1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Poemas sobre trabalho escravo e exploração do trabalho

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Brianstorm, 28 Fev 2011.

  1. Brianstorm

    Brianstorm Usuário

    Estou fazendo um trabalho para a faculdade sobre trabalho escravo no Brasil e gostaria de incrementá-lo com algum poema. De preferência de algum poeta nacional, mas pode ser internacional também. Na falta, algo relacionado a exploração do trabalho em geral.

    ps: o trabalho é sobre o trabalho escravo na atualidade, mas o poema não precisa ser necessariamente sobre a atualidade.
     
  2. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    Pensei no ato no Castro Alves, já tentou ver algum dele?

    Tem o poema Os Escravos, vou pôr um trecho pra vc ver se é mais ou menos o que vc tem em mente:

    "O escravo então foi deitar-se,
    Pois tinha de levantar-se
    Bem antes do sol nascer,
    E se tardasse, coitado,
    Teria de ser surrado,
    Pois bastava escravo ser.
    E a cativa desgraçada
    Deita seu filho, calada,
    E põe-se triste a beijá-lo,
    Talvez temendo que o dono
    Não viesse, em meio do sono,
    De seus braços arrancá-lo!"

    Mas tem um outro trecho que acho mais forte:

    A mãe do cativo

    Ó mãe do cativo! que alegre balanças
    A rede que ataste nos galhos da selva!
    Melhor tu farias se à pobre criança
    Cavasses a cova por baixo da relva.
    Ó mãe do cativo! que fias à noite
    As roupas do filho na choça da palha!
    Melhor tu farias se ao pobre pequeno
    Tecesses o pano da branca mortalha.
    Misérrima! E ensinas ao triste menino
    Que existem virtudes e crimes no mundo
    E ensinas ao filho que seja brioso,
    Que evite dos vícios o abismo profundo ...
    E louca, sacodes nesta alma, inda em trevas,
    O raio da espr'ança... Cruel ironia!
    E ao pássaro mandas voar no infinito,
    Enquanto que o prende cadeia sombria! ...

    (...)

    Criança - não trema dos transes de um mártir!
    Mancebo - não sonhe delírios de amor!
    Marido - que a esposa conduza sorrindo
    Ao leito devasso do próprio senhor! ...
     
  3. Brianstorm

    Brianstorm Usuário

    Pois é, eu tinha pensado nele, mas nunca li nada. Sempre achei que não estava preparado (sem contar que tem pouquíssimo tempo que eu passei a ler poesia de fato).

    Gostei bastante desses trechos que você postou. Vou ver se pego esse livro na biblioteca.

    Obrigado. =D
     

Compartilhar