1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Quiromania para a Condessa Erzsébet

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por JLM, 16 Jul 2010.

  1. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A minha vida chegou ao fim no momento em que a noite terminou.

    Uma mulher, uma sombra passageira disfarçada de musa, depois de ninfa, depois sereia, deusa, vício, maldição e tortura, transpôs a minha existência e roubou a essência do meu ser.

    Transformou em rosa dilacerada o cego apaixonado. Em restos putrefatos o inocente sonhador.

    Não fez caso da existência conjunta construída à custa de palavras, sussurros, gemidos, gritos e silêncios.

    No buraco vazio onde outrora ardia o meu coração, por ela, restou apenas o som áspero de dentes dilacerando sentimentos. Cortou a jugular da minh’alma quando desprezou as noites de luxúria em que bebia incansavelmente a minha seiva. Eu a saciava dando o que ela queria e ela queria sempre mais.

    Julgava-a perfeita – pobre tolo que era – a companheira ideal por nunca alterar-se com o tempo, permanecendo sempre bela, jovial, faminta e sedutora, e não levei em conta que eu é quem mudara. Uma noite, sorrindo o seu sorriso diabólico, olhando o seu olhar malicioso, falando suas falas encantadas, me acusou de haver secado por dentro, fazendo-me duro, insípido, gélido.

    Não a interessava mais, de qualquer modo.

    Partiu. Da minha vida.

    Partiu. O meu coração.

    A lua bem que tentara me avisar, mas eu era surdo e não entendia que a paixão só existe nas pinturas dos poetas. E que um amor como o meu – tão gigantesco, brutal e raro – só ocorre a uma pessoa em cada geração, nunca com duas, pois toda a matéria-prima amorosa faltante no Universo encontrava-se supercondensada em mim.

    E este amor, esta dor, foi a herança e a maldição que ela me deixou.

    Logo, só me resta suplicar para que o vazio me absorva por completo antes que em vingança eu mate milhões, explodindo de prazer bestial tal qual a minha algoz o fez, gozando a minha morte. Que a última lembrança dela seja o seu corpo nu e os esbugalhados olhos vermelhos, o sussurro de seu nome entre os meus lábios e o seu pescoço em espasmos entre as minhas mãos.
     
  2. Sorel

    Sorel Usuário

    Quando li o título, pensei que houvesse acontecido algum errinho de digitação, afinal, condessa e quiromanCia (com C), são palavras que rondam os mesmos recantos léxicos fantásticos na minha cabeça acostumada a RPGs e nerdisses afins.

    Afinal, um conto onanístico não passava pela ideia assim que comecei a ler.

    Grata surpresa. Não é que era o que eu não esperava, rapaz?

    Gostei: gradações boas, ainda mais em se tratando de um momento quiromaníaco, em que a coisa vai evoluindo, evoluindo.
    Do clima meio masoquista/vampírico, já que eu não pude deixar de pensar que isso eram pensamentos durante o ato de amor prórprio do indíviduo emo/sofredor principal. Pra ajudar a passar essa impressão, a intercalação de xingamentos e descrição dos momentos foguentos do principal com a condessa mostrava a indecisão do emo adolescente, que, pra mim, se punia e se odiava por fazer o que estava fazendo.

    Viajei?

    Não gostei: dos "Partiu", sei lá porquê. Também não gostei do amor/dor ali do final, sei lá, é uma pena pq o texto vinha bem e ali no fim, justo a parte que gruda mais na cabeça do leitor, parece que deu uma pequeeena empobrecida no conteúdo. A rima é batida demais. Mas é opinião pessoal. No geral o texto é, como era de se esperar, muito bem escrito.

    Uma pergunta: algum motivo pra se render ao tema undead twilight que, como um vírus digno de filme de zumbi, tomou conta do mundo letrístico?
     
  3. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    viajou ñ, uma das interpretações q trabalhei no texto foi justamente esta. mas ñ é a única, pois criei o texto para soar ambíguo, com 3 leituras possíveis. quer ver outra? tente reler o texto com novos olhos, como se o narrador fosse um vampiro.

    o motivo foi o www.duelodeescritores.com da semana. :timido: mas como fui eu quem escolheu o tema lá, a resposta é q foi um tema pra desafiar a galera e para ver se saía algo diferente (melhor) q o modismo atual. afinal, sou dos q pensam q vampiros são bem mais dq aquilo q andam mostrando por aí.

    ah, a escolha do título pra causar esta confusão tb foi proposital, hehehe. q bom q deu certo.
     
  4. Sorel

    Sorel Usuário

    ah, tá explicado! :sim:. Muito bacana mesmo o blog, dei um pulo lá e deixei um comentário.

    Concordo. Para os anglófonos, tem um vídeo legal da Anne Rice (que aliás, mexeu bem com essa história de vampiros): http://www.youtube.com/watch?v=9JuRY-dpM88&feature=related


    Além do mais, eu joguei Vampiro: a Máscara por 4 anos seguidos. Ninguém tira da minha cabeça que uma história que tenha um Malkaviano já seja uma boa história de vampiros.
     
  5. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    além do q, se vc se manifestar lá na votação, pode entrar como duelista convidado na próxima rodada. pq ñ experimenta?
     

Compartilhar