1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Para perder a fé na humanidade

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 25 Ago 2011.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Desenvolvo hoje um matéria publicada na última segunda, mas que, por imposições do espaço físico, saiu num tamanho muito menor do que o ideal. A ideia era mostrar alguns experimentos que, tomados pelo valor de face, nos fazem perder a fé no gênero humano. Eles revelam fraquezas fatais da espécie, vieses constrangedores e ilusões cognitivas comprometedoras.

    Antes, porém, de concluir pela inviabilidade do Homo sapiens, vale lembrar que também seria possível levantar experiências que sugerem, à maneira de Rousseau, uma natureza humana boa, capaz de altruísmo autêntico, de transcendência e de produzir conhecimento. O problema é que, entre os "bugs" implantados em nosso cérebro, está um que nos impele a ver o mundo como uma sucessão de dicotomias --somos bons ou maus?, a vida tem ou não um propósito?, somos só bichos ou ultrapassamos a animalidade?--, quando a realidade é mais bem descrita num "continuum", que admite o convívio de nossas falhas e virtudes.

    Meus amigos do caderno Ciência fizeram o que era possível para adequar as copiosas descrições que eu lhes enviara aos parâmetros do jornal que, receio, sacrifique cada vez mais os textos em favor de imagens e outras firulas. Mas, como eu acho que frequentemente a genialidade de um experimento está em seus detalhes, volto à carga, trazendo mais casos (não couberam todos) e seus às vezes indispensáveis pormenores. Prometo, porém, que vou poupar o leitor das tecnicalidades mais aborrecidas. Divirtam-se.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  2. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Partindo do princípio que o ser humando, apesaro do célebru altamente desenvolvido e do polegar opositor, ele ainda pertence ao reino animal. Emoção e Razão, Instinto e Consciência, Matar ou Morrer sempre farão parte da essência humana. Aceite que você é um animal com instintos primitivos que foram ao longo das eras reprimidos e adequados para o convívio com seus semelhantes.

    A Civilização é uma fina que reveste a barbárie. Cada um sabe o seu limite. E os experimentos são todos indutivos e sem chance de defesa da vítima :lol:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Os cientistas (psicólogos entre eles) têm altos combates para tentar definir o que realmente é aleatório e o que é inteligente na natureza, aonde termina a natureza humana e onde começa a natureza instintiva animal e automatizada da fisiologia de réptil. O que poderia ser considerado um artefato artificial e o que seria um artefato natural. O que se sabe é da absoluta vantagem do homem em mudar o ambiente ao seu redor em relação a outras criaturas, o único que seria capaz de explodir 100 bombas nucleares na superfície de Marte e alterar a forma de um planeta vizinho. Poder de alterar a forma parece ser uma parte muito importante do homem.

    Em uma reportagem que li um autor sugeria que a consciência humana se localiza na fronteira entre (pelo menos) dois mundos completamente diferentes. Um mundo observador e outro observado, mas não terminava aí. A psicologia do cérebro estaria numa área mais periférica e superficial em comparação com a consciência (que assiste tudo e é a maior interessada em experimentar o mundo). Como se sabe muito pouco dela levanta-se uma pergunta que só poderá começar a ser respondida depois que resolverem o problema da consciência. Até que ponto a experiência do indivíduo estaria premeditada e condicionada pela consciência?
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Achei interessante os estudos mas meio sensacionalistas: existe certa confusão entre conceitos filosóficos, não empíricos, e ciência. Não dá pra 'provar' o libre-arbítrio com um teste desse. Não dá, o máximo que você consegue é diminuir ou aumentar sua ligação com uma empiricidade lógica, mas o que não é empírico não pode ser analisada por metodologia científica, mas tão-somente pensado e refletido. Minha opinião, mas vocês estão cobertos de razão com relação a esses abismos que existem no homem, esses conflitos inconciliáveis entre alma e corpo, liberdade e determinismo, a crise na consciência, sua dissolução etc.
     
  5. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Última edição: 26 Ago 2011
  6. Gin

    Gin Usuário

    É lamentável ficar sabendo de uma coisa dessas.

    Ah, é sério?! :hihihi:
    Esse estudo dá margem pra questionar a psiquiatria. Aliás, eu sempre tive uma certa dúvida sobre essa área da medicina já que existem muitos casos onde ela falha.

    Acho que eu não perceberia.
     

Compartilhar