1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Pornografia

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Luciano R. M., 21 Jul 2009.

  1. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Para mim seus poemas de amor
    têm cheiro de carne podre
    e mais parecem piadas sobre a morte:
    palavras e cenários de séculos atrás,
    com rimas que já deveriam ter sido comidas pela terra.
    E ainda os ressuscitam. E ainda insistem
    em chamar isso de poesia
    através de sei lá que ritual
    tirado do Necronomicon.
    A necrofilia não me satisfaz.
    Por isso abandonei a literatura
    e me dedico integralmente
    à pornografia,
    tanto do corpo quanto
    da alma.
     
  2. Interessante um poema "anti romantismo" ^^



    Desculpe mas acho que não concordo com a frase do teu nick..creio que o homem só é uma ilha quando ele quer ser.
     
  3. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Sim... Não vou dizer que poemas de amor não sejam bons, mas eles são tão constantes que as vezes me irrito.

    É uma frase tirada de um livro do J. M. Coetzee, 'Juventude'. E eu concordo com ela ao passo que considero que a comunicação perfeita entre as pessoas é impossível: só chega até nós o que realmente queremos e nunca conseguimos transmitir exatamente o que queremos, nesse sentido, somos ilhas, e nossa comunicação depende do mar de espaço vazio que nos separa.
     
  4. Anne

    Anne Visitante

    "Para mim seus poemas de amor/têm cheiro de carne podre/e mais parecem piadas sobre a morte:" Gostei muito desses versos. Realmente uma poesia que "prende". Parabéns. Gostei da originalidade.
     
  5. Palazo

    Palazo Mafioso Literário

    Originalidade não lhe falta...

    Talvez seja isso mesmo, precisamos nos expor pornograficamente para sair da mesmice dos versos feitos, das rimas prontas, da monotonia...
     
  6. imported_Ariane

    imported_Ariane Usuário

    Concordo com o Palazo! E, fora daqui com a técnica! Viva a inovação e a Arte que se faz com a alma. :rofl:
    Luciano sempre mandando bem! :lily:
     
  7. Desculpe, mas ainda vou bater na mesma tecla. Não creio que o homem seja uma ilha, acho que é a comunicação com o outro que me falta, saber como falar com o outro, é obvio que terá pessoas diferentes de você, mas as mais semelhantes é sim possivel ter uma comunicação transparente, a qual você expõe o mais intimo de si. Por muito tempo eu fui uma ilha, mas aprendi muito com a ciencia da psicologia a colocar pra fora os meus sentimentos.Acho que pessoas que se acham "ilhadas" no sentido abstrato da palavra, se quiser desbravar mares terá que se conhecer primeiro e isso refletir nos seus relacionamentos. As pessoas não fazem a menor idéia do que pensamos se não dissermos, ou senão deixarmos conhecer.
     
  8. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Mas eu vejo as falhas na comunicação não no não saber como falar, mas no não saber o que falar. E no que entender. Por mais transparentes que sejamos, ninguém sabe exatamente como dizer o que quer, e nem sabe entender exatamente o que o outro quer.
     
  9. Jackson Franco

    Jackson Franco Usuário

    Luciano isso é uma poesia e como arte-poderia ser uma foto,uma tela-muita gente fica questionando. Pra quê eu não sei.
    Saudação literária de Jackson Franco.
     
  10. imported_Cabal

    imported_Cabal O Poeta Aprendiz

    Essas são as poesias do Luciano, não tem como esperar nada sutil de sua parte, e isso é o mais legal, são poesias que fogem a tudo que é escrito. Parabéns.
     
  11. Lyn

    Lyn Usuário

    Adorei! Me lembrou um pouco "Poética" de Manuel Bandeira. =)
     
  12. R. C. Quaresma

    R. C. Quaresma Usuário

    Primeiro post que eu leio do forum.... Legalzão..
     
  13. Umav Ozatroz

    Umav Ozatroz Usuário

    Teu poema sofre de
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    e quebrá-lo em linhas não o torna mais poesia que se destas minhas, coladas bem juntinhas, poema se enxergaria por pobre cabecinha contente com prosa e apatia. ;)

    Arrimia faz mal
    e pode ser mortal
    mas com verve tal
    como a com que nos brindou
    já sinto sem sal
    minha fonte vital.
    ... a ti talvez fatal.
     
  14. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Todos os meus poemas sofrem de arrimia, nesse caso. Mas não acho que isso seja mal, muito pelo contrário. Poucos poetas contemporâneos (se é que algum) podem usar rimas sem soarem como se fossem uma versão kitsch e anacrônica dos poetas do século XIX. :)
     
  15. Umav Ozatroz

    Umav Ozatroz Usuário

    Eu diria que Robert Frost foi um deles mesmo no século XX de tanto atonalismo modernista. E praticamente todo "letrista" de canções faz poemas rimados: métrica e padrões soam naturalmente musicais.

    Mesmo Drummond se viu a escrever rimas: pelo menos seus poemas eróticos. Talvez estivesse tentando pegar algumas moçoilas de jeito com algo mais kitsh... :)

    Não vejo o porquê da referência ao século XIX: rimas e métrica existem desde Homero.
     
  16. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Não nego que soem naturalmente musicais- e é justamente isso que me perturba. Assim como essa noção de 'poesia para pegar moçoilas' ou o que quer que seja.
    Não acho que eu seja um grande poeta, escrevo pra tirar uma pira. Mas eu faço isso seguindo minhas convicções sobre o que é melhor, levando em consideração minhas influências e meu tempo.
    E a referência ao século XIX é justamente por ser, ao meu ver, quando a normatização da literatura- e da arte em geral- dão seus últimos suspiros. Ainda persistem, mas de modo mais tênue- foi-se o tempo em que o bom quadro imitava a realidade, e foi-se o tempo que a rima e métrica perfeitas definiam poesia.
     

Compartilhar