1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Para você, o que torna a Terra-Média única?

Tópico em 'De Fã Para Fã' iniciado por Esgaroth, 26 Mai 2015.

  1. Esgaroth

    Esgaroth Porque fazer 1 filme? FAÇA 3

    1 - O mundo foi criado por uma grande canção e eu acho isso FODÁSTICO! Não existem nada assim em nenhum outro universo de fantasia. Simplesmente TUDO e TODAS a coisas vieram de uma canção primordial grandiosa, majestosae épica!

    2 - Arda é o primeiro e o melhor mundo de fantasia de todos os tempos! Nenhum outro RPG bote batê-lo!

    3 - Para mim, o empenho que Tolkien colocou no seu trabalho já deixa a tudo muito FODA. Lembrar que tudo aquilo que você está lendo veio de décadas de trabalho é chorar.
     
  2. Tudo.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  3. Ainurian

    Ainurian Visitante

    Na verdade, Nárnia foi criada com uma canção também. De Aslam.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Esgaroth

    Esgaroth Porque fazer 1 filme? FAÇA 3

    Mas não foi o rugido do leão?
     
  5. Ainurian

    Ainurian Visitante

    “No escuro, finalmente, alguma coisa começava a acontecer. Uma voz cantava. Muito longe. Nem mesmo era possível precisar a direção de onde vinha. Parecia vir de todas as direções, e Digory chegou a pensar que vinha do fundo da terra. Certas notas pareciam a voz da própria terra. O canto não tinha palavras. Nem chegava a ser um canto. De qualquer forma, era o mais belo som que ele já ouvira. Tão bonito que chegava a ser quase insuportável. (...)
    E duas coisas maravilhosas aconteceram ao mesmo tempo. Uma: outras vozes reuniram-se à primeira, e era impossível contá-las. Vozes harmonizadas à primeira, mais agudas, vibrantes, argênteas. Outra: a escuridão em cima cintilava de estrelas. Elas não chegaram devagar, uma por uma, como fazem nas noites de verão. Um momento antes, nada havia lá em cima, só a escuridão; num segundo, milhares e milhares de pontos de luz saltaram, estrelas isoladas, constelações, planetas, muito mais reluzentes e maiores do que em nosso mundo.
    (...)
    A Voz na terra estava agora mais alta e triunfante, mas as vozes no céu, depois de entoar com ela por algum tempo, tornaram-se mais suaves. Longe, perto da linha do horizonte, o céu se acinzentava. Movia-se uma aragem leve e refrescante. O céu naquele ponto tornava-se gradualmente mais pálido. Já se viam formas de colinas recortadas contra ele. E a Voz continuava a cantar. A luminosidade agora já era suficiente para que se vissem. O cocheiro e as crianças estavam de boca aberta e olhos acesos: bebiam o som, o som que parecia lembrar-lhes alguma coisa. (...)

    O céu do oriente passou de branco para rosa, e de rosa para dourado. A voz subiu, subiu, até que todo o ar vibrou com ela. E quando atingiu o mais potente e glorioso som que já havia produzido, o sol nasceu.

    Digory nunca tinha visto um sol daqueles. O sol sobre as ruínas de Charn parecera mais velho do que o nosso, mas este parecia mais jovem. Tinha-se a impressão de que ele ria de alegria enquanto ia subindo. E, quando seus raios cobriram a terra, os viajantes puderam verificar em que lugar estavam. Tratava- se de um vale através do qual serpenteava um grande e caudaloso rio, que corria para o leste, na direção do sol. Ao norte, colinas suaves; ao sul, montanhas altas. Mas era um vale apenas de terra, rocha e água; não havia uma única árvore, arbusto ou folhinha de capim.

    A terra tinha muitas cores – cores novas, quentes e brilhantes, que faziam a gente exaltar… Até que se visse o próprio Cantor. Então, todo o resto seria esquecido. Era um Leão. Enorme, peludo e luminoso, ele estava de frente para o sol que nascia. Com a boca aberta em pleno canto, ali estava ele, a menos de trezentos metros de distância."

    O sobrinho do Mago (vol. único das Crônicas de Nárnia, C.S. Lewis; pg. 56-57)
     
    • Ótimo Ótimo x 3
  6. O que acho mais incrível no universo de Tolkien é a verosimilhança. É impossível não acreditar que a Terra-Média seja um tipo de universo paralelo (aliás, bem que poderia ter um portal, né, tipo Nárnia?)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  7. Interessante, não sabia...
     
  8. pabik melquiades

    pabik melquiades Observadora atenta

    A terra média é única por ser um mundo tão incrivelmente detalhado, tão bem composto que não deixa espaço para dúvidas...é conhecer, admirar e se apaixonar pela obra!
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Bolseiriano

    Bolseiriano Habitante do Condado

    Sempre há algo novo a aprender!
     
  10. pabik melquiades

    pabik melquiades Observadora atenta

    Sem dúvida!!!:D
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  11. iago brum

    iago brum Até tu Sieg fried?

    Não , arda é nada mais nada menos que o mundo de outrora , o mundo antes desse nosso mundo atual . Ou seja: Nos vivemos nos dias pós Dagor dagorath e somos descendentes dos sobreviventes da guerra do anel na terceira era .
    E em relação à oque torna Arda unica : Eu acho que é a complexidade e a originalidade , na época de tolkien , não existiam historias como as deles , ele inovou muito no tempo dele .
    E outra coisa: Embora eu seja agnóstico , fui criado desde pequeno numa família católica , e por mais estranho que seja , isso me influenciou indiretamente a ler Tolkien. Não por ele ser católico , mas sim pela obra dele , em muitos aspectos se assemelha à mitologia cristã .
     

Compartilhar