1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[?] Processo criativo, distância do texto ou como não ser autista

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Haleth, 24 Set 2011.

  1. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    Bem, vou partir do específico para o geral,

    Geralmente meus contos têm uma página, uma e meia, não costumo ir muito além disso. E enquanto escrevo, gosto de deixar o texto mais ou menos encaminhado em relação à escolha das palavras e estruturas frasais (considero isso muito importante num texto, e de certa forma, acho que condiciona muito a narrativa), não sei se por mania ou se por medo de perder o insight. Isso às vezes me atrasa no desenvolvimento da trama, mas... Ok.

    Estou escrevendo um conto, sei o início e o fim, mas quanto mais escrevo, mais o meio ganha volume, densidade e rumos que não previa, é como se eu estivesse descobrindo a história, em vez de inventá-la, rs. Esse conto vai ultrapassar a página e meia com certeza. Além disso, estou narrando dois episódios ao mesmo tempo, e o que diferencia um do outro é só o tempo verbal (não sei se vou conseguir explicar sem mostrar o texto, mas enfim). Nunca tinha escrito assim antes, ao menos não que eu me lembre rapidamente. Ok.

    A questão 1 é: no meu mundinho tudo está lindo, maravilhoso, coerente e claro, mas... como vou saber se realmente está? Já tentei deixar o texto dormir, mas enquanto não terminar de escrever, por mais que eu não o veja nem trabalhe nele, não consigo me distanciar. É meio mimimi, mas rola uma certa afeição pelo filho que está sendo gerado, se é que vcs me entendem. XD

    E vem a 2: distanciar-se enquanto o texto não está pronto não atrapalha o processo criativo?
    E a 3: o trabalho com as estruturas é coincidente com a escrita ou vem com a revisão? (óbvio que não to me comparando, oras, mas imagino como o Guimarães Rosa fazia isso. A estrutura dele é parte fundamental do texto. Será que ele primeiro rascunhava em "português corrente" e depois fazia aquelas loucuras todas? Não sei, acho que não faria muito sentido. Mas e esse "atraso" no desenvolvimento da trama, será que é mesmo prejudicial?)

    Desculpa, galera, mas meus amigos do mundo offline não partilham desses questionamentos existenciais, a terapia tem mesmo que ser com vcs... XD
     
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Quanto ao 3, creio que isto dependa um pouco de autor pra autor... Eu já cogitei fazer isto; mas nunca experimentei... Talvez funcione mais com uma linguagem experimental. Eu não escreveria uma poesia neste método, por exemplo.

    Quando ao 2, eu considero o distanciamento fundamental. Preciso paralisar o texto e observá-lo de longe, deixá-lo na geladeira e ficar ruminando nele sem sequer lê-lo. Quando eu começo a me confundir com nomes, com ações, técnicas e outras coisas que eu utilizei, aí é a hora de voltar pro texto. Escrever um texto é como pintar um quadro (pra mim a literatura, além de filha da música, é filha da pintura). Você começa com os esboços e, depois, faz a pintura por cima, sempre, por vezes, distanciando-se da obra e observando o panorama dela. Depois você continua o trabalho, termina e vai dar os retoques, sempre, por vezes, distanciando-se e observando o panorama. O panorama é essencial.

    Agora, quanto a 1, pelo que eu entendi, você está um pouco receosa do conto estar crescendo demais em seu meio? Se for isto, posso te confortar: Ulysses de James Joyce era pra ser um conto no final do Dublinenses e se tornou o que é. Joyce dizia que "as coisas boas aparecem enquanto se escreve". Se o bolo cresce demais no forno, é porque vão chegar mais convidados.
     
  3. AlexB

    AlexB Usuário

    Manu,

    Ao ler muitos relatos de como escritores trabalham encontrará mais exceções do que regras, cada um escreve de um jeito. Em relação à sua primeira pergunta: se está no meio de processo, escreva, distanciamento é incongruente com esta proximidade, não que você não possa em alguns minutos distanciar-se ao reler e voltar ao fluxo, mas ao mesmo tempo é obviamente impossível.

    No caso da segunda questão, distanciar-se enquanto o texto não está pronto é fundamental em escritos mais longos, não tem outro jeito, talvez por você escrever textos tão curtos tenha esta dúvida, mas a maioria dos bons textos não vem de uma só vez, veja os bons poetas, João Cabral às vezes demorava anos em um poema com menos de vinte linhas. O distanciamento é benéfico, conflita suas próprias idéias para que o melhor sobreviva.

    A estrutura narrativa é um todo, pode ser escrita e reescrita, mas não pode ser estampada no texto pronto, é algo que funde todos elementos da escrita; você pode retocar, substituir palavras, clarificar idéias e isto não influenciará na estrutura narrativa básica, apenas no seu acabamento. Não consigo entender o que seja o “atraso no desenvolvimento da trama”, uma trama desenvolve-se, às vezes lentamente em poucas linhas, às vezes é muito mais longa, é da natureza da escrita.

    Abraço,
    Alex
     
  4. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    "É meio mimimi, mas rola uma certa afeição pelo filho que está sendo gerado, se é que vcs me entendem." Manu

    O autor deveria "odiar" o texto, talvez assim conseguisse encontrar os defeitos e corrigir no que for possível.Não é fácil odiar o filho.Concordo com o Alex e Mavericco. O distanciamento é benéfico ou fundamental.Mas já aconteceu comigo de um poema sair todo de uma vez e ficar meio que "engessado", no caso de texto em prosa isso é raro, acredito que seja.
     
  5. Brontops

    Brontops Usuário

    1)
    O distanciamento é necessário para uma leitura "isenta". Para adquirir distanciamento, minha sugestão inicial é deixar o texto pronto dormir na gaveta até você se esquecer.

    Ou, outra ideia, arrumar bons "leitores-beta". Isto pode ser difícil. Tem que haver uma mistura de amizade, inimizade, modéstia, humildade, crueldade e querer, como você, que a história funcione.

    Por outro lado, é bom lembrar, citando Gaiman, pessoas que sentem algo errado tendem a estar mais "corretas" que aqueles especialistas que apontam exatamente qual o problema e dizem como corrigí-lo.


    2)
    Distanciamento atrapalha o seu texto?

    Isto varia de pessoa pra pessoa e de como cada um trabalha. Uns são mais espontâneos. Outros são mais cuidadosos. Alguns escrevem com o coração. Outros são escultores, preocupam-se com a "forma".

    A princípio, no meu caso particular, acho que este "afastamento" pode atrapalhar DURANTE a construção do texto. Sem estar emocionalmente envolvido, vou acabar com a sensação de "perda de tempo".

    Depois, entretanto, acho importante manter algum distanciamento. Você precisa saber (ou ter uma noção) COMO aquela história "funciona" para um "leitor médio".

    3)
    Experimentalismo.

    Procure o ensaio "Três Leis" de Luis Brás no livro Muitas Peles. O ensaio faz um paralelo entre as Três Leis da Robótica de Asimov com o método do escritor Luis Bras e pode ajudá-la a tomar decisões quando quiser se "arriscar" ou se "divertir" no experimentalismo.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  6. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    questionamento interessante: toda vez q me distanciei do texto - e deu certo - ele já estava pronto. o distanciamento dos inacabados só me fez esfriar a paixão. e a paixão, assim como o café, qdo requentada nunca tem o mesmo gosto.
     
  7. AlexB

    AlexB Usuário

    Cada um tem sua bebida da paixão, uns gostam de café outros de vinho, que ao contrario da bebida fresca, quando é bom melhora com a idade, quando é ruim vira vinagre.

    Abraço,
    Alex
     
  8. Calib

    Calib Visitante

    Quando eu começar a escrever, eu tento dar umas dicas. =D
     
  9. Rahmati

    Rahmati Grub grub grub uáááááá

    Olha, Manu, não sei quanto aos outros, mas no meu caso, existem duas possibilidades: Ou 1. o texto já está pronto na minha cabeça, aí não tem jeito, é cuspir ele no papel do jeito que der para não perder o rumo e depois arrumar a estética e a gramática; ou 2. o texto nasce apenas de uma ideia original e o distanciamento é essencial para progredir na história sem que ela fique maçante, escrevendo vagarosamente para criar recursos de estilo que auxiliem na trama. (Lembrando que o 1. é exclusivamente para contos e o 2. é tanto para contos quanto para narrativas longas, que não é o seu caso.)

    Bem, acho que é isso :sim:
     

Compartilhar