• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

RG Veda (idem, 1989)

Ilmarinen

Usuário
A JBC lançou essa semana a tradução nacional do primeiro mangá da Clamp, o RG Veda ( pronuncia-se "Rigu Veda" pra diferenciar direto dos textos sagrados do hinduismo, os Rig Veda).

Primeiro trabalho profissional do futuro grupo superstar, a história junta mitologia védica-budista ( a mesma construção mitopóetica sincrética de Shurato, daí os mesmos nomes pros guardiões do Mundo Celestial) com uma profecia cheia de reviravoltas à la Macbeth, Hamlet e Édipo Rei como plot central, onde a marca registrada do grupo Clamp já aparecia:
nada é o que aparenta ser ( esse que vos fala ficou 4 dias traumatizado ao ler o final no décimo e último volume da saga... )




A tradução brasileira preserva o lavor arcaico da linguagem empregada em japonês, tão rebuscada no original que não é qualquer um que dá conta de ler tudo o que elas colocam lá. A JBC também acrescentou algumas notas que rastreiam as referências míticas, ajudando o leitor a se situar na tessitura da coisa.

Li o mangá há doze anos atrás, comprando o original em japonês em Sampa e lendo com scripts em inglês, tendo, na época, que "pular" os volumes 3 a 5, que só consegui ler 2 anos depois, quando scripts deles foram disponibilizados por muito pouco tempo na Internet.

Embaixo na citação o grosso da resenha, com as jpgs facilmente visualizáveis sem poluir o visual da tela e sem o tagg de spoiler:


Origens-a autoria do crime



Se vc acha que George R.R. Martin é cruel com seus personagens em A Canção do Gelo e do Fogo, prepare-se pra ver o que Clamp faz com os dela


Como mulheres com visuais tão meigos podem ser tão cruéis?? :P

Tendo os mangás originais posso dizer: o tratamento gráfico está bom, com um papel e impressão mais caprichados do que a média da JBC pra primeira edição de um mangá, sem aqueles efeitos de preto "fosco" do mangá do X ( afinal é Clamp, e o Clamp mais cult e de arte mais requintada publicado aqui desde o X depois que o grupo já virou notoriedade por essas bandas). Mantiveram as ilustrações duplas coloridas de frontispício, coisa que, por exemplo, não fizeram com Ga-Rei do Hajime Segawa ( do qual também gostei muito e que, claro, bebe da fonte clampiniana, sendo influenciado por X e RG Veda além de trocentas outras coisinhas como Caça-Fantasmas e X-Men) e nem com XXXHolic.Nem o recente Kobato, também da Clamp, entretanto, teve esse privilégio de ter a arte a cores mantida na primeira edição nacional. Ponto pra JBC, que,implicitamente, a meu ver, reconhece a importância do lançamento.



Influências


A arte da Clamp, na época, pra esse mangá, era um combo do character design de duas séries que influenciaram muito o plot e tratamento/design dos personagens ( principalmente em suas versões animadas): Cavaleiros do Zodíaco ( do recém falecido Shingo Araki, morto em 2011) e Shurato ( de Matsuri Okuda que lançou livros temáticos da série com ilustrações de cair o queixo).A Clamp principiou sua carreira fazendo dojinshis dessas duas sagas e "verteu" adaptou/processou essas influências no RG Veda, "descontruindo" o material de forma soberba.



Reparem nos easter eggs: Gai Kuroki, o Rei Yasha do Shurato, é o modelo pro character design de Taishakuten, enquanto Shiryu de Dragão, do Saint Seiya, é a base pro visual do "Sanraat" Yasha do RG Veda. Os 12 cavaleiros do Zodíaco propriamente ditos, os doze caveleiros de ouro, foram homenageados como a guarda pessoal do Ashura-Oh (Samraat Ashura) do mangá da Clamp, aparecendo na história prequel do primeiro volume.

Reconhecíveis aí em cima: homenagens clampinianas a Saga de Gêmeos, Kamus de Aquário, Shura de Capricórnio,Aiolia de Leão.






Rei Yasha e Shurato no dojinshi da Clamp, a mão em garra em cima do peito exposto já prenuncia o tratamento que a Clamp daria aos muito amores disfuncionais do RG Veda e de diversos dos seus outros trabalhos...Brrrr!!








O rosto da versão adulta de Ashura parece extremamente reminiscente do de Pandora, da saga de Hades de Saint Seiya.


Em todo caso, o trabalho das meninas da Clamp no RG Veda foi totalmente groundbreaking, sem deixar de homenagear diversas influências como os já citados Shurato e Saint Seiya, além do longa animado/mangá Arion, ambientado na mitologia grega ( que, muito suspeitamente, já prenunciava alguns temas e acontecimentos da coqueluche mítica de nossos dias, God of War), e o manga do Kujaku, investigador/exorcista, mais explicitamente homenageado no Tokyo Babylon através da dupla de Omyoujis Subaru Sumeragi e Seishirou Sakurazukamori, mas referido com um homônimo misterioso no RG Veda.






Evil Puppeteers? A semelhança entre o Apolo de Arion e o Kujaku-Oh de RG Veda não deve ser mera coincidência, embora as aparências sejam sempre enganosas onde a Clamp estiver envolvida.

Arion, um dos melhores longas metragens animados em animês da segunda metade dos anos oitenta







Spirit Warrior (esquerda) que, no fim da década de 80, serviu pra batizar TODO o estilo de animê do qual Shurato e Saint Seiya faziam parte, "spirits", foi uma tremenda influência no RG Veda; aí, na contraposição dessas duas capas, vemos à esquerda: Kujaku e Ashura e, do outro lado, Ashura e Kujaku-Oh. Coincidência? Não. A ilustração da esquerda, na verdade, é a capa do Dojinshi de Kujaku-ou feito pela própria Clamp...publicado dois anos antes do lançamento do RG Veda. As mangakas,literalmente, vestiram a camiseta da influência colocando a referência/homage na capa do seu primeiro trabalho publicado.

Aí embaixo transcrito post comentando a pedigree e influência do mangá de Makoto Ogino:

Re: [Anime] Spirit Warrior, great stuff but wtf?
To answer your answer, no, you did not miss anything because what you saw is mostly unconnected with the rest; the rest are independent OAVs unrelated to each other but in the characters.

IIRC, what you saw was the typical anime condensation of a long manga arc: in other words, maddeningly incoherent and unsatisfying.

Peacock King the manga is a very old but very influential work from the 80's, in that it caused a boom and interest in the occult and occult-themed media. CLAMP's Tokyo Babylon was one such, but not the only, manga influenced by it. There are two series, of which the first one is vastly superior. The first was the first mainstream manga to delve deeply into esoteric Buddhist, Daoist, Elizabethan, Hindu, Shinto magical practices, explaining and featuring in depth various incantations and rituals used by real life sects and groups. It also featured various meticulously researched monsters from Chinese, Japanese, Indian and Western mythologies. Unfortunately, it also liked to delve into kinky S&M, sadomachochistic sex, xenophobia and racism.

It's the type of manga unlikely to be bought over here--for various reasons, though I don't know if it's being scanlated.

The second series was sort of a reboot of the first one, after the mangaka found that his subsequent works sucked and he needed money. Needless to say, while the manga featured IMO better art, the story stank. He had ran out of real life monsters and occult practices and decided to invent all sorts of weird stuff to compensate. It was, at best, good.

Back to the topic, I actually like the OAVs better than the mini-movie you had watched. While the art is much better with the movie, with the Madhouse animating, the stories are more entertaining in the OAVs.

For instance, the first OAV has Kujaku confronting the Harry Potter of Japan (so as not to spoil the twist). The subsequent ones see him fighting Cherubim, the ghost of Nobunaga, etc.

What we learn from history is that no one learns from history.

The road to Auschwitz was built by hate, but paved with indifference.

Every alliance implies a horse and a rider; the function of diplomacy is to secure that you are the rider and your ally the horse.

Nem o X escapa da influência do Peacock King

Kujaku, o Rei Pavão mangá feito por Makoto Ogino e transformado em animê OAV no começo dos anos noventa e fim dos oitenta. Já era, provavelmente, uma das influências do Shurato junto com Arion logo acima.A semelhança com a capa do primeiro volume do RG Veda salientada pelo próprio images do Google já entrega a coisa. Pra não falar que a mocinha da parte da direita da picture acima é a Ashura do Peacock que é uma pirocinética cujo patrono é a divindade homônima japonesa sincrética com as matrizes hindu-budistas, o deus da guerra Ashura, aparecendo no fundo da picture bem atrás dela.

No fundo, atrás de Ashura do RG Veda, o equivalente na Clamp


Compare com o design dessa ilustração de Makoto Ogino pro Spirit Warriors- Kujaku-Oh Peacock King.





Aí embaixo o casalsinho Kujaku-Ashura do Peacock King Spirit Warrior.





Correspondentes do RG Veda:


Outras homages espertinhas pra quem tem olho e memória treinados vão pra coisinhas como Krull, o filme fantasia épica anos oitenta da minha geração, e algumas referências de background que remetem pra Duna, o livro de Frank Herbert do qual Nanase Okawa é fã e pra Saga das Sete Cidadelas da Geraldine Harris, uma trama de fantasia épica do fim dos setenta e início dos oitenta que foi traduzida pra diversas línguas, inclusive o japonês, mas que, infelizmente, caiu no esquecimento, soterrada pela avalanche de Tolkien clones da década seguinte que floodou o mercado editorial de fantasia nos EUA.Tem diversas coisas dessa saga em quatro partes que parecem ter sido referidas no RG Veda e no X.

Filosofia e "mensagem"

Vale muito a pena ver a primeira abordagem sobre o conceito de "destino" como trabalhado pela Clamp, denominado hitsuzen, que ilustra perfeitamente a teologia e metafísica do conceito tal como empregado por Tolkien e pela teologia do Cristianismo que é a pedra fundamental da Narn Chîn Húrin.

Corresponde à noção de que existe, deveras, um "destino" que NÃO EXCLUI o livre-arbítrio e a possibilidade de "mudança" em função desse. O Tolkien dizia, referindo-se, obviamente, ao encontro "fortuito" "fatídico" entre Laio e Édipo em Sófocles, ( e ao igualmente fortuito e fatídico encontro de Túrin e Nienor com ela pelada no túmulo de Finduilas) que alguém pode estar "destinado" a encontrar alguém na estrada, mas NÃO ESTÁ destinado a maltratá-lo ou ser rude com ele (ou fazer qualquer outra coisa) após esse encontro acontecer.

One of the main themes in xxxHOLiC is the concept of hitsuzen — probably best translated as "inevitability" or "inevitable fate" (although what is inevitable is influenced by your mindset and past choices, this is more like a slightly fatalistic Chaos Butterfly than the Western concept of destiny) — which affects many of the characters' actions throughout the story. Yuuko told Watanuki when they first met that it was hitsuzen.

Fica a indicação de uma excelente aquisição pro admirador de mangás aqui do Brasil finalmente conhecer um trabalho já repleto de bagagem "histórica" ( era citado por N outros trabalhos da própria Clamp além de, junto com o X e o Tokyo Babylon ter influenciado toda uma nova geração de mangakas) e influente sobre várias obras que foram publicadas aqui na terrinha antes dela, como Ga-Rei, Angel Sanctuary, Hellsing ( bem nas entrelinhas. mas não posso spoilear), Claymore e outras similares.



Díptico-Ashura-Yasha-H.R.Giger nem um pouco hein?





Lista de trabalhos da Clamp incluindo os dojinshis (incluem Shurato, Peacock King e Saint Seiya)

Doujinshi:
#1987
Shinjuku Junai Monogatari (doujinshi: Maou Den); str.126;
Kujaku Myouou Darani (doujinshi: Kujakuou); str. 153;
Yoiko no Saint Daihyakka (doujinshi: Saint Seiya); str. 268;
Shining Star; republikacja wyd. Kadokawa Shoten w 1990;
# 1988
POTATO CLUB (doujinshi: Capitain Tsubasa); str. 192;
Ginga Eiyuu Densetsu Satsujin Jiken (doujinshi: Gin-Ei-Den Souryuuden); str. 90;
Seiden Disco Version (doujinshi: Seiden); str.98;
Seiden Disco Version Saishuu Fukkokuban (doujinshi: Seiden);
Hisshou! Tanaka Yoshiki Sensei Kouryakuhou (doujinshi: Ginga Eiyuu Densetsu Souryuuden); str. 116;
LET'S PLAY WITH EARTHIAN:PIN PON PAN! (tytuł alternatywny: Earthian to Asobou! Pinponpan); (doujinshi: Erthian); str. 52
Karura Bonodori! (doujinshi: Karura Mau!); str. 44;
SHOTEN 1;
Fuuun Samurai Trooper Jou (doujinshi: Troopers); str. 212;
# 1989
SHOTEN 2;
Seiden Kessakushuu (doujinshi: Seiden); str. 92;
BREAK SHOT INSTRUCTION in CLAMP (doujinshi: Break Shot); str. 60;
SHOTEN: „SPECIAL”;
SHOTEN 3;
Watashi no Himitsu Heiki (doujinshi: Shurato); str. 76;
#1990
SHOTEN 4;
Heart nibun no Kyojin no hoshi (doujinshi: Kyojin no Hoshi);
SHOTEN 5;
# 1991
„Shinkyoku dj - La Divina Commedia” (tytuł alternatywny: Shinkyoku Debide); geika, komedia; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona, Nekoi Tsubaki, Akiyama Tamayo, Sei Leeza; 1 tom; (doujinshi: Devilman);

Manga:
1989 „DerayD” (tytuł alternatywny: Deraido Sinsouban); geika, fantasy; story: Ohkawa Ageha, Akiyama Tamayo, art: Akiyama Tamayo; wyd. Shinkigensha; 1 tom;
1989 „Tenshi no Bodyguard”; wyd. Kobunsha (czasopismo: Val Pretty ); oneshot;
1989-2006 „RG Veda” (tytuł alternatywny: Seiden RG Veda); geika, shounen-ai, shoujo-ai, dramat, fantasy; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Shinshokan (czasopismo: Wings); 10 tomów;
1990 „Shiawase ni Naritai”; oneshot;
1990 „Tenku Senki Shurato Original Memory: Dreamer”; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Comic Genki); oneshot;
1990 „Koi wa Tenka no Mawarimono”; wyd. Hakusensha; oneshot;
1990-1991 „20 Mensou ni Onegai!!” (tytuł alternatywny: Man of Many Faces); komedia, shoujo, fantasy; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Comic Genki); 2 tomy;
1990 „Gakuen Tokukei Duklyo” (tytuł alternatywny: CLAMP School Defenders); geika, komedia, mecha; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Comic Genki);2 tomy;
1990-1995 „Cluster”; geika, fantasy, maho-shoujo; story: Ohkawa Ageha, Akiyama Tamayo, art: Akiyama Tamayo; wyd. Shinkigensha; 7 tomów;
1991-1994 „Tokyo Babylon”; dramat, shounen-ai, fantasy, mistery, maho; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona;wyd. Kodansha, wyd. Shinshokan (czasopismo: Wings); 7 tomów;
1991-1992 „Combination” (tytuł alternatywny: Konbinesyoo); geika, shounen; story: CLAMP, Leeza Sei, art: Leeza Sei; wyd. Kobunsha; 2 tomy;
1992-1993 „Clamp Gakuen Tanteidan” (tytuł alternatywny: Clamp School Detectives); gakuen mono, geika, komedia, shoujo; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Mystery DX); 3 tomy;
1992 „Shirahime-Syo”; dramat, fantasy, maho; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Asuka), wyd. Koubunsha (czasopismo: Haru Pretty); 1 tom;
1992 „Gakuen Tokkei Duklyon”; wyd. Kadokawa Shoten; 2 tomy;
1992-2003 „X”; dramat, shoujo, geika, shounen-ai; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Asuka); 19 tomów;
1993-1995 „Mahou Kishi Rayearth” (tytuł alternatywny: Magic Knight Rayearth); geika, shoujo, mecha fantasy; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kodansha (czasopismo: Nakayoshi); 6 tomów;
1994 „Hidarite” (tytuł alternatywny: Left Hand); horror; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Shinshokan (czasopismo: South Summer); oneshot;
1994 „Suito no Yonkyodai Sohryuden Gaiden”; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo:Monthly Mystery DX); oneshot;
1994 „Mokona Oujo no Ehon”; geika, shoujo; story&art: Nekoi Tsubaki; wyd. Kadokawa Shoten; 1 tom; ilustrowana książka dla dzieci;
1995 „Mahou Kishi Rayearth 2”; geika, shoujo, mecha fantasy; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kodansha (czasopismo: Nakayoshi); 3 tomy;
1995 „Fushigi no Kuni no Miyuki-chan” (tytuł alternatywny: Miyuki-chan in Wonderland); geika, fantasy, shoujo-ai, ecchi; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Newtype); 1 tom;
1995 „Watashi no Suki na Hito” (tytuł alternatywny: The One I Love); josei; story&art: Nekoi Tsubaki; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Young Rose); 1 tom;
1996 „Yumegari”; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Asuka); oneshot;
1996-2000 „Card Captor Sakura”; fantasy, maho-shoujo, gakuen mono; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kodansha (czasopismo: Nakayoshi); 12 tomów;
1996 „Shin Shunkaden” (tytuł alternatywny: Legend of Chun Hyang); historical, geika, fantasy, shoujo; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Hakusensha; 1 tom;
1996-1998 „Wish”; shoujo, fantasy, shounen-ai; story: Ohkawa Ageha, art: Nekoi Tsubaki; wyd. Kadokawa Shoten; 4 tomy;
1997-1999 „Clover”; fantasy, s-f, shoujo; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kodansha (czasopismo: Amie); 4 tomy;
1999-2001 „Kidou Tenshi Angelic Layer” (tytuł alternatywny: Angelic Layer); geika, s-f, shounen; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Shonen Ace); 5 tomów;
1999-2000 „Suki” (tytuł alternatywny: Suki Dakara Suki); dramat, shoujo, gakuen mono; story: Ohkawa Ageha, art: Nekoi Tsubaki; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Asuka); 3 tomy;
2000 „Clamp in Wonderland EX”; komedia; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona, Nekoi Tsubaki; 4 oneshoty;
2001-2004 „Chobits”; komedia, ecchi, s-f, seinen; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kodansha (czasopismo: Young Magazine); 8 tomów;
2002-2003 „Gohou Drug” (tytuł alternatywny: Legal Drug); shounen-ai, mystery, maho; story: Ohkawa Ageha, art: Nekoi Tsubaki; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Asuka; Shoujo Teikoku); 3 tomy;
2002 „Murikuri”; komedia, seinen; story: Ohkawa Ageha, art: Nekoi Tsubaki; wyd. Kodansha (czasopismo: Young Magazine); oneshot;
2002 „Ano Hi o Shiru Mono wa Saiwai Dear ”; wyd. Kodansha (czasopismo: Young Magazine Zoukan: Sports Sou); oneshot;
2003 „Tsubasa: Reservoir Chronicle”; geika, fantasy, dramat, romans; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kodansha (czasopismo: Weekly Shonen Magazine); 25 tomów;
2003 „xxxHoLic”; komediodramat, maho, fantasy; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona, Nekoi Tsubaki; wyd. Kodansha (czasopismo: Young Magazine); 14 tomów;
2005 „Watashi no Suki no Hito” (tytuł alternatywny: The One I Love); shoujo; story: Ohkawa Ageha, art: Nekoi Tsubaki; wyd. Kadokawa Shoten; 1 tom;
2006 „Kobato”; geika, komedia, fantasy, shoujo; story: Ohkawa Ageha, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Newtype), wyd. Shogakukan (czasopismo: Sunday Gene-X); 4 tomy (w trakcie tworzenia);
2007 „Horitsuba Gakuen” (tytuł alternatywny: Private Institute Horitsuba); komedia, gakuen mono, shoujo, fantasy; story: Ohkawa Ageha; wyd. Kodansha (czasopismo: Weekly Shounen Magazine); 2 oneshoty (w trakcie tworzenia);
2007 „Okimono Kimono”; story: Ohkawa Ageha, art: Nekoi Tsubaki; wyd. Kawade Shobo Shinsha; oneshot;
2008 „Washizu-sama to Yukai na Nakama-tachi”;
2009 „Shiritsu Horitsuba Gakuen”; shounen; wyd Kodansha (czasopismo: Magazine Dragon Zoukan); oneshot;

Współpraca:
1993-2007 „Soryuden”; story: Yoshiki Tanaka, art: CLAMP; wyd. Kodansha; powieść; 13 tomów;
1993 „Rex Kyouryuu Monogatari”; fantasy, shoujo; story: Ohkawa Ageha, Hata Masanori, art: Nekoi Tsubaki, Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Asuka); manga; 1 tom;
1993-1994 „Night Head”; story: Jouji Iita, art: CLAMP; wyd. Kadokawa Shoten; powieść; 2 tomy;
1993 „Koi”; josei, shoujo; story: Ohkawa Ageha, art: Okazaki Takeshi; wyd. Shinshokan; manga; 1 tom;
1994 „Souryuuden Gengashuu” (tytuł alternatywny: Legend of the Dragon Kings, Soryuden: The Dragon Kings in the city of water); geika, maho, dramat, fantasy; story: Tanaka Yoshiki, art: Apapa Mokona; wyd. Kadokawa Shoten (czasopismo: Mystery DX); manga; 1 tom;
1995 „Clamp School Paranormal Investigators”; komedia, gakuen mono; autor: Matsumoto Tomiyuki; art: CLAMP; wyd. Kadokawa Shoten; powieść; 3 tomy;
2000 „Kei Yoake no Vampire”; autor: Matsumoto Tomiyuki; art: CLAMP; wyd. Kadokawa Shoten; powieść; 1 tom;
2002 „Oshiroi Chouchou”; autor: Kamon Nanami, art: CLAMP; wyd. Kadokawa Shoten; powieść; 1 tom;
2004 „Soel to Larg: Mokona=Modoki no Bouken”; geika, komedia, fantasy; 1 tom; powieść ilustrowana;
2004 „Sweet Valerian” - manga; fantasy, maho-shoujo; story: Hatano Hiyoko, art: Hatano Hiyoko&CLAMP; wyd. Kodansha (czasopismo: Nakayoshi); 1 tom;
2004 „Sweet Valerian” - anime; fantasy, maho-shoujo; chara design, story: CLAMP; studio: Madhouse Production; 26 odc/4 min.
2006 „Majoutachi he Youkoso”; autor: Tsukumo Youko; wyd. Kodansha; powieść.
2006 „Code Geass: Lelouch of the Rebellion” - anime; Chara design: CLAMP; studio Sunrise”

Artbooks:
1991 „RG Veda - Hiten Muma”; wyd. Shinshokan; 2 tomy;
1995 „Magic Knight Rayearth Illustrations Collection”; wyd. Kodansha; 1 tom;
1996 „Tokyo Babylon Photographs”; wyd. Shinshokan; 1 tom;
1996 „Magic Knight Rayearth 2 Illustrations Collection”; wyd. Kodansha; 1 tom;
1998 „Card Captor Sakura Illustrations Collection”; 1 tom;
2000 „X Illustrated Collection – X”; wyd. Kadokawa Shoten (republikacja w 2005); 1 tom;
2000 „Card Captor Sakura Illustrations Collection 2”; 1 tom;
2000 „Card Captor Sakura Illustrations Collection 3”; 1 tom;
2001 „Card Captor Sakura Memorial Book”; 1 tom;
2001 „RG Veda - Tenma Gouka”; wyd. Shinshokan; 1 tom;
2001 „Wish ~Zutto Isshoni Ite Hoshii~ Memorial illust collection”; wyd. Kadokawa Shoten; 1 tom;
2002 „CLAMP no E Shigoto - South Side”; wyd. Kadokawa Shoten; 1 tom;
2002 „CLAMP no E Shigoto - North Side”; wyd. Kadokawa Shoten; 1 tom;
2003 „Chobits - Your Eyes Only”; wyd. Kodansha; 1 tom;
2004 „Soryuden Genga-shu”;
2007 „Tsubasa Gengashuu -ALBuM De REProDUCTioNS”;

Marcin "Suzume" Wróbel
 

Anexos

  • imagem.JPG
    imagem.JPG
    37 KB · Visualizações: 409
  • homage to cavaleiros.JPG
    homage to cavaleiros.JPG
    91,1 KB · Visualizações: 488
  • 99095872.jpg
    99095872.jpg
    59,7 KB · Visualizações: 447
  • dj-book18-front.jpg
    dj-book18-front.jpg
    122,8 KB · Visualizações: 27
  • arion shadow puppeteer apolo 2.JPG
    arion shadow puppeteer apolo 2.JPG
    17 KB · Visualizações: 434
Última edição:

Ilmarinen

Usuário
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

Picuinhas da edição nacional que só vi hoje à noite: o primeiro volume incluiu as páginas de seção cômica da Clamp divulgando seu jornalzinho fanzine, só incluídos nos tankohons japoneses mesmo, com as meninas desenhadas em SD, etc; o problema é que, por causa de um aparente errinho, a seção que deveria ter saído no volume quatro já saiu no volume um enquanto a original desse tankobon acabou omitida.

Que mancadinha foi essa JBC? Vcs vão colocar no volume 4 o original do volume 1 e aludir à inversão pra corrigir as coisas?

Outra coisinha: o texto acompanhando a picture das armas que vem em cada compilação foi omitido no primeiro volume, ficando a espada Shura sem o acompanhamento textual que, muitas vezes, antecipa/sugere o progresso do mangá. Detalhezinho ínfimo mas importante pra integridade prenunciativa da coisa.
 

Anexos

  • 374816_288238347942795_866074606_n.jpg
    374816_288238347942795_866074606_n.jpg
    37,5 KB · Visualizações: 368
  • 003vjtzb6.jpg
    003vjtzb6.jpg
    72,7 KB · Visualizações: 337
  • clamp rg veda impact.JPG
    clamp rg veda impact.JPG
    44,4 KB · Visualizações: 243
  • 1150gz.jpg
    1150gz.jpg
    33 KB · Visualizações: 72
  • ashura detail face.jpg
    ashura detail face.jpg
    97,4 KB · Visualizações: 73
Última edição:

Bel

Moderador
Usuário Premium
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

Ilmarinen, use a tag spoiler quando for postar muita imagem grande, ok? ^^
 

Neoghoster Akira

Brandebuque
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

Sinto falta da fase do Clamp em que os desenhos eram luxuriantes e enchiam os olhos. Até a época do mangá de Sakura Card Captors dá para sentir ainda essa vibe detalhista e rica no traço que tem em X, MKR e outros e que ficou no passado se tornando hoje mais simples quando vemos a chegada de títulos como Chobits e Angelic Layer.

Gostei da análise sobre destino e livre-arbítrio. A tirania de um único sistema lógico que segure com garras de ferro os fundamentos do mundo pode ser letal para o conceito de ser humano (que fora feito para se experimentar e atravessar testes em meio ao cosmo) e nesse ponto a humanidade ou falta dela é algo muito trabalhado em Tolkien e no Clamp. Tanto que fiz questão de comprar todos os volumes da coleção de Chobits para ler a visão que o Clamp tinha sobre o conflito Humanidade versus Falta de Humanidade. Pena que comparado a algo como Magic Knight Rayearth o mangá Chobits tem muito menos da combinação de rebuscamento entrelaçada a história que eu tanto apreciava nos títulos antigos.

Talvez vocês se interessem pelo conceito de conexão japonês e do entrelaçamento que resulta disso sendo descrito num artigo que li sobre a comparação das tragédias de Fukushima e Minamata. Em Minamata a palavra que resumiu o evento foi um ideograma que significa algo como "dois navios andando lado a lado e unidos por cordas". Em Fukushima o ideograma que se criou para se associar ao evento significa "conexão".

http://www.japanfocus.org/-Shoko-YONEYAMA/3845

Life-world: Beyond Fukushima and Minamata
5. ‘Connectedness’ as the Legacy of Minamata and Fukushima

...

Is it any wonder then that connectedness emerged as a legacy of both Minamata and Fukushima? The devastation of the March 11 triple disasters met with overwhelming sympathy, abundant aid, and offers of volunteer work from other parts of Japan and all around the world. Within the affected districts, people strove to revive the spirit of the community, for example, by efforts to salvage traditional festivals and seasonal events. The disaster created a sense of cohesion in Japan. At the end of 2011, the word ‘kizuna’ 絆 (bond/connectedness) was chosen as the kanji character that best symbolised the year of disasters.39 Indeed, the triple disaster affected the people of Japan in profound ways. A public opinion poll conducted in 2012 by the Cabinet Office found that almost 80 percent of the 6,059 respondents indicated that they came to realise, after the 2011 disaster, the importance of connectedness with society to a greater extent than they did earlier.40



In the case of Minamata, the word ‘moyai’ 舫 (mooring boats) has become its legacy,41 although it took nearly forty years for it to emerge as a key concept. The word was first used officially in 1994 in a speech by the then Minamata Mayor, Masazumi Yoshii. It was Ogata Masato, a Minamata fisherman and Minamata disease sufferer, however, who first proposed the concept as a keyword for the future.42 He is one of the ‘creative and persistent small leaders’ within the community with whom the Minamata patients have been blessed',43 and one of the key persons in Minamata who can create new knowledge.44 He writes:

We have an expression, moyai, which I hold close to my heart… It comes from the verb moyau, which means “to tie two boats together,” or “to moor a boat to a piling.” For instance, when we fished for sardines, two boats of the same size would drag a net between them…. If a storm should blow up while we were fishing, we would tie our boat together with another and head for port. This, too, is called moyau. The other boat didn’t necessarily belong to an acquaintance…. As we headed for port we would talk about our fishing villages, how the fish were running, and so on…. Moyai began as a fishing term, but it has been applied to other aspects of our daily lives…. It implies that a small group of people will go somewhere and also return together. Villagers enjoy going places together.45

As Beck points out, different phases of modernity: pre-modern, first-modern and second-modern, have coexisted in the process of the modernisation of Japan.46 In post-3.11 Japan, Minamata presents a vantage point with which to survey this multifaceted modernity. For Ogata this multiplicity has been his lived history, and the foundation of a philosophy which is based on the notion of the life-world that puts the highest and absolute priority on life. As touched upon earlier, ‘life over economy’ is a phrase often seen in the recent anti-nuclear demonstrations, so that ideas resonating with Ogata’s may well be developed based on experiences of Fukushima. Meanwhile, as Beck points out, ‘we need a new frame of reference for the world risk society [from] non-Western countries’.47 What is attempted below is to construct such a frame of reference by drawing on ideas that Ogata developed in his fifty year struggle with Minamata disease.

This author had the occasion to interview Ogata in Minamata on 15-17 January 2012 and again on 25 August 2012. What follows draws upon these interviews as well as his two autobiographies – Rowing the Eternal Sea: the Story of a Minamata Fisherman (1996 Japanese and 2001 English) and Chisso wa watashi de atta [Chisso within] (2001). By drawing upon these research materials, it is suggested below that:

1) Ogata’s philosophy of ‘life-world’ (いのちの世界・生命世界), developed from his critique of modernity, presents a notion of the world where humans are envisaged as part of the connectedness of all living beings, souls of the living and the dead, and animate and inanimate elements of nature;

2) the philosophy is based on Japan’s cultural tradition of animism and may provide a spiritual basis for Japan (and possibly other parts of Asia and beyond), constituting an ethical foundation equivalent to that of the ‘Christian tradition and European culture’; and

3) the philosophy has the potential to provide ‘a new frame of reference for the world risk society [from] non-Western countries’48 by directly addressing the lacuna in (Western-made) social science: spirituality and nature.

http://www.japanfocus.org/data/420.jpg[\img][\spoiler]

[/QUOTE]

É divertido pensar que essa visão de como o destino se entrelaça com a vida dos japoneses adquira um sabor ocidental que o Clamp passa nos mangás. Lembra um pouco o que houve com CDZ que popularizou o gosto pela Grécia.
 

Anexos

  • 420.jpg
    420.jpg
    45 KB · Visualizações: 7
Última edição:

Ilmarinen

Usuário
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

Sinto falta da fase do Clamp em que os desenhos eram luxuriantes e enchiam os olhos. Até a época do mangá de Sakura Card Captors dá para sentir ainda essa vibe detalhista e rica no traço que tem em X, MKR e outros e que ficou no passado se tornando hoje mais simples quando vemos a chegada de títulos como Chobits e Angelic Layer.

Neoghoster, andei dando umas zoiadas no mangá do Gate 7 e posso dizer uma coisa: ainda tem aquele excesso de close-ups de rostos, relativa ausência de cenários, figuras minúsculas no meio de backgrounds conturbados pirotécnicos que começou, verdade seja dita, no volume final do RG Veda, que, visivelmente, cai de nível em relação aos cinco anteriores onde, IMO, a arte da Clamp atingiu o seu pico de qualidade ( os volumes 5 ao 9 são de cair o queixo na suntuosidade e, coisa que ficou MUITO prejudicada depois, na fluência do storytelling; vc praticamente vê um animê em preto e branco e zipatone/screen tone com o design e enquadramento dos painéis de página da Clamp no RG Veda), mas, vale a pena enfatizar: o Gate 7 começa a resgatar parte daquela arte final mais rica e texturizada, o nível de detalhamento e efeitos de ziptone e retícula mais ornamentados e abundantes dos tempos anteriores ao Card Captor. Ainda não é a época pré Card Captor, mas evoca mais o estilo dos últimos volumes do X, de sorte que me parece que a Clamp resolveu tomar mais cuidado com a arte.








E precisamos destacar: a Clamp pode ter diminuído a qualidade luxuriante da arte com aqueles símbolos abundantes de pétalas e penas cadentes, mecanismos de relógio, rodas do destino do RG Veda e X, mas, também, são, praticamente, os únicos mangakas que dão conta de manter um ritmo de produção constante sem os grandes hiatos que Takehiko Inoue (Vagabond) e Kentaro Miura (Berzerk) colocam nos seus mangás sem o uso de um estilo notadamente caricatural como o Eichiro Oda do One Piece, que, muitas vezes são auxiliados por meia a uma dúzia de assistentes diligentes enquanto a Clamp diz que poupa tempo dividindo o trabalho "só" entre as quatro . Lembrando que elas costumam, como sempre, manter a produção regular e não interrompida de MAIS de um mangá produzido simultaneamente.


E isso, por si só, já é uma qualidade louvável no trabalho delas ( assim como acontecia com o John Byrne durante os oitenta e noventa), sobretudo se levamos em conta o nível médio do roteiro que é quase sempre MUITO BOM, bem refletido e construído em termos de subcriatividade ( às vezes bom DEMAIS nisso até ,em termos tolkienianos, já que dá azo às "vistas inatingíveis", "senso de profundidade" ( histórias de background não contadas) e obscuridades ocasionais, como vc viu ou verá no RG Veda)
 

Anexos

  • nanase reaction x movie.jpg
    nanase reaction x movie.jpg
    16,4 KB · Visualizações: 11
  • 1057528_10200195865808866_1986206042_n.jpg
    1057528_10200195865808866_1986206042_n.jpg
    175,3 KB · Visualizações: 11
Última edição:

Aster

Usuário
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

A tradução brasileira preserva o lavor arcaico da linguagem empregada em japonês, tão rebuscada no original que não é qualquer um que dá conta de ler tudo o que elas colocam lá. A JBC também acrescentou algumas notas que rastreiam as referências míticas, ajudando o leitor a se situar na tessitura da coisa.

Tinha lido em inglês e me surpreendi com essa edição brasileira, a qualidade da tradução e, principalmente, com as notas de rodapé (um monte delas!, colocando referências pra nomes em sânscrito e relacionando (esclarecendo) influências do budismo e do taoísmo em mitos japoneses. Só reclamo do borrão em quase uma página inteira, que pegou bem em cima de parte do texto, daí não consegui ler =(

e, pra mim, o Kujaku (ainda mais depois desse primeiro post) tá quase tomando o lugar de favorito do Yasha :grinlove: (e ainda vou assistir Arion, de lambuja).
 

Ilmarinen

Usuário
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

Yasha Oh ainda é o Todo Poderoso Bicho de la Goiaba :P :). Mas não nego o amor por Kendapaquem, digo, Kendapa-Oh


Como dizem: tudo que é bom, é imoral, engorda ou FAZ MAL, MUITO MAL!!
 

Anexos

  • 598544_293888710711092_845730244_n.jpg
    598544_293888710711092_845730244_n.jpg
    166,3 KB · Visualizações: 329
  • ashurajou entrance.JPG
    ashurajou entrance.JPG
    79,3 KB · Visualizações: 388
Última edição:

Ilmarinen

Usuário
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

Mais influências

Dessa vez o brasileiro tem a vantagem de poder conferir em português e dublado aqui mesmo se quiser e procurar nos lugares certos.

RG Veda foi provavelmente influenciado por esse que foi um dos primeiros e melhores OVAs, baseado num romance de fantasia medieval japonesa, Yotôden de Takeshi Narumi. Esse, inclusive, ( MILAGRE!!) SAIU aqui. Foi praticamente a única série OVA japonesa lançada completamente aqui no Brasil em VHS na primeira metade dos noventa .

Com uma história cheia de twists, supresas, e dando um update na temática crossdressing/fantasia/Japão Feudal do Osamu Tezuka no Dororo com uma profecia com implicações inesperadas, o espírito do RG Veda já está todinho lá em termos de filosofia, "mensagem" e etc.

A mitologia desse animê inclusive já continha o revisionismo fantástico histórico em cima da figura "draculesca" de Nobunaga Oda, que tb aparece no Kujaku-Spirit Warrior do início da década seguinte e que, parece, também será um personagem importante do background histórico de Gate 7.


Parece bastante óbvio para mim que o excelente character design do desenho, bem revolucionário pra época, a julgar pelo que bombava no período( comparar com o character design do primeiro OVA de Vampire Hunter D, Macross e outras coisas como o próprio manga do Peacock King) já prenunciava as tendências dos anos noventa com uma vantagem de quase meia década e foi sim um grande modelo pra Clamp.

A personagem central, a ninja de clã massacrado Ayame, parece ter sido, explicitamente, homenageada no character design da Ashura adulta do RG Veda e no background, equipamento e roupagem "ninja" de outro membro remanescente de clã dizimado, a Sohma do RG Veda, que, como Ayame, era uma ninja com jeitão ligeiramente mannish ao passo que Ashura não tem sexo definido.



Visível a similaridade entre Ayame e Ashura não acham? O estilo predominante pra desenhar figuras femininas nos anos oitenta fazia delas figuras redodinhas e não as divas longilíneas que a Clamp gosta de fazer. A Ayame já fugia do estilo típico dos Eighties nessa de não ser "fofinha" e ,sim, "compridona".



Agora olhem só como Ayame parece ter entrado no DNA da Ashura acima e tb no da Sohma aí embaixo: reparem nas luvas, nas tornozeleiras, saiote e ombreiras altamente evocativas da indumentária da ninja vingativa de Yotôden.



E não dá pra negar que há uma pitadinha de Sakon no Yasha-Oh ainda que o template principal sempre tenha sido o Shiryu versão Shingu Araki.






Tem um amiguinho discípulo "robin" pro Sakon Batman no desenho que é praticamente IDÊNTICO a um garotinho do clã do Yasha no primeiro volume.

A similaridade do character design e caracterização trope é tanta que parece tão homage quanto Shiryu/Yasha




Separados na maternidade? Jinpei e o garoto do clã Yaksa do RG Veda?Ambos sofrem aleijões, um é cegado, o outro perde o braço, ficam "pra trás" e são mortos junto com um clã de "rebeldes"...

Jinpei (voiced by Masami Kikuchi and Frank Frankson) - a young shinobi who looks up to Sakon and supports Sakon's claims that Koga betrayed Iga (not believed by Momochi), but refuses to abandon his people and leave with Sakon. He is blinded and killed during the attack on Iga.
 

Anexos

  • espadachim ninja yotôden.JPG
    espadachim ninja yotôden.JPG
    44,1 KB · Visualizações: 308
  • ashura adulta.JPG
    ashura adulta.JPG
    75,6 KB · Visualizações: 266
  • sohma.JPG
    sohma.JPG
    58,7 KB · Visualizações: 265
  • rg_veda_v01_ms.rg_veda_vol.01_ch.01_086.jpg
    rg_veda_v01_ms.rg_veda_vol.01_ch.01_086.jpg
    51 KB · Visualizações: 260
Última edição:

Aster

Usuário
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

Yasha Oh ainda é o Todo Poderoso Bicho de la Goiaba :P :). Mas não nego o amor por Kendapaquem, digo, Kendapa-Oh

Como dizem: tudo que é bom, é imoral, engorda ou FAZ MAL, MUITO MAL!!

se tivesse um botão "triple lol" eu clicava :lol:
 

Ilmarinen

Usuário
Re: RG Veda, o mangá finalmente no Brasil!

Aí Ashura do Peacock King manda uma fireball destruidora num montão de mortos vivos...

Esse é um filme chinês adaptando o mangá do Makoto Ogino


Comparar com a Ashura do RG Veda tb dando um trato na oposição, à ferro e a fogo...

A echarpe vermelha da Ashura live-action aí também é um adereço frequente da personagem da Clamp nos Artbooks que, claro, TINHA que ser uma morenaça pirocinética como sua contraparte semi-esquecida da obra do Ogino...





 

Anexos

  • ashura do peacock king destrói homenzinhos.JPG
    ashura do peacock king destrói homenzinhos.JPG
    12,2 KB · Visualizações: 254
  • fireballs of destruction.JPG
    fireballs of destruction.JPG
    78 KB · Visualizações: 257
  • a cobra vai fumar fireballs.JPG
    a cobra vai fumar fireballs.JPG
    20,6 KB · Visualizações: 254
  • ashura e sua echarpe vermelha.JPG
    ashura e sua echarpe vermelha.JPG
    15,8 KB · Visualizações: 246
Última edição:

Ilmarinen

Usuário
Conversando no facebook sexta feita topei, graças a um amigo meu, com isso aí Ashurajou no Hitomi.

Huuuummmm, muito possivelmente, mais uma fonte pra Clamp. O filme, que é de 2005 e que, por sua vez, provavelmente homenageia também a obra da Clamp além do original,é baseado numa peça do meio dos anos oitenta...

Só a menção a "castelo Ashura" já entrega a coisa...





Quanto ao resto nem dá pra falar nada sem spoilear praticamente tudo...

Saiu aqui no Brasil como Ashura-A Rainha dos Demônios...

A fonte pra tradição sincrética xinto-budista-védica que deu origem ao Deus Guerreiro Ashura japonês é, provavelmente, derivada de uma troca de gênero desse aspecto de Kali aí, a Caçadora Bhadra ( vide picture abaixo extraída de um comic fantástico a ser publicado no próximo mês adaptando a saga de Krishna), um dos aspectos mais benignos da "Negra" que teria sido transformada numa contraparte macho sincretizada com o marido/consorte Shiva, o destruidor ao se deslocar da India para o Japão.


Interessante então, a noção de que a peça e os mangás da Clamp e do Ogino, "meio que só que não" REVERTEM a troca de sexo da transição sincrética sofrida pelo mitologema, embutindo nessa inversão uma análise dos innuendos e contextos sociológicos que mudam o sentido atribuído ao mito ao longo do tempo.


Isso aí explica MUITA COISA, em todos os níveis, o mitológico, o conceitual e o artístico, tanto pros mangás comentados aqui, quanto pra peça e filmes citados.
 

Anexos

  • 27913_296407043792592_460805366_n.jpg
    27913_296407043792592_460805366_n.jpg
    54,4 KB · Visualizações: 237
  • 23954_294359423997354_1998610851_n.jpg
    23954_294359423997354_1998610851_n.jpg
    276 KB · Visualizações: 274
  • 542808_293879757378654_994434245_n.jpg
    542808_293879757378654_994434245_n.jpg
    154,3 KB · Visualizações: 241
  • Alma corpo e coração.JPG
    Alma corpo e coração.JPG
    88,3 KB · Visualizações: 232
  • bhadra.JPG
    bhadra.JPG
    86,6 KB · Visualizações: 233
Última edição:

Aster

Usuário
Ainda não li todos os textos linkados e nem vi o filme (Ashura - A Rainha dos Demônios), mas a sinopse me lembrou uma mistura de Claymore com Ga-Rei...
 

Ilmarinen

Usuário
Tudo fervendo no mesmo cadinho/caldo de cultura...Ou, na definição neopentecostal, mesmo "inferno"...:P
 
Última edição:

Ilmarinen

Usuário
E falando em "inferno", vcs conhecem a expressão "quando o inferno gelar" em inglês né?

Detalhe interessante aí: aí tá o portal pra Ashurajou , o castelo Ashura no RG Veda e AGORA SIM, dá pra gente saber o que é que está referido nele. O formato em volta do alto-relevo no chão é uma flor de lótus com uma orla de fogo e, é claro, a entidade representada, o arquetípico Ashura, está sentado em posição de lótus, esperando...



Muito provavelmente conectada com as noções de personalidade dupla e mal selado implícitas na armadura de Gêmeos de Saint Seiya que presta homenagem a Kali e Ashura.







According to Aryan lore, Asura was defeated by Taishakuten (Indra) and hid thereafter in a lotus flower growing in the Icy Lake (Skt. = Anavatapta). The word asura was then sometimes translated as “non-god” or “anti-god” to complete the Aryan victory and to deny any chance of ranking the Asura among the heavenly gods. But with the emergence of Buddhism, Ashura is sometimes identified with sunshine and helping crops to grow. Many sources depict the Asura as demons, yet they are not always portrayed as sinister, and some are even godlike in their piousness. Among the truly evil was Vritra. <Photo Above: Modern mask reproduction>

Olhem só o que é o lago Avanatapta. http://en.wikipedia.org/wiki/Anavatapta

The name Anavatapta means "heat-free"; the waters of the lake were thought to be able to soothe the fires that torment beings. Anavatapta is also the name of the dragon that lives in the lake; having become a Bodhisattva, it was free from the distresses that plague other dragons, which are tormented by fiery heat and preyed on by Garuda birds.

Isso se correlaciona com a noção de que Ashurajou no mangá está mergulhado numa pocket dimension perpetuamente "imerso" em água. A Clamp é foda!! Esse é o tipo de reconstrução mítica de informação fragmentada que o Tolkien também fazia, "salvando a evidência", simbolicamente no mangá o Ashura é o Rei Ashura em Avanatapta e TAMBÉM o "Dragão" domado e transformado em Bodhisatva...



Esse poema de Kenji Miyazawa aí contém menção a Asura e sua conexão com o elemento aquoso e a passagem do tempo que é um dos significados de Kali. A localização dos asuras costuma ser perto do "mar"

Poem, from "Spring & Asura" (First Collection)

The phenomenon called "I"
is a blue illumination
of the hypothesised, organic alternating current lamp
(a compound of all transparent ghosts)
a blue illumination
of the karmic alternating current lamp
which flickers busily, busily
with landscapes, with everyone
yet remains lit with such assuredness
(the light persists, the lamp lost).

In the twenty-two months, which I perceive
lie in the direction of the past
I have linked these pieces on paper with mineral ink
(they flicker with me,
everyone feels them simultaneously)
each a chain of shadow and light,
mental sketches as they are,
which have been kept until now.

About these, the man, the galaxy, Asura, or the sea urchin,
eating cosmic dust, breathing air or salt water,
may each think up a fresh ontology,
but any one of them too will be no more than a scene in the mind.
Yet certainly these landscapes recorded here
are as they are recorded;
if they represent nothing, that's the way nothing is;
to some degree this holds true of everyone
(because just as everything is everyone in me,
so I am everything in everyone).
But while these words, supposed to have been copied correctly
in the accumulation of the vast bright times
of the Cenozoic era and alluvial epoch,
already change their structures and contents
in the light and shadow that's equal to a dot
(or in Asura's billion years)
the tendency could be there
that both the printer and I
perceive them as unchangeable.
Because, just as we perceive our senses,
landscapes and personalities,
just as we all merely perceive them,
so the records and histories, or the history of the earth,
together with their various data
(under the temporal, spatial restrictions of karma),
are no more than what we perceive.
Perhaps, two thousand years from now,
an appropriately different geology may win the time,
apposite evidence may turn up successively from the past,
everyone may think that two thousand years ago
colorless peacocks filled the blue sky,
fresh bachelors of arts may excavate
wonderful fossils somewhere from the glittering frozen nitrogen
at the top stratum of the atmosphere,
or discover in a stratification plane
of Cretaceous sandstone
the enormous footsteps of an invisible mankind.

All these propositions are asserted
in the four-dimensional extension
as the attributes of imagination and time.

Written on 20 January 1924.

From the book "A Future of Ice", by Kenji Miyazawa (1896-1933). Translated by Hioaki Sato.

A noção de Ashura/Asura como simbolizando o tempo e ligado a Kali dá entrelace com:

.

Por que será que tão poucos a associam a Kali? As semelhanças são tão óbvias e o Professor certamente conhecia a mitologia hindu.

Ver anexo 47627

Ungoliant e Melkor?

Ver anexo 47628

.


Lilith, Hecate, Kali ( compare a Unlight de Ungoliant com o Soma Negro de Shurato ( da Lady Shiva que, mitologicamente falando deveria ser Kali (que significa a Negra)e com o Lado Negro da Força de Star Wars).



Lady Shiva vem!! Compare com a sedução de Melko pela influência da Noite do Vazio no Book of Lost Tales I

Todos aspectos negros da Deusa Branca: as pessoas e o próprio Tolkien não comentam as analogias porque elas foram incorporadas à tessitura do cânone no Neopaganismo ocidental moderno. Pega mal pra caramba pra um católico "divulgar" a idéia na cabeça de alguns e os diletantes "pagãos" do Tolkien, por sua vez, gostam de fazer da mitologia dele uma pseudo-religião "auto-contida" ( sem NUNCA confessarem essa apropriação fanática e fora de lugar )e não gostam da idéia de ver o "seu" cânone cooptado por "vendilhões".

Tá vendo a sinuca de bico epistemológica que temos aí né?

Recomendo efusivamente a leitura desse thread porque ele conecta, temática e conceitualmente com o que foi discutido aqui, ao tratar da natureza de Ungoliant e os links com a atemporalidade e treva primordial embutidas na etimologia do nome "Kali", tal como aparece no link que eu postei.

- - - Updated - - -

E, sim, teve gente em inglês discutindo a possibilidade de influência e conexão entre Kali e Ungoliant há muito tempo atrás em inglês
 

Anexos

  • soothing the fires.JPG
    soothing the fires.JPG
    76,5 KB · Visualizações: 232
  • 602383_293891910710772_1812796936_n.jpg
    602383_293891910710772_1812796936_n.jpg
    202,6 KB · Visualizações: 214
Última edição:

Ilmarinen

Usuário


 
Última edição:

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo