1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Que tipo de história da arte houve desde Eru?

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Neoghoster Akira, 10 Out 2011.

  1. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Apenas recentemente ao examinar mais detidamente a edição de Os Filhos de Húrin com relação as imagens parei para pensar.

    Dando uma olhada na representação nas figuras e ilustrações nos desenhos dos livros (O Hobbit, SDA, Os Filhos de Húrin que adquiri principalmente por causa dos desenhos já que o Silma e o CI possuem a história...), me peguei pensando novamente no conceito de beleza e estética usado por Tolkien nas obras. Principalmente porque a arte Noldor permanece para mim como um grande mistério.


    Quero dizer, Fëanor fez 3 Silmarils e havia o rumor de que cada jóia vinha de um lugar, mas antes disso, para escolher o número 3 deve ter havido um conceito de beleza e design anterior para que até mesmo esse número tenha sido escolhido. Que tipo de unidade artística houve desde o princípio?

    Enquanto eu andava pela net lendo sobre a era de ouro da ilustração americana acabei cruzando um pouco com a arte romana e grega (também arte clássica) e comparando com as ilustrações dos livros e as imagens de cenários dos filmes, desenhos (VHs) e jogos eletrônicos de hoje em dia de SdA baseados nas obras e deu para ver que o mundo pop de hoje tem uma idéia diferente do que se tinha por arte na primeira metade do século vinte e que tem sido usado para dar o tom do visual dos personagens e cenários de Tolkien.


    Num outro tópico daqui da sala sobre os esboços a mão feitos por Tolkien pude perceber que existe até mesmo diferença entre a habilidade que Tolkien tinha para desenhar e a habilidade que ele possuía com as palavras (escrever). E equanto as palavras dele caminham numa direção o desenho dele as vezes parece caminhar em outra e talvez a maior habilidade dele com as letras tenha determinado que a estética dos relatos sejam mais fiéis em relação ao cenários que ele queria conceber.


    Enfim, se Tolkien escolheu a arte Noldor para ser a mais bela dos filhos de Eru me parece correto pensar também que Os Numenorianos amigos dos Noldor eram influenciados por eles e que enquanto os Teleri tinham casas influenciadas pelos motivos marinhos os Noldor que eram interessados em explorações possuíam uma arte influenciada pelas explorações que eles faziam em Aman e isso é fácil concluir.


    Mas essas diferenças artísticas adquirem importância quando comparamos os Palácios de Mandos com a casa de Manwe ou os Jardins de Irmo e cada habitação possuía uma personalidade própria em Aman que seguia um senso de arte muito característico. E dessa diferença das habitações decorre outro mistério que é quanto as habitações dos Vanyar.


    Se os Vanyar eram ricos no interior de suas almas (imensamente ricos na verdade e mais que os Noldor) então fica difícil visualizar a arte daquele povo que não apenas constrói algo bom (como os Noldor faziam) mas principalmente que eram o melhor que um elfo podia realizar sem precisar expor tanto no mundo aquilo que desejava para os outros (algo imensamente admirável). O que significa dizer que se os Vanyar estavam espremidos entre a ordem dos Valar e a manifestação exterior das obras dos Noldor a arte deles deveria ocupar um lugar entre uma e outra, com um quê feérico/misterioso que se mantivesse desejável tanto por Noldor quanto por Valar.

    De que o ambiente que cerca a pessoa é responsável por entrar na arte dela podemos pensar que estar aos pés dos poderes oferecia riqueza artística interior aos Vanyar, suficiente para que não precisassem agir tão diretamente no mundo, recebendo o amor de todos e esquecidos até mesmo do interesse invejoso de Melkor (um fato muitíssimo interessante e que podia ser chamado por Machado de Assis de "a baba de Caim") então podemos dizer que havia furos no conhecimento de Melkor sobre roupagens e fachadas e Melkor podia ser excelente com as palavras mas havia um nível de coerência que o impedia de acessar.

    No caso de Galadriel e seu reino, uma descendente dos Vanyar é possível ver como ela possui uma força contra Sauron, o qual recusa com grande intesidade. E o pensamento dela lutava contra ele e era como se duas visões do mundo ou visões artísticas opostas entrassem em combate. Talvez ela seja o mais aproximado da visão artística dos Vanyar que eram aqueles que buscavam chegar a um mundo sem mácula como nas terras de Lothórien primeiros que todos os filhos de Eru, e que poderia não ser parecido com o admirável trabalho em cavernas ou em reinos cintilantes de príncipes Feanorianos mas satisfazia o desejo de qualquer viajante pela beleza e isso era muito respeitado pelos Noldor.
     
    Última edição: 10 Out 2011
    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Esse é um grande mistério e um paradoxo em se tratando de Tolkien, visto que ele era um filólogo e profundo conhecedor de História Antiga e o caminho mais óbvio seria o de apresentar algum personagem com algum interesse em explorar as culturas e as riquezas deixadas pelos noldor. Bilbo não é lá um bom exemplo, seu interesse era mais poético pelas histórias da T-m.

    Já Eriol/Elfwine era um narrador onipresente, o que não deixa espaços muito amplos para fazer uma descrição detalhada da arte de elfos e anões. Até mesmo Barad-dûr e Mordor são exemplos de uma espécie de arte Melkoriana deixada pelo Senhor da Matéria de Arda que corrompe e deturpa tudo o que toca.

    Mas é possível ter uma idéia vaga de como os noldor valorizavam o trabalho estético de cada criação, tal como alguns povos como os egípcios, gregos, romanos, assírios, persas e por aí vai. E o grande responsável pelos avanços foi Fëanor que ao criar obras como as famosas Gemas e os Palantíri, influenciou de modo irreversível a cultura de seu povo e dos edain com quem conviveram por um longo período. O maior legado que eles deixaram foi o de depositarem seu amor sobre as obras realizadas como Gondolin, Nargothrond, Doriath, Mithlond.

    Na forja de jóias e armas também deixaram suas marcas através do Gwaith-í-Mirdain que, além de estabelecerem uma alinaça com o povo de Durin, criaram Nenya, Vilya e Narya e deu a Sauron a possibilidade de forjar o Anel Governante.

    Mas vou ter de mergulhar outra vez na obra de Tolkien para ver se não deixei escapar algo sobre a cultura dos noldor.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar