1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Os Passos Perdidos (Alejo Carpentier)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Lucas_Deschain, 22 Ago 2011.

  1. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Quando você folheia o livro Os Passos Perdidos, de Alejo Carpentier e descobre que serão 259 páginas de texto maciço para você encarar, já que não existem parágrafos a não ser no início dos capítulos, você pode até desanimar um pouco, mas não se arrependerá se aceitar o desafio e encarar a jornada.

    A disposição das palavras, a organização do texto nas páginas lembra aquela que o Gabriel García Márquez usou em O Outono do Patriarca; e, assim como o livro do colombiano, o livro de Carpentier não deixa o leitor perdido apesar da aparência de atabalhoamento que a narrativa parece anunciar. Mesmo sem usar travessões, inícios de frases e separações que, em tese, tornariam mais fácil a decifração do teor do texto; Carpentier consegue deixar o leitor devidamente situado e, ainda por cima, esbanjar de uma intimidade com os efeitos sensitivos das palavras que é de invejar.

    Carpentier escreveu Os Passos Perdidos em 1953 (quatro anos após ter debutado no mundo literário com O Reino deste Mundo) no período em que, depois de ter trabalhado numa rádio em Cuba, o autor residia na Venezuela, de onde só irá sair em 1959, para assumir a direção da editora Nacional logo no pós-Revolução Cubana. Grande parte da exuberância natural que emana do romance de 53 provém do contato e da contemplação do autor em relação às belas paisagens venezuelanas e da floresta amazônica.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar