1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Autor da Semana Psicologia da Composição (João Cabral de Melo Neto)

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Excluído046, 17 Set 2011.

  1. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Introdução


    Thomas Edison dizia que um gênio é 1% de inspiração e 99% de transpiração. Mallarmé dizia que a palavra tem de significar apenas 1/4, 3/4 é sugestão. As duas afirmações anteriores sugerem que o trabalho artístico (aqui, especificamente, falo do trabalho com a palavra, do trabalho poético) não é fácil. Não tem de ser fácil, mas exige dedicação, uma dedicação que consiga colocar a palavra como cerne do trabalho. A palavra sugere, não o autor. O autor trabalha na palavra, retira-lhe os excessos, a faz pedra, para que ela possa concretamente, se presentificar no lócus textual.

    Na estrutura da Lírica Moderna, podemos destacar duas grandes linhas de poesia: a primeira é a chamada "Festa do intelecto", composta por poetas que valorizavam a razão como fonte suprema de criação poética. O maior representante dessa vertente, é o Valéry. A segunda vertente, a da "Derrocada do intelecto", é marcada pela negação da presença da razão no texto literário. Temos, nessa linha, o apogeu do automatismo da escrita, do sonho.

    A Psicologia da Composição, de João Cabral de Melo Neto, pode ser lida na perspectiva da "Festa do intelecto". Essa obra pode funcionar como um trabalho poético do autor que mostra a sua angústia, a sua inquietação quanto à atividade da escrita. Mostra que os poetas que optam pelo trabalho de arte não alcançam seus objetivos literários por meio da inspiração, mas pela dedicação.

    Ao lermos o título "A Psicologia da Composição", somos diretamente levados ao "Filosofia da Composição", de Edgar Allan Poe. No seu ensaio, Poe analisa o processo da criação do seu famoso poema, "O corvo", e, nessa análise, ele deixa transparecer o trabalho de arte que envolve a sua poética.

    Em consonância com Poe em "Filosofia da Composição", em "A Psicologia da Composição", João Cabral utiliza-se de um tom, claramente, metalinguístico, para "dessossar" o processo da construção do texto literário.

    "Psicologia da Composição" (1946-1947) é uma trilogia, composta pelos poemas: "Psicologia da Composição", que dá título à trilogia; "Fábula de Anfion" e "Antiode". Em "Psicologia da Composição" temos acentuadíssimas reflexões sobre a criação poética. "Fábula de Anfion" é um poema narrativo onde o anti-herói procura despojar a poesia de sua afetividade. Com "Antiode" o poeta coloca-se contra a forma de poesia entendida tradicionalmente como profunda: o poema é construído através da objetividade da palavra escrita e não através dos "estados da alma" da tradição romântica.

    A trilogia é dedicada a Lauro Escorel: que foi um crítico literário e embaixador brasileiro no México. Ele é autor de "A pedra e o rio", um ensaio, de 1973, sobre a poesia de João Cabral. Após a dedicatória, temos a epígrafe "riguroso horizonte" (de Jorge Guillén). Está epígrafe, uma citação de um poeta espanhol, indica o sentido de rigor formal dos três poemas de João Cabral. Esse ideal de perfeição, entretanto, deve ter abertura para o mundo (o horizonte); o poeta não pode fechar-se em si mesmo.


    Algumas considerações sobre "Fábula de Anfion"



    Anfion, de acordo com a mitologia grega, era filho de Júpiter e Antíope (rainha de Tebas). Dotado de um grande talento para a música, Anfion recebeu uma lira de Apolo. Ao som dessa lira, construiu, depois, a muralha de Tebas; as pedras iam-se colocando umas sobre as outras, sem qualquer esforço. João Cabral substituiu a lira por uma flauta rústica e interpretou o mito com liberdade de criação, associando os motivos temáticos: pedra/palavra. O poema cabralino se divide em três partes: O Deserto, O acaso e Anfion em Tebas.

    Em "O Deserto", Anfion está se preparando para construir Tebas, o poema. É interessante os significados que o Deserto, neste contexto, pode assumir. Ele tem o sentido simbólico e tem o sentido de que o próprio Anfion também é deserto. Ele está fundido a esse espaço.

    No deserto, entre a
    paisagem de seu
    vocabulário, Anfion,

    [...]

    na areia, gesto puro
    de resíduos, respira
    o deserto, Anfion.

    Em "O Deserto" temos uma estrofe que é, para mim, a mais bonita da poesia brasileira:

    Ali, não há como pôr vossa tristeza
    como a um livro
    na estante.

    Em "O Acaso", acontece algo que frustra os planos de Anfion. O acaso prejudica o projeto de depuração, mineralização os objetos, porque ele aparece inexplicavelmente, com toda uma vitalidade biológica. É uma força instintiva e anárquica que rompe com a aridez perseguida pelo poeta.

    O acaso, raro
    animal, força
    de cavalo, cabeça
    que ninguém viu;
    ó acaso, vespa.

    Em "Anfion em Tebas", percebemos a angústia de Anfion por ele não conseguir dominar a flauta, instrumento da poesia, porque ela se assemelha a um cavalo louco, que não pode ser domado. E, em sua origem, ela, a flauta, recebeu grãos de vento. Assim, o poema termina com o fracasso de Anfion, que não conseguiu fazer uma poesia PURA.


    Algumas considerações sobre "Psicologia da Composição"



    Psicologia da Composição é dedicado ao poeta Ledo Ivo, que é o principal mentor da Geração de 45, na qual João Cabral costuma ser enquadrado tradicionalmente (cronologicamente, não esteticamente, claro). Neste poema, temos uma reflexão sobre que forma o poeta quer dar ao seu poema. Ele diz não à "forma encontrada como concha perdida", não à "forma obtida em lance santo ou raro", porque o que ele deseja é

    mas a forma atingida
    como a ponta do novelo
    que a atenção, lenta,
    desenrola,

    aranha. como o mais extremo
    desse fio frágil, que se rompe
    ao peso, sempre, das mãos
    enormes.

    Nesse trecho percebemos que algo angustia o poeta: a sutileza do trabalho artístico contrasta com suas mãos enormes que podem, por um descuido, estragar o trabalho de arte, o trabalho de "cultivar o deserto como um pomar as avessas". Ele não quer firulas na linguagem, ele quer a linguagem árida.


    Algumas considerações sobre "Antiode"



    Em "Antiode", o subtítulo "contra a poesia dita profuna", já é anunciada a tônica do poema. A Ode é uma forma artística de origem grega, que é uma espécie de homenagem, feita em tom grave e solene. João Cabral propõe, neste poema, uma antiode, uma negação à ode.

    Flor é o salto
    da ave para o vôo;
    o salto fora do sono
    quando seu tecido

    se rompe; é uma explosão
    posta a funcionar,
    como uma máquina,
    uma jarra de flores.

    Poesia, te escrevo
    agora: fezes, as
    fezes vivas que és.
    Sei que outras

    Palavras és, palavras
    impossíveis de poema.
    Te escrevo, por isso,
    fezes, palavra leve,

    contando com sua
    breve. Te escrevo
    cuspe, cuspe, não
    mais: tão cuspe

    como a terceira
    (como usá-la num
    poema?) a terceira
    das virtudes teologais.

    Na definição da "flor", o poeta conscientiza-se de que ela não pode ser alienada: é "palavra", é "salto", é "explosão". Mais ainda: é matéria impura como as "fezes". A profundidade da ode tradicional é, pois, ilusória: a realidade que atravessa o poema transforma-a, na verdade, em uma antiode.
     
    Última edição por um moderador: 31 Out 2012
    • Ótimo Ótimo x 4
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Ali, não há como pôr vossa tristeza
    como a um livro
    na estante.
    :grinlove:
     
  3. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Esse tópico foi pro Autor da Semana tbm, né?
     
  4. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Aham, foi, sim.
     
  5. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Colocarei a tag e incluirei na lista lá ^^
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Obrigada, Belzinha.

    E, gente, procurando estes tópicos, eu me dei conta do quanto eu estava com saudades d'O Literatura, que sempre foi a minha parte preferida do fórum Valinor. Sério, amo muito esse cantinho, aqui. E, na verdade, só preciso dele para ser feliz nesse fórum. Ainda bem que ele está aqui, lindo, porque eu acho que não aguentaria ficar sem o Meia Palavra e sem o Literatura do fórum Valinor ao mesmo tempo.
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  7. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Tirando o Autor da Semana, sem você ficou meio parado mesmo.

    Anw, é minha parte preferida do fórum depois do CdA. 2011 marcou o Autor da Semana, o Clube e dezenas de tópicos memoráveis, e eu aproveitei bastante, aprendi muito e foi essa área querida do fórum que me levou a ler livros que se tornaram meus preferidos. Além do espaço pra compartilhar minhas impressões e experiências de leitura. Amo demais o Literatura, e foi o que me levou ao Meia. Pena que lá nunca tive tempo de aproveitar. :lol:
     

Compartilhar