1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Para ciência, redução do cérebro é um sinal de civilização

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 24 Fev 2011.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    O cérebro humano tornou-se menor há 30 mil anos, um fenômeno intrigante para os antropólogos que, em sua maioria, veem nisto um efeito da evolução para sociedades mais complexas, segundo estudos recentes.

    No período, o volume médio do cérebro do homem moderno, o Homo sapiens, diminuiu cerca de 10% --de 1.500 a 1.359 centímetros cúbicos --, o equivalente a uma bola de tênis.

    Já o cérebro das mulheres, menor que o dos homens, teve proporcionalmente a mesma redução.

    As medições foram estabelecidas a partir de crânios encontrados na Europa, Oriente Médio e Ásia, conta o antropólogo John Hawks, da Universidade de Michigan (EUA).
    declarou, em recente entrevista à revista "Discover".

    Segundo os antropólogos, esta diminuição não é tão surpreendente. O homem de Neandertal, "primo" do homem moderno desaparecido há 30 mil anos por motivos ainda obscuros, era mais corpulento e possuía um cérebro maior.

    O homem de Cromagnon, que fez as pinturas rupestres da gruta de Lascaux (França) há 17 mil anos, era o Homo sapiens dotado de um cérebro maior --também era mais forte que seus descendentes atuais.

    Estes traços eram necessários para sobreviver num meio hostil, explica David Geary, professor de psicologia da Universidade de Missouri e autor de vários trabalhos sobre o desenvolvimento do cérebro humano ao longo da evolução.

    NOSSOS ANCESTRAIS


    Com esta constatação, o estudioso dedicou-se a pesquisar a evolução do tamanho do crânio no período entre 1,9 milhão de anos e 10 mil anos, à medida que nossos ancestrais foram vivendo num meio social mais complexo.

    David Geary parte do princípio de que quanto maior é a concentração humana, mais intercâmbio existe entre os grupos, assim como a maior divisão do trabalho traz interações entre os indivíduos mais ricas e variadas.

    Geary também constatou que o tamanho do cérebro diminui quando a densidade populacional aumenta.

    explicou David Geary à agência de notícias AFP.

    Esta redução não significa, no entanto, que os homens modernos tenham menos capacidade intelectual que seus ancestrais. Desenvolveram, na verdade, formas de inteligência mais sofisticadas, explica por sua vez Brian Hare, professor adjunto de antropologia da Universidade Duke, na Carolina do Norte (EUA).

    Segundo ele, existe um paralelismo similar entre os animais domesticados e os selvagens.

    Assim, o cão lobo tem um cérebro menor que o do lobo, mas é mais inteligente e sofisticado, porque compreende os gestos de comunicação dos homens. Isso demonstra que
    definido pela capacidade de induzir e criar, diz Brian Hare.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Hmmm... se a raça humana não acabar nos proximos 100 anos seria curioso saber se o cérebro de nossos descendentes vão estar ainda mais encolhidos assim
     

Compartilhar