1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Copa 2014 Parreira se exime e vê geração de jogadores como culpada de fracasso

Tópico em 'Esportes' iniciado por Turgon, 15 Jul 2014.

  1. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    O ex-coordenador-técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, disse em entrevista ao programa Bate-Bola, da ESPN Brasil, que a formação da geração atual de jogadores do Brasil é a responsável pelo fracasso do time brasileiro na Copa do Mundo de 2014.

    Para Parreira, que integrou a comissão técnica liderada por Luiz Felipe Scolari, as falhas na formação dos jogadores acabaram criando um time que não esteve à altura de outras forças do futebol. "A CBF não tem obrigação de formar jogadores", afirmou o ex-coordenador.

    "Nenhuma seleção trouxe inovações. O que a Alemanha e a Argentina trouxeram de novo?", disse Parreira, ao ser questionado sobre a possível responsabilidade da comissão técnica na derrota por 7 a 1 para os alemães na semifinal e para a Holanda por 3 a 0 na decisão do terceiro lugar.

    Parreira defendeu o trabalho realizado pela comissão técnica e disse ainda que a seleção brasileira deixou um "legado intangível" de união dos torcedores.

    "O que interessa é o legado esportivo geral, ser campeão, o legado intangível fica numa situação tênue, uns se valorizam e outros não, e nunca vi uma torcida se unir em torno de uma seleção. Até mesmo depois da derrota, em Brasilia, o povo, as crianças incentivando. Então deixou o legado intangível das pessoas cantarem o hino, e isso não foi por acaso, foi construído pela maneira simpatica que as pessoas cantaram", afirmou Parreira.

    O ex-coordenador técnico voltou a se defender sobre as declarações de que o Brasil era favorito para vencer a Copa e que já estava "com uma mão na taça". Parreira afirmou que não se arrepende e ressaltou que este tipo de discurso é normal em se tratando da seleção brasileira.

    "Se assumisse hoje diria a mesma coisa. Já imaginou algum líder assumindo o cargo e dizendo que vamos entrar para participar? Seríamos massacrados. Disse pela convicção de que seria campeão. E, mesmo se não tivesse, teria dito. É importante ser otimista. Você imagina alguém dizendo que o Brasil chegaria para ser quatro lugar? Me perguntaram o que era preciso pra ser campeão. Falei que, se organiza fora do campo, colocamos uma mão na taça", defendeu Parreira.

    Técnico estrangeiro

    Parreira disse ainda que é contra a contratação de um estrangeiro para suceder Scolari no comando da seleção brasileira. Para o treinador, que disputou Copas do Mundo com a seleção da África do Sul, da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes, um nome de fora "não dá certo" no comando de uma seleção "grande".

    "Não há necessidade. Um técnico estrangeiro não deu certo na Inglaterra, aquele sueco foi um fracasso total, o Capello também na Rússia. Imagine um técnico europeu chegando aqui tendo um dia para trabalhar e enfrentar a Colômbia. Daqui a dois meses enfrenta a Argentina na China, uma viagem de 24 horas. Se em seis jogos ele perde três, já vão começar a questionar o trabalho dele", afirmou Parreira.

    O ex-coordenador afirmou que na África do Sul havia mais paciência da torcida e da mídia para com o trabalho dos treinadores, algo que ele não acredita que um estrangeiro terá no Brasil.

    "Eu posso dizer porque trabalhei na África do Sul em 2010 e tive três meses para ver os campeonatos, observar como os jogadores se movimentavam taticamente e respeitando o estilo e caracteristicas do jogador sul-africano. O cara que vai chegar de fora vai sofrer muito, e quando começar a entender já era", concluiu.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    _______________________

    :doh:

    Ao menos dá para pensar pelo lado positivo. Parreira nunca mais no comando de nada na seleção brasileira!
     
  2. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    A mente dele continua em 94. Isso é doença?
     
  3. Thor

    Thor ἀλήθεια

    É muito babaca. Querendo jogar no fogo os jogadores, falando que o problema é da geração. Enquanto isso fica defendendo a Comissão Técnica e a CBF. Muito babaca esse Parreira.
     
  4. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Parreira. Personagem quase tão emblemático quanto Zagallo.
    Técnico que tirou Brasil da fila de 24 anos. Levou pela primeira vez uma seleção a ser tetracampeã do mundo.
    Depois virou o primeiro e único técnico na história a ser despedido no meio de uma copa do mundo. Primeiro técnico que levou o time anfitrião a ser eliminado na primeira fase. E agora coordenador técnico da maior goleada da historia da maior seleção do mundo.

    Enfim.

    Culpe a geração. Mas ela continua não sendo pior que a geração dos EUA, da Argélia, da Argentina (tirando Messi), da França e de Portugal (que tomou vareio, lembremos, com 1 a menos, e foi só de 4).
     
  5. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    Não acho o elenco do Brasil melhor do que da Argentina e nem da França.

    Falam do Messi, mas o Mascherano fez uma ótima copa. Foi o comandante ali da seleção. Sem contar que o Di Maria poderia ter feito muita diferença na final. A Argentina teve 3 chances de liquidar o jogo contra a Alemanha. Um que não jogou nada foi o Aguero, muito por vir cansado da temporada. Até mesmo a zaga da Argentina foi bem. Terminou com poucos gols sofridos. No geral o elenco da Argentina é melhor sim.

    Já a França tem um bom conjunto. Aquele Pogba detona qualquer volante brasileiro. Ele joga muito bem! Sem contar que eles tem um atacante de verdade chamado Benzema. No conjunto a França tem uma boa equipe e poderia ter chego longe, mas encararam uma Alemanha pela frente.
     
  6. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Que seja.
    Pode ser melhor, mas não é tão melhor ao ponto de acontecer o que aconteceu.
    Considerando que a geração de tras dos argentinos não é boa não.

    Mas, parafraseando o PVC (ironicamente), time bom consagra zagueiro ruim. Time ruim afunda Thiago Silvas, David Luizes, etc.

    A França tem um bom conjunto, disse bem. Não uma boa geração.
    Pogba é jovem, muito bom, promissor, mas não é fora de série. Ribery não veio, ficou em Ibiza. Valbuena foi uma bela surpresa, poderia ser um dos reservas da seleção do campeonato.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  7. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    Eu vi a entrevista ao vivo hoje e não achei que ele responsabilizou a geração não, o qeu ele fez foi defender o trabalho da comissão técnica e coisa e tal, era esperado e até honesto da parte dele, afinal ele e o Felipão precisam apoiar o resto da comissão e tal.

    O Parreira tá queimado desde 2006, mas não vejo ele como um grande culpado não, bem ou mal ele não é quem manda
     
  8. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Ele não manda, mas como coordenador tinha poder de opinar, sugestionar, criticar e influenciar a comissão técnica, mas na hora que o rojão estoura sempre tem uma desculpa pronta como sempre.
     
  9. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Criticar o resto da comissão realmente não.
    Seria trairisse se ele viesse dizendo que a culpa é do médico que não colou com botox a coluna do Neymar, ou da nutricionista que não transformou o Bernard numa montanha capaz de atropelar o Hummels, etc.
    :lol:


    Mas autocrítica não é ser traíra.
     
    • LOL LOL x 1
  10. Guilbor

    Guilbor Old Man

    Falou, falou e no fim não disse nada.
    Continuam com as desculpas esfarrapadas para não assumir a culpa de um trabalho horroroso que fizeram.
     

Compartilhar