1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ponto Final (J. H. Bragatti)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Izze., 25 Nov 2010.

  1. Izze.

    Izze. What? o.O

    Solidão e abandono estão presentes em muitos aspectos da vida. No amor, na amizade, nas relações familiares e profissionais. São sentidos por humanos, animais, destino de objetos descartados. A melancolia que envolve esse sentimento e essa ação é explorada pelo médico gaúcho J. H. Bragatti eu sua estreia literária com o livro Ponto Final, uma reunião de seus contos que buscam especificamente trazer à tona personagens que vivem esse sofrimento. Os textos curtos e bem escritos publicados pela editora Dublinense trazem diferentes situações e pessoas que querem sair desse estado triste que a solidão sugere.

    A experiência como médico certamente influiu em alguns textos de Bragatti, em que os males da saúde são o prenúncio de um fim solitário. Como nos contos Ponto Final – o que dá nome ao livro e também o encerra –, O Gladiador, Areia na Ampulheta e A Gravata, sendo esses dois últimos protagonizados por médicos. Outros textos também se inclinam para os personagens da área da saúde, geralmente falando deles em um começo de carreira, confrontando-os com o abandono de seus “pacientes”, como é o caso de Arrepio e, novamente, de A Gravata.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Anica

    Anica Usuário

    “Da sua mesa de trabalho, ele olhava distraído o retângulo da janela onde se destacava a linha do horizonte separando as águas barrentas do rio de um céu azul e límpido. Sua mulher já não estava mais junto dele. Antes, os filhos haviam tomado rumos independentes na vida. Estava só e isso lhe trazia um sentimento estranho de paz, liberdade e solidão Paradoxal. As três não se completavam. Paz e liberdade talvez, mas a solidão doía no fundo da sua alma, trazendo-lhe uma sensação de finitude. Subitamente, uma idéia harmonizadora. Fazia-lhe falta a presença de um ser vivo, algo que respirasse, se movesse, estivesse presente e fosse capaz de reafirmar a sua própria existência, sem, contudo, interferir com ela.”

    Assim começa do conto ‘Ponto final’, da coletânea homônima de J. H. Bragatti, lançada pela ediotra Dublinense. São vinte e dois contos, todos bastante curtos e com um mesmo fio condutor: a solidão, o abandono, a proximidade da morte e a incerteza da vida.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar