• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

PC Planescape: Torment

Re: Planescape : Torment (PC)

Sobre o role-playing. Bom, não somos completamente livres, mas somos livres pra caramba no jogo, isso é fato. Vc pode escolher milhares de jeitos de levar a coisa - a primeira vez que eu joguei, eu tinha a mentalidade de Diablo, então simplesmente limpei o Mortuário e metade de Hive haha.
 
Última edição por um moderador:
Re: Planescape : Torment (PC)

Não é bem assim. Cada um desses "sub-roles" tem consequencias significativas para seu personagem até o fim do jogo. Alguns são realmente "rasos", mas outros não. Mas no final, se você considera uma ocupação com consequencias significativas como "brincar de casinha", beleza. Quando você trabalha, aqui na vida real, para uma quadrilha criminosa, isto pode ter consequencias significativas no resto da sua vida ( como um estigma social, por ex. ). E é isso que Fallout faz.

Segundo esse seu conceito, a própria vida real é cheia de "brincadeiras de casinha". Percebe?
Você que tá doido comparando trabalhar numa quadrilha criminosa na vida real com o "nível de realismo" de Fallout... Em NENHUM aspecto dá pra comparar nem minimamente o quão distante elas estão...


Comparar QUALQUER atividade do mundo real como minimamente bem representada num jogo (nem estou falando mais de Fallout) chega a ser ultrajante... e olha que temos coisas como Oblivion atualmente...


Se a realidade pra vc é tão simplista quanto a representação de Fallout, sua vida deve ser bem chata... :lol:


Errado. Vários "sub-roles" que você assume - membro de gangue, escravista, mafioso, etc. possuem uma consequencia social, seja como um mero modificador de reação social, seja como lhe tratando pelo próprio "role" (ser mafioso ou escravista por ex.. faz com que várias pessoas o tratem pelo role ).
Nada significativo ao ponto de vc dizer que o mundo "reage" ao fato de vc ser mafioso, etc... Não passa de um modificador de atributo ou no máximo uma reação diferenciada com um ou outro personagem... E ainda assim a sua "carreira" como mafioso/escravista/astro pornô acaba ao fim da quest... vc não pode continuar agingo como um... A não ser, como eu disse, que vc resolva brincar de casinha e ficar lá parado igual um 2 de paus no hideout da máfia, falando com npcs e fingindo que está acontecendo alguma coisa...

Fallout pode ser finalizado sem que precise atacar ninguém. Há inclusive FAQs na internet de dicas pra como se fazer isto. (procure the Pacifist faq no google ).
Tá vc ignorou oq eu disse, então vou colar de novo:


"Existem sim muitas situações em que vc pode resolver as coisas só na lábia, mas existem muitas outras que a única solução é o combate... O máximo que vc pode fazer é evitar esse lugares/missões e continuar jogando... Mas pra mim isso é forçado... isso pq nem tô levando em conta os combates aleatórios..."


Ou seja, é possível sim terminar o jogo sem nenhum combate, mas vc terá que "contornar" (evitar) várias missõess/situações que exigiriam um combate, logo pra mim isso é forçado... E de qualquer forma, ainda existe o problema dos combates aleatórios quando se viaja de um ponto para o outro, que sim, podem ser evitados com a fuga, mas acho que fica meio ridículo...


- em jogos com muito role-playing, (como Fallout, Planescape e Arcanum por ex. ), suas possibilidades e escolhas são dinâmicas e determinadas ou por atributos e caracteristicas, ou por suas escolhas anteriores. Tem inteligência baixa? Suas opções de diálogo serão como a de um individuo estupido. Tem carisma alto? O sexo oposto será muito mais simpático a lhe ajudar. etc, etc.

- em jogos com pouco roleplaying (como Baldurs Gate) a importancia de seus atributos ou decisões passadas é mínima para o desenrolar do jogo - ter inteligência alta ou baixa não tem efeito nenhum em diálogos; decisões passadas pouco importam nas futuras, etc.

Isso é o que chamamos "árvores de decisão" (como mostrado nos gráficos ali em cima) - jogos com muito role-playing possuem grandes "árvores" cheias de ramos pra todos os lados. Jogos com pouco role-playing possuem uma árvorezinha seca, com 1 ou 2 raminhos magros pra lá e pra cá. Enfim, Baldurs Gate é um ótimo jogo mas em se tratando de Role-Playing... fica ruim de competir com Planescape e Fallout (damn, até Ultima 4 de 1986 tem uma árvore maior que Baldurs Gate!!! )


Admite logo aí Erú. :mrgreen:
Sim, admito que acho Baldur's Gate 2 muito mais jogo em todos os sentido dq Fallout 1 e 2... :-P Aliás vc deveria fazer o mesmo em relação a Fallout, pq dizer que Ultima 4 tem árvore de decisão mais elaborada que BG2 foi forçado pacas...


E só pra constar, BG2 tb tem restrição de diálogos dependendo do seu nível de carisma/sabedoria/inteligência; reações/diálogos diferenciados de acordo com o seu alinhamento no jogo e dos demais personagens que estejam na sua party... Mas não, o nível de desdobramento nos diálogos (árvore de decisão) dele nem se compara a Planescape... Mas como já disse, essa "limitação" foi certamente uma escolha dos produtores que preferiram fazê-lo mais nos moldes clássicos de D&D, onde a ação predomina sobre a interpretação.
 
Re: Planescape : Torment (PC)

Bom Eru, creio que não temos mais o que discutir. Afinal os fatos estão aí - basta jogar os 3 jogos e compará-los.

(e pra minha sorte, parece que o pessoal daui já fez isso - e no final concordou comigo. :mrgreen: )
 
Re: Planescape : Torment (PC)

Só pra retificar uma informação: Baldurs Gate 2 tem SIM role-playing - nas interações intra-party, como o Erú falou, e é muito legal. Mas ainda assim é infinitamente inferior à jogos como Fallout e Planescape. :cool:

E Erú, os "sub-roles" (Gigolô, Mafioso, Slaver, Ator-pornô, etc.) não consistem apenas em quests - são títulos permanetes que você ganha e que podem provocar reações de NPCs em locais diferentes. Isso além dos eixos de Karma (moralidade) e Reputação (contada pra cada cidade individualmente). Esses fatores, além de atributos e escolhas pessoais, são a base de variáveis que irão ditar como o mundo de jogo reage a você - e é isso um dos diferenciais de um grande fator role-playing, e que Fallout tem de sobra (e Planescape também tem consideravelmente) mas Baldurs Gate quase não tem.



EDIT: Acabo de lembrar de algo engraçado em Fallout - se você for um Slaver (escravizador) dá pra vender os NPCs da sua party como escravos. É hilário convencer um cara a entrar na party, pra logo depois tu chegar no acampamento dos Slavers e falar : "Olha aí o escravo novo que eu trouxe... " :hxhx:
 
Re: Planescape : Torment (PC)

E em Planescape dá pra vender seus companheiros pra Vrischika também como escravos... Mas alguns deles não se submetem tão facilmente, hehe.
 
Re: Planescape : Torment (PC)

Bom Eru, creio que não temos mais o que discutir. Afinal os fatos estão aí - basta jogar os 3 jogos e compará-los.
Sim, de fato, gosto não se discute...


(e pra minha sorte, parece que o pessoal daui já fez isso - e no final concordou comigo. :mrgreen: )
Que pessoal está te dando razão? :ahn?: O máximo que vi foram pessoas ficarem interessadas em jogar Fallout após a sua enaltecida exacerbada do jogo... :roll: Aliás não sabia que "fulaninho concorda comigo" contava como fator determinante para decidir uma discussão... :think:


Lembrando que em momento nenhum eu disse que Fallout e Planescape tenham menos "role playing" do que Baldur's, apenas discordei desse "abismo" que vc definiu entre eles e declarei minha predileção por BG por este ser um jogo mais "balanceado/divertido" que os anteriores... Aliás acho que vc tb deveria declarar o seu favorito ao invés de tentar apontar a "superioridade" de Fallout...
 
Re: Planescape : Torment (PC)

Mas assim Erú. Os dois tem preferências óbios, um por Baldurs e o outro por Fallout.

Mas com tudo dito, existe sim uma superioridade em termos de 'role-play'. Ele pode não ser superior num jogo como um todo, pois nem conheço os dois jogos a fundo.

Mas mesmo eu que não conheço Fallout, mas tenho uma idéia do que seja Baldurs, dá pra sacar que tem mais role play em Fallout e Planes do que em Baldurs. Mas isso nao caracterizaria nenhum dos dois serem melhores do que o primo Baldurs.
 
Re: Planescape : Torment (PC)

Falou tudo Masei !!!


A questão de qual jogo é "melhor" não tem resposta, afinal isso é relativo à opinião de cada um. Mas a questão de qual tem mais "Role-playing" tem resposta, e essa independe de opiniões, pois é algo concreto e mensurável. E para quem aprecia um bom Role-playing, Planescape e Fallout são experiências muito mais recompensadoras do que Baldurs Gate.
 
Re: Planescape: Torment (PC)

Socorro Galera!!!!!!!!!!!!!

Meu save tah dando pau (erro de memória Blá Blá Bla) quando eu tenho q entrar no Mortuary depois que eu levo a braço no Fell Tatoor, falo Com emoric sobre soego etc...eu preciso entrar lah pra prosseguir o jogo!!!!!!!!!!!!!!!!!


Por favor se alguém teve um problema semelhante durante o jogo e conseguiu resolver por favor me fale!!!!!!!!!!!!!!


Vlw Galera conto com vcs!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Re: Planescape: Torment (PC)

Melhor recomeçar o jogo. Voce anda tá no comecinho
 
Re: Planescape: Torment (PC)

Finalizei o jogo hoje... de novo. :mrgreen:

Acho que essa foi a última. Dessa vez ficou bem claro que o jogo todo é uma grande mensagem: "What can change the nature of a man?" (o que pode mudar a natureza de um homem?) ...e a resposta é: Belief (crença/fé/acreditar). Tenha fé em si mesmo, ou em alguma coisa, e você pode mudar o mundo.

O legal é o personagem explicando isso no final do jogo (se tiver mais de 20 de Wisdom, claro) para o vilão, e lembrando um por um os casos em que a fé mudou o multiverso, durante sua jornada.

- - -

Porém dessa ultima vez ficou claro também uns pontos fracos do jogo pra mim:

1) o combate é um dos mais fracos que já vi num RPG. Muito monótono e pobre taticamente. Talvez até tivesse sido interessante se o jogo fosse criado SEM COMBATE algum. Só diálogo, exploração e interatividade. Talvez fizesse mais sentido com a proposta do jogo (e economizasse recursos que pudessem ser usados em outras áreas);

2) o jogo dá uma caída boa quando você sai de Sigil, depois de derrotar a Ravel. A partir daí o roteiro fica linear, e o gameplay bem monótono (um monte de quests forçadas de "leva-e-trás" em Curst, Outlands, Carceri, etc). A coisa só levanta de novo quando você volta pra Sigil, já quase no final do jogo. (aí também o jogo levanta com tudo, principalmente na Fortress of Regrets ).


Bom, é isso.
 
Para mim, o problema de Torment é o D&D. Não vejo sentido em se utilizar um sistema de RPG de tabuleiro que é simplificado para se jogar dados ser utilizado por um computador, que consegue simular sistemas bem mais complexos sem dar trabalho para o jogador. Nunca gostei de ter que jogar dados para desenvolver os atributos principais de uma personagem. Nesse ponto Torment é melhor que Baldur's Gate e Fallout muito melhor do que Torment. Fallout foi desenvolvido sobre o sistema S.P.E.C.I.A.L., que é um clone de GURPS. Aliás, GURPS seria utilizado em Fallout, mas Fallout continha muito conteúdo adulto pra ter sido aceito pelos donos do GURPS.

Torment e Fallout são lineares porque eles têm final (finais). Quem não quer linearidade, que vá jogar SimCity.
 
Eu não joguei o Fallout 1 e 2 para comparar com o Torment e o Baldurs Gate. Mas pelos Fallout 3 e 4 que eu já joguei eu achei um jogo completamente diferente em termos de jogabilidade e estilo.
 
Fallout 3 já passa para a jogabilidade em primeira pessoa, totalmente diferente da perspectiva em terceira pessoa isométrica por turnos. Entretanto, ainda possuí árvores de diálogos e um sistema de karma e vários finais diferentes. Imagino como seria Baldur's Gate 3 ou Torment 2... Vamos ver o que o Projeto Eternity nos trará.
 

Valinor 2023

Total arrecadado
R$2.464,79
Termina em:
Back
Topo