1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

PJs(PCs): Sempre exceções?

Tópico em 'RPG' iniciado por Arcanjo[SK], 6 Mai 2007.

  1. Arcanjo[SK]

    Arcanjo[SK] Spartan Supersoldier

    Esses dias estava discutindo com meu grupo uma coisa que me incomoda muito: Personagens com mentalidade incompatível para determinadas épocas. Aí vem aquela coisa: PJs podem pq são exceções.

    Até certo porto, concordo que os jogadores podem ter liberdade para ter idéias novas, serem diferentes da maioria, etc. Mas certas coisas são difíceis de engolir.

    Geralmente os jogadores interpretam com a mentalidade de nossa época, se esquecendo que algumas vezes, ela não é compativel com o cenário ou época. E algumas vezes, isso irrita. Coisas que não fazem sentido para nós hj, faziam sentindo para as pessoas no passado, assim como o contrário tb acontece. E mtas vezes os jogadores se esquecem disso, e, como justificativa, dizem que seus personagens são revolucionários. Alguns personagens realmente poderiam pensar daquele jeito, tendo os conhecimentos necessários, mas mesmo assim fica mto forçado, pois se fosse algo tão simples como eles acham, certas coisas não iriam demorar tanto tempo para serem pensadas.

    Tá certo que, as vezes é exigir d+, mas mtas vezes me canso e me irrto em ver jogadores interpretando completamente fora do contexto da época, cenário, sociedade...


    É claro que pode dizer "NÃO!", afirmando que as possibilidades de existir determinadas coisas são infímas, mas os jogadores sempre irão afirmar que eles são exceções, e que mesmo uma possibilidade ínfima ainda é uma possibilidade.

    Até quando pode-se permitir que os jogadores sejam exceções?

    Para algumas mesas, isso não é problema, mas, no entanto, para outras, isso é algo sem solução.

    Negar gera frustações para jogadores, enquanto permitir, para o narrador. Então, fazer oq??

    Tá certo que nem toda mesa é assim, mas....

    Abri esse tópico para discutir um pouco esses (e talvez outros) problemas na mesa. Gostaria de saber se sou unico aki no fórum a sofrer desse problema.


    Até aonde vai a liberdade de criação dos jogadores???








    PS: Post mal organizado e escrito, mas agora me faltam as palavras certas....
     
    Última edição: 6 Mai 2007
  2. Taverneiro

    Taverneiro Old school

    na minha mesa, a maioria dos herois de fantasia segue uma mentalidade dos dias de hoje, não a ponto de uso de gírias ou um personagem querer inventar alguma coisa que não foi inventada ainda ou usar alguma coisa além do periodo proposto (pólvora, alguem?).

    Pra mim isso não muda em nada, nao me importo nem um pouco da mentalidade dos PJs, pelo simples fato de que ninguem é ator ou historiador para determinar como um personagem se comportaria REALMENTE de acordo com o periodo medieval. Afinal todo personagem é um "alter-ego" e para maioria dos jogadores, eles interpretam seus personagens de acordo com a propria mentalidade deles. Isso é normal. RPG envolve muito daquele lance do "O que VOCÊ faria se...". Pouca gente gosta de ficar quebrando a cuca por 3 ou 4 horas apenas para dar mais autenticidade em um personagem. Particularmente nos casos de cenários de fantasia (não-históricos) isso é perda de tempo.

    Ao menos que seja um caso extremo, com ideias que poderiam arruinar uma trama ou aventura, eu nao censuraria nada tampouco exigiria muito nesse aspecto de meus jogadores. Talvez com alguns exemplos seria mais facil entender do porque a sua frustração. Pra mim isso é normal...

    Isso faz dos PJs uma exceção? Talvez analisando muitos livros de fantasia a gente vê que a coisa é bem por aí mesmo. Extendendo para outros gêneros (FC, cyberpunk, horror ou qqer outra coisa) a gente percebe que poucos são os protagonistas que não se destacam em termos de diferenças de ideologia, comportamento, etc. No fim das contas não é uma exceção TÃÃÃO exclusiva assim, na verdade é até certo ponto aceitável.
     
    Última edição: 7 Mai 2007
  3. KADU

    KADU Estão vendo esta caneta?

    Isso acontece mesmo, mas nunca foi um grande problema no meu grupo. Sempre chegamos a algum concenso quando uma situação como essas acontece, do tipo "porque ele agiria assim?", e então seguimos.
     
  4. Elminster

    Elminster Usuário

    Mas lembre-se que quando se usa um cenário do tipo oriental, por exemplo, deve entender bem a estrutura de tal cenário para a interpretação dos Pjs. Imagine os Pjs andando por uma estrada normal e se deparam ao longe com um homem de pé preparando a katana para decepar a cabeça de um outro que está com sua própia katana enfiada na barriga, se os Pjs não tivessem conhecimento eles iriam atacar o executor, e provavelmente iriam receber como punição a morte, pois atacaram um alto oficial do governo que estava realizando o ritual do seppuku.

    Bom, espero que tenham entendido que dependendo de qual cenário usar, os Pjs devem entender o contexto em si, por vezes o mestre pode liberar certas ações que podem ser entendidas no cenário, como gírias envolvendo personagens famosos do mundo (com cuidado para certas pessoas não ouvirem).
     
  5. Barlach

    Barlach Verde. E arqueiro

    Realmente uns exemplos noa ajudaria a entender, Arcanjo.

    Só que acho que cai numa questão de estilos de jogos desejados. Tem que sentar e conversar e ver o que cada um quer. Pode ser que os jogadores queiram jogar fantasia mesmo, agir do jeito que agem hoje, mas num cenário antigo. Ou então eles podem querer algo mais histórico, e nesse caso eles mesmo vão entender que estão exagerando.

    O que não funciona é o mestre querer uma coisa e os jogadores quererem outra.
     

Compartilhar