1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Preso que não paga dízimo à Universal sofre discriminação

Tópico em 'Planeta Bizarro? Estranhices? Bizonhices?' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 16 Abr 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    A ala evangélica estaria excluindo quem não paga R$ 30 por mês​

    O Ministério Público do Estado do Mato Grosso investiga as denúncias de que os presos que não pagam dízimo à Igreja Universal estão sofrendo discriminação na Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá, por parte da ala dos evangélicos.

    disse um detento, de acordo com o Portal de Notícias 24 Horas News. O valor médio do dízimo é R$ 30 por mês.

    O promotor Célio Wilson de Oliveira, da Vara de Execuções Penais, confirmou as denúncias de extorsão.
    disse.
    As investigações incluíram a apreensão de computadores, documentos de registros contábeis e objetos que pastores da Universal estavam usando dentro da penitenciária.

    A primeira denúncia surgiu em um interrogatório a um juiz de Várzea Grande (na Grande Cuiabá) por um detento que disse ter sido excluído do grupo dos evangélicos por não pagar o dízimo. A exclusão, segundo o detento, foi “um castigo”.

    A Igreja Universal não se manifestou sobre as denúncias.

    A cobrança de dízimo por parte de igrejas evangélicas estaria ocorrendo já há algum tempo em vários presídios do país. Tanto que em 2011 o CNPC (Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária), órgão do Ministério da Justiça, emitiu uma resolução proibindo essa modalidade de cobrança e a venda de material religioso dentro das detenções.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar