1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Reparação (Ian McEwan)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Anica, 14 Dez 2008.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Eu fico feliz que pelo menos no caso do livro não tenham optado pelo "Desejo e Reparação" malandrinho* e tenham ficado só com o "Reparação" no título mesmo. Enfim, li recentemente a obra e confesso que achei bastante interessante. Não, não entrou na lista dos livros que mudaram minha vida, mas acho que a leitura vale a pena sim.

    Especialmente pelo cuidado que o McEwan tem com as personagens. É algo bastante difícil de ver hoje em dia, personagens que não tendem ao exagero (caricaturas) ou ainda, personagens que parecem pessoas de verdade.

    A história de Cecilia, Briony e Robbie no final das contas poderia acontecer em qualquer lugar, embora o autor situe na Europa da Grande Guerra. O ponto de vista da história muda constantemente, mas de um jeito que flui bem e não é nem um pouco incômodo.

    A primeira parte do livro narra os eventos de um dia na casa da família de Cecilia e Briony. O irmão das duas chega com um convidado, Paul Marshall, e a família também está recebendo três primos cujos pais estão passando por um processo de divórcio. Nessa noite, Lola, uma das primas, é atacada. Os fatos se desenrolam de tal maneira que Briony, ainda uma menina, acredita que o culpado é Robbie, que naquela mesma noite descobre-se/revela-se apaixonado por Cecilia.

    A segunda e terceira parte do livro são os desdobramentos dessa acusação que o leitor sabe ser injusta. Acredito que é aqui que as personagens ficam ainda mais humanas, mais reais.

    Outro ponto interessante é o fato de Briony querer ser escritor. É o que dá um charme para a última parte do livro (sobre o qual não posso falar para não estragar surpresas, hehe), e ainda é o que gera bastante passagens interessantes sobre o escritor e o que ele escreve.

    Como disse no começo, não é um daqueles livros que colocaria na lista de favoritos e afins, mas foi uma leitura muito, muito boa. Aconselho para quem ainda não leu (e agora estou curiosa para ver o filme ¬¬')

    _________
    * Malandrinho porque a atriz principal da adaptação para o cinema esteve presente em Orgulho e Preconceito. A idéia desse título duplo claramente é fazer com que o público pense que tenha algo a ver com o romance da Austen, e não, não tem nada a ver.
     
  2. Anigel

    Anigel Eu atropelo duendes!

    [align=justify]:lol: A edição que eu comprei não era recente. Acho que a editora meio que suspirou aliviada quando lançaram o filme porque o livro não deve ter vendido bem por aqui. O que eles fizeram foi acrescentar um folder na capa do livro avisando que era o livro do filme "Desejo e Reparação".[/align]

    [align=justify]Sim! Eu lembro que fiquei impressionada, até personagens secundários (como a mãe da Cecília e Briony) são bem trabalhados.[/align]

    [align=justify]Eu acho que isso, dele mudar o ponto de vista da narrativa, a todo momento ajudou bastante na construção dos personagens.[/align]

    [align=justify]Acho que a motivação da Briony foi principalmente ciúmes. Ela estava morta de ciúmes do Robbie com a irmã e a partir daí ela tenta se justificar dizendo para si mesma que quer "proteger" a irmã.

    Do que ela não estava ciente é das conseqüências práticas, na vida do Robbie principalmente, dessa acusação absurda. Ela devia fantasiar que o máximo que aconteceria é ele ser mandado embora, afastado do convívio com a sua irmã. Quando ela cresce e se dá conta das reais conseqüências do seu ato é que começa a buscar um meio de reparação. Nossa! Eu tinha vontade de socar a Briony enquanto lia o livro.

    Nessa hora, um personagem que me desperta muito mais simpatia é a prima Lola. Uma criança, querendo bancar adulta, desesperada por qualquer atenção e que acaba por atrair a atenção do homem errado. Acho que a negativa dela em dizer quem foi seu agressor tem muito a ver com isso. Ela se sentia culpada pelo que lhe aconteceu (o que é totalmente absurdo) porque ela tinha feito de tudo para chamar a atenção daquele homem. E lembrando que ela não quis acusar o Robbie, mantendo a história de que nada tinha visto, mesmo depois das acusações da Briony.

    Daí eu acho que também surge outra das motivações da Briony. Ela era uma criança acostumada a ser o centro das atenções de todos e naquele fim-de-semana essas atenções dos adultos haviam sido roubadas por sua prima Lola. Fazendo o que fez ela passou a ser o centro de tudo novamente.

    Uma coisa ue eu achei muito bacana foi a reação da Cecília que, em nenhum momento, duvidou do Robbie. O mais trágico de tudo para os dois é que se eles se descobrissem apaixonados um pouco antes talvez as conseqüências não tivessem sido tão funestas.[/align]
     
  3. Anica

    Anica Usuário

    Sobre a Briony:

    Sim, tem aquele diálogo do "eu te amo" que entrega bem a questão da ciumêra dela. Mas acho que contou ali, junto com o desespero por atenção que você também comentou, a questão de ela se dar conta que não tem qualquer "segredo" (ou seja, que não tem nada de interessante acontecendo na vida dela). Acho que no final das contas ela cria aquela história toda para lógico, afastar Robbie de Cecília, mas para também finalmente ter algo de extraordinário acontecendo na própria vida.

    Enfim, é uma pirralha mimada que também me irritou um monte >< Na verdade me irritou tanto que nem a conclusão do livro foi capaz de apagar a imagem que eu já tinha dela. Mas é o que eu sempre digo: personagens que despertam sentimentos nos leitores, sejam quais forem, são personagens bens construídas. Então eu odeio a Briony pelas ações e pela personalidade, mas adoro como personagem por ser alguém tão... tão real, no final das contas.
     
  4. anna denon

    anna denon Usuário

    Eu também tenho a Briony na minha lista de personagens mais histéricas da literatura.....tudo bem que a gente tem que dar um desconto pelo fato dela ser uma menina quando tudo acontedeu......mas ela ter a pretensão de fazer qualquer tipo de justiça depois com o ofício de escritora dela me deixou por dias vociferando ' ahannn muito bem....pergunta para o Robbie se ele está se sentindo reparado com todo esse teu discurso de uma vida inteira de autosomiseração.........' enfim, para o bem ou para o mal ela é marcante....ainda que dentro de um livro bom, mas que não é daqueles que te acompanham na vida.
    Enfim, vale o talento do escritor de carregar com tamanha carga de humanidade os personagens de ficção que a gente fica discutindo com eles as suas razões.....
     
  5. imported_Rafaela

    imported_Rafaela Usuário

    Quero muito ler esse livro pq vi o trailer do filme e adorei, mas como é baseado no livro quero conhecê-lo primeiro!
     
  6. imported_Rafaela

    imported_Rafaela Usuário

    Peguei o livro na biblioteca, mas como estou lendo 1 da Jane Austen e vários para a faculdade, além das provas finais estarem se aproximando, nem sei se vou conseguir ler! não vejo a hora de chegar julho!!!
     
  7. *Artanis*

    *Artanis* Siga as borboletas!

    Eu gosto muito do filme, a história é muito boa com aqueles finais surpreendentes, e fiquei com vontade de ler o livro também (apesar de que é melhor ler os livros antes das adaptações) mas pelo jeito vale muito a pena pela construção dos personagens.
     
  8. thesunrises

    thesunrises Usuário

    Eu, particularmente, achei as narrativas que se passam no ambiente doméstico um porre sem tamanho (acho que é só a primeira parte, mas, se não me engano, há umas pinceladas nas partes seguintes e no final).

    No mais, achei a segunda e a terceira partes muito boas porque são aquelas narrativas que fazem o leitor realmente perder o fôlego sem deixar "furos" ou coisas mal explicadas. As descrições da guerra me lembraram, em certos momentos, o The Road, do Cormac McCarthy, porque os soldados estão em uma estrada também, e encontram todo tipo de atrocidade enquanto buscam desesperadamente o refúgio com o resto da tropa.
     
  9. .Penny Lane.

    .Penny Lane. Usuário

    Terminei Reparação ontem de madrugada. Gostei bastante do livro e achei bem interessante o McEwan contar o mesmo acontecimento sob diferentes pontos de vista - o que, como vocês disseram, ajudou na construção das personagens. O único problema foi ter visto o filme antes, o que às vezes me deixava impaciente pra que chegassem logo certos acontecimentos na história, rs. E principalmente, o epílogo. O efeito dele foi nulo porque eu já sabia o que ia acontecer. Fico imaginando o impacto que teria me causado se eu não tivesse visto o filme.

    Quanto à primeira parte, embora seja a parte durante a qual eu mais quis esganar a Briony, eu gostei, embora fosse cansativa às vezes. Mas não sei se esse "cansativa" é impressão minha por já saber o desenrolar da história e aguardar ansiosamente algumas cenas.

    Enfim, sobre a Briony, também quero dar minha opinião: (com 2 anos de atraso e correndo o risco de falar sozinha hehe)

    A impressão que tive ao ler a primeira parte é de que ela queria mesmo chamar atenção. Tanto é que tem uma parte em que ela pensa, por um momento, que vão liberar o Robbie. Ela começa a se desesperar porque ninguém mais a ouviria, e deixaria de ser o centro das atenções. Nisso ele já estava até algemado... acredito que inicialmente ela não tinha noção do que fez, mas acho que quando os depoimentos se iniciaram ela já poderia ter percebido o mal que causou, mas não tivera coragem de voltar atrás. Depois daquele diálogo do "eu te amo" é que ficou mais claro pra mim o motivo do ciúme, mas ainda acredito que ela ser desesperada por atenção ajudou ainda mais os acontecimentos a tomarem aquele rumo.
     
  10. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    Nossa, eu comprei esse livro há séculos, em inglês, logo depois que saiu o filme, e nunca terminei de ler. Vou revirar a estante e tentar novamente.
     

Compartilhar