1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Qual o melhor poema de sempre?

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por ruims, 2 Jan 2009.

  1. ruims

    ruims "Mais uma cerveja!" diz o

    Olá a todos.
    Para mim, o poema "Amor" de Luís de Camões está acima de todos.
    Ei-lo:

    Amor é fogo que arde sem se ver,
    é ferida que dói, e não se sente;
    é um contentamento descontente,
    é dor que desatina sem doer.

    É um não querer mais que bem querer;
    é um andar solitário entre a gente;
    é nunca contentar-se de contente;
    é um cuidar que ganha em se perder.

    É querer estar preso por vontade;
    é servir a quem vence, o vencedor;
    é ter com quem nos mata, lealdade.

    Mas como causar pode seu favor
    nos corações humanos amizade,
    se tão contrário a si é o mesmo Amor?

    --
    E para vocês?
    Pode ser uma forma de descobrirmos poetas admiráveis por esse mundo fora.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Pescaldo

    Pescaldo Penso, logo hesito.

    Nossa, e esse poema do Camões é tão fraquinho perto dos outros que ele escreveu. Do Camões eu colocaria Os Lusíadas, entretanto temos a Divina Comédia também.

    É complicado eleger o melhor poema de sempre, depende muito da intenção do poeta e dos signos estabelecidos por lá.
     
  3. Ravanoc

    Ravanoc The ring has been lost.

    Acho que o Camões foi um dos maiores escritores de poema do mundo.Sinceramente, cada palavra dele se encaixa com a realidade, de forma sutil e fantástica.Eu colocaria esse que você indicou, embora ainda haja muitos poemas bons e bacanas de se ouvir, até mesmo cantar.Um deles são os de Tolkien.Se você comparar a versão inglesa, vai ver que existe uma conexão com o sentido do poema e com o ritmo.Porém, ao traduzir para o português, isso não fica muito nítido, de forma que os tradutores preservam o sentido, e não as rimas.Mesmo assim, Tolkien escreveu grandes poemas.Entre eles, os de Bombadil.
    Abraços.
     
  4. Devotchka

    Devotchka Usuário

    O VAMPIRO
    Charles Baudelaire

    Tu que, como uma punhalada,
    Em meu coração penetraste,
    Tu que, qual furiosa manada
    De demônios, ardente, ousaste,

    De meu espírito humilhado,
    Fazer teu leito e possessão
    - Infame a qual estou atado
    Como um galé ao seu grilhão,

    Como ao barulho ao jogador,
    Como à carniça ao parasita,
    Como à garrafa ao bebedor
    - Maldita sejas tu, maldita!

    Supliquei ao gládio veloz
    Que a liberdade me alcançasse,
    E ao veneno, pérfido algoz,
    Que a covardia me amparasse.

    Ai de mim! Com mofa e desdém,
    Ambos me disseram então:
    "Digno não és de ninguém
    Jamais te arranque a escravidão,

    Imbecil! - se de teu retiro
    Te libertássemos um dia,
    Teu beijo ressuscitaria
    O cadáver de teu vampiro!
     
    Última edição: 2 Jan 2009
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Porquinho-da-Índia

    Quando eu tinha seis anos
    Ganhei um porquinho-da-índia.
    Que dor de coração me dava
    Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão!
    Levava ele prá sala
    Pra os lugares mais bonitos mais limpinhos
    Ele não gostava:
    Queria era estar debaixo do fogão.
    Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas...

    - O meu porquinho-da-índia foi minha primeira namorada.

    Manuel Bandeira




    Poesia tem haver com afinidade :grinlove:
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  6. Pescaldo

    Pescaldo Penso, logo hesito.

    Esse do Bandeira é genial.


    Eu me referia à Estética Literária, não ao gosto, duas coisas bem diferentes.
     
  7. Dunstran

    Dunstran Bibliotecário itinerante

    Difícil escolher O Melhor. Mas atendo-me à lingua portuguesa, gosto muito deste, de Fernando Pessoa -

    "O mito é o nada que é tudo.
    O mesmo sol que abre os céus
    É um mito brilhante e mudo -
    O corpo morto de Deus,
    Vivo e desnudo.

    Este, que aqui aportou,
    Foi por não ser existindo.
    Sem existir nos bastou.
    Por não ter vindo foi vindo
    E nos criou.

    Assim a lenda se escorre
    A entrar na realidade.
    E a fecundá-la decorre.
    Embaixo, a vida, metade
    De nada, morre".
     
  8. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    De todos os que falam de amor eu acho que esse do Drummond é o melhor.


    Amar

    Que pode uma criatura senão,
    entre criaturas, amar?
    amar e esquecer,
    amar e malamar,
    amar, desamar, amar?
    sempre, e até de olhos vidrados amar?

    Que pode, pergunto, o ser amoroso,
    sozinho, em rotação universal, senão
    rodar também, e amar?
    amar o que o mar traz à praia,
    o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
    é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

    Amar solenemente as palmas do deserto,
    o que é entrega ou adoração expectante,
    e amar o inóspito, o cru,
    um vaso sem flor, um chão de ferro,
    e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave
    de rapina.
    Este o nosso destino: amor sem conta,
    distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
    doação ilimitada a uma completa ingratidão,
    e na concha vazia do amor a procura medrosa,
    paciente, de mais e mais amor.

    Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
    amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.

    Carlos Drummond de Andrade
     
    Última edição: 5 Jan 2009
    • Ótimo Ótimo x 1
  9. Alcarinollo

    Alcarinollo Usuário

    Versos Íntimos

    Vês, ninguém assistiu ao formidável,
    enterro de tua última quimera;
    não vês que a Ingratidão, esta pantera,
    foi tua companheira inseparável?

    Acostuma-te a lama que te espera,
    o homem, que nesta terra miserável
    mora, entre feras, sende inevitável,
    necessidade de também ser fera.

    Toma um fósforo, acende o teu cigarro.
    O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
    a mão que afaga, a mesma que apedreja.

    Se inda alguém causa algum mal a tua chaga,
    apedreja esta mão vil que te afaga,
    escarra nesta boca que te beija.

    Augusto dos Anjos, em momento de absoluta lucidez.
     
  10. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    ah bom ^^

    ~~~~~~~~~~~~~~~~

    ESTRELAS
    Antoine de Saint-Exupéry


    As pessoas tem estrelas
    que não são as mesmas.
    Para uns que viajam,
    As estrelas são guias.
    Para outros, elas não passam
    de pequenas luzes.
    Para outros os sábios, são problemas.
    Para o meu negociante,eram ouro.
    Mas todas essas estrelas se calam.
    Tu porém terás estrelas como ninguém (...)
    quando olhares o céu de noite,
    porque habitarei numa delas,
    porque numa delas estarei rindo,
    então será como se todas as
    estrelas te rissem!
    E tu terás estrelas que sabem rir!
     
  11. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    O que mais gosto não é um poema... mas eu falo que é uma das maiores poesias rescitadas ao som de melodia... que chama Metade do Oswaldo Montenegro... ela nunca foi feita como uma música... e segundo o autor ela nasceu de um desabafo ao qual ele da o nome de oração para seguir.... No show ele disse que ele a fala todos os dias de manhã como um hino á vida...

    "Que a força do medo que tenho
    Não me impeça de ver o que anseio.

    Que a morte de tudo em que acredito
    Não me tape os ouvidos e a boca
    Porque metade de mim é o que eu grito
    Mas a outra metade é silêncio.

    Que a música que ouço ao longe
    Seja linda ainda que tristeza
    Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
    Mesmo que distante
    Porque metade de mim é partida
    Mas a outra metade é saudade.

    Que as palavras que eu falo
    Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
    Apenas respeitadas
    Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
    Porque metade de mim é o que ouço
    Mas a outra metade é o que calo.

    Que essa minha vontade de ir embora
    Se transforme na calma e na paz que eu mereço
    Que essa tensão que me corrói por dentro
    Seja um dia recompensada
    Porque metade de mim é o que eu penso e a outra metade é um vulcão.

    Que o medo da solidão se afaste, que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.

    Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
    Que eu me lembro ter dado na infância
    Por que metade de mim é a lembrança do que fui
    Mas a outra metade eu não sei.

    Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
    Pra me fazer aquietar o espírito
    E que o teu silêncio me fale cada vez mais
    Porque metade de mim é abrigo
    Mas a outra metade é cansaço.

    Que a arte nos aponte uma resposta
    Mesmo que ela não saiba
    E que ninguém a tente complicar
    Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
    Porque metade de mim é a platéia
    A outra metade é a canção.

    E que a minha loucura seja perdoada
    Porque metade de mim é amor
    E a outra metade também."
     
  12. servo de Eru

    servo de Eru Chuck Norris passa vergonha

    existem varios poemas que eu gosto muito,e a maioria é do Drummond mas um que me marcou bastante foi José,talvez porque um dos primeiros que li(não vou escrever agora porque to com preguiça)
     
  13. Parthadan

    Parthadan Pirata Autista Bebado e não um

    pra mim, "Lisbon Revisited" de Fernando Pessoa (Álvaro de Campos)

    "NÃO: Não quero nada.
    Já disse que não quero nada.
    Não me venham com conclusões!
    A única conclusão é morrer. Não me tragam estéticas!
    Não me falem em moral! Tirem-me daqui a metafísica!
    Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas
    Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) —
    Das ciências, das artes, da civilização moderna!

    Que mal fiz eu aos deuses todos?
    Se têm a verdade, guardem-na!
    Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.
    Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
    Com todo o direito a sê-lo, ouviram?

    Não me macem, por amor de Deus!

    Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?
    Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?
    Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
    Assim, como sou, tenham paciência!
    Vão para o diabo sem mim,
    Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
    Para que havemos de ir juntos? Não me peguem no braço!
    Não gosto que me peguem no braço.

    Quero ser sozinho.
    Já disse que sou sozinho!
    Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!

    Ó céu azul — o mesmo da minha infância —
    Eterna verdade vazia e perfeita!
    Ó macio Tejo ancestral e mudo,
    Pequena verdade onde o céu se reflete!
    Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje!
    Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.

    Deixem-me em paz! Não tardo, que eu nunca tardo...
    E enquanto tarda o Abismo e o Silêncio quero estar sozinho!"
     
  14. Gallahad

    Gallahad Tergeliano pisando em Arda

    A disputa é grande, mas na minha opinião esta é a mais bela, das que por enquanto conheço.

    Cantiga pra não morrer
    Quando você se for embora,
    moça branca como a neve,
    me leve.

    Se acaso você não possa
    me carregar pela mão,
    menina branca de neve,
    me leve no coração.

    Se no coração não possa
    por acaso me levar,
    moça de sonho e de neve,
    me leve no seu lembrar.

    E se aí também não possa
    por tanta coisa que leve
    já viva em seu pensamento,
    menina branca de neve,
    me leve no esquecimento.

    Ferreira Gullar
     
  15. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    THE RAVEN.

    Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
    Over many a quaint and curious volume of forgotten lore —
    While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
    As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
    "'Tis some visiter," I muttered, "tapping at my chamber door —
    Only this and nothing more."

    Ah, distinctly I remember it was in the bleak December;
    And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
    Eagerly I wished the morrow; — vainly I had sought to borrow
    From my books surcease of sorrow — sorrow for the lost Lenore —
    For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore —
    Nameless here for evermore.

    And the silken, sad, uncertain rustling of each purple curtain
    Thrilled me — filled me with fantastic terrors never felt before;
    So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating
    "'Tis some visiter entreating entrance at my chamber door —
    Some late visiter entreating entrance at my chamber door; —
    This it is and nothing more."

    Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
    "Sir," said I, "or Madam, truly your forgiveness I implore;
    But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
    And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
    That I scarce was sure I heard you" — here I opened wide the door; ——
    Darkness there and nothing more.

    Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
    Doubting, dreaming dreams no mortal ever dared to dream before;
    But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,
    And the only word there spoken was the whispered word, "Lenore?"
    This I whispered, and an echo murmured back the word, "Lenore!" —
    Merely this and nothing more.

    Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
    Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.
    "Surely," said I, "surely that is something at my window lattice;
    Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore —
    Let my heart be still a moment and this mystery explore;—
    'Tis the wind and nothing more!"

    Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
    In there stepped a stately Raven of the saintly days of yore;
    Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
    But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door —
    Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door —
    Perched, and sat, and nothing more. [column 5:]

    Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
    By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
    "Though thy crest be shorn and shaven, thou," I said, "art sure no craven,
    Ghastly grim and ancient Raven wandering from the Nightly shore —
    Tell me what thy lordly name is on the Night's Plutonian shore!"
    Quoth the Raven "Nevermore."

    Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
    Though its answer little meaning — little relevancy bore;
    For we cannot help agreeing that no living human being
    Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door —
    Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
    With such name as "Nevermore."

    But the Raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only
    That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
    Nothing farther then he uttered — not a feather then he fluttered —
    Till I scarcely more than muttered "Other friends have flown before —
    On the morrow he will leave me, as my Hopes have flown before."
    Then the bird said "Nevermore."

    Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
    "Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store
    Caught from some unhappy master whom unmerciful Disaster
    Followed fast and followed faster till his songs one burden bore —
    Till the dirges of his Hope that melancholy burden bore
    Of 'Never — nevermore'."

    But the Raven still beguiling my sad fancy into smiling,
    Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird, and bust and door;
    Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
    Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore —
    What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
    Meant in croaking "Nevermore."

    This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
    To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
    This and more I sat divining, with my head at ease reclining
    On the cushion's velvet lining that the lamp-light gloated o'er,
    But whose velvet-violet lining with the lamp-light gloating o'er,
    She shall press, ah, nevermore!

    Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
    Swung by seraphim whose foot-falls tinkled on the tufted floor.
    "Wretch," I cried, "thy God hath lent thee — by these angels he hath sent thee
    Respite — respite and nepenthe, from thy memories of Lenore;
    Quaff, oh quaff this kind nepenthe and forget this lost Lenore!"
    Quoth the Raven "Nevermore."

    "Prophet!" said I, "thing of evil! — prophet still, if bird or devil! —
    Whether Tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
    Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted —
    On this home by Horror haunted — tell me truly, I implore —
    Is there — is there balm in Gilead? — tell me — tell me, I implore!"
    Quoth the Raven "Nevermore."

    "Prophet!" said I, "thing of evil! — prophet still, if bird or devil!
    By that Heaven that bends above us — by that God we both adore —
    Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
    It shall clasp a sainted maiden whom the angels name Lenore —
    Clasp a rare and radiant maiden whom the angels name Lenore."
    Quoth the Raven "Nevermore."

    "Be that word our sign of parting, bird or fiend!" I shrieked, upstarting —
    "Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
    Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
    Leave my loneliness unbroken! — quit the bust above my door!
    Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
    Quoth the Raven "Nevermore."

    And the Raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
    On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
    And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming,
    And the lamp-light o'er him streaming throws his shadow on the floor;
    And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
    Shall be lifted — nevermore!

    tem tb o audio.... é muito f***
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  16. servo de Eru

    servo de Eru Chuck Norris passa vergonha


    esse não é do Poe?
     
  17. Fringway

    Fringway Andarilho do Norte (187)

    Não sei se esses são os melhores, mas acho ambos muito foda:

    Tabacaria - Álvaro de Campos (Fernando Pessoa):
    TABACARIA

    Não sou nada.
    Nunca serei nada.
    Não posso querer ser nada.
    À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

    Janelas do meu quarto,
    Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
    (E se soubessem quem é, o que saberiam?),
    Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
    Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
    Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
    Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
    Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
    Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.

    Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
    Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
    E não tivesse mais irmandade com as coisas
    Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
    A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
    De dentro da minha cabeça,
    E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.

    Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
    Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
    À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
    E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.

    Falhei em tudo.
    Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
    A aprendizagem que me deram,
    Desci dela pela janela das traseiras da casa.
    Fui até ao campo com grandes propósitos.
    Mas lá encontrei só ervas e árvores,
    E quando havia gente era igual à outra.
    Saio da janela, sento-me numa cadeira. Em que hei de pensar?

    Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
    Ser o que penso? Mas penso tanta coisa!
    E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!
    Gênio? Neste momento
    Cem mil cérebros se concebem em sonho gênios como eu,
    E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
    Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.
    Não, não creio em mim.
    Em todos os manicômios há doidos malucos com tantas certezas!
    Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?
    Não, nem em mim...
    Em quantas mansardas e não-mansardas do mundo
    Não estão nesta hora gênios-para-si-mesmos sonhando?
    Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas -
    Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,
    E quem sabe se realizáveis,
    Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?
    O mundo é para quem nasce para o conquistar
    E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.
    Tenho sonhado mais que o que Napoleão fez.
    Tenho apertado ao peito hipotético mais humanidades do que Cristo,
    Tenho feito filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu.
    Mas sou, e talvez serei sempre, o da mansarda,
    Ainda que não more nela;
    Serei sempre o que não nasceu para isso;
    Serei sempre só o que tinha qualidades;
    Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta,
    E cantou a cantiga do Infinito numa capoeira,
    E ouviu a voz de Deus num poço tapado.
    Crer em mim? Não, nem em nada.
    Derrame-me a Natureza sobre a cabeça ardente
    O seu sol, a sua chava, o vento que me acha o cabelo,
    E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha.
    Escravos cardíacos das estrelas,
    Conquistamos todo o mundo antes de nos levantar da cama;
    Mas acordamos e ele é opaco,
    Levantamo-nos e ele é alheio,
    Saímos de casa e ele é a terra inteira,
    Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido.

    (Come chocolates, pequena;
    Come chocolates!
    Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
    Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
    Come, pequena suja, come!
    Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
    Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
    Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.)

    Mas ao menos fica da amargura do que nunca serei
    A caligrafia rápida destes versos,
    Pórtico partido para o Impossível.
    Mas ao menos consagro a mim mesmo um desprezo sem lágrimas,
    Nobre ao menos no gesto largo com que atiro
    A roupa suja que sou, em rol, pra o decurso das coisas,
    E fico em casa sem camisa.

    (Tu que consolas, que não existes e por isso consolas,
    Ou deusa grega, concebida como estátua que fosse viva,
    Ou patrícia romana, impossivelmente nobre e nefasta,
    Ou princesa de trovadores, gentilíssima e colorida,
    Ou marquesa do século dezoito, decotada e longínqua,
    Ou cocote célebre do tempo dos nossos pais,
    Ou não sei quê moderno - não concebo bem o quê -
    Tudo isso, seja o que for, que sejas, se pode inspirar que inspire!
    Meu coração é um balde despejado.
    Como os que invocam espíritos invocam espíritos invoco
    A mim mesmo e não encontro nada.
    Chego à janela e vejo a rua com uma nitidez absoluta.
    Vejo as lojas, vejo os passeios, vejo os carros que passam,
    Vejo os entes vivos vestidos que se cruzam,
    Vejo os cães que também existem,
    E tudo isto me pesa como uma condenação ao degredo,
    E tudo isto é estrangeiro, como tudo.)

    Vivi, estudei, amei e até cri,
    E hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu.
    Olho a cada um os andrajos e as chagas e a mentira,
    E penso: talvez nunca vivesses nem estudasses nem amasses nem cresses
    (Porque é possível fazer a realidade de tudo isso sem fazer nada disso);
    Talvez tenhas existido apenas, como um lagarto a quem cortam o rabo
    E que é rabo para aquém do lagarto remexidamente

    Fiz de mim o que não soube
    E o que podia fazer de mim não o fiz.
    O dominó que vesti era errado.
    Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
    Quando quis tirar a máscara,
    Estava pegada à cara.
    Quando a tirei e me vi ao espelho,
    Já tinha envelhecido.
    Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
    Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
    Como um cão tolerado pela gerência
    Por ser inofensivo
    E vou escrever esta história para provar que sou sublime.

    Essência musical dos meus versos inúteis,
    Quem me dera encontrar-me como coisa que eu fizesse,
    E não ficasse sempre defronte da Tabacaria de defronte,
    Calcando aos pés a consciência de estar existindo,
    Como um tapete em que um bêbado tropeça
    Ou um capacho que os ciganos roubaram e não valia nada.

    Mas o Dono da Tabacaria chegou à porta e ficou à porta.
    Olho-o com o deconforto da cabeça mal voltada
    E com o desconforto da alma mal-entendendo.
    Ele morrerá e eu morrerei.
    Ele deixará a tabuleta, eu deixarei os versos.
    A certa altura morrerá a tabuleta também, os versos também.
    Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,
    E a língua em que foram escritos os versos.
    Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.
    Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente
    Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo de coisas como tabuletas,

    Sempre uma coisa defronte da outra,
    Sempre uma coisa tão inútil como a outra,
    Sempre o impossível tão estúpido como o real,
    Sempre o mistério do fundo tão certo como o sono de mistério da superfície,
    Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.

    Mas um homem entrou na Tabacaria (para comprar tabaco?)
    E a realidade plausível cai de repente em cima de mim.
    Semiergo-me enérgico, convencido, humano,
    E vou tencionar escrever estes versos em que digo o contrário.

    Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
    E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
    Sigo o fumo como uma rota própria,
    E gozo, num momento sensitivo e competente,
    A libertação de todas as especulações
    E a consciência de que a metafísica é uma consequência de estar mal disposto.

    Depois deito-me para trás na cadeira
    E continuo fumando.
    Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando.

    (Se eu casasse com a filha da minha lavadeira
    Talvez fosse feliz.)
    Visto isto, levanto-me da cadeira. Vou à janela.
    O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?).
    Ah, conheço-o; é o Esteves sem metafísica.
    (O Dono da Tabacaria chegou à porta.)
    Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.
    Acenou-me adeus, gritei-lhe Adeus ó Esteves!, e o universo
    Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o Dono da Tabacaria sorriu.

    Álvaro de Campos, 15-1-1928

    José - Carlos Drummond de Andrade
    E agora, José?
    A festa acabou,
    a luz apagou,
    o povo sumiu,
    a noite esfriou,
    e agora, José?
    e agora, Você?
    Você que é sem nome,
    que zomba dos outros,
    Você que faz versos,
    que ama, protesta?
    e agora, José?

    Está sem mulher,
    está sem discurso,
    está sem carinho,
    já não pode beber,
    já não pode fumar,
    cuspir já não pode,
    a noite esfriou,
    o dia não veio,
    o bonde não veio,
    o riso não veio,
    não veio a utopia
    e tudo acabou
    e tudo fugiu
    e tudo mofou,
    e agora, José?

    E agora, José?
    sua doce palavra,
    seu instante de febre,
    sua gula e jejum,
    sua biblioteca,
    sua lavra de ouro,
    seu terno de vidro,
    sua incoerência,
    seu ódio, - e agora?

    Com a chave na mão
    quer abrir a porta,
    não existe porta;
    quer morrer no mar,
    mas o mar secou;
    quer ir para Minas,
    Minas não há mais.
    José, e agora?

    Se você gritasse,
    se você gemesse,
    se você tocasse,
    a valsa vienense,
    se você dormisse,
    se você cansasse,
    se você morresse....
    Mas você não morre,
    você é duro, José!

    Sozinho no escuro
    qual bicho-do-mato,
    sem teogonia,
    sem parede nua
    para se encostar,
    sem cavalo preto
    que fuja do galope,
    você marcha, José!
    José, para onde?
     
  18. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Esse é o poema que mais gosto. :obiggraz:

    Me poupou o trabalho de postar. Obrigado.
     
  19. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Um poema para o ano de Rainer Maria Rilke:

    Entrance

    Whovever you are: step out in to the evening
    out of your living room, where everything is so known;
    your house stands as the last thing before great space:
    Whoever you are.
    With your eyes, which in their fatigue can just barely
    free themselves from the worn-out thresholds,
    very slowly, lift a single black tree
    and place it against the sky, slender and alone.
    With this you have made the world. And it is large
    and like a word that is still ripening in silence.
    And, just as your will grasps their meaning,
    they in turn will let go, delicately, of your eyes . . .

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  20. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Gosto muito desse
    Via Láctea
    (Olavo Bilac)


    “Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
    Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
    Que, para ouvi-las, muita vez desperto
    E abro as janelas, pálido de espanto…

    E conversamos toda a noite, enquanto
    A Via Láctea, como um pálio aberto,
    Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
    Inda as procuro pelo céu deserto.

    Direis agora: “Tresloucado amigo!
    Que conversas com elas? Que sentido
    Tem o que dizem, quando estão contigo?”

    E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
    Pois só quem ama pode ter ouvido
    Capaz de ouvir e de entender estrelas.”
     

Compartilhar