1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Patinetes elétricos podem mudar mobilidade urbana, mas apresentam dilemas

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Fúria da cidade, 15 Jun 2018.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Ter que andar 2 km de um lugar para outro em uma cidade grande demanda certo esforço físico ou pode ser um exercício de paciência no trânsito. Em alguns lugares dos Estados Unidos, este trajeto pode ser feito com patinetes elétricos alugáveis, capazes de deslocarem uma pessoa a até 24 km/h em trajetos curtos.
    Trata-se de mais um serviço nos moldes disruptivos da Uber ou do Airbnb, embora sem ter uma indústria consolidada afetada diretamente, como táxis e hotéis foram afetados pelos aplicativos de corridas compartilhadas e aluguel de quartos.

    O grande expoente deste novo filão do mercado tecnológico é a Bird, uma startup avaliada em mais de US$ 1 bilhão e que recebeu uma rodada de investimentos de US$ 150 milhões no fim de maio.

    Kevin Roose, do "New York Times", explicou como funciona: você dá sua carteira de motorista, registra um cartão de crédito, aceita uns termos básicos (como não andar em calçadas) e aí escaneia um código no guidão do patinete com o app no celular. O veículo apita e a trava dele é liberada para o uso.
    Com o patinete em mãos, é possível fugir do trânsito e se deslocar mais rápido do que você faria a pé. O preço cobrado pela Bird é de US$ 1,15 (R$ 4,27, na cotação de hoje) pelo minuto de aluguel. Ou seja, aqueles 2 km seriam percorridos pelo menos cinco minutos, custando no mínimo US$ 5,75 (R$ 21,35).


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Patinetes podem ser deixados na calçada

    Encerrada a viagem, você estaciona onde quiser, conclui a corrida no aplicativo e tira uma foto de onde ficou o veículo para auxiliar o próximo usuário a encontrá-lo.

    O preço não é baixo, especialmente se considerada a conversão para o real, mas pode sair mais barato do que pegar um carro no engarrafamento – além de não poluir, já que se trata de um meio de transporte elétrico.

    De acordo com o levantamento do "New York Times", os patinetes elétricos também são seguros, contrariando uma impressão de que os usuários deles levariam riscos a pedestres e se colocariam em risco nas ruas, ao trafegarem ao lado de carros. Só que, na prática, não há dados que sustentem essa percepção.

    Utilizando como exemplo a cidade de Santa Monica, na Califórnia, o jornal obteve informações que só cinco incidentes envolvendo patinetes ocorreram desde novembro.

    Outra crítica feita ao serviço é que ele estaria congestionando calçadas com patinetes estacionados após o uso. Esse questionamento é válido, dado que, repentinamente, centenas de unidades do veículo passaram a circular pelas ruas e costumam ser deixados em lugares com grande circulação de pessoas.
    Ainda assim, isso é um problema contornável: basta a criação de espaços para estacionamento dos patinetes nas ruas ou calçadas, como carros ou ônibus têm.

    Existe ainda outro potencial adversário aos veículos, um problema que é inexistente no Brasil.
    Em cidades como San Francisco, a proliferação dos patinetes elétricos foi interpretada como um simbolismo do elitismo do mundo da tecnologia. A cidade, cujo metro quadrado encareceu com o aumento do número de grandes empresas no Vale do Silício, passou a ter desafios de moradia àqueles que não são remunerados pelos Facebooks e Googles da região.

    Uma consequência disso foi uma rejeição aos símbolos criados pela indústria tecnológica por parte dessa população marginalizada pelas fortunas dela. Os patinetes da Bird são um deles, tendo sido vandalizados e usados em protestos contra essa elitização.

    Ainda não existe um equivalente à Bird aqui no Brasil, embora em breve paulistanos poderão alugar bicicletas em um esquema parecido, da startup Yellow. A empresa de aluguel de bicicletas, sem uma estação, estreia na capital do Estado São Paulo em julho. Os veículos serão destravados por app, cobrarão por distância rodada e serão rastreados por GPS.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    -------------------------------------------------------------------------------

    Se implantarem algo semelhante aqui espero que não explorem no preço.
     
  2. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Receio que esse artefato será mais caro do que qualquer um de nós pode imaginar. Se no Brasil até carro "popular" é caro pra caramba, duvido muito que a gente vá ver muitos desses por aqui. Mas vai saber, quem sabe daqui a pouco a gente não está até surfando no ar com pranchas voadoras ou seja lá o que for que vão inventar da próxima vez.
     
  3. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Lembrando do patinente motorizado antigo, em movimento, pela velocidade, ele ocupa mais espaço ao redor de si do que um pedestre e precisa mesmo de área para andar. Quando aparece uma pessoa em Hoverboard eu já preciso me afastar da pessoa e ir mais longe do que de um pedestre normal. Se um caminhante anda a 5km/h, se uma bicicleta anda acima dos 24km/h então ele tende a ocupar esse intervalo de velocidade em um espaço que ficaria entre a faixa de bicicletas e a calçada do pedestre. Considerando nossas calçadas irregulares, ruas estreitas, fora do padrão o produto ficaria espremido. Para efeito de cálculo de custo ele poderia ser aplicado em locais de teste mais planejados tipo shoppings, parques e aeroportos.
     
  4. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Aparentemente não achei o patinete mostrado na foto grande, mas só olhando de perto pra ver se ocupa muito espaço mesmo.
     
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

Compartilhar