1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Relato de um Náufrago (Gabriel García Márquez)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por kika_FIL, 4 Jun 2011.

  1. kika_FIL

    kika_FIL Usuário

    Dentro da bibliografia de um grande autor existem livros que são desconhecidos do grande público, mas que nem por isso devem para outras histórias. Gabriel García Márquez é certamente conhecido por obras como Cem Anos de Solidão e O Amor nos Tempos do Cólera; mas já em O Relato de um Náufrago, mostrou o que iria premiá-lo futuramente.
    Escrito em 1955, o livro é a história de uma história. Narra a vida e aventuras de Luis Alexandre Velasco, jovem cheio de sonhos que embarca em um navio rumo ao desconhecido. O destróier Caldas, da marinha colombiana, sai de Mobile (nos Estados Unidos) rumo à Cartagena de las Indias (na Colômbia) repleto de mercadorias contrabandeadas. Aos marinheiros, apenas geladeiras e televisores que entrariam em seu país de forma normal.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Praticamente comecei e terminei o livro ontem. Apenas a introdução havia lido antes, enquanto existia espaço no vagão do metro. Aliás, esse metro de São Paulo, hem. Puta que o pariu! Na boa, político não devia ter carro. Todos deveriam ser obrigados a andar de transporte coletivo. Assim, ardendo na lomba dos Aurélios Migueus da vida, duvido que as coisas seriam sucateadas dessa forma. Sei não se o náufrago do relato trocaria seus dez dias solitários numa balsa pelas águas ora turbulentas, ora calmas, do mar caribenho, por outros dez em viagens na linha Vermelha, de Corinthians/Itaquera à Palmeiras/Barra Funda, nessa calor de 150º C.

    Bom, foi só mais um desabafo. Vamos ao livro.

    Fiquei pensando, quando terminei: uma semana cheia de um homem comum dos nossos tempos, com todas as horas sugadas pelos compromissos, demora a passar. De um domingo a outro, mesmo nessa pressa cotidiana, a gente sente cada hora, principalmente pelo enfado que elas trazem consigo. Agora o sujeito, sozinho, dez dias no mar, é uma experiência de eternidade. DEZ dias, imaginaram? Sem nenhuma referência, ignorante do destino que a maré encaminha a balsa, com fome, com sede, com medo - principalmente com medo. Situação que redimi todos os pecados e ainda deixa o homem credor com o Sagrado. Pode dormir na missa, desejar a mulher do próximo e blasfemar que tá tudo certo e São Pedro, na porta do Paraíso, ainda vai ter que lhe balbuciar suas desculpas.

    Uma coisa, no entanto, é bom que se diga: não teria toda essa pena do náufrago Luís Alejandro Velasco se não fosse pelo García Márquez. A maneira como se conduz a estória nos coloca na situação de isolados em meio a enormidade oceânica. A gente sente o estômago roncar, sente a garganta arranhar de sede, a pele arder pelo sol inclemente, fica enjoado com as vísceras da gaivota, quer matar os tubarões ladrões de comida, delira, se emociona e quase grita "Terra à vista " quando se aproxima da costa.

    A estória é aquela: um navio de guerra colombiano estava em reparos num porto norte americano. Nos oito meses de manutenção, a marujada se embebedou, deitou com as anglo-saxãs e comprou muamba. Muita muamba, honrando o passado contrabandista dos tempos de colônia.

    Depois do concerto, iniciou-se o retorno. A saudade de casa era grande. Para as esposas não reclamarem da ausência e para atenuar o sentimento de culpa pelas puladas de cerca com as boazudas americanas, dá-lhe lembrancinhas. Tudo a bordo do navio, que veio com um peso e voltava com outro. Que veio com um número de marinheiros e voltava com oito a menos, pois no caprichoso mar caribenho, naquele balança-mas-não-vira oceânico, uma onda das graúdas derrubou-os na água. Só o nosso amigo Luís Alejandro Velasco conseguiu chegar à balsa que os acompanhou na queda do navio.

    A tristeza pelo "desastre" foi nacional. Contou-se a versão de que uma tormenta os havia encontrado, daí o desaparecimento dos tripulantes e da impossibilidade de se retornar para o resgate. As buscas iniciadas duraram quatro dias, executadas por equipes colombianas e norte americanas, estas últimas "encarregadas do controle militar e outras obras de caridade no Sul do Caribe". Sem sinal de sobreviventes, foram declarados mortos. E foi aquela coisa de sempre: sensacionalização da tragédia, para despertar a comoção nacional. O governo, que de bobo só tem a cara, pegou carona para disseminar o sentimento de amor à pátria, já que estávamos em um contexto de Regime Militar.

    Mas ninguém imaginava um sobrevivente. Ignoraram o sentido de auto preservação que todos temos e que, em alguns, chega a níveis estratosféricos. E fizeram vistas grossas à sorte, também. Porque, mais ou menos como dizia Nelson Rodrigues, sem sorte não se chupa um Chicabom. A sorte, essa coisa abstrata, tão cara ao imaginário caribenho, ao latino americano. Por ela, o náufrago se resgatou.

    Restabelecido, diante dos microfones, ele repetiu a estória oficial, talvez por ser soldado e ter a hierarquia no sangue. Virou ídolo e taí uma coisa que a Rede Globo adora. Às vezes penso que o maior sonho da imprensa é esse, o de acontecer uma tragédia por semana, o de se construir um herói por mês, pois o Ibope é garantido - o que de certa forma nos faz cúmplices do quarto poder. Lima Barreto e o seu Recordações do escrivão Isaías Caminha, lá, em 1900, já jogava tudo isso daí no ventilador. Mas, dizia, o homem virou ídolo. Tornou-se a menina dos olhos da publicidade e do governo militar. Ídolo efêmero, como logo se confirmou. Para ficar no clichê, o que veio fácil, foi fácil e o ex-naufrágo - aqui não cabe julgamento moral - certamente na pindaíba, procurou a redação do jornal onde trabalhava o futuro Nobel de literatura. Num primeiro momento, ninguém se interessou pela estória, já gasta. Porém, com as revelações de que não existiu tormenta e com fotos que comprovavam a muamba, tudo foi para as páginas do El Espectador.

    Não é o melhor de García Márquez. Porém, mesmo um livro mediano do colombiano é capaz de nos fisgar e compensar cada minuto de leitura.
     
    Última edição: 10 Mar 2013
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Liv

    Liv Visitante

    Sabe, eu gosto desse livro. Não é meu favorito, mas segue a linha de "Ninguém escreve ao coronel" e "Notícias de um sequestro", uma coisa mais crua, real e dolorosa de se ler. Faz um tempo que li, mas senti de cara a diferença porque quebrei uma sequência realmente mágica: Cem anos de Solidão e O amor nos tempos do cólera e fui ler esse. Talvez eu goste mais dele um outro dia.
     

Compartilhar