1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Perturbação

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Inquietandis, 31 Ago 2012.

  1. Inquietandis

    Inquietandis Usuário

    ENSAIO 1: Este sou eu. A mente perturbada aqui ali e em todo o lado. Sou mais um tipo louco anti-sistema, sim. A desgastada e caótica pseudo-utópica sociedade obrigou-me. Resta-me o meu refúgio para passar os dias. Até à natural, odiada, precisa e imperdoável...morte.

    ENSAIO 2: A minha mente fatigada, os desejos por cumprir, a sede por saciar. Um bicho com três cabeças. Eu não me enquadro bem na sociedade. Provavelmente ninguém, mas chegamos a um paradoxo. Até que ponto a vontade, o instinto e o desejo nos matam por dentro? Pedem para não nos escondermos, não nos tornar-mos invisível e juntar-nos à manada. O camaleão invertido. Realizar o processo inverso a esta curiosa criatura para não sentirmos sozinhos ou invisíveis para o resto. Porque ninguém nos quererá ver como somos, talvez. Ou porque existe uma vontade insaciável de haver integração. Criar "amigos" ou "laços" como diz toda a gente. Isto gera hipocrisia. Mentira. Falsidade. Gera todas as ondas negativas que se acumulam dentro de todos nós. Essas mesmas acabam por ser expelidas e aí surge a verdade. Sobre mim, sobre ti. Sobre todos.

    ENSAIO 3: Eu era alguém. Um ponto neste mundo dominada pelas vírgulas. Fazia-me ouvir. Agora não. Sinto-me a desmaiar, a cambalear sempre que ouço algo. Tornei-me um rato. Vagueio. Aqui, ali. Vivo sem um amanhã porque me mentalizo que a vida acaba hoje. Cada vez mais tudo se baseia por instinto de sobrevivência. Eu apenas faço o meu papel...vagueando.
    Eu tinha nome. Agora trato-me por Incógnita. Com tantas transformações que tudo ao meu redor sofre não sei no que posso confiar. Talvez nem em mim.
     
  2. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Achei bem interessante o modo de organização do escrito, pois consegue transmitir com exatidão o ato de desabafar. Ao mesmo tempo que temos um reconhecimento, temos uma guerra travada entre o que se acha, e o que se é. Quantos vivem em incógnitas ou dilemas com suas próprias vidas? Penso que pessoas que vivem nesse caos interno, não conseguem se anexarem a sociedade por se questionarem demais ou não aceitarem a tal da realidade. Pensando bem, parar pra refletir sobre essas coisas é um tanto quanto perturbador.
     

Compartilhar