1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Raymond Chandler

Tópico em 'Autores Estrangeiros' iniciado por Anica, 30 Mar 2009.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Ontem foi aniversário de 50 anos da morte do escritor, e saiu uma matéria bem legal sobre ele na Gazeta, então aproveito para compartilhar a reportagem e abrir um cantinho para falarmos desse ótimo escritor.

    [align=justify][size=large]À beira do abismo[/size]
    Morria há 50 anos o escritor Raymond Chandler, que viveu nos estúdios de cinema situações tão complicadas quanto as de seus romances policiais

    Aquelas revistas baratas tipo X-9 e aqueles filmes-B em preto-e-branco na época eram tidos como simples lixo. Foi preciso um acadêmico francês criar a Série Noire e os garotos da nouvelle vague inventaram o rótulo film noir, para que eles ganhassem um upgrade: primeiro para “cultura popular” e, depois, para a Arte, na categoria dos “clássicos”. Raymond Chandler, que se destacou como autor de “policiais” a partir de 1933, é considerado hoje um dos maiores romancistas (sem rótulo) do século 20. E teve também uma importante participação no cinema: suas histórias renderam nada menos do que dez filmes e ele trabalhou como roteirista em Hollywood na última década de sua vida.

    Personalidade complexa, Chandler (nascido em Chicago, em 23 de julho de 1888) mudou-se para Londres com a mãe divorciada aos 8 anos e ficou sob os rígidos cuidados de uma velha tia e do severo Dulwich College. Terminados os estudos, voltou de navio aos Estados Unidos, seguiu por terra à Califórnia e, ao estourar a Primeira Guerra, alistou-se na Força Expedicionária Canadense, servindo na França e, depois, no Royal Flying Corps, na Inglaterra.

    Em 1919, voltou à Califórnia para cuidar da mãe doente, penou em ocupações menores como colher frutas e encordoar raquetes de tênis, mas encontrou um futuro na indústria petrolífera, ocupando importantes cargos de direção.

    Édipo entra em cena: algumas semanas após a morte da mãe, casou-se em 1924 com uma mulher duas vezes divorciada e 18 anos mais velha, Pearl Cecily Hurlburt Pascal, “Cissy”.

    Chandler tinha 36 anos, ela 54. Um casamento sem filhos, com pouco sexo, ou sem sexo. O que justificava a fama de Chandler como acossador de secretárias entre os fichários da Dabney Oil Syndicate e, depois, nos estúdios da Paramount. O apego mórbido a Cissy durou 30 anos, até a morte dela, em 1954. E Chandler não resistiu muito à perda, morrendo em 26 de março de 1959.

    Depressão

    Alcoolismo, absenteísmo e ameaça de suicídio provocaram sua demissão como executivo do petróleo. Decidiu tentar a sorte como escritor. Publicou seu primeiro conto policial na revista Black Mask em 1933. O pagamento era um centavo por palavra. O gênero policial foi uma das principais formas de escapismo durante a Depressão.

    A revista era barata, impressa em polpa de papel (daí o rótulo pulp fiction) e a arma do escritor, no mais amplo sentido, era a palavra que, apesar de valer apenas um centavo, devia ser rica em imaginação. Um exemplo desse tipo de prosa: “Mandei chumbo e a festa acabou. Ele morreu cinco vezes antes de cair ao chão”.

    Já em 1939, Chandler publicava o romance The Big Sleep/O Sono Eterno, em que consagrava o investigador particular na figura de Philip Marlowe, o private eye mais representativo do século 20, ao lado do Sam Spade de Dashiell Hammett.

    Em A Singela Arte do Crime (1944), Chandler define o seu herói: “Por estas ruas malignas um homem precisa seguir em frente que não é maligno, nem maculado, nem medroso. O detetive nesse tipo de história deve ser um homem assim. Ele é o herói, ele é tudo. Deve ser um homem completo, um homem comum e, no entanto, um homem invulgar. (...) Não ligo muito para sua vida privada; não é um eunuco, nem um sátiro; acho que poderia seduzir uma duquesa e estou seguro de que não arruinaria uma virgem; se é um homem de honra numa coisa, ele o é em todas as coisas.”

    Cavaleiro romântico dos tempos modernos, Marlowe, apesar de exageradamente idealizado para os padrões da época, preenchia os anseios de ordem e pureza dos leitores numa sociedade totalmente corrupta.

    Cinema

    Já em 1944, Hollywood começava a filmar The Big Sleep (no Brasil,À Beira do Abismo), dirigido por Howard Hawks. Entre os três roteiristas estava William Faulkner, que fez um belo trabalho de adaptação, sob a rigorosa supervisão de Hawks, que confessou nunca ter entendido o enredo.

    Magistral nas descrições e nos diálogos, Chandler não ligava muito para a trama e admitiu que The Big Sleep era “uma história policial interessada mais nas pessoas do que no enredo.” Teve sorte na escolha do ator que interpretou Marlowe: Humphrey Bogart. E também escolha da “mocinha”, Lauren Bacall, que fazia seu segundo filme com Bogart e vivia com ele um tórrido caso de amor.

    Em 1943 Chandler começou a trabalhar na Paramount como escritor assalariado. Sem conhecer bem Hollywood, pediu um fixo de US$ 1 mil para fazer o trabalho em uma semana. Em vez disso, recebeu um salário semanal de US$ 750 pelo mínimo de 13 semanas, para trabalhar com o diretor Billy Wilder na roteirização do romance de James M. Cain Double Indemnity/Dupla Indenização (o filme se chamou Pacto de Sangue).

    A parceria tinha tudo para dar errado. O anglófilo Chandler com o judeu nascido na Europa Central se detestaram desde os primeiros dias. Trabalhavam no escritório de Wilder, que tinha feito da Paramount seu segundo lar e mantinha hábitos de trabalho muito peculiares. Caminhava sem parar pela sala, brandindo uma bengala que às vezes passava raspando pela cabeça de Chandler. Usava chapéu, o que Chandler considerava o máximo da grossura, e ia ao banheiro mais vezes do que exigiria uma bexiga comum – na verdade para fumar e se refugiar do irritadiço colega.

    Por sua vez, Wilder não aturava o cheiro do cachimbo de Chandler, que exigia trabalhar sempre de janelas fechadas. Na terceira semana brigaram e Chandler não compareceu no dia seguinte, justificando-se num memorando. Para salvar o filme, Wilder pediu desculpas e os dois seguiram se odiando cordialmente e fizeram uma das obras-primas do cinema noir.

    Chandler diria depois: “Foi uma experiência sofrida que encurtou minha vida, mas aprendi com Wilder tudo o que sei sobre escrever para o cinema.” Wilder retribuiu: “Suas descrições e seus diálogos são absolutamente de primeira classe”.

    Moronica

    Chandler saiu do choque com Wilder para um grande sucesso pessoal. Escreveu um roteiro original, A Dália Azul, estrelado por Alan Ladd e Veronica Lake, que se tornaria outra pérola do cinema noir. Foi o quarto filme de Ladd com Lake. Ela não o fazia parecer tão baixo quanto realmente era. (Chandler a chamava de “Moronica” Lake, de moron, debilóide).

    Em 1950, ele foi convidado pela Warner Brothers para roteirizar o romance de Patricia Highsmith Strangers on a Train (Pacto Sinistro), dirigido por Alfred Hitchcock. Seu cachê tinha aumentado: cinco semanas de trabalho a US$ 2.500 por semana.

    Chandler achou a trama totalmente inverossímil. Hitchcock começou a dar palpites no roteiro e ele perguntou: “Se já tem suas soluções, por que me contratou?” Chandler foi rifado e Hitch mandou chamar a roteirista Czenzi Ormonde. No final, ela dividiu os créditos com Chandler, mas nenhuma vírgula dele foi usada por Hitchcock.

    Trabalhando nesses veículos descartáveis da cultura popular – o romance e o filme policial – Chandler elevou a literatura a cumes rarefeitos, com sua prosa enxuta e seus diálogos secos, que tiravam arte do submundo, imitando seus sons e o ritmo de sua fala. Pela boca do seu detetive filósofo, era capaz de dizer: “Nada é mais vazio do que uma piscina vazia.” Quase um haicai, que certamente inspirou a imagem da piscina vazia no magistral Crepúsculo dos Deuses , de Billy Wilder.

    “Quando um livro qualquer atinge uma certa intensidade artística”, escreveu Chandler, “ele se torna literatura. A intensidade pode ser uma questão de situação, personagem, tom emocional ou idéia, ou meia dúzia de outras coisas. Pode também ser a perfeição de controle sobre o movimento de uma história igual ao controle que um lançador tem sobre a bola.” Ou, mais chandlerianamente: “Quando em dúvida, faça um homem entrar pela porta com uma arma na mão”.[/align]

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)




    Espero que gostem :traça:
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Anica

    Anica Usuário

    Parece que a Record está relançando alguns livros dele, tem dois em pré-venda (lançamento previsto para outubro): A Porta de Bronze e Chantagistas Não Atiram. Boa oportunidade para quem ainda não conhece o trabalho dele.
     
  3. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Agora tá saindo pela Alfaguara, com tradução do Bráulio Tavares.
     

Compartilhar