1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Raphael S] [O Labirinto e a Saga dos Planos (Versão do Criador)] [L]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Raphael S, 26 Jan 2008.

  1. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Capítulo 7 – Agridash's Bay, Encontro Inesperado

    Avançavam rápido e Joshi não acordava... Usar a caixa estava afetando-o de alguma forma e Yume demorou para percer isso... Talvez ele não tivesse se movido dentro do templo não por causa do fantasma, mas sim porque tinha usado a caixa... Yume lembrou que das outras vezes ele ficou igualmente abatido e essa aparição do Bravo tinha acabado com ele.

    - Well, acho que agente vai poder se divertir muito aqui... See Guys!

    Dark não estava nem um pouco preocupado com o garoto já que em um campo verde que descia em direção ao mar podiam ver por entre as árvores a cidade portuária de Agridash's Bay.

    - Ela parece um Forte...

    O pensamento veio automaticamente quando ERK a olhou... Em volta havia uma amurada de troncos com postos de vigia que estava sendo construída dentro e fora da água no formato exato de um círculo. Mas o que mais chamava a atenção do guerreiro era o trabalho escravo para fazer a barragem comandada por soldados medievais e outros estranhos vestidos iguais ao Dark...
    Algo de importante estava acontecendo e entrar ali não seria fácil. Jin-e se sentou atrás de uma árvore e expôs seu plano ao grupo.

    - Eu sugiro descansarmos um pouco para recuperarmos energia, assim podemos aproveitar e examinar melhor as defesas da cidade e a troce da turno dos vigias.
    - Eu concordo, assim damos tempo pro Joshi, não podemos carregar ele num ataque.
    - Também concordo ERK.
    - Ok, ok... Mas se o moleque dos infernos não acordar agente amarra ele numa árvore e usa de isca pra entrar na cidadela... Yeah, MY PLAN!!!
    - DARK!!!
    - Bahh... Paspalhos.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    O grupo dormiu se alternando, após algumas trocas de turno os soldados começaram a patrulhar a área. Yume estava de guarda quando um grupo de três guerreiros e um ninja veio andando calmamente na direção deles...

    - Yume... Precisamos avançar. Temos que chegar à cidade logo.
    - Você acordou?
    - Estamos perdendo tempo aqui, está vendo como os aldeões trabalham rápido?
    - Sim.
    - Eles devem estar dominados por alguma coisa. Se ficarmos aqui vão terminar a barragem e aí não conseguiremos mesmo entrar. Vamos acordar os outros e fugir ou enfrentamos este grupo?

    A Elfa na mesma hora sacudiu os outros e eles pereberam a situação... Sussurrando decidiram o que fazer, Jin foi o primeiro a dar sua opinião novamente.

    - Acho q devemos tentar uma entrada pela barragem assim que dermos um jeito nesses patrulheiros...
    - Bom, se for pra enfrentar, deixem os guerreiros medievais comigo!
    - Vamos dividir, ERK.
    - Fun, se depender de mim... Chutem todos...

    Os guerreiros e o ninja pareciam estar preparados mas mesmo assim não foram páreos para o grupo... Dark desacordou seu companheiro de profissão com um golpe surpresa, Yume, ERK e Jin-e terminaram o serviço a golpes rápidos de espada. Yume desacordou o guerreiro mais fraco com um golpe bem dado com o cabo da espada e os dois restantes foram fáceis. Jin-e mantinha a idéia de invasão mas não ia ser tão simples assim.

    - Vamos adentrar a barragem.
    - É isso aí Jin... Mas... Como?

    E a pergunta ficou no ar... Qual o melhor modo de adentrar uma cidade protegida por barragens e vigiada por guardas? Sem falar que logo desconfiariam da falta do grupo de vigia.

    - Bom, vejamos... Podemos usar a roupa deles... E pensamos numa estratégia para não chamar a atenção enquanto "retornamos" para a cidade.
    - Nice plan, e alguém poderia causar um pequeno incêndio pra deixar as coisas mais divertidas. Parabéns filho.
    - ...Obrigado Dark... Acho.
    - Humpf... Eu não vou... Se eu for serão cinco voltando e não quatro. Com certeza todo mundo vai notar e vir direto em cima de vocês... Se virem sozinhos, quando conseguirem entrar eu dou um jeito de achar vocês...
    - Joshi. Volte aqui!!
    O chamado de Yume foi inútil... O Jovem garoto sumiu na noite rapidamente e Dark não estava disposto a ir atrás.
    - Joshi...
    - Vamos, vamos logo deixa o guri.

    Se vestiram e Dark empurrou a elfa pra fora do mato. ERK era o que estava pior disfarçado pois tinha amarrado a segunda armadura em cima da sua ficando um pouco “gordo”, o grupo saiu para a área aberta e cada passo pra perto de Agridash's Bay parecia mais pesado e tenso... Era como se um desânimo tomasse conta dos corações deles diante daquele lugar fortemente guardado... O único que parecia mais animado era Dark, olhava cada fresta da barreira de longe contando cada grupo inimigo...

    - Bom, pra onde vamos? Entrar direto??? Tem as árvores que estão sendo derrubadas à direita e os troncos no mar à esquerda da muralha. Alguém tem alguma idéia?

    Yume não sabia ao certo o que fazer... As dificuldades que eles passaram pareciam pequenas comparadas ao perigo de ter que enfrentar mais de cem homens.

    - Muléh, os nooba que atacaram agente vieram direto ou passaram por algum lugar?
    - Eles vieram direto pra cá Dark.
    - Mmmm... Então se voltarmos direto eles vão desconfiar, não que esses incopetentes ninjas de aluguél sejam problema mas... Kct ERK, você tá discreto como um porco no cio.
    - Não vou deixar minha armadura pra trás...Vamos até os escravos pra ver se podemos contar com eles caso algo dê errado.
    - Mas Joshi disse que eles estão dominados.
    - Conversa do muleque, se fosse verdadade não teria ninguém pra vigiar, vamos dar uma olhada nos serviçais e depois seguimos caminho pra cidadela. Go!

    Apesar da ordem ser do Dark, o grupo estava nervoso e virou em direção dos escravos que estavam cortando as árvores, pouco tempo depois e estavam se misturando aos guerreiros inimigos...

    - Hell... Droga...
    - Que foi Dark?
    - Não tem combustível por aqui... Mas vou dar um jeito... Suicide Way.

    Dark correu até uma das extremidades e agarrou uma das tochas de iluminação escalando uma árvore... Logo todos os guerreiros olharam pra ele e começaram a perseguí-lo.

    - DEVE SER UM DELES!!! PEGUEM-NO!

    Na confusão armada alguns escravos aproveitaram pra tentar fugir, havia muita correria e o pessoal em cima da barreira olhava na direção da confusão.

    - Maldito Dark! Eu já devia ter desconfiado.
    - Ele é louco, pra que ele quer um incêndio afinal?
    - Esperem, acho que desta vez ele finalmente acertou. Temos que aproveitar essa confusão e fazer algo.
    - Fazer o que Jin?
    - Hum... certo, acho que desta vez eu tenho que voltar atrás e elogiar o Dark.
    - Mas ERK, não podemos deixar ele pra trás.
    - Bom, Yume, ele é mais rápido que nós, vai conseguir despistá-los e entrar conosco.
    - E se ele não conseguir?
    - Acho que ele vai ter o que merece por ser tão imprudente.
    - ERK! Jin, me ajude, nós não podemos abandonar o Dark.
    - Desculpe Yume, mas eu concordo com o ERK. Dark está por conta própria agora, ele escolheu assim.

    Começaram a se dirigir ao portão principal de onde uma leva de guerreiros estava saindo. Mas aos primeiros passos viram a fúria dos escravos lutando e gritando por liberdade.

    - Vamos... Lutem! Bravo não se deixaria escravizar sem luta!!!!

    E os escravos lutavam... Derrubaram muitos guerreiros apenas com machados e mãos livres... E aquela força poderosa que movia a esperança daqueles homens tinha um nome que fazia Yume fraquejar imersa em culpa pelo que tinha feito. Alguns escravos escapavam e não demorou para que um deles viesse na direção deles com um velho machado empunhado pronto para atacar Jin-e. ERK já ia puxando a espada mas seu braço foi contido pela mão de Jin-e que recuava fazendo os três recuarem também.

    - Jin-e, ele vai nos atacar.
    - Meu mundo, meu povo, não vamos matar inocentes. Eu cuido disso.

    ERK Acenou respeitosamente com a cabeça em aprovação e Jin-e agiu rápido não dando muita chance pro aldeão, com o reforço não demorou muito para os escravos serem controlados e o grupo atravessou a entrada junto de outros guerreiros que estavam pra voltar...

    - Temos que avisar o mestre do que aconteceu...
    - Se ele realmente escapar estaremos em sérios problemas.

    Estavam perto e Yume puxou os dois sussurrando pra que os outros não ouvissem.

    - Bom gente, estamos entrando mas o que vai acontecer quando esse tal mestre que estão indo avisar aparecer???

    Yume não teve muito tempo de falar, avistou um mago barbudo subindo uma escada de madeira rumo à parte de cima da barreira, pelo visto já tinham contado a ele o acontecido e seu rosto expressava uma extrema raiva...

    - INCOPETENTES!!! É MUITO IMPORTANTE SABERMOS ONDE ELES E O PERGAMINHO ESTÃO!!!
    - Mestre OLHE!!!

    O grupo olhou na direção apontada pelo ninja de aluguél e viu um incêndio se formando na copa das árvores, o Mago caminhou por cima da barreira em direção ao ponto mais próximo ao incêndio tentando controlar a própria fúria.
    Os três estavam dentro e a cidade refletia uma pálida lembrança do que era... Algumas casas de estilo japonês foram derrubadas e usadas como escoragem da barreira, tinha bastante sangue no chão e a casa principal foi transformada em abrigo onde o exército assava cervos e bebia... Estavam acabando com o estoque de comida de Agridash´s Bay. Jin-e apertou o cabo com força tentando controlar o ódio interior por aqueles bárbaros que tinham destruído uma cidade de seu mundo.

     
  2. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Coitada da paladina, não seria melhor agente dar uma pausazinha pra ela poder acompanhar? senão ela não acompanha o avanço da história.
     
  3. Raphael S

    Raphael S Desperto

    - Bom era pra gente chegar até aqui com o pergaminho mas o Joshi ficou com o pergaminho, e agora?
    - Calma Yume, Vamos tentar nos manter vivos até que Joshi apareça.
    - Aquele deve ser o líder.
    - Alguma coisa está acontecendo, olhem a movimentação lá em cima, vou subir e vocês tentem não ser pegos.

    O Mago sorria ao ouvir o coro dos guerreiros voltando pra dentro da barreira.

    - PEGAMOS UM!!!

    Um grupo adentrou a barreira carregando alguém, eram muitos e não dava pra ver direito o capturado... Jin-e subiu a escadaria de troncos chegando na parte de cima da barreira, de lá ele pode ter uma vista de todo o lugar... Ele viu os campos verdes que acabou de atravessar e sentiu o vento aumentando junto de núvens negras que indicavam uma tempestade se formando.

    - Você de novo???
    - Yeah Sick Old Guy... Cof cof... Vai me chutar na macumba de novo?
    - ONDE ESTÁ O PERGAMINHO???
    - Com... O...
    - Diga...
    - Com... O...
    - Fale jovem ninja... Posso aproveitá-lo para o meu exército.
    - Me....
    - ...
    - Com o meu... saco. Quer pegar agora? Está coçando um pouco...Huauauauauah...

    O que se seguiu foi um espancamento, Dark já tinha apanhado antes, agora a situação estava pior...

    - Agora acho que isso melhorou sua memória...
    - ...C...Com...O...garo...to...
    - Garoto? Que garoto?O pergaminho não fala de nenhum garoto, só há três guerreiros que podem estar com o pergaminho e... Você... Você é um deles!
    - Eu?...só...estava passeando...
    - Agora entendo porque sobreviveu ao labirinto, cometí um erro antes mas agora você é meu.
    - ...Shit... Sem beijos ok?

    O Velho mago parou para examinar alguns manuscritos enquanto ERK e Yume olhavam preocupados para cima da arena sem saber o que estava acontecendo.
    A tempestade começou e Dark sentiu as primeiras gotas da chuva caindo sobre seus novos ferimentos...

    - Estou perdendo tempo... Matem logo ele assim terei minha garantia que a história dos planos terá um novo marco.

    O Mago se virou e quando a pancadaria estava para reiniciar uma espada de fogo derrubou corpos e sangue nos que estavam do lado de baixo da muralha...
    ERK e YUME procuravam subir por outra escada uma vez que os guerreiros e ninjas tomaram a que Jin-e tinha usado... O Mago virou novamente ouvindo os gritos e os sobreviventes soltaram o corpo de Dark aos pés de Jin-e.

    - TEM OUTRO DELES AQUI! PROCUREM, AINDA FALTA UM!!!
    - QUEM VEM LÁ???!!!

    Uma série rápida de acontecimentos teve início com o ataque e o alarme do vigia. Alguém estava no mar enfrentando a fúria das águas nadando em direção da parte não construída da barreira... Os guerreiros e ninjas sobreviventes se armaram em posição de defesa de seu mestre... O Velho pegou um cajado enquanto ERK e Yume subiram do outro lado. Arqueiros se posicionaram de costas para Jin-e apontando para o mar e por um segundo ele ficou sem saber o que fazer. O Mago estava protegido bem a frente dele e não dava mais para ver ERK e Yume. Os relâmpagos começaram e o samurai com o disfarce de soldado sobre a roupa se afastou um pouco do velho tentando ver quem vinha nadando... Quem quer que fosse ainda estava muito longe mas os arqueiros que discutiam estavam preparados para atirar.

    - Ninguém vai resistir a um mar agitado assim...
    - Bom, se resistir não vai escapar de nossas flechas...

    Na outra ponta o líder dos arqueiros levantou o braço dando ordens pra aguardarem até que o alvo estivesse mais perto, ignoravam Jin-e, a ordem de deter o intruso parecia mais importante. A espada de Jin-e continuava a pegar fogo mesmo debaixo da chuva e isso desmotivava o ataque do grupo que defendia o mago.

    - ATAQUEM SEUS IMPRESTÁVEIS É SÓ UMA ESPADA!!!

    O mago girou o cetro fazendo com que o fogo da espada desaparecece, Jin-e arrancou o elmo medieval e se colocou em posição de defesa pois ainda sentia as chamas, aquilo era uma ilusão para motivar os atacantes e havia funcionado, os ninjas tomaram coragem pra vir atacar...
    Yume parou por um momento e olhou assustada para o mar com sua visão aguçada de elfa...

    - JIN NÃO DEIXE QUE ATIREM!!!
    - Yume, está louca???
    - Confie em mim ERK!

    E assim que ela gritou vários guerreiros se voltaram contra os dois e uma luta começou, Jin-e ouviu as palavras dela localizando seus amigos e deu alguns passos pra trás arrastando Dark e respirando fundo enquanto analizava a situação absurda que haviam se metido.

    - Acho que era este tipo de emoção que eu estava procurando... Então que começe a luta pelos meus e pela minha vida...

    E Jin-e arrancou a armadura deixando a cair e segurou a espada com mais força antes do primeiro movimento.

    ----------------------

    Primeiro Capítulo Especial - Origens... Bravo

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    O que é uma tradição pra você? O que é ser diferente?

    Tusaemoto era diferente onde vivia... Seus sonhos eram diferentes, seu medo era diferente, sua missão de vida era diferente... Era um samurai com medos, uma ovelha negra numa família tradicional, e guardar um segredo assim podia significar muito quando se abandonava o lar em que sempre viveu...


    Parte 1: Acordando para a criança dourada.

    “... Porque minha vista está tão embaçada?... Droga, estou cometendo erros muito simples... Deixe-me ver... Hummm... Ainda estou segurando minha espada... Apesar de meu adversário estar ativo ele não tem muita força nas pernas e também não espera que eu consiga contra-atacar... *rs* O Pior é que eu já falei milhões de vezes pra ele não ficar tão perto assim...”

    Assim como pensou, Tusaemoto girou o cabo da espada de madeira derrubando seu melhor amigo e apontou a espada para o pescoço dele terminando assim com a luta.

    - Ai... Isso Doeu...
    - Isso na minha testa também...

    Tusaemoto tinha razão, o ferimento na testa estava turvando a visão, mas mesmo assim ele ajudou o amigo a se levantar. Aquela poderia ter sido a última luta dos dois e ele não podia sair perdendo afinal a notícia que ele estava esperando era muito importante.

    - E então?
    - Humpf... Tudo bem, é verdade..
    - YEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYY!!!!!!!!!!!! ESTOU SAÍNDO DE VIAGEM AMIGOS!!!

    Dos velhos e jovens que estavam assistindo a luta dos dois, muitos ficaram felizes por saber que finalmente Tusaemoto ia conseguir o que sempre tinha esperado, uma chance pra ir atrás de suas ambições e isso significava muitas mudanças...

    - Quando?
    - Daqui a cinco luas...
    - Onde?
    - Eu marquei aqui no mapa, Vai ser uma longa viagem e você vai chegar cansado.
    - Não importa, eu...
    POC...

    Uma pedra rápida atingiu o peito de Tusaemoto, no meio do povo uma criança com a cabeça enrolada o olhava fixamente e quando viu que finalmente o samurai conseguiu a ver, sorriu e tratou de sair correndo...
    Ainda meio que atordoado pela notícia Tusaemoto abriu o mapa e deu uma rápida olhada ignorando o acontecido...

    - Ei, se você vai ir é melhor se arrumar rápido...

    Ao guardar o mapa ele ficou curioso pra seguir o garoto que corria ao lado do Templo, mas a vontade de se preparar era muito grande pra ele.

    - Conhece o pequeno? Porque ele jogou uma pedra em você?
    - Hmmf... É só uma criança, não tenho tempo pra elas. Quanto mais cedo sair desta minha vila, mais próximo estarei dos meus sonhos.

    Tusaemoto voltou pra dentro do templo e lavou a testa começando a arrumar os documentos de técnicas que sempre estudou para aprender a lutar... Eram mais que uma coleção, eram uma espécie de tesouro para ele...

    - Mas você já está se preparando? Nem falou com sua mãe ainda, sabe como ela vai ficar quando souber.
    - EU JÁ SEI! E ELE NÃO VAI!

    Ela estava parada na porta segurando um arco apontado para o filho.

    - Trate de desfazer essa trouxa Tusaemoto Kanabera, isto é uma ordem.

    Mas Tusaemoto tinha suas hablidades, ele tinha uma percepção muito apurada e analisou rápido que, embora ela soubesse usar um arco, estava muito nervosa e Tusaemoto sabia que ela não atiraria contra ele.

    ” Deixe, me ver... Curvo um pouco a cabeça calculando o angulo da ponta da flecha em meus pensamentos, deslizo vagarosamente a trouxa no meu ombro e me posiciono lentamente bem ao centro da mira dela e...”

    -Por quê mamãe, me diga POR QUÊÊÊÊ???

    Na posição certa ele arremessou a trouxa na direção dela, assustada e nervosa como estava acabou disparando. Tusaemoto calculou que ela não tinha puxado o arco com tanta força assim e também a que a flecha não sairia com muita velocidade então a trouxa de roupas acabou voltando e ele a pegou sem problemas pulando uma das aberturas do Templo. Sua mãe ainda tentou correr atrás mas era tarde e ele estava zangado pois sabia que seus documentos receberam um belo furo de flecha com aquela fuga...

    - MAS FILHO, VOCÊ VAI SE MACHUCAR!!! Volta...

    E assim o jovem samurai começou sua jornada de cinco dias até o primeiro torneio realizado em sua terra, sem comida e sequer um pedaço de pão para comer, mas Tusaemoto sabia sobreviver com os frutos das árvores e também sabia diferenciar quais os que não podia comer. Naquela parte da floresta o que não ia faltar eram frutas para ele. Duas horas de viagem depois e Tusaemoto se deparou com um corpo caído na estrada, sua primeira parada na busca pela fama...

     
    Última edição: 11 Abr 2008
  4. Lyvio

    Lyvio Usuário

    esse mago é aquele lá do iniciozinho da estória né?
     
  5. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Tusaemoto se manteve a uma distância de meio metro do corpo evitando os relevos de pegadas, galhos ou qualquer coisa suspeita que pudesse estar no chão e olhou para o rosto do estranho para ver se o reconhecia. Ao ver que o samurai não se aproximava o homem caído levantou rápido puxando uma espada...

    - Bem esperto, se tivesse chegado mais perto eu teria te matado logo. Vamos, deixe o que tiver aí no chão e saia correndo...

    Tusaemoto pode sentir um movimento no mato, o ladrão não estava sozinho e a idéia de ter que lutar contra dois gelou o sangue do jovem samurai. O ladrão esperava pela ação de Tusaemoto, imaginava que o jovem ia tentar atacá-lo e como já estava com a espada em punho ia ser fácil acabar o serviço mas nem percebeu que as pernas dele tremiam de medo...

    ”Tenho que me acalmar, ele também não está em boas condições, já devia estar deitado a um tempo, seus movimentos bruscos não serão efetivos, tenho que controlar esse medo maldito pois ele é só um amador. “

    Com isso em mente deixou a trouxa de roupas e documentos no chão e o deu um salto rasteiro para trás sacando rapidamente a espada.

    - Espada, domine-o!!!
    - !!!

    Por um momento o homem se conteve assustado mas a espada parecia normal e nada de estranho aconteceu... Achando que era um truque o ladrão desferiu o primeiro golpe no ombro de Tusaemoto que pulou novamente pra se esquivar. O outro ladrão saiu do mato com duas espadas e os dois rangeram os dentes se preparando para atacá-lo.

    ”Espada maldita... Nem numa situação destas pode me ajudar? Bom... Acho que me ferrei mesmo, será que ainda dá pra correr?”

    - SOCORRO!!!

    Mal pensou e correu gritando floresta adentro passando por onde havia mais árvores e mato para se esconder. Como tinha deixado os pertences no chão ele duvidava que o seguissem mas seu medo o fazia olhar pra trás pra conferir. Num descuido acabou batendo de frente contra uma árvore e finalmente caiu levando uma mão ao rosto onde havia batido. Praguejando em pensamentos a inutilidade de sua espada de família jogou-a com força no chão ... Sempre disseram que ela tinha poderes ancestrais mas ele nunca havia visto a demonstração dos tais poderes e isso era incômodo pois na primeira situação de perigo Tusaemoto não tinha o apoio dos ancestrais. A batida não ia deixar marcas pois o corpo havia amortecido bastante o impacto e apesar de culpar a espada por sua falta de sorte um barulho vindo dos arbustos fez com que ele rolasse e a agarrasse novamente.

    - Escutem amigos, vocês já tem o que querem, se continuarem com isso terei que matá-los, não abusem da minha benevolência.

    Ao contrário do que esperava ao invés dos ladrões, um garotinho pequeno saiu do arbusto carregando a trouxa de documentos de Tusaemoto, ele olhou para o jovem samurai e riu dele, um riso sincero e divertido de criança...

    - Hihihihihihihi... Fugiu.

    Tusaemoto suspirou moralmente abalado, mas aliviado guardou a espada enquanto o pequeno começava a revirar a trouxa de documentos!

    - O que faz aqui criança?
    - Passeando...Mas o que tem aqui em moço? IIIIIIiiii... É só papel?

    Tusaemoto reparou que não era um menino normal, o cabelo era todo composto de fios dourados como a luz do sol e apareciam mesmo com a proteção do capuz, o jovem samurai nunca tinha visto uma criança com o cabelo assim. Mas o garoto parecia ainda mais curioso enquanto o examinava os papeis e fazia suas primeiras perguntas.

    - Qual o seu nome?
    - T.. Tusaemoto. Nãããaaaaooo Jogue meus papéis no chão!!!
    - Porque você carrega tanto lixo moço?

    Ele derrubou mais alguns papéis e Tusaemoto se aproximou recolhendo e os abraçando.

    - Uffa. Garoto, onde pegou isto?
    - Tomei daqueles caras lá.

    “Muito estranha a presença desta criança, será real? Talvez se eu puxar o cabelo...”

    - AAAAAAAAAAAAAi, Tio.

    O Garoto soltou os papéis e segurou o cabelo puxado...

    - Eu estava olhando quando você saiu correndo e aproveitei pra pegar isso aí e vim atrás de você.Seu nome é Tusa o que???? Hahaha... Você num parece issu não. Eu... To procurando alguém pra me ajudar. Eu num sei brigar direito entende? Pode me ajudar moço?
    - Garoto, em troca de vc ter me ajudado acho que tenho que retribuir o favor, mas estou numa viagem e não posso me atrasar.

    Ao ouvir as palavras o pequeno se ergueu pulando todo empolgado...

    - EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!! Consegui ajuda!!!! CONSEGUI!CONSEGUI! Mas tio pra onde você ta indo?
    - Ahh, estou indo competir no Torneio. Seja lá o que você me pedir peço que seja breve pois devo retornar logo à minha trilha.

    “Mmmm, espero que ele não interprete mal a minha ligeira fuga...”

    - Bom então eu vou junto com você...
    - ...Hum... Vai ser bom ter um assistente.

    Ele ajudou a juntar os papéis e se prepararam pra continuar a jornada... Caminharam até anoitecer e o garoto parou fazendo uma pergunta...

    - Estou com fome, o que vamos comer?
    - Vamos comer um suculento suflê de raízes, que vc está pisando aí.

    Tusaemoto começeu a recolher gravetos para fazer uma fogueira que ajudaria a enxergar mais raízes. Assim que a fogueira foi acesa e as raízes preparadas, se sentaram e o garoto começou a se empanturrar com o suflê.

    - Tá muito gostoso. Fazia um bom tempo que eu tava sem comida... Mas... Então, porque você fugiu daqueles dois?

    ”Que modos terríveis tem este garoto, ele come como um animal faminto, e o mais incrível ele não engasga. Pelo menos é bonzinho, pensei que ia reclamar pois o gosto disso é horrível... Bom, vamos a uma resposta...”

    - Era uma estratégia, queria pegar um por um, sabe eu nunca matei, não sei o que é matar. Quem é você garoto e de onde veio? Porque tem o cabelo claro?
    - Vim de muito muito muito longe daqui... Eu tenho uma missão mas pra isso eu tenho que aprender a lutar... Possu ver você lutando no torneio?
    - Claro, estando lá apresente-se como meu servo para ter acesso. Pode começar seu treinamento vigiando o primeiro turno desta noite, amanhã de manhã partimos.

    O pequeno obedeceu, Tusaemoto nem tinha perguntado seu nome mas já confiava nele o suficiente e talvez por agradecimento ele passou a noite acordado. No dia seguinte estava meio mole de sono...

    - Bom dia pequeno, porque não me chamou?
    - HUAAAAAAAAAAAAAAAAAHhhhhhhh... Nham... Você dorme que nem uma pedra, tentei te acordar mas não deu certo. Vai demorar muito pra gente chegar neste torneio?
    - Não se preocupe com isso, chegaremos lá.

    Tusaemoto sorriu e ele o seguiu andando rápido pra quem ficou acordado a noite toda, e assim as horas passaram...

    - Vai demorar muito?...

    E andaram mais... Até que...

    - Ei... Vai demo....
    PUF

    O garoto caiu exausto no chão... E Tusaemoto continuou andando...

    ”sabe de repente fez um silêncio, até que enfim ele calou-se.”

    O samurai estava muito concentrado pensando que não deveria ter fugido e na forma como tratou a própria mãe, mas chegou a conclusão que não tinha outro jeito de partir e seguiu em frente sem olhar para trás concentrando-se apenas no torneio.

     
  6. Lyvio

    Lyvio Usuário

    bem, não vou esperar a paladina, manda o proximo cap to curioso.
     
  7. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Horas depois Tusaemoto reparou que o garoto sumiu, ele já estava perto da cidade comercial onde muita gente costumava passar para chegar a várias outras cidades.

    - Arêe...!? Ué o garoto foi embora. Que estranho, sumiu como apareceu, acho que só estava com fome.

    Um Samurai muito maior que Tusaemoto aguardava na entrada da cidade e ao ver o viajante chegando puxou uma espada que fazia a dele parecer de criança...

    - ALTO!!! O QUE QUER AQUI?
    - Sou apenas um viajante, desejo visitar o comércio para me reabastecer. O senhor não teria visto um garotinho de cabelos claros passar por aqui?
    - Hummm... Estamos com muitos problemas com roubos que estão acontecendo na região. Como posso saber se está falando a verdade? Prove-me que é honesto, caso contrário você estará sob vigia nesta cidade.

    Ele foi bem claro nas palavras e Tusaemoto procurou na trouxa um pergaminho com o nome de sua família mas não o encontrou... Apesar de ficar desconfiado o guarda acreditou nele o suficiente para deixar que entrasse escoltado por um samurai mais velho. Tusaemoto viu as quatro grandes lanternas da cidade comercial e havia um grande movimento, muitas barracas estavam reviradas com muita gente passando. Um grupo de samurais comentava sobre o torneio.

    - Será que chegaremos a tempo?
    - Claro que sim, os cavalos daqui são bons, chegaremos bem antes de ter começado.
    - Queria uma batalha pra me aquecer... Pena que não chegamos durante o saque, teríamos um treinamento completo. Hahahaha...

    “Isso me lembra que não tenho dinheiro nem para um cavalo... Uma pena que o garoto desapareceu, eu poderia vendê-lo ou trocá-lo por um cavalo...Usarei o pouco que tenho para adquirir ataduras e provisões, como os samurais daqui estão animados talvez estejam interessados em apostar algum dinheiro por uma boa luta ou talvez este vigia tenha uma informação melhor..."

    - Velho há recompensa pelos ladrões da floresta?
    - Se você pegar um ladrão na floresta e conseguir trazê-lo vivo você será recompensado pelos guardas da cidade.
    - Retornarei a floresta para caçar algum ladrão, pode me conseguir uma corda?
    - Vamos ver o que pode fazer...

    O velho voltou até a entrada da cidade e conseguiu uma corda entregando ao jovem samurai, Tusaemoto procurou por horas cada vez mais nervoso com o tempo que estava perdendo até que ouviu vozes discutindo...

    - Dê isso pra mim.
    - Mas não é seu.
    - Não importa... Eu quero de qualquer modo.
    - Não é justo.

    Se esgueirando pelos arbustos Tusaemoto viu um homem brigando com outro de estatura menor, puxavam uma túnica cada um de cada lado e apesar do menor reclamar, o outro estava disposto a lhe tirar a túnica.
    Quando o homem finalmente conseguiu tomar a túnica com um puxão que derrubou o menor, ele riu e veio andando na direção de Tusaemoto. Não havia como continuar se escondendo e reunindo toda a coragem que tinha Tusaemoto saiu do arbusto e olhou para eles dizendo com voz autoritária...

    - O que está havendo aqui?

    Sem querer saber de conversa, o maior veio e derrubou Tusaemoto no chão segurando-o antes de fazer qualquer pergunta.

    - O que quer aqui?
    - Estou à procura de ladrões! Diga por quê tirou a túnica do menor se não quiser ser cortado em dois!

    Tusaemoto suava frio com o medo, mas quando conseguiu tirar a espada da baínha o homem o largou sendo empurrado por um forte vento contra uma árvore... Com a espada nas mãos Tusaemoto viu ele bater a cabeça e cair soltando a túnica... O outro homem se aproximou e parecia muito agradecido.

    - Obrigado moço. Salvou minha vida. Esse ladrão estava roubando minha mercadoria, como você é forte e corajoso, mesmo depois dele te derrubar conseguiu vencê-lo.
    - ...

    Sem entender direito o que aconteceu o samurai sentiu uma mãozinha puxando a sua...

    - Tusa... Você me esqueceu?

    “É... É o garoto, nossa, que cara terrível de sono.”

    - Ei vamos levar esse ladrão pra cidade e receberemos uma recompensa.

    A mão direita de Tusaemoto estava meio tremula, seu sangue gelado e sua cabeça em choque pelo perigo que havia passado...Aos pouos foi sentindo a presença familiar do garoto e isto o confortava pois ele segurava firme sua mão. Não querendo que ele percebesse seu medo deu um pequeno cascudo no pequeno e fez cara de zangado.

    - Garoto? Onde esteve! Essas bandas são perigosas não se perca de mim de novo!

    Amarrou bem o ladrão e começou a arrastá-lo para a cidade.

    - Vamos garoto, ei você não me disse seu nome, disse?
    - Alarel, mas eu odeio esse nome... Minha mãe que deu.

    Ele estava mais com sono que qualquer outra coisa, nem havia sentido o cascudo. Quando chegaram na cidade Tusaemoto foi é cumprimentado e Alarel mostrou o pergaminho da familia que tinha ficado com ele...

    - Parabéns, estávamos procurando esse ladrão a um bom tempo. Muito corajoso Tusa..Tusaemoto?
    - É ele é Bravo, é meu único amigo.

    Os samurais que estavam alí olharam e acharam bonito o que o garoto disse.

    - Muito Bravo... Acertou um ladrão e ainda cuida de um filho sozinho.
    - Ei... Ele não é meu filho... Meu nome é Tusaemoto!
    - Tusae...moto? Bom, você é Bravo, com certeza.

    Muitos que estavam por alí não ouviram direito e entenderam que o nome dele era Bravo, outros por acharem o nome dificil de lembrar decidiram usar Bravo como apelido nos comentários e grupos começaram a se formar para pegar mais ladrões pelas redondezas... O pessoal da cidade lhe deu um cavalo e um pouco de dinheiro como recompensa por ter sido o primeiro com atitude de caçar os bandidos pois depois do ataque todos que passavam por alí só estavam interessados em seus destinos.

    - Vai comprar algo na cidade? Ou agente vai pro seu torneio agora? Estou com fome.

    ”Humm...O garoto apesar de me fazer parecer velho me trouxe um pouco de sorte. Melhor eu adquirir um pouco mais de provisões já que estou acompanhado agora.”

    Tusaemoto procurou pelas barracas de armas e encontrou um bumerangue de caça. Não hesitou em compra-lo para presentear o garoto. Pediu ao vendedor uma faca e esculpiu algo antes de entregá-lo.

    - Alarel, enquanto estiver comigo te chamarei de Hatashi Senshi, ou apenas Senshi, está bem? Também quero que saiba se defender e por isso vou treiná-lo hoje mas partiremos amanhã bem cedo ok?

    Ao pegar o bumerangue e ler o nome Senshi esculpido o garoto vibrou de alegria abraçando-o.

    - OBRIGADO TUSAEMOTO!!!SENSHI!SENSHI! Agora sou Senshi e vou treinar bastante!!!

    Iniciavam alí um grande laço de amizade.

     
  8. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Garoto misterioso em?
     
  9. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Treinaram durante uma hora e Senshi acabou adormecendo. Tusaemoto pegou-o e levou até uma pousada onde dormiram... No dia seguinte enquanto atravessavam a cidade as pessoas apontam e diziam...

    - Olhem é o bravo de ontem!
    - É bom saber que além de guardas temos guerreiros corajosos por aqui.
    - Alguém sabe o nome dele?
    - Parece que é Bravo mesmo...
    - Faça boa viagem BRAVO!
    - Boa viagem!

    Bravo sorria e acenava mais para as mulheres que para os comerciantes, estava acostumado a ser bajulado em sua vila mas aquelas eram mulheres desonhecidas e belas. Deixaram a cidade em direção ao torneio, os samurais que iam participar já haviam partido e eles estavam um pouco atrasados mas com os cavalos recuperariam a vantagem...
    Tudo estava calmo e Tusaemoto estava relaxado, se não fosse o atraso ele teria dormido até mais tarde...Depois de cavalgarem por algum tempo o garoto apontou pro ceu.

    - Tusa, temos que parar. Não tem pássaros aqui, é mau presságio.

    Após olhar para cima uma luz no meio da floresta chamou a atenção do jovem samurai e ele desviou o caminho para verificar...

    - É bom que não haja pássaros Hatashi, pelo menos nossas cabeças estão livres de...
    - Tusa, não podemos mudar o caminho, nos atrasaremos.
    - Esta tudo bem, vamos dar uma olhada rápida, seja mais aventureiro Hatashi.


    Prelúdio da Torre Amaldiçoada

    Adentrando a floresta Tusaemoto sentiu um calafrio percorrer seu corpo... A luz era muito estranha e parecia se mover.... Ele já estava arrependido de ter desviado do caminho quando de repente um grupo de jovens saiu correndo do meio do mato. Eles atravessaram o caminho dos dois chorando e desviando das árvores e dos cavalos como se fugissem de algo.

    - FUJAM

    Corriam desesperados em direção à estrada. O medo que pairava sobre aqueles inocentes era realmente um mau presságio mas decidido a descobrir a causa do medo Tusaemoto continuou na direção contrária aos fugitivos.

    - Droga só tenho este e mais um dia para o torneio, por quê isto me atrai? Vamos Hatashi, não quero ficar pensando nisso durante o torneio.

    Continuaram até uma pequena vila deserta, as portas das casas estavam abertas e o lugar tinha sido abandonado às pressas... Olhando pelas entradas e janelas Tusaemoto viu corpos mortos em muitas das casas, eram os corpos dos adultos da aldeia.

    - Tusa, vamos voltar... Isso não é bom...

    Mas Tusaemoto não retornava, contrariando seus medos ele avançava pela vila sem saber o porque... Duas formas espectrais apareceram perto de uma árvore e caminharam até os cavalos olhando o samurai nos olhos, mediram-no de cima abaixo com o olhar... Senshi que não entendia aquilo começou a chorar...

    - Buáááááááááá... Tusa, vamos sair daqui!

    O nervosismo tomava o corpo de Tusaemoto, em contrapeso da pressa que ele tinha de resolver aquilo o mais breve possível. Respirou fundo e lançou seu olhar mais debochado para as criaturas...

    - O que foi? Estou com cheiro ruim?

    Senshi estava apavorado, os espíritos pareciam sentir seu medo se aproximando mais e ele pulou do cavalo caindo de cara no chão...

    - BUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!

    As formas lembravam homens samurais armados com espadas, eles olharam a criança caída e desapareceram...

    - TUSA... EU QUERO SAIR DAQUI!!!! BUAAAAAAAAAAAAA!!!

    Senshi permaneceu ajoelhado no chão, chorando e Tusaemoto ouviu o barulho de trovões indicando que ia chover logo.

    ”Um vazio, uma sensação nostálgica como se minha alma estivesse a ponto de sair do corpo e seguí-los, estes trovões ecoam até meus ossos... O que estou fazendo afinal?”

    - Hatashi teremos que ficar mais um pouco, até a chuva passar.

    Assim que terminou a frase a chuva caiu de uma só vez... Grossa e pesada abafando o choro do garoto... Como a vila aparentava estar deserta ele entrou em uma casa qualquer arrastando Senshi e decidiu esperar a chuva passar. Olhando atentamente, Tusaemoto reparou que a casa foi revirada, e saqueada... O corpo do chefe da casa estava caído no chão com um golpe covarde no pescoço... A cama estava desarrumada e com manchas de sangue, ele parecia ter sido morto enquanto dormia.
    Senshi se agarrou ao novo amigo, estava assustado... Um uivo fraco na parte detrás de uma das casas rompeu o barulho constante da chuva...

    - NNNNNum queru ficar aqui Tusa...
    - SENSHI! Espere aqui, e pare de choramingar!

    Após cobrir o homem morto Tusaemoto tirou a espada da baínha e correu na direção do uivo...

     
  10. Dinaen

    Dinaen Bebendo com um

    kra, to começando o capitulo 4, e posso t dizer q vc conseguiu um leitor fiel. nao terminarei de ler hj pq meus olhos ja estão ardendo, ler no pc é ruim pra quem usa oculos XD

    mas a estória ta ótima. apenas fico imaginando quem poderia ter sido o persoagem Joshi e o Dark. digo quando ainda era um jogo, parece ilário ter jogado esse rpg.

    meus parabens kra, nao comentarei mais para nao atraplahar os comentários da história mais adiantada. acho q amanha termino de ler se tiver tempo.

    flw
     
  11. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Após dar a volta Tusaemoto encontrou um homem caído no meio da grama molhada sendo protegido por um cão machucado. As mãos do homem ainda se mexiam e ele tentava afastar o cão que uivava pedindo ajuda...

    - A...sassinos... Malditos...Sejam...
    - AUUuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu....
    - Me deixe Koteru... Proteja as crianças...
    - OOOOOOOOoooooouuuuuuuuuuuuuuuuuuuu...Caim, caim....
    - Vá Koteru... Vão voltar... Proteja... as crianças...

    O homem nem chegou a perceber Tusaemoto, estava mortalmente ferido e usou suas últimas forças para empurrar o cachorro que agora olhava para o samurai bem nos olhos...

    "Os céus choram pelo triste fim deste vilarejo. Por quê, porquê estou preocupado com isso? Não tenho nada a ver com isso."

    Após socar a parede da casa com raiva Tusaemoto cubriu o corpo do homem com lama, o cão não oferecia resistência deitado aos pés do dono. Quando terminou de cobrir o corpo Tusaemoto voltou para a casa encontrando Senshi encolhido debaixo de uma mesa ainda muito assustado...


    - Fan...fan...fantasmas...
    - Sim Senshi, ao menor sinal de estiagem vamos sair desta vila fantasma.

    O pequeno estava num estado lastimável de medo. Os cavalos também se recusavam a entrar na casa.

    - Seus medrosos! SENSHI! Venha aqui e me ajude, meus documentos não podem molhar. Pegue os papéis e veja se estão secos, quanto mais rápido o fizer mais cedo saímos daqui, vai garoto rápido!

    Enquanto Senshi pegava a trouxa de documentos, Tusaemoto correu até um celeiro e pegou bastante palha trazendo-a de volta.

    - Almejo partir na chuva mesmo para o torneio.
    - Tem...Uuu...Uns molhados e uns secos...

    O pequeno entregou o saco com as mãos tremendo e Tusaemoto protegeu os documentos com palha seca adaptando também uma proteção de palha por cima da roupa para os dois... Ao caminharem de volta para a estrada deram de cara com o cachorro parado olhando fixamente para eles.

    "O cão parece querer me dizer algo, mas cães não falam ou falam? Fantasmas que eu não devia ver se expõem diante de mim, será que este cão é real ou apenas mais um fantasma..."

    - Cão, eu enterraria decentemente seus amigos, se tivesse tempo.

    "Pronto, isto deve completar o circulo de absurdos, agora eu falo com cachorros... Chega, o meu objetivo é o torneio, é fama e fortuna através do sangue de meus adversários, sangue de honra da vitória... E para trás fica somente o eco dos oprimidos..."

    Tusaemoto decidiu ignorar o cão e seguir em frente. Algumas horas depois o cão ainda os seguia e eles encontraram uma criança caída na estrada.

    - Socorro...
    - Tusa? Acho que é uma daquelas crianças...
    - Ajuda...

    A criança delirava envolta em lama e chuva, Tusaemoto a colocou no cavalo seguindo em frente quase sem parar.

    - Vamos deixá-lo na cidade do torneio ou em alguma vila próxima, Hatashi segure-o.
    - Por favor... Viajante, os meus irmãos... Ajuda...

    O garoto apontava uma direção e tentava alcançar o ombro de Tusaemoto para chamar-lhe atenção.

    - E agora Tusa?
    - Temos que chegar ao torneio...
    - Meus irmãos... Ajuda...
    - Droga...

    Tusaemoto não gostava de ver crianças chorando e estava preocupado... Alem de ter inocentes precisando de ajuda ele não queria ter que ouvir aquele choro a viagem inteira e por isto mudou de direção. Ao entrar na floresta novamente eles cavalgaram durante quase meia hora ouvindo o choro do garoto a cada vez que Tusaemoto tentava voltar atrás e finalmente adentraram uma clareira onde uma enorme torre se erguia ao centro... Dava para ouvir o choro das crianças vindo de dentro da torre... Uma delas viu os viajantes e apontou para eles chamando as outras... O garoto que estava com Senshi reconheceu os amigos.

    - Socorro! NOS AJUDE!!!
    - Não tem como sair daqui.
    - Estamos presos.
    - Eles não nos deixam sair...

    No entanto a torre estava aberta e as crianças se abraçavam assustadas... Tusaemoto desmontou do cavalo e entrou encontrando dentro do primeiro andar da torre vários tatâmes com arqueiros mortos... Ia olhar o segundo andar quando sentiu dor na sua perna e ao olhar pra baixo viu uma flecha cravada nela. O corpo de um arqueiro morto estava caído a sua frente e parecia olhar para ele...

    "Mas que... Inferno!"

    - TUSA!!! TUSAAAAA!!! ACORDA!

    Acordou abraçado à sua espada, a ponta da lâmina estava espetando sua perna fazendo um corte...

    - ESTAMOS ATRASADOS TUSA!! VOCÊ DURMIU DEMAIS!

    Olhando em volta Tusaemoto reconheceu o quarto da pousada, Senshi estava brincando com o bumerangue e havia um café da manhã preparado para eles...

    "Por um instante vejo brumas se dissiparem tão rápido quanto as batidas de meu coração, minha razão voltou a realidade com a dor do corte da espada. Tão óbvio que era um sonho... Eu nunca teria adentrado aquela cidade após presenciar aquelas aparições."

    - Drogaaaaaaaaaaaa!!! Ainda não estou preparado? Hatashi arrume suas coisas vamos sair daqui.

    E partiram da vila novamente acompanhados pelas mesmas recomendações de boa viagem ao jovem samurai Bravo que tinha seu primeiro e leve reconhecimento por parte do povo. Apesar de sorrir Tusaemoto sabia que aquele sonho era realmente um mal presságio...

     
  12. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Li...kkkk, demorei mais li, ta ficando bom...
     
  13. Raphael S

    Raphael S Desperto

    A viagem prosseguiu sem problemas mas Tusaemoto estava sonolento como se não tivesse dormido... Senshi o acordou quando adentraram os portões de uma cidade portuária.

    - Essi lugar é bunito mesmo.
    - Hah... Sim, Agridash´s Bay, é muito antiga, você seguiu direitinho o mapa. Já esteve aqui Senshi?
    - Eu... Sim... No início Tusa... Mas não encontrei ajuda, só gente ocupada...
    - É uma cidade comercial Senshi, aqui sempre são muito ocupados.
    - Estou feliz de viajar com você Tusa. Você é bom.
    - Você também é um bom garoto, continue comigo e vai aprender muita coisa.

    Tusaemoto sorriu, se sentia um irmão mais velho com seu irmãozinho preferido_O lugar estava cheio, diversos samurais andavam pra cá e pra lá conversando e se preparando. O comércio na cidade estava acelerado vendendo acessórios e mantimentos...

    - Vai ser aqui mesmo esse torneio né?
    - Sim Hatashi, estou perto de atingir meu objetivo.

    Seguiram as faixas espalhadas pela cidade e procuraram os organizadores para apresentar os documentos.

    O Primeiro Torneio

    Quando se aproximaram viram uma arena decorada e perfeitamente delimitada perto da maior construção e dentro dela um homem magro vestido de preto fazia propaganda do Torneio...

    - VIEMOS ATÉ VOCÊS COM NOSSO CAMPEÃO!!! MASCARED DEVIANT!!! QUEM DE VOCÊS É CORAJOSO E FORTE O SUFICIENTE PRA ENFRENTAR OS OUTROS COMPETIDORES E CHEGAR ATÉ A LUTA FINAL CONSEGUINDO O DIREITO DE UMA CAIXA MÍSTICA QUE DARÁ AO VENCEDOR RESPEITO E FORÇAS ALÉM DO QUE IMAGINAM? VENHAM, APROXIMEM-SE, E LEMBREM-SE QUE ESSE É UM TORNEIO DE VIDA E MORTE!!! NÃO HÁ LUGAR PARA PERDEDORES AQUI!!! VAMOS!!!

    Enquanto procuravam onde se inscrever, prestavam atenção no campeão... Era um cara grande, com a pele vermelha provavelmente pintada e usava máscara do tipo Kabuki, Ele tinha uma longa lança com uma fita... E em um ponto da Arena bem protegida por samurais também vestidos de preto estava um colar com uma caixa de ferro como pingente... Apesar de parecer apenas uma jóia, algo nela parecia chamar os competidores... Tusaemoto olhava para o estranho artefato quando foi derrubado por alguém que o empurrou por trás.

    - NÃO SABE ESPERAR, FRACOTE? Pensou mesmo que iria passar na minha frente?
    - Ora, ora. Pode se adiantar se quiser não fará diferença alguma.
    - Não entre de qualquer jeito na fila na frente dos outros!

    Tusaemoto se levantou fazendo um movimento cordial para que ele passasse, era um cara forte carregando duas espadas. Depois de olhar para Tusaemoto e o garoto com cara de pouco caso abriu caminho e continuou andando, mas assim que deu dois passos um vento forte passou pelo braço de Tusaemoto derrubando o grandalhão no chão, ele caiu de cara se sujando bastante como se alguém tivesse empurrado seu rosto contra o solo...

    - SEU MALDITO!!! EU...

    Enquanto Tusaemoto suava frio o brutamontes se levantava com raiva colocando as mãos nos cabos das espadas, Ao olhar para trás Tusaemoto viu Senshi dando uma risadinha mas não entendeu o que tinha acontecido... Ia começar uma luta que ele estava tentando evitar e a sorte foi que uma jovem segurou o braço do grandalhão e interferiu na confusão.

    - Ei... Guarde isso pro torneio, não vai pegar bem pra você uma confusão aqui não é docinho?
    - Droga... Ei, você... Vai pagar por isso.

    Ele se afastou indo fazer a inscrição e a jovem olhou a curiosa dupla da criança e seu mestre... Ela usava uma roupa justa com algumas fitas coloridas...

    - Hahaha. Não ligue, Teri é um idiota pomposo... Elyene, Prazer.
    - O... O prazer é Todo meu. S... Sou Tusaemoto.
    - ELE É O BRAVO!!!

    Empolgado por terem se livrado da confusão, o garoto deu um tapinha nas costas de Tusaemoto interrompendo-o quando estava se apresentando... Todos em volta ouviram as palavras em voz alta do pequeno e olharam admirados para ele, inclusive o homem magro que fez sinal para adicionar o nome à lista de concorrentes...

    - Com este nome já está adicionado rapaz.

    A garota olhou para Tusaemoto e sorriu.

    - Humm... Bravo hein... É um nome forte, gosto disso. Nos vemos nas lutas Bravo...

    Ela se afastou com o belo sorriso que ficou na cabeça do samurai...

    - Que moça legal, ajudou agente.

    A voz de Senshi o fez voltar a realidade e Tusaemoto olhou com desaprovação ele...

    - Muito bem garoto agora ninguém da minha vila vai saber quem sou eu no torneio. Só te perdôo porque também, não gosto do meu nome, então estamos quites.

    Ele colocou a mão sobre a cabeça do garoto e bagunçou o cabelo todo dele voltando a sorrir, tinha conseguido entrar no tão falado torneio.

    - Brigadu Bravo.
    - Bom, Senshi procure um bom lugar para assistir o torneio, vou para junto dos competidores.

    Senshi se juntou a multidão que estava alí esperando notícias do início do torneio. Ele ouviu os comentários sobre as seleções do dia anterior e que o torneio ia começar logo.
    Ao adentrar o acampamento do torneio Bravo se deparou com muitos tipos de oponentes... Samurais honrados e alguns provavelmente sem honra com aparência de ladrões... Cada um com seu estilo e tipo de luta usando espadas e outras armas, um deles chamava atenção por não carregar nada e estar quieto e sozinho...

    ”O homem disse vida ou morte mas não quero dar motivos pra ninguém me matar, confio nas minhas técnicas um contra um e não pretendo perder... Se todos estão aqui então o torneio deve estar prestes a começar e um pouco de conversa irá ajudar a segurar minha ansiedade.”

    Bravo se dirigiu ao jovem que estava sozinho e iniciou uma conversa.

    - Olá amigo, já esteve aqui antes? Sabe quem são os da elite?
    - Hmmm... Não sei ao certo... Todos parecem tão confiantes não é? Se você olhar direito todos estão se divertindo pois sabem que até o torneio terminar vão ter lutas que poderão contar para seus amigos e filhos... Se sobreviverem, claro... É minha primeira vez aqui... Eu estava só de passagem daí me puxaram e pegaram meu nome.

    Ele sorriu esperando outra pergunta... Aparentava ser muito calmo e tinha ar de inocente...

    - Como assim te puxaram? Não fizeram nem um convite formal?
    - Muitos que estão aqui foram inscritos assim.
    - Tem uma mulher que vai participar também, quem é ela?
    - Qual mulher? Vi poucas...
    - Acho que ela se chamava Elyene... Mas tudo bem, está empolgado pra começar amigo?
    - Espero não ficar muito machucado pra voltar pra casa.

    “Ele não pode ser um lutador, se ele não for, terei caído em algum torneio corrupto?E se as lutas forem necessáriamente até a morte?”

    - BRAVO!!! UM HOMEM ARRANCOU O BRAÇO DO OUTRO! OLHA!!!

    Os pensamentos já o estavam deixando assustado e ele ouviu a voz do Senshi e viu os guerreiros abrindo passagem pra ele... O garoto vinha inocente com uma mão tampando o nariz e a outra arrastando um braço pelo chão antes de ergue-lo a altura dos olhos de Bravo... O sangue gotejou no pé do Bravo e ele sentiu um terrível medo... Senshi era inocente demais pra perceber que estava fazendo algo ruim, era como se ele tivesse caçado um coelho e se sentisse feliz em mostrar a caça pro amigo.

    ”Por que isto está acontecendo comigo???Mãe, me perdoa!”

    Tomou o braço da mão de Senshi com força e sem querer soltou-o na mão do jovem com quem estava conversando.

    - Senshi!!!!! Volta pro seu lugar!! Não entre na arena de novo! Vai logo!

    Os guerreiros olhavam curiosos a coragem do menino e Senshi voltou correndo... O jovem estranho acabou derrubando o braço antes de segurar nas mãos...

    - Nossa, esse acidente deve ter sido feio... Espero que o dono esteja bem.Vai ficar por aqui?

    Bravo ouviu os samurais dizendo que os participantes de última hora estavam sendo escolhidos em batalha de eliminação.

    - Acho que vou ver como está indo essa seleção, se não nos virmos novamente, tente não morrer.
    - Morrer?

    Ele sorriu como se Bravo estivesse brincando... Enquanto se dirigia para a Arena a idéia de fugir estava fervilhando em sua mente, afinal Bravo seria considerado o samurai mais covarde do torneio e o nome dele estaria a salvo...

    ”É um ótimo plano e eu tenho que agradecer Senshi por isto... Melhor eu pegá-lo e dar o fora desse torneio maluco”

    Quando se aproximou da multidão uma enorme confusão estava acontecendo... Bravo tomou um susto ao ver Senshi dentro da Arena atingindo alguns samurais enquanto corria deles...

    - BRAVO!!! ELES QUEREM ME BATER!!!!

    Com um pulo Bravo invadiu a arena e o garoto veio em sua direção... Atrás dele estava um samurai com uma lança pronta para acertá-lo uma vez que ele tinha se metido na confusão.

    - Senshiiiii, seu idiota! Sai daqui!

     
  14. Dinaen

    Dinaen Bebendo com um

    Enfim consegui tempo para terminar de ler.
    Continua kra, pq ta demais. Vo querer q vc post essa história lá no meu fórum tbm...
    O capitulo dos fantasmas foi o mais foda, e essa explicação da história de bravo Tá 10.

    continua...
     
  15. Raphael S

    Raphael S Desperto

    O movimento de Bravo foi preciso, atacou com a lâmina ao contrário e desviou-a para o chão. O atacante tropeçou e caiu quando a lança travou... Senshi se escondeu trás de Bravo pois um outro samurai vinha com espada em punho tentando acertar a cabeça dele...

    ”Droga, estou no meio de uma grande confusão... E o pior, sem tempo pra ter medo, terei que golpear com toda a força do meu corpo e do meu espírito pra acabar logo com isto.”

    A mão dele se moveu rápido mas era como se o tempo parasse em sua mente... A lâmina da espada da sua família se chocou com força contra a lâmina inimiga fazendo com que a espada atacante voasse longe... Por um momento Bravo teve a visão de todos os que vinham em sua direção 8, 9, 10... Armados, furiosos... E o medo finalmente tomou conta deixando-o paralisado com a mesma expressão do homem desarmado a sua frente... Outro samurai atropelou o lanceiro que tentava se levantar e outra espada preparava um golpe certeiro em seu peito quando...

    - PAREM!
    Um gongo soou e o atacante obedeceu à ordem, todos obedeceram...
    - AS ELIMINATÓRIAS DE HOJE ESTÃO ENCERRADAS...
    - E quanto ao garoto?Ele não devia ter entrado na arena!
    - O GAROTO?O GAROTO FICA COM O SAMURAI! É PROBLEMA DELE, MAS AGORA TAMBÉM É UM LUTADOR DO TORNEIO E É ISSO!

    Era o homem magro que fez a seleção anteriormente... Devia ser o juiz ou talvez organizador... Depois que definiu o final da eliminatória se virou e foi embora... Alguns ficaram indignados, outros aceitaram, Bravo não conseguiu dizer uma palavra até que os oponentes se afastaram.

    - BRAVO! VOCÊ TÁ BEM???

    Senshi o sacudia e o olhar dele agora cruzava com o de Elyene, admirada com o que tinha visto...

    ”Estou salvo...O olhar de Elyene me conforta é como se todo o restante do cenário se transformasse em luz branca e alva... Mas que terremoto é este? Hah o Senshi...”

    Cedendo às sacudidas, Bravo Disse que estava bem e foi falar com o juiz para que ele tirasse o garoto do torneio, quando alcançou o homem, descobriu que não seria algo fácil. O Juiz olhou para ele e riu...

    - E o que você está disposto a fazer pra que eu tire o garoto do torneio?

    Sem esperar Bravo puxou a espada encostando a ponta na garganta do Juiz.

    - Ele sai e você continua vivo, 3 segundos pescoço perfurado, 3..., 2...

    Dois dos guerreiros samurais de preto também puxaram as espadas apontando-as para Bravo. O Juiz, com um gesto para esperarem, Levantou a cabeça o suficiente pra dizer sem se cortar...

    - Você morre em seguida...

    O clima estava cada vez mais tenso e Bravo pode ouvir os passinhos de Senshi atrás de sí vindo ver o que estava acontecendo... Guardou a espada e recuou reclamando com os defensores do estranho homem.

    - Até quando vocês serão marionetes deste imundo? Querem morrer de graça? Vamos digam alguma coisa, ou será que ele já tirou a língua de vocês?
    - Se ele tentar algo assim novamente vocês podem espancá-lo... Bravo acaba de se classificar para as finais... Apenas aguarde pois você vai lutar daqui a dois dias.

    Se afastaram e Bravo ficou alí pensando no que faria durante dois dias alí... Senshi se aproximou e perguntou o que eles queriam mas a cota de paciência do dia havia sido ultrapassada...

    - Senshi!! Você arrumou uma grande confusão, pegue seu rumo e fique longe de mim!

    Bravo estava irritado com Senshi, estava tentando mantê-lo afastado de confusão e agora tinha que protegê-lo no torneio. Um dos habitantes convidou-o a ficar em casa pela troca de alguns consertos e serviços... Depois de aceitar, Bravo foi até a humilde casa onde tomou um pouco de sakê, era um homem velho e tranquilo e Bravo estava precisando beber... Elyene veio mais tarde vê-lo e Senshi não apareceu depois da bronca...

    - Então Bravo, onde está aquela gracinha de garotinho que anda com você?

    Ela se sentou na entrada de madeira da casa enquanto ele, meio tonto, se esforçava para se escorar em uma das vigas do telhado da casa.

    - Não sei...Estou em duvida sobre minha vida e chateado com Senshi, posso até morrer daqui a dois dias... O que acha disto? Quer dar uma volta com um homem com pouco tempo de vida

    Ela riu aceitando o convite...

    - Não acho que você vai morrer, acho que você ainda tem muitos anos de vida. Além de que seria um grande desperdício.

    ”O jeito dela é bem diferente das mulheres que conheci na minha vila... Ela não se encaixa em nada no perfil. É meio atirada e adora se divertir... Parece que ela se diverte deixando as pessoas encabuladas, como eu...”

    Elyene ainda completou dando uma piscadinha e Bravo corou encabulado, não sabia se tinha sido mesmo uma piscada ou se a bebida tinha dado esta impressão...

    - Bom Bravo... Eu particularmente acho muito lindo um guerreiro que cuida seu irmão menor... Hummm, você quer ir até a floresta comigo?
    - Ahh. Vc viu meu maninhu por ai? Quem sabe a gente não acha ele né? Rs
    - É... Quem sabe...

    Quando chegam até a floresta ela ficou meio doida... Empurrou Bravo numa árvore e lhe tascou um beijão... Antes que ele pudesse reagir ela o abraçou e foi se aproveitando dele... Ela puxava os cabelos de Bravo, se esfregava e percorria o corpo dele com as mãos até que parou num ponto dentro de sua roupa... Ele respirou fundo e ela deu uma risadinha com o rosto ficando rubro... Então ela... ELA... Saiu correndo...
    Bravo ficou ali suspirando e olhando ela correr, apenas sorriu e decidiu encarar o torneio de vez ao invés de fugir. Após dois dias voltou à arena e viu muito sangue espalhado pelo chão... Nesses dois dias houveram batalhas e muitos foram mortos. Bravo reparou que uma boa parte dos que estavam ali estavam tristes com isso... Senshi estava lá também olhando para a arena, estava limpo, um dos habitantes tinha cuidado dele. O modo como segurava o bumerangue e o olhar revoltado indicavam que ele tinha visto as lutas e estava treinando para sobreviver...
    Finalmente fixaram uma placa na frente da arena indicando os escolhidos para a parte final do torneio... Senshi caminhou até Bravo ficando do seu lado sem dizer uma palavra enquanto que os dois olharam para a tabela...Elyene estava meio afastada, já tinha visto a placa e se preparava...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    “Hum... Me colocaram contra o samurai que arranjou briga comigo... Se ele sobreviveu deve ser bom e também quer dizer que vai lutar com mais vontade contra mim... Juiz maldito... Mas... Elyene está na lista, ela deve ser mais forte do que aparenta. Terei beijado um monstro?"

    Bravo observou todos os lutadores e a área do torneio traçando um mapa mental de tudo mas havia uma interferência, o ar de tristeza do público o incomodava bastante. A atmosfera era muito controvérsia, ninguém se rebelava pois havia o desejo mórbido de saber quem seria vencedor após tanto sangue. Para Bravo e Senshi restava apenas observarem a primeira luta, o torneio para eles estava prestes a iniciar.

     
    Última edição: 18 Mai 2008
  16. Dinaen

    Dinaen Bebendo com um

    You're Welcome Noylon Escritor Raphael S ^^

    Pensava q ia se tornar um ero-rpg, ^^.. essa Elyene eh fogo...

    Tbm espero q eles retornem... Enquanto isso, vamos lendo, rs
     
  17. Raphael S

    Raphael S Desperto

    - Agente vai ter que caçar eles como se fossem comida? Eles estavam se matando lá dentro.

    O olhar de Senshi era triste, não estava acostumado a ver homens se matarem daquele jeito. Bravo se sentiu culpado por ter brigado com ele, a inocência do garoto era grande diante do perigo que estavam prestes a enfrentar.

    - Eu vou caçá-los, você vai ficar atrás de mim se protegendo.

    Soou um gongo e a atenção de Bravo foi dividida com Senshi e o arqueiro samurai que adentrou a arena acompanhado pela entrada de outro samurai no lado oposto carregando uma espada longa... O Juiz então anunciou...

    - Primeira luta da chave final... SHOAT SU contra... KOAI!!! LUTEM!!!
    - ...
    - VITÓRIA DE SHOAT SU!!!
    - MAS COMO?Huh?
    - EI, ISSO VALEU???

    Tinha sido reamlente muito rápido... Assim que o Juiz autorizou e antes do povo começar a torcer e gritar o arqueiro apenas passou a mão do cabelo e Koai estava recebendo a flechada...

    “Ele é rápido... É um profissional, um arqueiro de elite ou algo assim... O movimento dele pegando a flecha no segundo que a frase de início foi dita foi tão perfeito e preciso que pareceu que ele apenas tinha erguido a mão para arrumar o cabelo...”

    A multidão vaiou e reclamava, mas logo foi amenizada pelo chamado dos guerreiros da segunda luta... A primeira luta teve uma vitória mais rápida que podiam imaginar que haveria em todo o torneio... Senshi engasgou com o que viu... E parecia preocupado...

    - Ele... É muito mais rápido que eu... Eles vao tentar nos matar Bravo?
    - ZENI SAO E DIMIZAO APRESENTEM-SE!!!
    - Você não deveria estar aqui, isto é um torneio de vida ou morte, se você quiser viver terá que se proteger. Olhe bem e estude todos os guerreiros que lutarem quando for a nossa vez fique atrás de mim e em guarda, suas chances de sobreviver serão melhores assim.

    Os lutadores adentraram a arena assim que o corpo derrotado foi arrastado pra fora...Zeni Sao era um espadachim vaidoso, sua espada brilhava muito como se fosse polida todos os dias e sua túnica longa e luxuosa não tinha quase nenhuma mancha, o que era difícil para um lutador. Dimizao era o oposto, estava todo empoeirado carregando duas facas e estalava os ossos preparando-se para o início da luta com suas roupas justas e leves...

    - LUTEM!!!

    Dimizao iniciou tentando causar o mesmo efeito que o arqueiro da luta anterior, atirou uma das duas facas rapidamente contra o corpo do oponente mas Zeni Sao apenas moveu a espada mostrando grande destreza ao rebater a lâmina para o chão... Isso deu uma enorme vantagem psicológica ao espadachim e os dois iniciaram um jogo de gato e rato, Dimizao se afastava, desviava e corria tentando ficar longe do alcance da grande espada sem no entanto conseguir uma brecha para atacar... Senshi olhava tudo aquilo com muito interesse, parecia que ele entendia que tudo o que estava acontecendo era muito importante pra sobrevivência dele e de Bravo, mas ficou decepcionado ao ver Dimizao perder a outra faca e quase um braço ao se distrair com o brilho da lâmina do oponente que ofuscou a visão do competidor...

    - O Homem fez de propósito Bravo! Ele limpa a espada pra poder usar a luz daquele jeito né?

    Senshi não esperou a resposta, olhou novamente pra Zeni Sao que levantava a espada preparando o último golpe, Dimizao estava desarmado, ferido no braço e caído após ter sido pego pelo truque da luz. Zeni Sao estava prestes a completar o movimento quando seu sangue jorrou na arena...

    - VENCEDOR!!! DIMIZAO!
    - Isso ai!!! Homem esperto.
    - GRANDE VITÓRIA!!!

    A multidão gritava, aplaudia e saudava o lutador que no último momento tirou uma terceira faca das dobras da roupa e fincou no estômago do espadachim, vencendo a luta ao preço de banhar-se no sangue do derrotado...
    Teri deu dois passos na direção de Bravo e sorriu com uma certa maldade nos olhos... Bravo parecia saber o que aquilo queria dizer... Eles eram os próximos...

    - Não está nervoso né docinho?

    Elyene surpreendeu-os, passando a mão nos cabelos dourados de Senshi e riu para o Bravo esperando que dissesse algo interessante que talvez fossem suas últimas palavras... Sorrindo e encabulado Bravo respondeu prontamente a primeira coisa que pensou antes de avançar até a arena...

    - Tanto faz, vejo você novamente neste ou no outro mundo.

    Teri adentrou a Arena confiante e desembainhou lentamente as duas espadas esperando pela permissão do juiz... Bravo e Senshi entraram e logo o garoto se colocou em posição corajosamente à frente do amigo apontando o bumerangue para o adversário...

    - LUTEM!!!

    Senshi foi inconseqüente em querer defender Bravo porque Teri só esperava a autorização pra começar a atacar e do jeito que ele vinha correndo ia atingir o garoto sem se importar...

    ”Senshi me surpreende, eu avisei pra ele se proteger mas já que ele se colocou a minha frente me deu uma idéia!”

    Bravo escalou o garoto e saltou de cima da cabeça dele para interceptar Teri pelo alto, isto dobrou a força do seu ataque ao desembainhar a espada. E esta quase foi uma outra luta rápida do campeonato... Senshi nem imaginava que seu grande "amigo" o usaria como apoio e por mais que Bravo pisasse leve, acabou indo de cara no chão. O Samurai, muito mais surpreso com a atitude covarde foi pego em cheio, Bravo pulou por cima atingindo-o nas costas com a espada e isso causou um grande espanto no público... Com o corte nas costas, Teri fincou uma das espadas no chão a usando como apoio e começou a se defender com a outra espada... Senshi estava com o rosto todo arranhado e machucado, chorava e não conseguia enxergar nada...

    - BUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!....
    - MALDITO!!!... Nem seu parceiro consegue respeitar? Então vou matá-lo de uma vez e resolveremos sozinhos isso.

    Teri ergueu um pouco a espada apontando para Senshi, o pequeno garoto era um alvo fácil mas enquanto o adversário perdia tempo blasfemando Bravo correu encoberto pelos choros do garoto e deu uma ombrada que desarmou Teri atirando-o no chão a mercê do destino que Bravo decidisse.

    - Você tentou matar uma criança maldito! Saiba que Senshi não está aqui por que eu quero!

    Com a ponta da espada no pescoço Teri pensou no erro que tinha cometido ao subestimar aquele samurai mas Bravo guardou a espada e estendeu a mão para o adversário... Teri passou por um momento de muito medo, sabia que a vida estava nas mãos daquela pessoa e apesar dos insultos tinha sido perdoado... O ferimento nas costas piorava e ele estava envergonhado mas mesmo assim Bravo insistiu erguendo-o e o retirou da arena acenando para que alguém ajudasse...

    - Vê se não me arruma mais problema.

    Teri estava sem reação diante daquele ato... Aliás todos estavam, ninguém esperava que a luta terminasse daquela forma...

    - Quem é esse jovem que contraria a tradição?
    - Foi uma luta justa... Ele deveria matá-lo.
    - Ele teve compaixão por um inimigo que queria sua morte...
    - Estranho esse Bravo...
    - Hum... Quero ver se ele consegue continuar assim nas outras lutas.
    - BRAVO É O VENCEDOR!!!

    Senshi continuava chorando, estava bem machucado... A voz de anuncio dos vencedores estava carregada de raiva, Bravo sabia que não era o que o Juiz queria e estava satisfeito om a vitória... Depois de deixar Teri seguro Elyene veio até ele e...

    PLAFT!!!

    - Ai...
    - SEU IDIOTA!!! COMO PÔDE MACHUCAR A CRIANÇA DAQUELE JEITO?VOCÊ É LOUCO?

    Ela estava furiosa e o tapa havia doído bastante...

    - O que você ta fazendo sua maluca! Se eu não fizesse aquilo Senshi ia morrer! E bem que você podia ter as mãos um pouquinho mais suaves né, parece mão de homem que coisa.

    Se afastando dela Bravo pegou algumas ervas oferecidas por uma mulher do público e começou a passar no rosto de Senshi tirando-o da Arena...

    - Te falei pra não ficar na minha frente, da próxima vez fique atrás, você tem uma arma de longa distãncia e assim é mais vantajoso. Quem vai lutar agora mesmo?

    O Garoto mantinha a cara de choro com os pequenos lábios apertados de dor e o rosto vermelho. Bravo aproveitou para passar um pouco das ervas no próprio rosto por causa do tapa quando ouviu o anúncio seguinte.

    - ELYENE, ENTRE NA ARENA!!!

    "Hum, então finalmente esta fera vai lutar... Vamos ver do que ela é capaz, com um tapa destes acho que não preciso me preocupar, ela vai sobreviver."

     
  18. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Consegui ler e ta ficando ótimo, agora sim, quero ver elyene em combate.
     
  19. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Ela ainda olhava pra eles e entrou atrasada na arena onde Zurie a estava esperando... O Lanceiro usava uma proteção leve feita com argolas de metal como se fosse uma primitiva malha de ferro.

    - Não deviam ter deixado você entrar aqui... Torneio não é lugar para mulheres.
    - Olha, eu estou de mau humor, mas acho que também não deveria ter deixado você entrar aqui. O torneio é lugar pra quem sabe lutar com as mãos, não com a boca.
    - LUTEM!!!

    E assim teve inicio a luta mais engraçada do torneio... Elyene cravou sua espada no chão e com sua técnica uma serpente azul sai do chão mordendo o calcanhar do lanceiro...

    - Sua maldita, eu vou te matar!!!

    Em seguida aconteceu uma rápida luta de espada contra lança, Nos primeiros momentos Elyene manteve o equilíbrio contra o exímio especialista. Nos momentos seguintes Zurie começou a perder... Perdeu o cabelo... Perdeu a roupa... E perdeu a dignidade... Ele suava com os movimentos perdendo a força a cada ataque e finalnebte ficou meio grogue... Elyene pulava de um lado para o outro escapando da lança e arrancou boa parte do cabelo dele com espadadas precisas... Depois correu em volta dele e cortou as roupas deixando-o semi-nu e com um chute derrubou-o sentando nas costas do pobre perdedor...

    - Vamos passarinho... Repita comigo. Eu não sei lutar.
    - E...E...Eu... Não sei lutar...
    - Bom garoto... Agora você vai imaginar que é um pintinho...Hahaha... E deve ser mesmo! Imagine, vamos...
    - Pintinho...
    - Pintinho bobinho, você é um filhote... Vá procurar sua mãe vai, por alí.

    E ela se levantou e deu umas batidinhas na cabeça dele... Zurie então começou a agir como um pequeno pintinho e saiu da arena piando e ciscando a terra...

    - VENCEDORA ELYENE!
    - HAHAHAHAHA NUNCA ME DIVERTÍ TANTO!!!
    - ELA ACABOU COM ELE.
    - ELYENE! ELYENE! ELYENE!!!

    Passando por Bravo ela apenas deu uma risadinha e concluiu...

    - Bom, fui piedosa também... Mas acho que depois que acordar ele mesmo vai se matar.

    Ela se afastou e Bravo ouviu que a próxima rodada de lutas ia acontecer no dia seguinte... Senshi estava surpreso com aquela luta tanto quanto Bravo que nem conseguia achar palavras para responder algo...

    - Que animal será que ela vai pedir pra eu imitar Bravo?
    - Não sei Senshi, só sei que não estou afim de tamanha humilhação, vamos caçar hoje a noite.

    Bravo já tinha seu plano e Senshi confiava nele... Passaram boa parte da noite caçando algo nas partes mais humidas e sujas da floresta. Voltaram para a cidade com algo num saco e após comerem descansaram ao céu aberto olhando as estrelas. No dia seguinte se alimentaram com bolinhos de arroz e sakê na casa onde Bravo estava hospedado e o dono da casa trouxe a notícia que Teri tinha se matado junto com o outro samurai derrotado pela Elyene...

    “Não sabia que Teri era um samurai do velho código, que descansem em paz com os ancestrais. Quanto ao outro... bom, não cometerei o mesmo erro com a Elyene... Mas... Se eu vencer será que ela vai jogar a vida dela fora também?”

    - Como faremos na próxima luta Bravo? Será contra aquele arqueiro ou contra aquele das facas. Como eu posso te ajudar na hora?
    - Segure a sua arma guardando a cabeça e coração. Quando eu der o sinal atire seu bumerangue de costas para mim para que ele volte na minha cabeça, e fique atrás desta vez, se acha que te machuquei eles farão pior.
    - De Costas?
    - VENHAM TODOS!!!A SEGUNDA RODADA VAI COMEÇAR!!!
    - Vamos Senshi!

    E assim todos se aglomeraram pra ver a primeira luta do dia...

    - SHOAT SU CONTRA DIMIZAO!!!

    O Arqueiro estava lá novamente... Tudo indicava que ele não ia perder aquela luta pois o atirador de facas estava com um braço machucado e não era tão rápido quanto as flechas... O resultado seria um tema de Bang Bang se não fosse o cenário japonês e as armas... Quando o Juiz autorizou aconteceu a batalha de quem era o atirador mais rápido... Dimizao se jogou no chão atirando uma das três facas, mesmo assim a flecha acertou o alvo cravando-se no braço que já estava machucado... Sangrava bastante e Dimizao gritou de dor, mas sua faca também acertou o braço do arqueiro e assim os dois ficaram parados por algum tempo calculando a gravidade de seus ferimentos... Quando Dimizao puxou outra faca, ela foi arremessada longe por mais uma flecha certeira. Shoat Su se aproximou pegando outra flecha com certa dificuldade para terminar o serviço, a última flecha lançada tinha sido um esforço muito grande pra ele... Haviam muitos jovens e alguns velhos que olharam preocupados para Shoat Su como se aquilo significasse uma grande perda...

    - Você consegue irmão!

    Shoat Su armou o arco ouvindo as palavras de um garotinho que torcia por ele. Bravo se sentiu inspirado pois gostaria que Senshi estivesse do lado de fora o apoiando... Shoat Su apenas apontou o arco e Dimizao largou a última faca, com a desistência o Juiz concluiu a luta com o mesmo mau humor que tinha anunciado as vitórias anteriores...

    - VITÓRIA DE SHOAT SU!!!

    Depois disso muitos invadiram a arena pra cuidar e abraçar Shoat Su, por algum motivo ele parecia ser muito querido por um grande grupo de pessoas... Aproveitando a pausa Bravo parou na frente da Elyene sério e um tanto preocupado.

    - Vai tirar minha roupa também?
    - HAHAHAHAHA... Docinho... Se você quiser...

    Ela deixou a frase no ar e mediu Bravo de cima a baixo antes de dar um beijo no rosto dele que foi interrompido.

    - BRAVO, SENSHI E ELYENE ADENTREM A ARENA!!!

    “Concentre-se seu verme, concentração! Concent... Droga, isso não vai prestar, por quê logo eu tenho que passar por isso?”

    - Senshi!! Meu filho diga alguma coisa! Você anda muito quieto.

    Bravo pegou com Senshi a caça da noite anterior colocou o saco dentro da roupa deixando-a afrouxada. Senshi estava triste por ter que lutar contra a amiga mas caminharam pra dentro da arena com o animal se debatendo enquanto Bravo se esforçava para controlá-lo...

    - Eu não quero machucar ela Bravo...
    - E também não quer andar pelado por ai, então fique atento.
    - Senshi eu vou dar o troco nele pelo que ele fez no seu rosto, tá lindinho?
    - ...
    - LUTEM!!!

    Elyene então começou a repetir o movimento de fincar a espada no chão e Bravo puxou o saco de dentro da roupa e o jogou na frente da Elyene... Um enorme sapo pulou de dentro quase aos pés da jovem...

    ”Cobras e sapos são arquiinimigos naturais se isto atrair a cobra espiritual dela terei uma chance de atacar.”

    Elyene cravou a espada no chão mas não funcionou exatamente como Bravo havia planejado...

    - AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAIIIII!!!

    Ela pulou puxando a espada assim que o sapo coachou e a técnica não chegou a funcionar...

    - COMO VOCÊ TEM CORÁGEM DE JOGAR ESSE BICHO NOJENTO EM MIM?!!!

    Bravo não estava para brincadeiras e o sapo tinha dado a ele tempo suficiente pra reagir... Avançou rápido e encostou a espada na dela impedindo-a de abaixar a lãmina novamente. Ficaram próximos e ele apenas manteve uma disputa de força sem tentar derrubá-la.

    - Me diz porquê você luta?

    Ela olhou nos olhos dele e com um movimento rápido recuou e empurrou a espada dele, correndo pra conseguir distãncia... Senshi acompanhava Bravo sem tentar atacá-la.

    - Porque eu luto? Hahaha... Por poder é Claro. Por que seria?

    Assim que adquiriu distãnia ela puxou uma tira de pano da roupa e Bravo viu que tinha uma pequena lâmina presa na ponta... Ela começou a girar o pano em volta do corpo.

    - Ela vai te machucar mesmo... Talvez eu deva te ajudar, posso Bravo?

    Bravo ficou um passo atrás da distância que ela determinou e observou o sentido em que ela estava girando a arma e começou a circular em volta dela no sentido oposto antes de responder a Senshi em voz baixa.

    - Espere, eu também não quero machucá-la Senshi...

    Ela deu um sorriso, tudo o que ela queria era distraí-lo, Bravo nem notou quando ela soltou a espada e a lãmina caiu cravando no chão... Senshi pulou e empurrou o amigo no momento exato que a técnica ia acertá-lo...

    - Cuidado Bravo...
    - Mas... O garoto pode ver? COMO VOCÊ PODE ENXERGAR MINHA TÉCNICA?

     
  20. Dinaen

    Dinaen Bebendo com um

    foi mau a demora, mas estou escrevendo uma peça pro teatro da minha turma...

    haha, agora Senshi revelará seus grandes segredos? ^^
    Espero q Elyene tbm nao destrua toda a honra de bravo... agora, msm sendo fod*** dessa maneira, ela ainda tem nojo de sapo? o_O hsuahsauhsa

    manda mais ae, e assim q der eu leio.
     

Compartilhar