1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Os livros também morrem (Millôr)

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Anica, 25 Mai 2008.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Saiu na Veja dessa semana:

    [align=center]Amigos, romanos, patrícios, emprestem-me seus ouvidos."
    (De William Shakespeare, antigo poeta inglês)[/align]


    [align=justify]De tempos em tempos (não digo quantos) arrumo meus livros. Decidi que minha biblioteca, se posso dar esse nome pomposo às estantes em que meus livros dormem, não vai ser ampliada. Em casa e no estúdio estão os (aproximadamente) 5 000 livros que comprei, ganhei ou roubei. Li todos? E mais alguns? Claro.

    Nada demais. Se vocês dividirem os 25 550 dias de leitura, verão que é leitura preguiçosa – um livro a cada três dias. É, li todos. Melhor, 90%. Os outros 10% ou mais foram embora, esquecidos, perdidos, roubados. Toda essa leitura, da qual aprendi ou apreendi apenas 10%, me trouxe a certeza do que é Cultura.

    Cultura é a ampliação da nossa ignorância. Quando leio um livro (não falo de romances, na maior parte, mesmo os bons, apenas bobagens), e leio com toda atenção, terminada a leitura entendi ou guardei apenas 10% do que li. E ampliei em 90% o universo da minha ignorância. Isso é cultura. Eu sei o que não sei.

    Aliás, quem me ensinou, na prática, o que os livros representam foram dois carregadores portugueses, enormes, que, durante uma mudança, colocavam caixas de meus livros no elevador de serviço. Não me viram. Um deles, o maior, com uma pesadíssima caixa na mão, reclamou pro outro: "Quanta ignorância!". Pensei: "Quanta sabedoria!".

    Voltando à "arrumação" dos livros. Como várias já foram feitas no passado, sobra muito pouco pra botar fora. Haja coragem. Mas boto fora. No lixo. No lixo, seu selvagem? É, pois aí, entre a cozinha, o corredor e a garagem, não sobra um livro pro lixeiro. São logo apropriados pela moça que cozinha, pelo faxineiro do corredor, pelo manobreiro atento. Metade dos livros adquire logo uma utilidade, que não teria se eu desse os livros a uma dessas tantas "bibliotecas" humanísticas. Aí levaria um ano até que a burocracia de serviço os limpasse, catalogasse e colocasse em estantes. A maior parte dos livros morreria de abandono.

    Da arrumação surgem coisas esquecidas, mal lidas, algumas excelentes, algumas preciosas. Pego aqui Eu no Universo, do médico, professor e membro da ABL (ninguém é perfeito) Silva Mello. Que um dia me esclareceu sobre o começo do incesto – semântico, sim senhor. Só quando se começou a dar nome aos bois, pai, mãe, irmão, irmã, é que começou o incesto. Antes a prática já existia, mas éramos todos animais.

    Silva Mello publicou esse livro em 1972. Tinha 82 anos.

    É extraordinária a percuciência (!!!) com que ele trata o feminismo, o homossexualismo, a superpopulação, a higiene, a relação sexual, e por aí vai.

    Mas a coisa que me desafia, lendo agora, é ele afirmar: "Uma particularidade que nos tem surpreendido muitas vezes é dos negros possuírem, freqüentemente, orelhas pequenas e admiravelmente bem conformadas, jamais tão grandes e feias como as dos brancos, como é, por exemplo, o meu próprio caso, muito ilustrativo".

    Fui verificar. (Continua na próxima semana.)

    Gancho cultural é isso, novelistas![/align]
     
  2. LatinoAmericano

    LatinoAmericano Aqui jaz Alcarecco

    Anica, não se esqueça de postar a continuação aqui no fórum...
     
  3. Zuleica

    Zuleica Usuário

    Que pôxa! Quanto mais eu leio, mais me dou conta do quanto eu ainda não sei. Concordo que a leitura aumenta o tamanho da minha ignorância. Terá relação o tamanho das orelhas? :think:
     
  4. imported_Natalie

    imported_Natalie Usuário

    Nossa, verdade. Quanto mais você lê, mais você sente que não sabe nada. Sabe uma poeirinha de nada. Fico frustradíssima que mesmo se eu tivesse todo o dinheiro do mundo e mesmo sem trabalhar, sem estudar, etc, não haveria tempo pra ler tudo que eu quero e aprender tudo que eu gostaria de saber.

    Esse texto só me lembrou uma tirinha que eu tenho aqui no pc ó: http://img.photobucket.com/albums/v26/natxd/calvin1.jpg
     

Compartilhar