1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Que mundo era o nosso, heim?

Tópico em 'Nostalgia' iniciado por Boca de Sauron, 20 Ago 2002.

  1. Boca de Sauron

    Boca de Sauron Usuário

    Revivendo para quem tem mais de ...... "inta" anos...

    E para quem não tem, ficar sabendo como era boa essa época.

    No meu tempo!

    Nós nascemos antes da penicilina, da Vacina Sabin, da comida congelada, da fralda descartável, do Modess, do OB, das creches, das lentes de contato, da pílula anticoncepcional, do Viagra e do Lexotan.

    Nascemos antes do plástico, do radar, do xerox, do motor a jato, do videocassete, do computador, do telefone celular e do raio laser.

    Nós nascemos antes do cartão de crédito, da esferográfica, das lavadoras de roupas, das máquinas de lavar pratos, dos cobertores elétricos, do freezer e do microondas.

    Antigamente a lua era conhecida somente por seresteiros, poetas, namorados e nela habitava São Jorge.

    Não havia parabólicas, nem TV a cabo. Xuxas, Sashas, Faustões, Angélicas e Gugús também não existiam. Ratinho era parceiro de Jararaca, tocava saxofone e fazia um humor saudável.

    Nós nascemos antes dos direitos dos Gays, dos homens de brinquinho, da mulher com dupla jornada de trabalho; antes das produções independentes, dos bebês de proveta, da ovelha Dolly, dos filhos de berçários, da terapia de grupo, dos Spas, dos Flats e dos carros a álcool.

    Carequinha ensinava que o bom menino não faz xixi na cama; para dormir a mamãe cantava o "boi da cara preta", quando fazíamos travessu ras mamãe nos metia medo do bicho papão; nunca nos esquecíamos de pedir a "bêncão" antes de sairmos de casa para o colégio.

    Aos domingos, nos reuníamos para o almoço na casa da vovó, vovô sentado à cabeceira da mesa, dizia tudo com simples olhares.

    No nosso tempo, tínhamos medo da tuberculose, da gonorréia e da sífilis, a AIDS não existia e desconfiávamos que homossexualismo era coisa de francês. Acho que a nossa geração era mais escorregadia; para nascermos bastava uma ajudazinha de uma parteira curiosa.

    As dores de dente eram aliviadas com a cera do Dr. Lustosa; para fraqueza, Emulsão de Scott; para bronquite, Rum Creosotado.

    Quem poderia esquecer, se toda manhã ao tomarmos o bonde, lá estava
    escrito: "veja ilustre passageiro, o belo tipo faceiro..."

    Antigamente nós casávamos primeiro e só depois morávamos juntos. Como éramos estranhos, não?

    Nunca ouvimos falar de inputs, cdroom, multimídia, fax-modem, fibra ótica e vídeo game; nós jogávamos bilboquê, pião e bola de gude; soltávamos pipa e apanhávamos balão, brincávamos de casinha, comidinha, pique-esconde, roda, passaraio, garrafão, bandeira, carniça, bento que bento é o frade e, calçadinha é minha.

    Que mundo era o nosso, heim?

    No nosso tempo os homens fumavam cigarros; erva era usada para fazer
    chá e coca era refrigerante; pó era sujeira, sangria era para evitar colapso, lambada era chicotada, malhar era coisa de ferreiro, fio dental
    servia para limpeza dos dentes e embalos faziam crianças dormir. Isso nos bastava e éramos felizes com o que tínhamos.

    Nossos ídolos eram o Diamante Negro, com seus gols de bicicleta. As emoções no futebol vinham pela voz de Gagliano Neto, e, nos Fla x Flus, por conta dos choros e da gaitinha de Ary Barroso.

    Novelas? Nada de Selva de Pedra, Terra Nostra, nem Torre de Babel. Vivíamos todas as semanas as emoções de "Em busca da felicidade", nos
    encantando com as vozes de Paulo Gracindo e Ismênia dos Santos. "Quem sabe o mal que se esconde nos corações humanos...só o Sombra sabe", era o que nos dizia Saint Clair Lopes.

    No nosso tempo, nada de Plim-Plim. Tínhamos a Pequena Notável, o Rei da Voz, o Caboclinho Querido e o Cantor das Multidões.

    Nós fomos a última geração, a tal ponto ingênua, que pensávamos que se precisava de um marido para se ter um bebê. Não é de se espantar que
    sejamos tão confusos e que haja tamanha lacuna entre as gerações.

    Nós vivemos o ontem, estamos vivendo o hoje e continuaremos a viver o amanhã.

    Apesar de toda e qualquer invenção que a inteligência humana possa criar.

    Querem saber por quê?

    Qual o segredo que esta velha geração guarda bem no fundo de seu coração?

    É que ela tem dentro de si uma força imensa que não é invenção dos homens, nem privilégios de novos tempos: o amor, a crença nela mesma e a imensa fé em Deus.

    Não desanimem nunca! Por mais vago que essa idéia possa ser...
     
  2. Lukaz Drakon

    Lukaz Drakon Souls. I Eets Them.

    Lukaz Drakon está completamente pasmo.... :o :o :o

    So me restaram as palmas.... clap clap clap
     
  3. Erunamo

    Erunamo Baluarte da Nostalgia

    Bem... É muito interessante ver as características da geração "anos 50 à 70", mas sendo sincero, eu não gostaria de ter nascido nessa época... :roll: Eles eram muito... arcaicos... no sentido mais abrangente da palavra... Gostei muito do texto, muito mesmo... Mas só por curiosidade científica e paixão pela nostalgia mesmo...
     
  4. Knolex

    Knolex Well-Known Member In Memoriam

    Na verdade isso só serve pra quem nasceu na década de 30 pra cima... A penicilina foi na década de 30....

    PutzQ! Agora que vi!! O radar foi criado em 1911... e a esferográfica é de 1920...

    O texto tá legal, bem legal MESMO, mas não sevre como nostalgias de infância... Nem minha vó nasceu antes do radar e da esferográfica......
     
  5. Leir

    Leir Quem é vivo, né...

    Po a minha Bisavó nasceu um ano depois do radar?
    O texto é muito bonito mais ele é de que época?1800? :mrgreen:
     
  6. Digo_s

    Digo_s Olifantástico

    Talvez o texto aof alar de esferografica esteja se referindo a popularização dela! Tipo, meu pai é de 50 e ele usou caneta tineiro na escola!
    A geral q eles tao se referindo é bem clara, geração dos inta, ou seja, quem tem 30 anos a 39 anos! Bom, entao seria quem ansceu de 60 até 69 né? Isso se o texto tiver sido escrito em 2000, ou algo assim, sei lá! tnato faz, nao é da geração da galera daqui!

    Mas o texto ta muito bem escrito, vale pela nsotalgia!
    E se vcs repararem, a nossa geração foi melhor do q essa, basta ver q nos só aproveitamos as coisas boas dessa geração! :mrgreen:
     
  7. Gandalfinha

    Gandalfinha Usuário

    Bahhh...todo mundo acha que a sua geração é a melhor.
     

Compartilhar