1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Perto do Coração Selvagem (Clarice Lispector)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Hélène, 1 Out 2009.

  1. Hélène

    Hélène Usuário

    [align=justify]PERTO DO CORAÇÃO SELVAGEM
    (Clarice Lispector)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)




    No romance Perto do Coração Selvagem (primeiro romance de Clarice Lispector - 1944) é notória a aproximação com os ficcionistas de vanguarda da época, James Joyce, Virgínia Woolf e William Faulkner, pelo uso intensivo da metáfora insólita, entrega ao fluxo da consciência e ruptura com o enredo final.
    Caracteriza-se pela exacerbação do momento interior de tal modo intensa, que, a certa altura de seu itinerário, a própria subjetividade entra em crise. O espírito, perdido no labirinto da memória e da auto-análise, reclama um novo equilíbrio, transcendendo do plano psicológico para o metafísico. A própria narradora revela a consciência desse salto, quando diz: Além do mais a "psicologia" nunca me interessou. O olhar psicológico me impacientava e me impacienta, é um instrumento que só transpassa. Acho que desde a adolescência eu havia saído do estágio do psicológico.
    A prosa leve discorre com fluência e fluidez nos meandros da protagonista, na sua visão de mundo e interação com os demais personagens. Tudo isso revelou Clarice Lispector como mais que mera promessa na prosa da Geração de 45. É o texto do sensível e do imaginário, ora enfrentando ora diluindo-se aos incidentes reais de Joana.
    A amoralidade diante da maldade. O instinto na condução da trama, com uma certa dose de auto-martírio. A história de Joana (protagonista) - não a Virgem d'Orleans, mas a personagem de Clarice Lispector nesta obra de estréia, marcou a ficção brasileira em 1944. A narrativa inovadora provocou frisson nos círculos literários. A técnica de Clarice Lispector funde subjetividade com objetividade, alterna os focos literários e o tempo cronológico dá lugar ao psicológico (o presente entremeado ao intermitente flashback). Joana expressa, por fluxos de consciência, sua vida interior, contrapondo suas experiências de menina às de adulta, mergulhando ora no passado, ora no presente, segundo o fio condutor da memória.
    Deve-se ler a obra com instrumentos de anatomia: usa-se bisturi para dissecá-la e pinça para estudar os personagens como órgãos autônomos, que se ligam por estranhas artérias e nervos à personagem de coração e cérebro Joana. São eles: o pai prematuramente falecido, incentivador das brincadeiras na infância; a tia assustada com as estripulias da órfã, a quem chama de víbora; o tio fazendeiro, afetuoso com Joana e abúlico diante das reclamações da mulher; o professor confidente e orientador (como a paixão da puberdade); Otávio, o rapaz que se casa com Joana ao romper o noivado com Lígia, de quem posteriormente se torna amante; Lígia, grávida de Otávio, conta tudo à protagonista; o homem sem nome, sustentado pela mulher, participante silenciosa do romance clandestino e sem compromisso dele com Joana.
    A leitura é caleidoscópica. A protagonista ora tem uma cor, ora outra, conforme o momento ("real" ou onírico). As cores dançam no enredo misturado ao cenário e às sensações da menina-mulher-amante. Joana desfila na vida dos outros personagens, destilando o veneno de víbora, instilado com ironia e respostas cruéis diante dos fatos. A leitura também é lúdica, quando o leitor tenta adivinhar o que a autora preparou páginas adiante e se surpreende com o que presencia.[/align]


    Fonte: http://www.passeiweb.com

    Lí e gostei muito do livro! Lógico...é uma viagemmm nos pensamentos da personagem!Alguns poderão achar esse tipo de narrativa muito cansativa!Mas o interessante ao ler essa obra,é a possibilidade de compreensão dos próprios pensamentos!
    Como diz o meu professor de Literatura Brasileira "A Clarice é artista da palavra, não escrevia com a intenção de agradar o leitor. Ela tinha uma visão própria do mundo...e isso leva o leitor a reflexão".

    Hélène
    :tchauzim:

    [attachment=1812]
     
  2. Anica

    Anica Usuário

    RE: Perto do Coração Selvagem

    Ótimo post, Hélène! Não li essa obra ainda, mas fiquei super curiosa depois do que você escreveu.
     
  3. Ventura

    Ventura Usuário

    RE: Perto do Coração Selvagem

    Eu gosto desse livro, talvez por isso eu esteja respondendo esse tópico antigo.
    É um livro que te faz pensar a cada três páginas. Simplesmente incrível.
     
  4. G.

    G. Ai, que preguiça!

    realmente muito bom esse livro. Gostei muito da forma com vai sendo mostrado o crescimento de Joana na primeira parte do livro...
    E o final...!!
    Fiquei um grande tempo depois com o mesmo na mente remoendo, pensando...
    Vale muito a pena ser lido...
     
  5. Pips

    Pips Old School.

    Não estou com o livro a mão, mas adoro o parágrafo de abertura e quando ela fala sobre a infância.
     

Compartilhar