesmo tempo lançou 3 albuns em sua carreira solo: BiPolar Blues (um disco na maioria composto por covers), Break it All Down (cd mais desconhecido do músico e por sinal o mais fraco) e Slow (que mistura hard rock, batidas eletronicas, fusion e apresenta um dos melhores trabalhos de guitarra de Kotzen).
    Novamente sua estadia num grupo de sucesso foi curta, após brigas sobre a sonoridade do album "Actual Size", o Mr Big se desmancha, fazendo sua turnê de despedida no ano de 2003. Nesse mesmo ano Richie já volta com sua carreira solo, lançando o cd Change, com uma sonoridade pop-rock (e que acaba soando muito bem). Em 2004 vem o melhor disco de toda sua carreira, Get Up, recheado de músicas excelentes e a volta do artista a uma sonoridade que não aparecia desde o 3º album de sua carreira.
    Após uma pausa, Kotzen lança Into the Black, disco que segue a musicalidade de Get Up aliado a uma sonoridade mais depressiva e solos calcados no blues. E finalmente esse ano chega "Return of the Mother Heads Family Reunion", seguindo a mesma sonoridade do maior clássico de sua carreira.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 26 Nov 2007
  2. Arcavius

    Arcavius Ezio Auditore da Firenze

    Ritchie detona, mas não é muito popular...
    Assisti uma video aula dele, e acho que o Michael Angelo e ele são os melhores da nova geração
     
  3. Fazion

    Fazion Yippee-ki-yay!

    Kotzen é muito bom mesmo... o BiPolar Blues é demais!
     

Compartilhar