1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Planeta Júpiter

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Fúria da cidade, 7 Abr 2017.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Esta sexta (7) será o melhor dia do ano para observar Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar.
    "Chamamos isso de oposição. É o momento em que a Terra fica exatamente entre Júpiter e o Sol", explica o astrônomo Gustavo Rojas, da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos).

    "Quando a Lua está cheia, a lua também está no lado oposto do Sol. Nessa configuração, Júpiter fica visível a noite toda."

    A oposição acontece em apenas um instante: às 18h39 no dia 7, depois o alinhamento se perde. Mas, na prática, a noite inteira do dia 7 terá a melhor visualização. E no sábado (8), às 18h26, Júpiter estará no ponto mais próximo da Terra (a 666 milhões 459 mil quilômetros).

    A visualização continuará boa por cerca de três semanas depois de sexta porque coincidirá com quando Júpiter ficará mais perto da Terra. Nessas semanas Júpiter estará particularmente brilhante.
    A observação também depende das questões meteorológicas, mas Júpiter estará visível a noite inteira. Só depois de alguns meses o brilho vai diminuir porque a distância está aumentando.

    "Como a Terra gira em torno do Sol, ao longo do ano a gente vai vendo regiões diferentes do céu, por isso algumas constelações a gente consegue ver em certas épocas do ano e não em outras", diz Rafael Sfair, astrônomo e professor da Unesp Guaratinguetá.
    Júpiter estará visível até meados de setembro.

    ESO/L. Fletcher
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Imagens infravermelhas de Júpiter feitas pela sonda Juno. A imagem foi colorida artificialmente com um equipamento utilizado para estudar a luz de objetos celestes
    Como encontrar Júpiter no céu?

    Para encontrá-lo no céu, basta olhar para o leste (onde nasce o Sol) e procurar a "estrela" mais brilhante. Na lua cheia, que começa na noite de 10 de abril e 11 de abril, ele estará do lado da lua, pois ambos estarão em pontos de oposição à Terra.
    O que mais dá para ver?

    Com um telescópio simples ou um binóculo, já é possível ver as faixas da atmosfera do planeta. "A atmosfera de Júpiter tem faixas acima e abaixo do Equador que são de tonalidades diferentes. Júpiter é um planeta gasoso, diferente da Terra", diz Roberto Costa, astrônomo e professor da USP (Universidade de São Paulo).

    Também é possível ver as quatro maiores luas de Júpiter, chamadas de satélites galeleanos, pois foram identificadas pela primeira vez por Galileu Galilei no século 17. São elas Europa, Calisto, Io e Ganimedes.
    De todos os planetas que dá para observar com telescópio, Júpiter é o que se consegue observar melhor.
    "Júpiter é um dos planetas que mais recompensa os astrônomos amadores", diz Costa. "O próprio Galileu descobriu isso com um telescópio de 3 cm de diâmetro no alto de uma torre de uma igreja em Florença".
    Júpiter é o deus romano equivalente a Zeus na mitologia grega, o pai dos deuses. E os gregos já sabiam que Júpiter está muito mais distante que Vênus porque ele se move mais lento no céu ao longo do ano.
    A
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , da Nasa (agência espacial norte-americana), atualmente está mapeando Júpiter.
     
  2. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Para encontrar corpos celestes recomendo ainda baixar algum software free como o Stellarium. Eles permitem ainda fazer simulações diárias.
     
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Júpiter é um sistema a parte, ainda mais pela quantidade expressiva de satélites que tem.
    Mas só os 4 principais (Io, Europa, Ganímedes e Calisto) já rendem ótimas observações e com um telescópio razoável já dá pra observar minimamente bem.
     
  4. Mr. Feynman

    Mr. Feynman Dark Lord of the Physicists

    Sobre isso existe uma curiosidade legal. Júpiter e Sirius são as duas estrelas mais brilhantes do céu. Um bom modo de distinguir entre uma estrela e um planeta é observando a oscilação de sua luz. Como estrelas produzem luz e os planetas apenas refletem a luz das estrelas (no caso, a luz do sol), segue-se daí que a luz das estrelas oscila muito mais e mais rapidamente do que a 'luz' dos planetas. Quando ver um objeto no céu note esse detalhe. Se a luz dele oscilar muito trata-se de uma estrela; se oscilar pouco é um planeta.
     
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)




    A atmosfera tempestuosa e gasosa de Júpiter se estende por cerca de 3.000 quilômetros de profundidade e compreende um centésimo da massa do planeta, revelaram nesta quarta-feira (7) estudos com base em observações da nave espacial Juno da Nasa. A atmosfera da Terra, em comparação, representa menos de um milionésimo da massa total do planeta.

    As medidas lançam luz pela primeira vez sobre o que acontece sob a superfície do maior planeta do Sistema Solar, composto 99% de hidrogênio e hélio e que à distância se assemelha a um mármore de vidro colorido e listrado. Os estudos foram publicados na revista especializada Nature.

    Yohai Kaspi, do Instituto Weizmann de Ciência em Israel

    "O resultado é uma surpresa, pois indica que a atmosfera de Júpiter é mais maciça e profunda do que se imaginava", disse Yohai Kaspi, do Instituto Weizmann de Ciências de Israel, autor de um dos quatro estudos publicados sobre o planeta gasoso.
    Até uma profundidade de cerca de 3.000 km, os dados de Juno mostraram, Júpiter compreende um redemoinho psicodélico de faixas de nuvens e correntes de jatos sopradas por ventos poderosos, em direções opostas e a diferentes velocidades.

    Pesquisadores descobriram ainda que no centro do planeta os gases de sua composição se comprimem num liquido metálico denso, que gira uniformemente como se fosse um corpo sólido.
    "É um enigma de quase 50 anos na ciência planetária que está resolvido", disse outro autor do estudo, TristanGuillot, da Universidade Cote d'Azur na França.

    "Nós não sabíamos se um planeta gasoso como Júpiter girava com zonas e cintos todo o caminho até o centro, ou se, pelo contrário, os padrões atmosféricos eram superficiais".
    Mosaico de ciclones

    Os dados revelaram também que o polo norte de Júpiter possui uma constelação de nove ciclones e o sul de seis. A velocidade dos ventos em alguns locais pode ultrapassar a um de furacão de categoria 5, chegando a 350 km/h.
    A erupção de ciclones maciços nos polos não são observadas em nenhum outro planeta do Sistema Solar. Não se sabe como os ciclones são formados, ou como eles persistem sem se fundir.
    Sonda Juno

    As descobertas foram o resultado de medidas sem precedentes do campo de gravidade de Júpiter por Juno, na órbita do gigante gasoso mais próximo da Terra desde julho de 2016.
    Lançada pela Nasa em 2011, a sonda Juno orbita Júpiter desde julho de 2016. Essa é a segunda sonda que recolhe informações sobre o quinto planeta do Sistema Solar. A primeira, Galileo, esteve ativa entre 1995 e 2003.

    "A primeira e mais importante questão que Juno pretende responder é como o nosso Sistema Solar foi formado e consequentemente entender mais sobre sua evolução", disse à AFP outro autor, Alberto Adriani, do Instituto Nacional de Astrofísica da Itália.

    "Qualquer conhecimento que possamos acrescentar ao entender Júpiter, que é provavelmente o primeiro planeta formado (ao redor do Sol), é um passo nessa direção". Com agências internacionais
     
  6. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Mas a variação não se deve exatamente pelo fato de um emitir e o outro refletir.
    Se dá pelo ângulo sólido que chega até o seu olho vindo de uma estrela é absurdamente menor do que o que vem de um planeta (que já é pequeno). E a causa é da nossa atmosfera que mesmo em um dia bonito, aberto, etc, para uma fonte tão distante (que pode ser considerada pontual) qualquer mudança atmosférica mínima (imperceptível para nossos olhos) é suficiente para variar intensidade, posição, etc, da estrela. Isso acontece com planetas também, mas as condições climáticas tem que ser bem piores e mais intensas.
    E essa oscilação não é real, é de percepção humana. Existem, claro, fenomenos de oscilação de emissão de estrelas, mas essa não é a causa de quando você olha pro céu você vê a estrelha oscilando de intensidade.
     

Compartilhar