1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Para se defender, vítima de estupro é forçada a abrir seu Facebook e e-mail

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 14 Out 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    O estupro é um crime indefensável, mas mesmo assim muitos advogados continuam utilizando uma tática primitiva: a de transformar a vítima na causadora da violência. E foi exatamente isso que aconteceu com uma jovem de 25 anos, Jennifer Bennett, que mora nos Estados Unidos.

    Conforme nos conta o CNET, Jennifer conheceu um rapaz chamado Thomas Bray, um anestesista e professor de um colégio da comunidade local, em um site de relacionamento, o Match.com. Eles marcaram um encontro, e até então ela achava que tudo corria bem.

    O que ela não esperava era ser submetida a cinco horas de brutalidade, com direito a ser espancada, estrangulada e agredida sexualmente por Thomas. Depois do acontecido, ela prestou queixa e levou o caso ao tribunal. O que ela não esperava era que os advogados de defesa de Thomas fossem intimidá-la com uma busca nos registros do seu computador. Eles queriam ter acesso às suas atividades no Facebook, e-mail e até mesmo suas buscas no Google! Os defensores pediram as informações correspondentes ao período de um mês antes e um mês depois do ataque.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Jenniffer Bennett (Imagem: Reprodução / NBCNews)​

    "Eu não era a criminosa", disse Jennifer durante uma entrevista para um programa de TV. Ela disse que nunca imaginou que alguém iria querer utilizar suas pesquisas do Google como forma de defesa para o que tinha acontecido. Jennifer e sua advogada se recusaram a cumprir a intimação e revelar os dados solicitados pela defesa. O juiz responsável pelo caso acatou as acusações e o rapaz foi, finalmente, condenado a 25 anos de prisão.

    Infelizmente, é comum que as atividades online realizadas pelas pessoas sejam cada vez mais usadas para diversas finalidades. Seja por chefes, possíveis empregadores e também no sistema jurídico, esses rastros acabam sendo levados em conta.

    E você, acha que as buscas feitas no Google determinam a personalidade de uma pessoa?

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar