1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Paulo Freire

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por Katrina, 15 Jul 2010.

  1. Katrina

    Katrina Usuário

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    Paulo Reglus Neves Freire (Recife, 19 de setembro de 1921 — São Paulo, 2 de maio de 1997) foi um educador e filósofo brasileiro. Destacou-se por seu trabalho na área da educação popular, voltada tanto para a escolarização como para a formação da consciência. É considerado um dos pensadores mais notáveis na história da pedagogia mundial[1], tendo influenciado o movimento chamado pedagogia crítica.

    Paulo Freire nasceu em 19 de setembro de 1921 em Recife. Sua família fazia parte da classe média, mas Freire vivenciou a pobreza e a fome na infância durante a depressão de 1929, uma experiência que o levaria a se preocupar com os mais pobres e o ajudaria a construir seu revolucionário método de alfabetização. Por seu empenho em ensinar os mais pobres, Paulo Freire tornou-se uma inspiração para gerações de professores, especialmente na América Latina e na África. Pelo mesmo motivo, sofreu a perseguição do regime militar no Brasil (1964-1985), sendo preso e forçado ao exílio.

    O educador procurou fazer uma síntese de algumas correntes do pensamento filosófico de sua época, como o existencialismo cristão, a fenomenologia, a dialética hegeliana e o materialismo histórico. Essa visão foi aliada ao talento como escritor que o ajudou a conquistar um amplo público de pedagogos, cientistas sociais, teólogos e militantes políticos, quase sempre ligados a partidos de esquerda.

    A partir de suas primeiras experiências no Rio Grande do Norte, em 1963, quando ensinou 300 adultos a ler e a escrever em 45 dias, Paulo Freire desenvolveu um método inovador de alfabetização, adotado primeiramente em Pernambuco. Seu projeto educacional estava vinculado ao nacionalismo desenvolvimentista do governo João Goulart.

    Paulo Freire delineou uma Pedagogia da Libertação, intimamente relacionada com a visão marxista do Terceiro Mundo e das consideradas classes oprimidas na tentativa de elucidá-las e conscientizá-las politicamente. As suas maiores contribuições foram no campo da educação popular para a alfabetização e a conscientização política de jovens e adultos operários, chegando a influenciar em movimentos como os das Comunidades Eclesiais de Base (CEB).

    No entanto, a obra de Paulo Freire não se limita a esses campos, tendo eventualmente alcance mais amplo, pelo menos para a tradição de educação marxista, que incorpora o conceito básico de que não existe educação neutra. Segundo a visão de Freire, todo ato de educação é um ato político.

    Obras:

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Quem fez ou faz um curso de licenciatura ouviu falar desse cara em algum momento da graduação. Se fizer pedagogia, então o estudo de suas obras é ainda maior. Seu professor sendo "paulofreireano" ou não já deve ter te recomendado algum texto dele.
    Não li nenhum de seus livros completamente, apenas capítulos, e vários de seus textos didáticos. E apesar de não concordar com muitos aspectos do seu método de ensino, tenho que reconhecer a importância de seu trabalho na área da educação.

    Para conhecer Paulo Freire e sua obra um pouquinho mais:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Alguns livros que já passaram uma hora ou outra por minhas mãos:

    [attachment=2414][attachment=2415][attachment=2416][attachment=2417][attachment=2418]
     
  2. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    :sim:
    Na faculdade (de Políticas Públicas) li alguns textos dele (acho que eram capítulos de livros na verdade) e gostei bastante.

    Fiquei boba com essa afirmação aqui da biografia acima:

    "...A partir de suas primeiras experiências no Rio Grande do Norte, em 1963, quando ensinou 300 adultos a ler e a escrever em 45 dias,..." :susto:

    E o mais incrível nessa informação é que, pelo pouco que sei do método Paulo Freire, ele não ensina as pessoas simplesmente a ler e escrever (ler placa de rua e escrever o nome mordendo a língua) mas a pensar sobre aquilo que lê e escreve.
    Nesse sentido educação é mesmo um "ato político".

    Obrigada pelos sites Katrina, vou aproveitar as férias pra pesquisar um pouco mais sobre Paulo Freite.
     
  3. Katrina

    Katrina Usuário

    Poia é, o método de ensino dele passa longe de qualquer tipo de rigor e rotina. É mais solto e preza o ritmo de aprendizado do aluno.

    Esse ler e escrever em 45 dias deve fazer alusão somente ao básico da alfabetização mesmo.
     
  4. imported_Alberto

    imported_Alberto Usuário

    O método Paulo Freire parece mesmo algo fora de série. Conheci certa vez uma professora que alfabetizava adultos baseado nos ensinamentos dele. Tenho muita curiosidade sobre isso. Sabe dizer mais como funciona, Katrina? Parece que o professor deve assimilar o mundo do aluno e então a partir disso, começar a ensinar ao invés daquele modelo chato de escola de estudar todo o alfabeto e ir montando sílabas e repetindo e tal.
    Lembro que essa professora me disse que ela escrevia um texto sobre a atualidade que fazia sentido diretamente à realidade de seus alunos e lia e ia marcando palavras que ela enfatizava na leitura. Era um ensino bem dinâmico. E de fato eles aprendiam rápido... em torno de 3 a 4 meses já estavam lendo e escrevendo.
     
  5. Rahmati

    Rahmati Grub grub grub uáááááá

    Para mim, o maior educador brasileiro de todos os tempos :sim:
     

Compartilhar