1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Pena de Morte

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por mrmadeirense, 25 Jun 2012.

  1. mrmadeirense

    mrmadeirense Usuário

    "Bom dia! São 7 horas no continente e na Madeira e 8 horas nos Açores..."

    A antiga e luminosa Lisboa despertou triste. O nublado céu, fortemente carregado de nuvens atletas, impedia que qualquer mínimo raio de luz penetrasse na velha, e noutro tempo, colorida cidade.
    As nuvens carregadas de pequenos anjos negros, continuavam a passar, e a passar, a sua velocidade era estonteante.
    Descalça e levemente vestida, está uma elegante senhora, esta direcciona-se para a cara avenida da liberdade.
    Entretanto, Lisboa começara a perder o sangue que lhe mantinha viva, o sangue transbordava de todos os esgotos e canos que surgiam das profundezas mais recônditas da cidade.
    A misteriosa senhora segue o seu caminho, e pouco a pouco, quase sem darmo-nos conta, já desce a nobre avenida.
    As melodiosas brisas dão lugar a corpulentos ventos. As árvores, que se vestiam de verdes e exuberantes limbos, dão lugar a cadavéricos ramos que expelem folhas decompostas e amargas que cruzam toda a avenida com um destino incerto.
    A misteriosa e bela senhora sente como o sangue, que começa a inundar Lisboa, cobre-lhe os pés descalços.
    A velocidade da sangria faz com que Lisboa rapidamente se torne um rio de sangue, os devolutos edifícios não resistem à tentação e deixam-se cair, já os novos, esses estão de luto. Estamos ante uma cidade cujo raio de Luz não passa duma desconhecida e desconcertante senhora que teima em descer a avenida.
    Já a meio desta, o sangue cobre os joelhos da senhora, o rio transformou-se num mar indignado, toda a avenida deixou-se domar pelos negros anjos, a rua está engolida por ódios e defeitos, mentiras e insatisfações.
    Pergunto-me se Lisboa está em contagem para autodestruição? Estará cansada de suportar a carga de tantos pecadores?
    Os fortes ventos arrancam toda a sua roupa deixando visível uma escultura nua, e esta, impávida, decidiu não oferecer resistência. Com passos assustadoramente firmes, demonstra estar segura de si mesma, fiel às suas ideias, mas que pretende fazer com tudo isto?
    Agora com o sangue a deixar apenas visível dos seus pelos púbicos para cima, maravilhamo-nos com as bonitas mamas que por momentos fazem-nos esquecer que o sangramento contínua. O seu rosto magro era pálido, e os seus grandes olhos verdes chamavam atenção numa cara carregada de matéria decomposta.
    Já nos restauradores a desconcertante senhora jazia coberta de sangue até ao pescoço e como se por magia surge um verdugo que com a força dos anjos negros elevam-lhe e subtilmente colocam uma corda ao seu pescoço. Pareciam fazer-lhe um favor, sorriam, cantavam...
    Estou com visão turva e lentamente deixo de ver. Agora vivo na escuridão total e sinto como uma lágrima despede-se do meu rosto e atinge a imensidão de pecados por baixo do meu corpo suspenso.
    A senhora morrera!
    Quais os seus pecados? Não sei.
    A pacata Lisboa é engolida. apesar da morte da pecadora.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

Compartilhar